EntreContos

Detox Literário.

A Obradora e a Onça (Mateus)

O trem abriu as portas na estação com um suspiro. Patrícia pegou o vácuo do aglomerado de pessoas para entrar no vagão feminino. Peito, braço, bolsa, troca de suor e desodorante floral. Melhor passar por isso do que ter sua virtude assediada em outros vagões. Não conseguiu sentar, agarrou no suporte central disputando espaço com esmaltes descascados de vários matizes. Respirou fundo e começou a pregação: E Jesus disse: bem aventurados os filhos de Deus… Ouviram-se vários “améns” e alguns “cala a boca”. Patrícia estava acostumada, nem todos estavam ainda preparados para aceitar o Criador no coração, há de se perseverar na salvação das almas. Com a mão direita livre abriu a bíblia e escolheu um salmo aleatório: Sabendo que a prova da vossa fé produz a paciência. Tiago 1:3.  

Patrícia era caçula entre oito irmãos de uma família de evangélicos, sendo ela a única mulher. Mal alcançava a pia quando a mãe morreu e deixou para ela uma bíblia e um monte de homens para cuidar. Foi crescendo na solidão de uma família grande de trabalhadores. Estudou só o fundamental e passava suas horas cuidando dos afazeres domésticos e cantando louvores. Um dia acordou com quarenta anos sem nunca ter namorado. Ficou literalmente para titia, já que os irmãos lhe deram vários sobrinhos, que aos domingos enchiam a casa de barulho feliz. Agora, restou-lhe só o pai doente para cuidar, a pregação da palavra de Deus e alguns sonhos secretos. 

O balanço do trem roçava peles e, principalmente, as protuberâncias. Era comum sentir seios e nádegas alheias colarem no corpo como apêndices provisórios. Sentiu que os peitos que  roçavam no alto de suas costas não seguiam os solavancos do trem. Era algo mais lento e ritmado. Tentou dar um passinho à frente sem sucesso. Ai Jesus. O balanço do trem foi dando uma quentura na espinha e a pressão aumentou. Não ousou olhar e nem reclamar. Não havia espaço entre tanto estrogênio para conforto. O trem dava uma chiada ameaçadora antes de parar nas estações, onde nova horda de mulheres entravam. Uma mão segurou em sua cintura e manteve-se assim, firme, evitando que o movimento as separasse. Com a nova leva acomodada era impossível se mexer, mas os dedos quentes de unhas longas alcançaram sua barriga por baixo da camisa. Pensou nos próprios pneus e encolheu o abdome envergonhado. Pai nosso que estais no céu. O indicador da mão distraía-se  no umbigo com movimentos circulares. Fez uma curva mais longa subindo até a base do sutiã e descendo em vertigem até o elástico da calcinha, sem que o cós da saia oferecesse qualquer resistência. Santificado seja o vosso nome. A mão seguiu navegando entre pelos e dobrinhas encontrando um mar inexploradamente caudaloso. Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca. Mateus 26:41. Maré vai, maré volta, maré vai, maré volta, maré vai, vai, vai… Seja feita a tua vontade, assim na Terra como no Céu.  O coração quicava no sutiã enquanto um fio de suor quente deslizava da nuca para o vão entre os seios, encontrando a bíblia exausta e amassada. Uma lambida no pé da orelha despertou Patrícia. Tentou olhar para trás. Quem é você? A mão delicadamente evitou que se virasse. O nariz afastou seus cabelos e o ar adocicado soprou em seu ouvido. Eu sou a tua Ttyffanny, com dois tês, dois ípsilos, dois efes e dois enes, tudo em dobro só para você; até amanhã, meu docinho. Só agora percebeu que realmente Ttyffanny era muito alta e generosa. Conseguiu olhar para baixo e ver enormes sapatos dourados tipo plataforma, as pernas fartas e bronzeadas saiam de um tubinho de oncinha colado ao corpo. Morreu de vergonha das próprias unhas quadradas numa rasteirinha com o calcanhar ressecado. Não conseguiu ver o rosto,  pois nesse momento a porta do trem se abriu e aquela manifestação de Deus desapareceu na multidão. 

Patrícia percebeu que a bíblia caíra no chão aberta. Assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, ninguém separa. (Mateus 19:6). Grata pela benção, pelo resto de seus dias, todas as manhãs no trem, só lhe restava agora esperar a volta do milagre.

Anúncios

Sobre Fabio Baptista

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Informação

Publicado em 1 de agosto de 2019 por em Liga 2019 - Rodada 3, R3 - Série A.