EntreContos

Detox Literário.

A Obradora e a Onça (Catarina Cunha)

O trem abriu as portas na estação com um suspiro. Patrícia pegou o vácuo do aglomerado de pessoas para entrar no vagão feminino. Peito, braço, bolsa, troca de suor e … Continuar lendo

1 de agosto de 2019 · 50 Comentários

Troca-troca Estelar (Catarina Cunha)

  Era uma vez uma estrela que queria ser menino. E um menino que queria ser estrela. A estrela invejava o menino que podia correr sob o sol, nadar na … Continuar lendo

1 de maio de 2019 · 46 Comentários

Os Invisíveis (Catarina Cunha)

Um peixe garoupa, revoltado com as más condições de vida na baía da Guanabara, sobe o rio Carioca até a estação do bondinho do Cristo Redentor, onde cria hábitos urbanos. … Continuar lendo

17 de fevereiro de 2019 · 18 Comentários

Todas as Vozes da Minha Pia (Catarina Cunha)

  — Bom dia, Pedro, como tem passado? Pelas olheiras e a cara amassada não muito bem. Eu já te avisei para não encher o pote, com aqueles teus amigos … Continuar lendo

20 de novembro de 2018 · 19 Comentários

Cida e a Televisão (Catarina Cunha)

Abrir um crediário é negócio complicado. Só por necessidade. A televisão, de imagem preta tremida e branca fora-de-foco, foi sendo invadida por um exército de fantasmas cinza e, assim, se … Continuar lendo

30 de maio de 2018 · 9 Comentários

Entrelinhas (Catarina Cunha)

Um passo largo e outro meio, um longo e outro curto,  pular o meio-fio desviando da calçada de pedras inexatas, pretas, brancas, buracos preenchidos, outros nus. Asfalto liso, alívio antes … Continuar lendo

4 de abril de 2018 · 44 Comentários

Catarina Cunha

Catarina Cunha nasceu em Maceió em 1963 e mora no Rio de Janeiro. Formada em Direto e RH. É escritora desde os dez anos, mas não entende de literatura e … Continuar lendo

3 de janeiro de 2018 · 2 Comentários

Bichoman (Catarina Cunha)

O fim: Sentado no banco da praça, apreciando o jardim iluminado pelo sol, lambeu a casquinha do sorvete para não escorrer pela mão. Um coelho branco o observava, ou melhor, … Continuar lendo

9 de dezembro de 2017 · 97 Comentários

Evaporando na nuvem (Catarina Cunha)

Fevereiro de 2015: Solicitação de amizade enviada. – Recebi o seu convite. Desculpe-me, mas eu te conheço de onde? – Dq mesmo, tbm sou escritor. Vc teve na Bienal do … Continuar lendo

5 de agosto de 2017 · 45 Comentários

Favali (Catarina Cunha)

O Senhor Verme orgulhava-se de suas grandes fazendas e indústrias. Os javalis, além de hábeis aradores da terra e grandes produtores de esterco, eram operários resistentes, rápidos e obstinados em … Continuar lendo

20 de maio de 2017 · 113 Comentários

2º REC Rio – Crônica (Catarina Cunha)

Talvez seja mais seguro escrever uma crônica sobre o Rio (REC = Resistência Entre Contistas) começando pelas amenidades. Por mais carioca que eu me sinta, não consigo abandonar meus hábitos … Continuar lendo

8 de abril de 2017 · 10 Comentários

Todo o meu pedaço (Catarina Cunha)

Ainda com o torpor da vigilância noturna, Etelvino lavou o sorriso pensando no corpo morno de Melissa entre os lençóis sonolentos. Tirou o uniforme e devolveu a arma da firma, … Continuar lendo

10 de março de 2017 · 43 Comentários

Amor de cão – Crônica (Catarina Cunha)

As surras de toalha molhada nem as tapas na cara não o deprimiam, ajudavam a analisar seus erros explícitos ou subliminares: demorou mais de dez minutos para perceber o novo corte … Continuar lendo

17 de fevereiro de 2017 · 3 Comentários

Bela (Catarina Cunha)

Hoje é meu aniversário. Mamãe me enfeitou de vestido branco com moranguinhos desenhados. O laço de fita nos cabelos me deixou bem mocinha com os sapatos emprestados da Cinderela.  Meu … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 92 Comentários

Querido Papai Noel – Crônica (Catarinha Cunha)

Querido Papai Noel,   Suzete pendurou a meia-arrastão na janela prendendo cartão decorado com purpurina e preenchido com letra caprichada:   Querido Papai Noel,            Este ano eu fui … Continuar lendo

23 de dezembro de 2016 · 10 Comentários

Café (Catarina Cunha)

Antes de pensar o dia perguntei-me se haveria outra noite suficiente para alimentar todas as bocas estelares. A mudez solar sepultou todos os meus pensamentos óbvios na cova rasa da … Continuar lendo

22 de novembro de 2016 · 47 Comentários

Ofício de Ossos – Crônica (Catarina Cunha)

Esmeraldina botou no mundo doze criaturas, oito se criaram, quatro Deus levou ainda anjos. E só não gerou mais porque o marido Cícero, coveiro da cidade, morreu de uma síncope. … Continuar lendo

27 de outubro de 2016 · 12 Comentários

Hibisco para todos (Catarina Cunha)

Há anos adquiri o hábito de passear nas alamedas do cemitério depois do almoço, lendo as lápides, imaginando a vida daquelas pessoas e sempre terminando meu passeio no túmulo 1672, … Continuar lendo

17 de setembro de 2016 · 50 Comentários

A Paixão do Demônio (Thales Soares e Catarina Cunha)

“Com Deus me deito, com Deus me levanto. Com a graça de Deus e o divino espírito santo. Amém”, rezou a garotinha em coro com sua mãe, encerrando suas preces … Continuar lendo

9 de julho de 2016 · 36 Comentários

Amor de Cobra Lambida (Catarina Cunha e Renata Rothstein)

Nasceu no fim daquela madrugada sob a maresia fria de Copacabana. Jaqueline trabalhou nas ruas a noite toda. Durante a gravidez conseguia muito mais clientes. Homem tem cada tara, pensou … Continuar lendo

1 de julho de 2016 · 34 Comentários

E se fosse Eva? (Catarina Cunha)

Uma fina cascata de flores de maracujá alimenta o lago adormecido, enquanto o nascer do sol doura o vale entre montanhas de algodão.  Eva enrola uma mecha de seus longos … Continuar lendo

14 de maio de 2016 · 88 Comentários

Hora do Arrocho – Crônica (Catarina Cunha)

– Ai! – Desculpa aí. – Não está vendo que não dá para passar… – Não quero passar. Só quero colocar o meu outro pé no chão. – Deu? – … Continuar lendo

14 de abril de 2016 · 2 Comentários

Os Nove Céus (Catarina Cunha)

Da concentração Maria vê o tapete branco da avenida. Abre os braços para Oyá pedindo que os raios de Oxum iluminem de verde e rosa a passarela. Os tambores de … Continuar lendo

5 de março de 2016 · 13 Comentários

No ar (Catarina Cunha)

Pouso lentamente a xícara no balcão retardando o contato com o aço na esperança de você se virar. O vácuo do teu vestido arfa na calçada jogando a conivência das … Continuar lendo

14 de janeiro de 2016 · 61 Comentários

Lembranças Futuras (Catarina Cunha)

Despertou com a conversa animada das crianças. Conferiu com afiado olhar paterno se estavam bem. Tomou banho, escovou os dentes e penteou os cabelos. Escolheu o terno de linho branco … Continuar lendo

9 de dezembro de 2015 · 47 Comentários

Não aguento mais gente que não aguenta mais – Crônica (Catarina Cunha)

Antes das redes sociais, quando não queríamos mais ouvir comentários sobre uma determinada notícia, bastava desligar o rádio ou fechar o jornal ou se afastar disfarçadamente do chato do momento.  … Continuar lendo

10 de novembro de 2015 · 12 Comentários

Um quilo de tomates (Catarina Cunha)

— Glorinha, minha flor, precisa de ajuda aí na cozinha? — Mô, vou fazer aquela macarronada que você adora. Vai lá ao mercado rapidinho e traz um quilo de tomate … Continuar lendo

12 de setembro de 2015 · 47 Comentários

Um pouco sobre a fé – Crônica (Catarina Cunha)

Sou uma mulher de família, sensível e agnóstica por definição. Falo assim, aos poucos, para não assustar o leitor na primeira linha. Na verdade sou uma mulher sem religião, coisa … Continuar lendo

5 de setembro de 2015 · 9 Comentários

A Nave (Catarina Cunha)

A Nave foi criada através de um estudo que durou meio século. Dotada de atmosfera autorregulável e autolimpante prescindia de filtros. Transparente em toda sua circunferência recebia luz natural regulada … Continuar lendo

3 de julho de 2015 · 122 Comentários

Cavalo de Troia (Catarina Cunha)

Com Betão não tem tempo ruim. Encara cave jump, escalada na chuva, mergulho de plataforma de petróleo, mulher ciumenta, chefe burro e turismo no Complexo do Alemão. Sem contar que … Continuar lendo

30 de maio de 2015 · 34 Comentários