EntreContos

Detox Literário.

Quatrilho (Bia Machado)

imagem-conto2

Já dizia o poeta: “João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém.” Quase sempre é assim. Essa história que acompanham agora não é muito diferente. Ou talvez seja um tantinho mais trágica. E confirmo, talvez seja mesmo um tantinho só.

***

Este conto faz parte da coletânea “Devaneios Improváveis“, Primeira Antologia EntreContos, cujo download gratuito pode ser feito AQUI.

Anúncios

66 comentários em “Quatrilho (Bia Machado)

  1. Edson Marcos
    16 de janeiro de 2014

    Ótimo conto. É um dos meus favoritos. Boa sorte!

    • Bia Machado
      16 de janeiro de 2014

      Valeu a torcida, Edson! Obrigada!

  2. Leandro B.
    15 de janeiro de 2014

    Gostei do texto.

    Os personagens são bem carismáticos, a trama é simples, mas envolvente. Além disso, a revelação final, (acho que seria mais preciso dizer “as revelações”) além de me surpreender, se encaixou com muita naturalidade na narrativa.

    Um bom conto, provavelmente entra no meu top. Parabéns.

    • Bia Machado
      16 de janeiro de 2014

      Obrigada, Leandro, pelo comentário! =)

  3. Carlos Relva
    15 de janeiro de 2014

    Muito bom! Um dos melhores que li neste desafio. Achei interessante a ideia de “camadas” no além, onde fantasmas de um “nível” não conseguem ver os de outro. Isso até poderia ser melhor explorado e o autor tem talento de sobra pra isso. Mas daria dó mexer, né? Está ótimo do jeito que está. Parabéns, um grande abraço e boa sorte!!! 🙂

    • Bia Machado
      16 de janeiro de 2014

      Oi, Carlos, obrigada pelo comentário. Essa questão das camadas eu resolvi colocar porque, no início, não era para a Do Carmo ser como os dois ex… Mas depois resolvi que seria dessa forma, e tinha que ter uma explicação, rs… Só que isso está de acordo com a doutrina espírita, rs. 😉

  4. Frank
    15 de janeiro de 2014

    Muito bacana e divertido…hahaha. E o pós-vida dos dois melhorou bastante depois da descoberta. Bora ver! Parabéns!

    • Bia Machado
      16 de janeiro de 2014

      Obrigada, Frank! Até no pós-vida temos que procurar qualidade, hahah! 😉

  5. Caio
    13 de janeiro de 2014

    Olá. Demais sua escrita, amigo, fiquei super entretido, não pensei no escritor por trás do texto, não teve nenhum momento de quebra da leitura, nenhum clichê nem nada, muito legal mesmo. Acho que o texto não vai durar muito na minha memória, na sinceridade, porque o enredo não é muito e acaba meio sem fim mesmo, mas tá muito bem escrito. Abraços

    • Bia Machado
      16 de janeiro de 2014

      Obrigada, Caio! Sim, é um enredo simples, né? Dá até pra encenar uma peça a partir dele, me ocorreu agora.

  6. Paula Melo
    12 de janeiro de 2014

    Gostei bastante do conto,a escrita então está perfeita para a ideia central.
    Não gosto de textos nessa linha,mas esse me cativou.
    Boa Sorte!

    • Bia Machado
      16 de janeiro de 2014

      Obrigada, Paula!

  7. Raione
    11 de janeiro de 2014

    Hahah Muito bom, muito divertido, escrita muito bem dosada, e simpático o narrador. Muito bacana o desfecho, que arremata o conto com o resto do poema do Drummond, tudo redondinho. Gostei também da estrutura, da pequena reviravolta na cena com a vidente.

    • Bia Machado
      16 de janeiro de 2014

      Valeu, Raione! E que surpresa boa você aqui!

  8. Tom Lima
    10 de janeiro de 2014

    Gostei bastante da regionalidade e do narrador personagem.

    É uma surpresa a condição de Do Carmo, com certeza.

    Parabéns.

  9. Fernando Abreu
    9 de janeiro de 2014

    Gostei. Um causo bem contado, sem mais delongas, com personagens bacanas, uma história intrigante e curiosa, além da escrita leve e impecável.

    • Bia Machado
      16 de janeiro de 2014

      Obrigada, Fernando!

  10. Mariana Borges Bizinotto
    7 de janeiro de 2014

    Eu tiraria esse trecho do final, porque já está claro que é assim.
    “Quem sou eu? Alguém na mesma condição de Raimundo, de Firmino, provavelmente um pouco mais lúcido, um pouco mais vivido. E disposto a contar uma boa história, assim como fazia em vida. O que aconteceu com Do Carmo, Raimundo e Firmino não faço a mínima ideia. Deixo isso para sua imaginação, leitor.”
    Ótimo conto! Gostei de não saber desde o começo que eram fantasmas. Achei a ideia original.

    • Bia Machado
      16 de janeiro de 2014

      Obrigada pelo comentário, Mariana. Quanto ao final, tô pensando em mexer, mudando alguma coisa, sim. Mas quero manter a característica do narrador.

  11. Weslley Reis
    6 de janeiro de 2014

    A levada de causo do conto instiga a leitura. Cheguei ao final dele sem nenhum esforço.

    Apesar de alguns colegas alegarem ser um final muito ‘calmo’, caracteriza bem o sentido de história contada.

    Para mim, um conto acima da média.

    • Bia Machado
      16 de janeiro de 2014

      Obrigada! E sabe, eu gosto desse final… Mas acho que vou mexer em alguma coisa nessa parte, mas não vou mudar o principal… 😉

  12. Marcelo Porto
    3 de janeiro de 2014

    Que texto delicioso! Como dito me lembrou na hora Dona Flor de Jorge Amado, mas com uma pegada diferente. Desconfio que o autor também é baiano por alguns termos utilizados, principalmente o “comer água”, esse eu só ouço em Salvador.

    Só fiquei um pouco decepcionado com a conclusão, que achei deveras simples. Para uns fantasmas que acabaram de descobrir que veneravam a assassina de ambos, se acomodaram muito rápido. Mas nada que diminua a qualidade do conto.

    O toque do “contador de histórias” abrindo e fechando a narrativa foi genial.

    Muito bom!

    • Seu Jorge
      3 de janeiro de 2014

      Agradeço por seu comentário! Não sou baiano não, mas tenho amigos de lá que me ajudaram com essa expressão, que achei bem interessante, rs. Quanto ao final, sabe que tinha escrito outro, mais dramático, em que eles se revoltavam e tudo mais, mas não me agradou, achei muito dramalhão. Então embora eu tenha buscado inspiração nos textos de Jorge em quase todo o texto, nessa parte eu fui mais pelo lado do Suassuna, em um final a la “Auto da Compadecida”, deixei assim mesmo.

  13. Pedro Viana
    30 de dezembro de 2013

    O conto é bom. Um tom diferente, com uma abordagem diferente. Não tive grandes surpresas na história, apesar de ter apreciado bastante a introdução e a conclusão do narrador – e chegar a conclusão que foi um jeito bem divertido de começar e terminar o conto. Sem mais. Parabéns!

    • Seu Jorge
      3 de janeiro de 2014

      Ah, agradeço pelo comentário, fico feliz.

  14. Ryan Mso
    28 de dezembro de 2013

    Como já dito por outros, boa história apesar de precisar de uma pequena revisão.
    Tal como a Thata, gostei da Do Carmo estar morta, foi bem legal chegar à isso.

    De resto, parabenizo ao autor pelo texto!

    • Seu Jorge
      3 de janeiro de 2014

      Sim, confesso que não revisei muito, inclusive já mexi nele desde então. Nada como os outros pra pegarem isso no nosso texto. Agradecido pela leitura!

  15. Gunther Schmidt de Miranda
    24 de dezembro de 2013

    Após ler uma série de observações sobre os comentários por mim postados neste concurso e suas respectivas respostas (infelizmente) concluí que fui tomado de certa pobreza de espírito. Em certos momentos nem fui técnico, muito menos humilde. Mas, novamente, reforço meus positivos comentários, declarando votos de vitória! Parabéns!

    • Seu Jorge
      3 de janeiro de 2014

      Grato, mais uma vez. E fico feliz por você!

  16. Ana Google
    23 de dezembro de 2013

    Aaaaah! Que texto bacana!!! De inicio, já me remeti ao grande Jorge Amado, com Dona Flor e Seus Dois Maridos. Não consegui ler o texto com outra percepção e, como sou fã de Jorge Amado, você merece sem duvidas o meu top 10. O grande mote e a grande sacada do conto foi a Do Carmo estar morta… Só ainda não entendi como ela não podia os ver!

    A propósito, a linguagem despojada é deliciosa!!!! Meus sinceros parabéns!

    • Seu Jorge
      23 de dezembro de 2013

      Oi, Ana! Então, para a história correr do jeito que eu queria, essa coisa da mulher não poder ver os maridos se explica lá na doutrina espírita, quando vemos que há espíritos em sintonias diferentes também… Ou em graus de evolução diferentes. Aí às vezes isso pode acontecer. Ela estava muito mais apegada à vida terrena, por seus crimes, então supus, para o bem do meu conto, hehehe, que eles estavam um pouquinho melhores espiritualmente que ela, coitada, hehehe. E Dona Leci pode ter o dom de se comunicar com espíritos mais “atrasados”, digamos, aqueles que estão mais próximos de nós… Quanto à linguagem, agradeço! Mas depois já peguei umas repetições desnecessárias que já consertei por aqui. Valeu o retorno!

  17. Inês Montenegro
    22 de dezembro de 2013

    Definitivamente um dos meus favoritos: a história trágico-cómica, o twist, o tom narrativo, as personagens… Contrariamente ao que já vi na opinião de alguns dos outros leitores, gostei também do final, deixado em aberto para o trio principal, e dando as respostas para personagens mencionadas.

    • Seu Jorge
      23 de dezembro de 2013

      Oi, Inês! Eu entendo quanto ao final, quando dizem que não gostam às vezes. A maioria entende o final como a culminância da coisa. Eu posso não gostar de um final, mas não critico o autor por não ter feito o final que eu gostaria… Mas bato palmas para aqueles que conseguem um final apoteótico da coisa. Eu confesso que ainda preciso de muito tempo de “treino” pra conseguir isso… E enquanto não consigo, vou tentando! Coisa melhor não há… 😉 Agradeço pela leitura e pelo comentário!

  18. gustavomoonmartins
    20 de dezembro de 2013

    Linguagem muito refrescante, quase cantada. É sempre bom ver histórias contadas com jeito de nordeste. Aliás, o texto todo me lembrou os prosistas nordestinos. De uma maneira muito boa. Difícil ver textos bons assim de ler assim, soltos na internet.
    Enfim, gostei muito.

    • Seu Jorge
      23 de dezembro de 2013

      Opa, Gustavo, gosto muito de Ariano Suassuna, Jorge Amado… Não quis imitar, mas procurei inspiração neles, sim! E ainda Drummond veio me dar uma ajuda que não reclamei, hehe!

  19. Ricardo Gnecco Falco
    20 de dezembro de 2013

    Rs! Gostei bastante! Mesmo (por minha própria culpa…) já sabendo sobre o estado de Carminha, fiz uma viagem bonita pelo além-mundo e gostei bastante do tom dado ao conto, nas palavras de um narrador tão irônico quanto a vida (ou seria “em” vida), beirando de leve o sarcasmo (sempre achei as duas – ironia e sarcasmo – bem próximas, mas aqui elas chegam a se “tocar”… rs!) e, para finalizar, também gostei da escolha dos nomes, principalmente da Sra. Veridiana.
    😉
    Um ótimo conto. Vai para o meu Top 3, certamente.
    Parabéns!
    . 🙂 .

    • Seu Jorge
      23 de dezembro de 2013

      Ricardo, fico feliz que tenha apreciado. Nomes… Adoro nomes antigos! =)

  20. bellatrizfernandes
    19 de dezembro de 2013

    Muito bom! Adorei!
    Tem aquele temperinho brasileiro, aquele gosto de causo, aquele tom que deixa tudo mais real.
    Um dos melhores até agora!
    Parabéns!

    • Seu Jorge
      23 de dezembro de 2013

      Opa, valeu aí, hein, Bella?

  21. Pedro Luna Coelho Façanha
    19 de dezembro de 2013

    Gostei bastante. Alguns diálogos me lembraram o filme ”Cine Holyúdi”, que tem esse trato nordestino. Achei bastante divertido e com bons personagens. Só não gostei do final. Eu encerraria o conto sem esse recado do narrador. Apesar de também não ser o meu tipo de final preferido, acho que a cena dos dois indo para o bar encerraria melhor, sem precisar do recado depois. Bom trabalho 😉

    • Seu Jorge
      19 de dezembro de 2013

      Ah, sim, é uma possibilidade. E eu pensei em fazer isso, porém queria dar notícias de Anselmo, sem muita “enrolação”, então nada melhor do que o narrador, pra concluir a história e fazer essa parte, rs. Bem capaz de eu reescrever a história, tirando o narrador no início e no fim, acrescentando o Anselmo na ação do conto, de alguma forma. Valeu!

  22. Felipe Holloway
    19 de dezembro de 2013

    Gente, por favor, por favor, por favor, vamos avisar sobre spoilers nos comentários. A menos que eu seja o único chato que os lê antes de o conto em si, haha. Tipo, nem li o texto ainda e já sei quem tá morto e quem não tá. =//

    Hunf, srta. Thata Pereira.

    • Thata Pereira
      19 de dezembro de 2013

      Eu até pensei nisso, mas Felipe, se você lê os comentários antes do conto, automaticamente você ESTÁ PROCURANDO SPOILER!!! rs’

      • Ricardo Gnecco Falco
        20 de dezembro de 2013

        Thata… Me entregou o ouro, também… 😦
        Bem… Vou lá ler o texto, né… SABENDO QUE A DO CARMO JÁ ESTÁ MORTA!!!
        #Fazeroquê, uai…

      • Thata Pereira
        20 de dezembro de 2013

        Preciso me conformar que só eu sou uma louca procuradora de Spoilers! :p
        Ok, Ok
        Marco meus próximos comentários com **SPOILER** daqui em diante.

      • Ricardo Gnecco Falco
        20 de dezembro de 2013

        😉

  23. Jefferson Lemos
    19 de dezembro de 2013

    Não costumo gostar de contos assim, com esse tipo de escrita, porém gostei bastante desse!
    Um forte candidato e merece o top 10!
    Parabéns e boa sorte!

    • Seu Jorge
      19 de dezembro de 2013

      Agradeço, Jefferson!

  24. Gustavo Araujo
    19 de dezembro de 2013

    Caramba, gostei muito deste conto. O mote, o regionalismo, os diálogos, a ambientação… É tudo leve, despretensioso, enfim, uma leitura adorável. Só senti falta de um final à altura, algo que amarrasse as pontas, talvez com uma interferência do terceiro menino, quer dizer, do terceiro marido. Não que tenha ficado ruim esse fim, mas para mim soou um pouco como um pedido de desculpas do autor. Em suma, um conto ótimo, com direito a like imediato, ainda que mereça, na minha opinião, um final melhor.

    • Seu Jorge
      19 de dezembro de 2013

      Opa! Só com esse “like imediato” já fiquei feliz, vixe! Quanto ao final, foi o velho medo de dar mais pano pra manga e estourar o limite. Eu já tinha produzido o texto inteiro, mas da metade pra frente, era uma pieguice que nem queira saber, com direito a passeio de barco romântico, Firmino vingativo e tudo mais. Me incomodou muito isso. Aí depois fui pensar nessa situação toda com a vidente. Quase fiz o terceiro menino, ops!, terceiro marido ir até lá, em vez da sogra. Quase ia assassinar o Anselmo também. Mas aí o Drummond não deixou, rs. Ou seja, achei melhor parar por aí. Valeu! 😉

  25. Gunther Schmidt de Miranda
    19 de dezembro de 2013

    Bom texto! Digo mais: um dos melhores que li! Enfim algo que ocorre em um Brasil, com regionalidade! Somente deixa de ser excelente pela mistura de correntes: tem momentos que penso estar no sertão em de Jorge Amado, com Dona Flor e Seus Dois Maridos! Um pouco mais de originalidade seria necessário! Outra coisa que faz perder pontos é o susto: conto de fantasma sem susto é a mesma coisa que feijão sem arroz…

    • Seu Jorge
      19 de dezembro de 2013

      Gunther, confesso que, por não ter pesquisado muito os regionalismos, não quis abusar deles, apenas é certo que se passa em um lugar da região Nordeste. Penso em sanar isso com mais calma, mais à frente. Também fiquei com medo de exagerar no regionalismo e meu conto virar uma novela das nove, escrita por Aguinaldo Silva, coisa pelo qual eu não me perdoaria. Pô, mas e o susto do Firmino ao descobrir o real estado de Do Carmo? Confesso que não me assusto com conto de fantasma nenhum. Só sinto tensão, desespero, aflição… susto não levo, garanto! Valeu a leitura!

  26. Claudia Roberta Angst - C.R.Angst
    19 de dezembro de 2013

    Ih, misturei tudo na minha cabeça: Drummond e Jorge Amado. Vi Dona Flor e Seus Dois Maridos aí, não sei bem por qual razão, talvez o regionalismo. Gostei muito porque fui pega de surpresa pela condição da personagem Do Carmo. O final com o discurso direcionado ao leitor não me incomodou, pois ficou bem encaixado e fechou com êxito a narrativa. Boa sorte!

    • Seu Jorge
      19 de dezembro de 2013

      Claudia, só posso te dizer uma coisa: bingo! Primeira referência minha foi Jorge Amado. A história de Dona Flor e os dois maridos não me saía da cabeça. As referências ao texto de Drummond vieram depois, quando me angustiei pelo rumo do conto a partir da metade dele. Aí lembrei, não sei por que, do “Quadrilha”. E fiz as adaptações ao enredo! Que bom que meu narrador intrometido e metido a contador de histórias não lhe incomodou! Sabia que corria esse risco, mas resolvi arriscar, porque foi da forma como pensei. Abraço!

      • Claudia Roberta Angst - C.R.Angst
        19 de dezembro de 2013

        Tá vendo? De vez em quando, eu acerto. Quanto ao risco, acho que todo escritor deve sair da zona de conforto e arriscar mesmo. No seu caso, valeu a pena. Sempre vale, né? Abraço. 🙂

  27. Thata Pereira
    19 de dezembro de 2013

    Gostei do conto! Sabe, esses finais com interferência do narrador costumam me desagradar muito, mas duas coisas fizeram com que isso não acontecesse: ele começou com a mesma interferência e o regionalismo.

    Gostei muito do fato de Do Carmo também estar morta e ter sido culpada pelas mortes.

    Boa Sorte!

    • Seu Jorge
      19 de dezembro de 2013

      Oi, Thata! Que bom que gostou. Pouquíssimas vezes usei um narrador tão intrometido. Mas como eu só conseguia vê-lo dessa forma, resolvi arriscar. Agradeço pela leitura e pelo comentário!

  28. Bia Machado
    19 de dezembro de 2013

    Uma leitura agradável pra mim, que gosto de contos com ar “regional”, ainda que não me mostre de onde é. Consegui entender bem a questão dos três maridos, qual estava morto e qual não. Confesso que esperava outro final, mas achei que assim também ficou legal (ih, rimou!).

    • Seu Jorge
      19 de dezembro de 2013

      Agora me deixou na curiosidade: em qual final você pensou? Pergunto porque também imaginei outros, cheguei até a escrever o final de outra forma, mas não gostei. Para escrever esse texto, tive que reescrever tudo, a partir da saída da Do Carmo da casa dela.

  29. Marcellus
    18 de dezembro de 2013

    Boa história, talvez assoprada pelo fantasma do grande Drummond. Carece de pequenas revisões e apesar do regionalismo dar um toque especial, tragicômico, me embolei um pouco lá pelo meio, até entender que não eram três “maridos mortos”.

    Boa sorte!

    • Seu Jorge
      19 de dezembro de 2013

      Sim, grande Drummond! Ah, se fosse possível, gostaria de saber onde seria necessária essa revisão, li várias vezes, mexi em muita coisa, reescrevi algumas partes, então tenho receio de que de repente tenha alterado errado algo que depois nem vi. E queria saber também porque achou que eram três maridos mortos, em algum momento? Bem, isso é possível acontecer até a hora da revelação da sogra, foi essa a intenção, mas se puder apontar onde houve a falha, agradeço muito.

      • Marcellus
        19 de dezembro de 2013

        Salve Jorge!

        As “pequenas correções” a que me referi são pequenas mesmo, mínimas. Coisas do tipo: “Depois de tudo o que acontecera, em morte ainda conserva a boa pinta…” talvez ficasse melhor: “Depois de tudo o que acontecera, em morte ainda conservava a boa pinta…”. Ou a vírgula que deveria existir depois do advérbio em “Infelizmente Do Carmo não tinha se contentado…”. Nada, absolutamente nada que tire a força da história.

        Me “embolei” lendo o trecho “Depois da passagem, o segundo marido agora quer mais é que Do Carmo fique sozinha. Não pode haver um terceiro.”. Foi um erro meu: achei que “havia um terceiro”. Só fui entender depois da frase “Por pouco não teve o mesmo destino dos outros dois.”.

        Boa sorte!

    • Seu Jorge
      19 de dezembro de 2013

      Entendi. Mas no caso do tempo verbal, é porque ele está narrando no presente, como se estivesse vendo tudo naquele momento. “Depois de tudo o que acontecera, ainda conserva…” (porque conserva naquele momento). Talvez devesse ter usado “aconteceu”, não sei. É um ponto a ser verificado, com certeza. Quanto à vírgula, pode ser! Fiquei em dúvida agora e vou conferir também. Tenho um pé atrás com vírgulas que você nem imagina! Sempre acho que estou colocando mais do que preciso! Mas valeram as dicas, hein! =D

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

Publicado às 17 de dezembro de 2013 por em Fantasmas e marcado .