EntreContos

Detox Literário.

“Os Livros Apócrifos” – Vários Autores – Resenha (Davenir Viganon)

“Os livros apócrifos: antologia de histórias inspiradas na Bíblia” da Editora Caligo é uma coleção bastante ousada de contos tirados da mitologia cristã, muitas vezes subvertendo acontecimentos conhecidos mostrando versões … Continuar lendo

30 de janeiro de 2019 · 3 Comentários

A Copa do Tri (Rubem Cabral)

Bem, isso tudo aconteceu antes dos supermercados modernos, talvez antes do iogurte de morango Chambourcy, em mil-novecentos-e-macarrão-comprado-a-granel-no-armazém. Móveis pés de palito, laquê, perucas Lady (tá?), picolé sabor toffee, anos de … Continuar lendo

3 de junho de 2018 · 14 Comentários

Θ∫ ηU’μΣℝ0∫ (Rubem Cabral)

  Quatro é verde e cheira muito bem; um misto de lavanda e grama recém-cortada, com um toque de eucalipto, que queima as narinas. É orvalho às cinco da manhã, … Continuar lendo

9 de março de 2018 · 93 Comentários

As cavernas gêmeas (Rubem Cabral)

Aquele era um vale seco e pequeno e provavelmente sem nome, perdido no miolo mais árido do Atacama. Estava cercado por muitos quilômetros da mais bela desolação pintada em mil … Continuar lendo

13 de janeiro de 2018 · 6 Comentários

As dores de cada um (Rubem Cabral)

(O texto foi retirado a pedido do autor para a participação num concurso literário).  

1 de dezembro de 2017 · 84 Comentários

Segundo Escalão (Rubem Cabral)

Todo super-herói tem uma história de origem. Com o jovem pedreiro Luigi Focaccia não fora, então, assim tão diferente. Naquele mês de agosto Roma fritava os pedestres como não costumava … Continuar lendo

5 de agosto de 2017 · 50 Comentários

The man who spoke Boarish (Rubem Cabral)

The day had barely opened its gritty eyes, had not even gotten rid of the drunken and delayed stars and pushed them back under the mauve horizon’s blanket, and someone … Continuar lendo

5 de julho de 2017 · 5 Comentários

O homem que sabia javalês (Rubem Cabral)

O dia mal abrira seus olhos remelentos, nem sacudira ainda as estrelas bêbadas e retardatárias por debaixo do lençol malva do horizonte, e já socavam a minha porta e apertavam … Continuar lendo

18 de maio de 2017 · 54 Comentários

Conspiração Folclórica (Rubem Cabral)

Manaus, Centro Velho. A sala daquele cinema de rua falido fora alugada na véspera e aspirada às pressas pelos proprietários aturdidos, enquanto borboletas, colibris e morcegos levaram uma mensagem urgente … Continuar lendo

10 de março de 2017 · 46 Comentários

Fórmula (Rubem Cabral)

TPM, fazia um calor-de-maçarico-flambando-as-bolas-de-Lúcifer, trânsito-de-formigueiro-sob-bombardeio-de-cera-de-vela-de-criança-sádica. Duas semanas pro casamento, exames pré-nupciais: cada um, convenientemente, num canto remoto da cidade. Dúvidas mil: “ele me amará pra sempre?”. Chegou descabelada ao ginecologista, … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 86 Comentários

O Catador “Tunado” (Rubem Cabral)

Rio de Janeiro, 01 de setembro de 2038. Aquele velho sonho recorrente: no rosto da filha recém-nascida se desenhava, quadro a quadro, um belo sorriso banguela. Saudoso, Cleverson percebeu o … Continuar lendo

15 de novembro de 2016 · 40 Comentários

Mil Folhas – Conto (Rubem Cabral)

A casa precisa ser arrumada e a geladeira está um horror: cheia e vazia. Cheia de legumes murchos, vazia de qualquer coisa boa de se comer. Não há uma fruta … Continuar lendo

19 de outubro de 2016 · 11 Comentários

O Canto do Homem-Pássaro (Jefferson Lemos e Rubem Cabral)

“As folhas que formavam um tapete de sangria, agora já não mais caíam. A cor de osso velho assumiu uma alvura quase ofuscante. A árvore florescia, e suas flores exalavam … Continuar lendo

6 de julho de 2016 · 36 Comentários

Reunião no clube (Rubem Cabral e Vitor Leite)

O Mercedes S600 blindado “cortou” o Palio que sinalizara a intenção de estacionar e ancorou na única vaga para deficientes com a doçura de um tanque de guerra que pousasse … Continuar lendo

29 de junho de 2016 · 36 Comentários

Resenha: “E de Extermínio” (Rubem Cabral)

“E de Extermínio”, do escritor fluminense Cirilo S. Lemos,  é um livro sui-generis, no bom sentido da expressão. Depois de ler um resumo sobre seu enredo e achar graça da … Continuar lendo

22 de junho de 2016 · 2 Comentários

O Contrato Assimétrico – Conto (Rubem Cabral)

“Há algo de errado, eu sei. Há a certeza do contrato; inviolável, cobrindo tudo, dando-me todas as garantias legais possíveis, mas deve haver algo podre, minha intuição me diz, eu … Continuar lendo

9 de junho de 2016 · 11 Comentários

Torrões de Açúcar – Conto (Rubem Cabral)

Antes era muito ruim, horrível mesmo. Havia dias em que só queria berrar; tão alto e por tantas horas que nem mil injeções me interromperiam, que nem minhas cordas vocais … Continuar lendo

20 de abril de 2016 · 4 Comentários

Sem Olhos em Ssstlas (Rubem Cabral)

Cretáceo Superior – As Terras do Meio do Mundo. O dia começara pantanoso naquela manhã, quando nuvens mornas e coloridas por algas verde-azuladas, por certo oriundas do Mar Interior Ocidental, … Continuar lendo

5 de março de 2016 · 32 Comentários

Soslaio (Rubem Cabral)

Contudo, não sei bem dizer quando o percebi pela primeira vez, embora creia que foi ao visitar certa mansão decrépita à venda. Algo, visto de soslaio, que estava lá, eu … Continuar lendo

14 de janeiro de 2016 · 64 Comentários

Semana Sem Ana (Rubem Cabral)

Acordei só. Pensei por um instante que não fosse verdade. Que teria sido só um sonho ruim. Que bastaria ir à cozinha e te encontrar cantarolando e passando um café … Continuar lendo

13 de janeiro de 2016 · 18 Comentários

As Cores sem Nome (Rubem Cabral)

Ato I – Vida de cão Noite de quinta-traiçoeira, zapeio sem interesse através dos quase duzentos canais. Neil deGrasse fala de espaços intergalácticos, de lugares tão rarefeitos de matéria que … Continuar lendo

12 de setembro de 2015 · 39 Comentários

U açaçinato du portugeis (Rubem Cabral)

Meo testemunhu: Manuel Joakin, meo maridu, nunca phoi gramde coiza. Gosstava de bancá o maxão pruquê ganhava maix, prequê eu era çó profeçora munissipau. Todu dia keria comida pronta y … Continuar lendo

31 de agosto de 2015 · 7 Comentários

À Espera do Mestre (Rubem Cabral)

O que relatarei foi testemunhado por mim, por puro acaso. Não intenciono trazer lições ou ensinar moral, pois não acredito em tais coisas. Talvez o que contarei poderá servir de … Continuar lendo

21 de agosto de 2015 · 3 Comentários

Ecos da Colônia (Rubem Cabral)

Xenozoobotânico Tibor Simón, log pessoal #489. O que posso dizer é que é insano, muito bizarro mesmo, visitar outro planeta habitável. A gravidade aqui em Kepler 977d, que carinhosamente apelidamos … Continuar lendo

3 de julho de 2015 · 53 Comentários

Por ti – Poesia (Rubem Cabral)

Por ti eu reformei minha alma Desconstruí, dolorosamente, Meu antigo eu . Olhava-me no espelho e Não mais me reconhecia . Mas não bastou, Não foi o suficiente . Então, … Continuar lendo

23 de junho de 2015 · 7 Comentários

Próxima Parada: Estação das Desgraças (Rubem Cabral)

1. José Um versinho inocente fora pichado num muro recém-pintado de branco. O ônibus 606 passou sacolejando defronte e o passageiro X o leu: “Queijo do Alentejo, gostoso como um … Continuar lendo

25 de maio de 2015 · 58 Comentários

Beth Mann & Robin (Rubem Cabral)

Houve um dia a Faerie, e Titânia, e o poderoso Rei Oberon, e unicórnios, e fadas, e todos os outros seres que habitavam tal terra literalmente fabulosa. Um mundo além … Continuar lendo

25 de março de 2015 · 41 Comentários

Aconteceu na Lapa (Rubem Cabral)

Chovia a cântaros e as ladeiras do bairro de Santa Teresa choravam copiosamente lágrimas sujas, cor de pó compacto, sobre sua vizinha boêmia, a Lapa. As velhas bocas de lobo … Continuar lendo

27 de fevereiro de 2015 · 15 Comentários

Flores de Vênus (Rubem Cabral)

É fácil criarem-se poemas sobre o belo: rosas, dias ensolarados, lindas borboletas. Rimar flor com amor, e não com dor. Júlia, minha ex-mulher, gostava de poemas assim; até lia alguns … Continuar lendo

3 de fevereiro de 2015 · 49 Comentários

A morte e a “re-morte” de Natasha Moskovskaya (Rubem Cabral)

Moscou. Morrer deveria ser simples, sempre fantasiei que fosse assim. Você sabe, aquela velha, velha história… O coração pararia de bater, os pulmões inspirariam e expirariam pela derradeira vez, os … Continuar lendo

16 de janeiro de 2015 · 7 Comentários

Nove Caudas (Rubem Cabral)

O Jovem Aprendiz Fúlvio Nakamura bem que passaria despercebido em meio à multidão de olhinhos puxados do Bairro da Liberdade, não fosse sua cabeleira tingida de ruivo-animê, que mesmo na … Continuar lendo

9 de dezembro de 2014 · 61 Comentários

Correndo (novamente) sobre a lâmina (Rubem Cabral)

Fugu. Nos bons tempos, Iran, minha ex-mulher, também já me chamou assim. Gostoso e fatal, eu pensava, tomando como elogio. Frio e nojento, ela me confessou muito depois. Trata-se de … Continuar lendo

3 de novembro de 2014 · 27 Comentários

Linha Tênue (Rubem Cabral)

Quais são os limites da palavra escrita? Até onde um livro poderia invadir a sua zona de conforto? Aqui: realidade. Lá: fantasia. Seria assim tão fácil? Você está mesmo tão … Continuar lendo

8 de outubro de 2014 · Deixe um comentário

A Diva (Rubem Cabral)

Monika Stuttgart era uma virtuose da ópera, justiça seja feita, sem dúvida alguma, sem dúvida alguma. Alcançava notas impossíveis, tinha ouvido supra absoluto, fôlego de mergulhador de apneia em profundidade. … Continuar lendo

7 de outubro de 2014 · 6 Comentários

As velhas opiniões (Rubem Cabral)

 A rotina – motivo de enfado sem fim para a maioria dos indivíduos ditos normais – sempre fora um alento, um porto seguro de conforto e até de prazer, para … Continuar lendo

8 de setembro de 2014 · 62 Comentários

Redavoice: Minhas Férias (Rubem Cabral)

Rio de Janeiro, 01 de Agosto de 515 D.F.G. O que dizer sobre minhas férias, senão que foram perfeitas, fixecool e incriordinárias? Ainda no inicio de Julho, meu mainté, Tuomas, … Continuar lendo

27 de agosto de 2014 · 15 Comentários

Convergência (Rubem Cabral)

06 de Junho de 1999. Já está gravando? (Pigarros, tosse). Meu nome é Luiz Arthur Sundfeld Maia, e farei hoje trinta e três. Como iniciar? Bem, sem falsa modéstia e … Continuar lendo

25 de julho de 2014 · 32 Comentários

Depois que você se foi (Rubem Cabral)

Então, você foi embora… Mas não a dor, ela não. Ao invés, enterrou raízes, e tomou forma, e se encorpou com o correr dos dias, e se tornou parte integrante … Continuar lendo

4 de junho de 2014 · 28 Comentários

Yah-ik-tee: o jeito Apache (Rubem Cabral)

A palavra “tats-an” significa “morto” em Apache; embora eles nunca a empreguem quando falando de um amigo ou parente falecido, nestes casos eles dizem “yah-ik-tee”, o que significa que ele … Continuar lendo

25 de abril de 2014 · 38 Comentários

Céu de Preás (Rubem Cabral)

I Comunidade Quilombola Rio das Rãs – Bahia – Junho de 2055. Caatinga, a mata branca. A paisagem de palheta de tons desmaiados seria provável reflexo da memória esclerosada de … Continuar lendo

3 de março de 2014 · 42 Comentários

! – Antologia de Contos Fantásticos – Resenha por Marcia H. Saito

Vários autores Editora Caligo 415 pags. O tema relacionado ao fantástico dão margem a muitas enveredagens criativas, onde o impossível se mescla a uma realidade plausível ao que entendemos e … Continuar lendo

14 de fevereiro de 2014 · 3 Comentários

Infiltração (Rubem Cabral)

As adolescências muito castas fazem as velhices dissolutas. (André Gide) Dr. Gabriel Rizzi, parapsicólogo. Faz sete dias que tenho o mesmo sonho. Ipsis litteris. Ao fundo, um céu revolto, coalhado … Continuar lendo

31 de janeiro de 2014 · 49 Comentários

“Ubik” – Resenha (Rubem Cabral)

Ubik. O que é Ubik? Esta pergunta persegue o leitor desde o primeiro capítulo e apenas aumenta sua curiosidade em cada novo. Propagandas falando do uso de Ubik para lustrar … Continuar lendo

22 de janeiro de 2014 · 3 Comentários

Palimpsesto – Conto (Rubem Cabral)

A ignorância pode ser preferível à loucura. A quem, afinal, realmente interessa a tal superestimada verdade? (por Yazar Dupin Marple a.k.a. Dr. Sherlock Moriarty) Capítulo I – Carnificina ϣϥϩθΩπ São … Continuar lendo

8 de janeiro de 2014 · 9 Comentários

Rubem Cabral

Rubem Ricardo Damasceno Cabral, nascido na cidade do Rio de Janeiro, atua como Engenheiro de Software. Por volta de 2008, iniciou-se no mundo literário, participando de várias antologias já publicadas. Em … Continuar lendo

7 de dezembro de 2013 · 1 comentário

Antologia “!” – Coletânea de Contos Fantásticos (Diversos Autores)

Trinta e quatro contos com elementos clássicos do gênero fantástico e que também ousam na busca por novas possibilidades. Das páginas da Antologia “!”  brota a essência que faz do gênero fantástico … Continuar lendo

25 de novembro de 2013 · 4 Comentários

Lágrimas são vãs sob a chuva (Rubem Cabral)

Ouvi uma piada uma vez: um homem vai ao médico, diz que está deprimido. Diz que a vida parece dura e cruel. Conta que se sente só num mundo ameaçador … Continuar lendo

15 de novembro de 2013 · 50 Comentários

Crime em Pindorama (Rubem Cabral)

Província das Minas Geraes, 1901. Março chegara abrupto e trouxera no balaio sua cota costumeira de ira celestial sob forma de chuva intermitente e irritante. E, como sempre, Vila Rica, … Continuar lendo

9 de novembro de 2013 · 26 Comentários

Do Lado de Fora (Rubem Cabral)

O relógio na parede marcava cinco para as seis da tarde e o Sol, mau imitador de certo famoso pintor holandês, se esforçava em tingir de laranja-ocre o quarto 401 … Continuar lendo

9 de outubro de 2013 · 29 Comentários

B.A. – Conto (Rubem Cabral)

Científica e estritamente falando, existem três tipos de pessoas no mundo – isso, de acordo com suas respectivas abordagens “mergulhativas” à solução do clássico problema da “piscina cheia de água … Continuar lendo

30 de setembro de 2013 · 10 Comentários

Nós Que Aqui Estamos (Rubem Cabral)

Wanderléa suspirou desanimada quando o ônibus estancou no ponto, ela desceu e, ainda com um dos pés no degrau do veículo, pôde mais uma vez rever a silhueta decadente do … Continuar lendo

18 de setembro de 2013 · 19 Comentários

Os Blues de Praga – Conto (Rubem Cabral)

Disse Chico Buarque em seu romance homônimo que Budapeste era amarela. Já Praga, sua quase irmã, minha querida, puta louca, bêbada Praga; penso que ela seja azul. Não do tipo … Continuar lendo

26 de agosto de 2013 · 2 Comentários

Outra Vez Ezequiel – Conto (Rubem Cabral)

E aconteceu no trigésimo ano, no quarto mês, no quinto dia do mês, que estando eu no meio dos cativos, junto ao rio Quebar, se abriram os céus, e eu … Continuar lendo

11 de agosto de 2013 · 1 comentário