EntreContos

Literatura que desafia.

Avaliação – X-Punk

Caros participantes e amigos, Agradecemos mais uma vez a presença de todos por aqui. No total, 40 (quarenta) contos inscritos, demonstrando toda a diversidade dos estilos Punk. Às regras da … Continuar lendo

Destacado · Deixe um comentário

Regulamento Desafio “X Punk”

I – Das Disposições Gerais e da Inscrição 1) A participação no Desafio “X Punk” do EntreContos é totalmente gratuita. O Desafio é voltado a ESCRITORES que orgulhosamente sejam também LEITORES. 2) … Continuar lendo

Destacado · Deixe um comentário

Alice (Luis Carol)

I-O MESSIAS HÍBRIDO Quando avistei Eduardo Sangaletti, perguntei a mim mesmo se era verdade o que ele dizia sobre a transformação. Não havia nenhum traço alien em sua figura barbuda. … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Esquecidos (Lino Serkis)

Há muito tempo, deixei minha humanidade para trás. Habito um corpo cibernético para poder continuar existindo neste planeta frio e seco. Impossível sobreviver às condições inóspitas a qualquer forma de … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

O Híbrido – Olhos biônicos não choram (Daemon Null)

“O inferno está vazio. Todos os demônios estão aqui”. (A Tempestade – William Shakespeare)   – Fui encontrado agonizando em meio a diversos outros corpos. O último borrão de luz … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Pai e Filho (José Lins do Regato)

Amâncio não era o primogênito, o preferido, nem fazia por onde agradar o Coronel Deodato. Na verdade, sentia raiva. Raiva pelo irmão vir sempre em primeiro lugar e daquela preferência … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Uísque, rainha e um punhado de colhões (Travis Bickle)

O estupro coletivo acontecia em todos os cantos do lugar. Sem gritos, lágrimas ou qualquer resistência. Apenas a violência pura dos anos de castidade forçada. No centro da nave espacial, … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

A Mecânica do Coração (D. Steel)

Com a capital da Província de São Paulo em polvorosa por causa da Revolução que finalmente tinha tomado as ruas, decidi que era hora de voltar ao Solar dos Rouxinóis. … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

CTRL-X (Narcopunk)

CTRL-X (Narcopunk) Nanocomprimidos nucleares revestidos (50 mg). A embalagem pode incluir entre 28 e 31 unidades, de acordo com o mês de referência para distribuição do lote.   COMPOSIÇÃO Cada … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Pequeno Preço (Shin)

– Reportando posição! Estou do seu lado direito Capitão. Aguardo instruções. – Ele disse pelo rádio. – Oh sim. Certo. – O capitão respondeu. Seu nome era Moises Dib, tinha … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Indignação (Forster D.)

De vez em quando, Lorenzo parava o que estava fazendo para contemplar a chuva. Ficava imóvel, de queixo erguido, fitando as nuvens vermelhas no alto e recebendo as gotas no … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

As Fronteiras de Topázio (Oliveira)

A Corte Interseccionista de Terra Nova estava cheia: humanos e androides ocupando todos os assentos do lugar, enquanto uma multidão se concentrava do lado de fora, erguendo placas e proclamando … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

A luz que permeia a escuridão (krieg eyes)

Eu sempre gostei da noite, de caminhar por entre ela, viver dentro dela, sempre achei que tinha um perfume diferente, tornando as pessoas mais belas. Nela eu podia praticamente tudo, … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Assassinato no Lula Molusco (Squidward)

Acordei muito tarde naquele dia. O despertador instalado no meu implante ótico não tocou, não sabia bem o motivo. Desde que troquei para a nova versão bioquímica, essa joça não … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Crias Áridas (Projeto 52)

– Então… vocês são filhos do deserto? – o soldado de olhos azuis nos perguntou, logo antes de sua gargalhada contaminar seus companheiros no armazém. Mantínhamos a expressão séria, mas … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

O Gatilho de Borges (Aleph)

Caminhava de cabeça baixa, a mão segurando o chapéu contra a chuva fina, quase alheio às pessoas que cruzavam em várias direções. Trazia a pasta de trabalho junto ao peito, … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Eu Quero é Ficar Sedado (Ana Arquia)

Zav corria descalço pela grama úmida. A chuva cessara, e o azul do céu era cortado por um arco íris. O vento balançava os galhos das árvores e desmanchava os … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Por um fio de memória (Rosenstar)

Por um tempo um tanto curto ousei acreditar no futuro. Sabem, aquela fé de que tudo seria melhor, mais bonito, mais fraterno, mais justo, blábláblá. Ainda bem que foi por … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Os sonhos não morrem (Fauno)

“- Não sabemos bem o que o aconteceu, estávamos tranquilos, trabalhando normalmente;  Aí do nada veio essa explosão surda que chamou o prédio inteiro pra dançar, dança rápida, um passo … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Chips (Construtor)

Um leve ruído que fez, o comparsa deu-lhe um cascudo, no sombrio entrar daquele local, escuro e com bastante possibilidade de serem descoberto, já que o laboratório continha tudo fora … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

A Condição Humana (Dandara)

Harlam ouvia sobre Quilbrum desde a infância. A cidade ficava a longínquas léguas do Arquipélago de Florais, tão bela quanto os jardins de Tamuachan e tão avançada quanto a lendária … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Meia aliche, meia quatro queijos (Lázaro Venturini)

— E, aí, sabem que dia é hoje? — perguntou uma criatura que se assemelhava a uma planta, se não fosse toda metálica. — Num me diga que sou eu … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Ideology (Médici)

Não tinha certeza do que eram aqueles rabiscos no canto esquerdo, em cima. Se olhasse para o quadro ligeiramente de lado, pareceriam aviões, se olhasse de frente, poderiam ser mariposas. … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

O Sonho de Yago (Cogito Ergo Sum)

No final do século 10101 – 21 em binário – o mundo mudou. Neste novo mundo tudo se pode ser. Ou quase tudo. E tudo se pode curar. Ou quase … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Voz do sopro (Minuano)

Fugir. Sim isso, estava decidido, acabou! chega! e nem olhou para trás. Mochila às costas e partiu. Não posso contar nada da viagem até que parou num monte sobre um … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Esperança Negra (Motherboard)

Logo no início da Nova Era todos os humanos foram cadastrados, catalogados, seus óvulos ou espermatozoides foram coletados e seus órgãos reprodutores foram esterilizados. Com o avanço da biotecnologia e … Continuar lendo

24 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

A Flautista (O Barão)

Rheinland-Pfalz, Alemanha. 1953 A temperatura caía junto com a noite. Empoleirada ao relento no terraço de um dos prédios da base militar alemã, Libby não conseguia controlar a tremedeira. Sentia … Continuar lendo

24 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Náusea e vômito (Rouxinol)

Náusea e vômito O conto que dá origem a uma nova categoria do Punk: o Glitter Punk   Seguem as buscas por homem desaparecido no interior de Aniorama. Jovem de … Continuar lendo

23 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Lupércio e o Príncipe Encantado (São Silvano)

I Há uma voz doce flutuando na metrópole onde não existe dia. Fala alto, mas não é um grito nos ouvidos: instalada em diversos zepelins estacionados nos céus da cidade … Continuar lendo

23 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Cosmonautas Caronistas (Alvo Pires de Leite)

O materializador de publicações apitou exatamente 6:30 da manhã, como acontecia todos os dias. Sempre pontual, por isso Jean nunca sentiu falta de despertadores. Naquele horário, diariamente, o último exemplar … Continuar lendo

23 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Café (Sid Nancy)

Antes de pensar o dia perguntei-me se haveria outra noite suficiente para alimentar todas as bocas estelares. A mudez solar sepultou todos os meus pensamentos óbvios na cova rasa da … Continuar lendo

22 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Despertos (Morpheu)

Nós somos do tecido de que são feitos os sonhos. – William Shakespeare   Corria em direção a um penhasco gigantesco. O vento batia em seu rosto e Marlon podia … Continuar lendo

22 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

O Homem da Federação (Carlos Mendel)

Poção dos Anjos parecia abandonada quando um homem montado num cavalo tordilho trotou sobre a terra mortiça da avenida da cidade. As casas de madeiras amareladas pela poeira, misturadas ao … Continuar lendo

21 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Sozinho no Fim do Mundo, Eu Chorei Lágrimas de Vapor (Otto)

Conheci Suzana na fatídica viagem que fiz a Oslo, tantos anos atrás. Estávamos a bordo de um dirigível LZ-129, um colosso de madeira que, à época, era a expressão máxima … Continuar lendo

17 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Biscoitos de Queijo (Lady Geny)

Ingredientes 250 gramas de manteiga 1 ovo 2 ½ xícaras(chá) de farinha de trigo 1 ½ xícaras(chá)de maisena 1 colher(sopa) de fermento químico 1 xícara(chá) de queijo parmesão ralado Dia … Continuar lendo

17 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

O Catador “Tunado” (Tony Tunado)

Rio de Janeiro, 01 de setembro de 2038. Aquele velho sonho recorrente: no rosto da filha recém-nascida se desenhava, quadro a quadro, um belo sorriso banguela. Saudoso, Cleverson percebeu o … Continuar lendo

15 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Esfera 8 (Diná Myth)

Esfera 8. Período 2-9, 3090 Mesmo distante, o som das armas lasers do lado de fora aponta: a força-tarefa corporativo-governamental consegue transpor a cortina de segurança em um dos laboratórios … Continuar lendo

15 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

O Odu de Marte (Diallo)

I Acordou naquela manhã desejando a Terra intensamente, como em todas manhãs que lembrava. Os campos verdes, o cheiro de terra molhada e o ar puro prometidos nos anúncios e … Continuar lendo

14 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Traição das Máquinas (Timoneiro)

Nas paredes do pequeno quarto do hotel, as marcas de tiros nunca eram consertadas. “Pra quê? aparecerão outras”, dizia o senhorio e então, elas ficavam. Infelizmente não eram datadas, um … Continuar lendo

13 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Filho do Sol (Chandra)

Era uma mãe dedicada… Mas agora, segurando uma tesoura banhada em sangue de outrem, já não sabia quem era. Yosef Hamashia, perplexo com as manchas que se multiplicavam em seu … Continuar lendo

10 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

O Silêncio das Deusas Desnudas (Payton Weaver)

Heath sempre foi um sujeito centrado, daqueles que se detém sobre algum aspecto particular da vida e nele se prende por um longo tempo. A primeira vez que nos encontramos, … Continuar lendo

10 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

Distante Encontro (Robot Berta)

Levantei-me às 04 horas da manhã. Nem preciso do relógio-parente me cutucando os ouvidos com suas melodias terríveis. Deve estar em algum canto nesse canto onde moro, cheio de quinquilharias … Continuar lendo

9 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

A Redenção do Anjo Caído – Fabio Baptista – Resenha (Gustavo Araujo)

“A dádiva da mente brilhante sempre vem acompanhada pela maldição do rápido enfastiamento com tudo e com todos.” Lúcifer, derrotado no início dos Tempos, enfim percebe a onisciência de Deus … Continuar lendo

4 de novembro de 2016 · 5 Comentários

Para Sempre – Conto (Ariel)

Para sempre Uma releitura de “A Pequena Sereia”   Era uma vida muito solitária. Cada dia arrastava-se doloroso e infinito, marcado pela vastidão da casa sem vida. O velho relógio … Continuar lendo

4 de novembro de 2016 · 5 Comentários

A Galinha Preta (Tarsis Magellan)

O velho Caldeira fora um tipo formidável de empregado. Mas, então, a idade avançada lhe permitia apenas vigiar a Fazendinha dos Trevos. Era um velho solitário. E raramente os Hayden, … Continuar lendo

3 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

A Caleche – Clássico (Nikolai Gogol)

A cidadezinha de B. animou-se muito quando nela se aboletou o regimento de cavalaria ***. Antes disso, pasmava num tédio mortal. Quando, por acaso, passamos por esta cidade e olhamos … Continuar lendo

1 de novembro de 2016 · 2 Comentários

Sussurro ao pé do ouvido – Conto (Neusa Fontolan)

— Deixa-me explicar, senhora… As fadas são os seres mais egoístas do meu mundo, não dão nada para ninguém e muito menos a um humano. As fadas não são capazes … Continuar lendo

31 de outubro de 2016 · 8 Comentários

Mastigando Humanos: pra degustar ou digerir? – Resenha (Fil Felix)

Mastigando Humanos é um livro do brasileiro Santiago Nazarian publicado originalmente em 2006 pela Editora Record e que aborda questões existenciais através do surreal, nonsense e absurdo, ao lado de … Continuar lendo

29 de outubro de 2016 · Deixe um comentário

A Dona – Conto (Rodrigues)

O japonês era cego. Há um tempo, contratara alguém para auxiliá-lo: um enfermeiro paraplégico e bem baixinho. Passavam os dias na inércia vespertina do condomínio. Era muito tempo de sol … Continuar lendo

29 de outubro de 2016 · 3 Comentários

A Espada de Esaú – Conto (Óscar Fernandes)

A tarde gastava-se, morna e indolente, sem pressas de dar lugar à noite. O sol como que dormitava, refastelado bem no centro de um distante prado de água e fogo, … Continuar lendo

29 de outubro de 2016 · 2 Comentários

Aves Tristes – Poesia (Francisco Ferreira)

Rebrilham nesta lua um empréstimo de saudades e tristezas tolas, tolas. Toscas correntes que trancam nossos peitos em amores de porvir e devir num derredor de ais não ditos, insuspíraveis … Continuar lendo

29 de outubro de 2016 · Deixe um comentário

Perigo nas Linhas de Código – Resenha (Gustavo Araujo)

O universo literário policial tem sido dominado por homens há muito tempo. Por isso, é quase redentor perceber que mulheres estão se dedicando a essa vertente, como é o caso … Continuar lendo

29 de outubro de 2016 · 1 comentário

Ofício de Ossos – Crônica (Catarina Cunha)

Esmeraldina botou no mundo doze criaturas, oito se criaram, quatro Deus levou ainda anjos. E só não gerou mais porque o marido Cícero, coveiro da cidade, morreu de uma síncope. … Continuar lendo

27 de outubro de 2016 · 12 Comentários

Porco no rolete – Conto (Paula Giannini)

Atendeu ao telefone. Do outro lado, a voz cavernosa dizia algo ininteligível. Certamente, se tratava de um engano, ou então, algo para que não estava com a menor paciência, um … Continuar lendo

27 de outubro de 2016 · 8 Comentários

Sequestro – Conto (Tamires de Carvalho)

Interior, sabe como é: Só tem ocorrência de roubo de galinha, briga de casal. Quando muito, vez ou outra, aparecia algum “projeto de traficante”. Mas nada que fosse muito difícil … Continuar lendo

26 de outubro de 2016 · 8 Comentários

O Outro Espelho – Conto (F. Velista)

No inicio da segunda semana de teotlec, um vento quente sufocava o amanhecer avermelhado de Aztlán. Na janela de sua quitinete, no nonagésimo terceiro andar da arcologia esférica que ocupava … Continuar lendo

26 de outubro de 2016 · 6 Comentários

Farenheit 451 – Resenha (Davenir Viganon)

Uma distopia clássica da Ficção Científica, escrita no pós-2ªGM (1953). Um manifesto contra o autoritarismo para além de sua face política e também uma bela obra da literatura que se … Continuar lendo

26 de outubro de 2016 · 4 Comentários

A Loteria – Clássico (Shirley Jackson)

A manhã de 27 de junho estava límpida e ensolarada, com o calor refrescante de um dia em pleno verão; as flores desabrochavam em profusão, e a grama era de … Continuar lendo

25 de outubro de 2016 · 3 Comentários

Homenagem ao Palhaço – Poesia (Gardel Dias)

No deslumbre das águas ali eu me via Do caudaloso Rio, misterioso por demais Nos brados destas sertanistas cantorias Em meio aos tamanhos nobres matagais Nas correntezas da vida, imensas … Continuar lendo

24 de outubro de 2016 · 2 Comentários

Utopia – Conto (Priscila Pereira)

Mais um dia havia terminado e Gustavo voltava para casa sozinho, como sempre. Caminhava devagar, ouvindo um rock melódico nos fones de ouvido. O uniforme da fábrica de autopeças não … Continuar lendo

24 de outubro de 2016 · 2 Comentários

A Narrativa Panfletária: Entre o Inconveniente e a Necessidade – Artigo (Eduardo Selga)

  Convidado pela professora Jurema Oliveira a ministrar uma oficina de contos na II Feira Literária Brasil-África de Vitória — FLIBAV —, ocorrida na Universidade Federal do Espírito Santo nos … Continuar lendo

23 de outubro de 2016 · 2 Comentários

O inimigo de papai – Conto (Helio Sena)

Papai sempre chega do serviço às 6:30. Ele nunca se atrasa. E sempre traz um doce no bolso da camisa. Um docinho de banana ou de goiaba que ele ganha … Continuar lendo

21 de outubro de 2016 · 2 Comentários

É óbvio, não? – Conto (Neusa Fontolan)

Sentado em cima de uma lápide, ele batia furiosamente nas teclas de uma maquina de escrever, espalhadas por toda sua volta, estava muitas folhas de papel amassado. Um rapaz se … Continuar lendo

21 de outubro de 2016 · 9 Comentários

Ranking – OUT/2016

Encerrado o desafio “Cemitérios (Retrô)”, é hora de conferir como ficaram nossos rankings. Para começar, o “Ranking 2016“, que vai considerar todos os certames iniciados no ano corrente e no … Continuar lendo

19 de outubro de 2016 · 3 Comentários

Mil Folhas – Conto (Rubem Cabral)

A casa precisa ser arrumada e a geladeira está um horror: cheia e vazia. Cheia de legumes murchos, vazia de qualquer coisa boa de se comer. Não há uma fruta … Continuar lendo

19 de outubro de 2016 · 11 Comentários

Jeito de matar lagartas – Clássico (Antônio Carlos Viana)

As lagartas nunca foram tantas como naquele ano. Elas chegavam anunciando o verão. Diziam que, quando eram muitas, o verão seria muito quente e os cajus, mais doces. Eram lagartas … Continuar lendo

18 de outubro de 2016 · 8 Comentários

Daniel Reis

Daniel Reis nasceu em Curitiba, Paraná, em 1973, mas só foi ver neve aos três anos de idade – e, mesmo assim, apenas pela janela, porque estava muito resfriado naquele … Continuar lendo

17 de outubro de 2016 · 3 Comentários

Resultados do Desafio Retrô Cemitérios

Caros participantes, amigos e curiosos de sempre. Um Desafio à altura dos três anos de Entre Contos. Uma disputa apertada, em que o vencedor foi definido apenas no último voto! … Continuar lendo

16 de outubro de 2016 · 24 Comentários

Avaliação – Desafio Retrô Cemitérios

25 de setembro de 2016 · 42 Comentários

Não use droga, ruim (Maria Santino)

Yolandy desceu da moto nem aí para a calcinha que aparecia por debaixo da saia minúscula. Riu para o China, o motorista e amigo há pouco reencontrado, e bateu de … Continuar lendo

24 de setembro de 2016 · 43 Comentários