EntreContos

Detox Literário.

Ciclos (André Luiz)

awesome-black-end-white-dark-grunge-favim-com-2151994

Acordei sobressaltado, saindo de um longo e belíssimo sonho, em que eu a tinha novamente no peito. Porém, ao me lembrar dos anos que haviam passado, e de que eu talvez nunca mais a teria, entristeci-me.

Regressei ao sono eterno, sozinho mais uma vez no infinito.

Abri os olhos e pude ver luzes piscando, iluminando meu rosto. Eu estava molhado e quente. Vi o choro nos olhos de minha nova família, e chorei também, de felicidade. Eu estava vivo novamente!

Anúncios

82 comentários em “Ciclos (André Luiz)

  1. Renato Silva
    27 de janeiro de 2017

    Um belo conto sobre reencarnação. Palavras muito bem escolhidas e muito poético. Boa sorte neste desafio.

  2. Gustavo Henrique
    27 de janeiro de 2017

    Não gostei muito, o texto não me agradou. Boa sorte.

  3. Thayná Afonso
    27 de janeiro de 2017

    Gostei do conto, achei legal como você descreveu esse ciclo que é a vida, mas na minha concepção faltou surpresa/impacto no final. Enfim, boa sorte!

  4. Victoria
    27 de janeiro de 2017

    Achei bacana a ideia da reencarnação e a alegria do personagem ao nascer. No mais, é um conto bem escrito. Parabéns

  5. Remisson Aniceto (@RemissonA)
    27 de janeiro de 2017

    Morte/vida/sonho. Não vi um desfecho muito interessante, faltou uma frase, mesmo curta, mas impactante para quebrar a monotonia que passeia portodo o texto. Mas o autor/autora escreve fluentemente. Abraço.

  6. Leandro B.
    27 de janeiro de 2017

    Oi, Regresso.

    O que mais me chamou a atenção no conto não foi a questão positiva da reencarnação (observada na felicidade do personagem), mas em certa aleatoriedade no processo, como se, enquanto indivíduos, não tivéssemos controle sobre o mesmo.

    Gosto da ideia de um universo caotico, e possivelmente estou forçando uma interpretação aqui, mas é bacana quando um conto permite esse tipo de viagem.

    Acho que um exercício interessante seria reescrever alguns trechos em uma linguagem mais conotativa, apenas como experiência mesmo, pois acho que é um tema que possibilita boas metaforas.

    Enfim, parabens.

  7. Lohan Lage
    27 de janeiro de 2017

    Um ciclo… o pseudo dá uma entregada também, ou seja, o final acaba não impactando, faltou a caixinha de surpresa.

  8. rsollberg
    27 de janeiro de 2017

    Um tema muito bacana de ser explorado, mas em razão do curto espaço não decola. Sei lá, ficou tipo morreu/adulto, acordou/recém nascido, faltou a conexão no meio, ainda que fosse apenas uma filigrana delicada. Nesse sentido a estrutura, ou seja, a divisão, distanciou ainda mais as “duas” histórias. E pela última frase aparenta que o personagem tem consciência de sua reencarnação, ou variável desse conceito, o que soa um tanto insólito.
    De qualquer modo, é apenas minha impressão. Parabéns e boa sorte!

  9. Lee Rodrigues
    27 de janeiro de 2017

    Uma linda volta espiritual que traz a premissa do recomeço, uma nova chance. Não causou impacto no final, porque a surpresa veio no meio do caminho, com a descoberta, a mensagem é bonita e foi delicadamente passada.

  10. Estela Menezes
    26 de janeiro de 2017

    O tema sempre desperta interesse e o autor encontrou uma forma original de apresentar sua história. No entanto, achei que o desenvolvimento do primeiro parágrafo, mais obscuro e misterioso, em contraste com o desenvolvimento do segundo parágrafo, mais claro e objetivo, acabou prejudicando a unidade e a coesão do relato …

  11. juliana calafange da costa ribeiro
    26 de janeiro de 2017

    Espírita? Olha, além da filosofia de Kardec, não vi nada no seu conto. O q vc quis dizer com ele? Qual a reflexão aqui? Vc apenas descreveu um ciclo, entre a morte e a reencarnação, não é uma narrativa, na minha opinião.

  12. Gustavo Aquino Dos Reis
    26 de janeiro de 2017

    Também gostei desse.

    Bem escrito, com boas construções e uma premissa de reencarnação.

    Parabéns.

  13. Fil Felix
    26 de janeiro de 2017

    Fui pegar a ideia de reencarnação na segunda leitura e isso é bom, não escancara tudo pro leitor. No começo pensei em algo a lá Nosso Lar. As analogias estão boas, mas senti um pouco de confusão na primeira parte, com o acordar e o dormir. A segunda já ficou mais clara e muito boa.

  14. Simoni Dário
    26 de janeiro de 2017

    A reencarnação foi tratada com positividade, uma vez que o personagem saí de uma vida solitária para recomeçar com alegria. O que virá, só por Deus.
    Bom desafio!

  15. Sra Datti
    26 de janeiro de 2017

    Já fiz um conto com este tema. Talvez, por isso, não me tenha surpreendido. De qualquer forma, está bem desenvolvido, Só uma ressalva, a gente costuma colocar um ser como “morto” mesmo quando a consciência está presente, cheia de anseios, sentimentos, impressões. Sugeriria apenas uma correção da expressão: “vivo novamente” – porque o tempo inteiro o personagem tem vida, a diferença fica por conta do “lugar”…
    Boa sorte!

  16. Rubem Cabral
    26 de janeiro de 2017

    Olá, Regresso.

    Um bom conto, com uma mensagem positiva sobre a reencarnação, sobre alguém que morreu nascer outra vez como um bebê.

    A linguagem foi simples, mas funcionou a contento. Não encontrei erros para apontar.

    Nota: 7.5

  17. Paula Giannini - palcodapalavrablog
    25 de janeiro de 2017

    Olá Regresso,

    Tudo bem?

    Premissa espírita. Gosto do tema. Gosto da ideia cíclica da vida. O sofrimento profundo de uma vida que se acaba, se renovando em uma outra, nova.

    O texto é bem escrito e ousou, inclusive com o lapso de tempo ao utilizar o —-.

    Senti apenas uma certa falta de uma amarração entre as vidas no parágrafo final. Mas como não lembramos quem fomos nas existências passadas, o texto não deixa de ser bastante coerente.

    Parabéns por seu trabalho e boa sorte no desafio.

    Beijos

    Paula Giannini

  18. Srgio Ferrari
    25 de janeiro de 2017

    Fantástico.

    Só apreciei na segunda leitura. Mas microconto leva vantagem pois pode e deve ser lido duas três vezes…. Parabéns, ótimo.

  19. angst447
    25 de janeiro de 2017

    Levei um tempo para compreender a linha narrativa. O sujeito tinha morrido e queria ter a vida batendo novamente dentro do seu peito? Aí, apareceram as luzes, o choro da família.. Primeiro pensei em um homem voltando de uma parada cardíaca dentro de uma ambulância, mas o fato de estar molhado me levou ao parto.
    Está bem escrito, mas poderia utilizar palavras que induzissem à criação de imagens mais claras.
    Parabéns por se arriscar em uma temática pouco comum por aqui.
    Boa sorte!

  20. Daniel Reis
    25 de janeiro de 2017

    O sobrenatura, a reencarnação e uma nova chance dão o tom de esperança a essa história. Porém, não ficou bem claro quem seria “ela” – a que ele tinha novamente no peito. E por que acordou e voltou a dormir o sono eterno? Era um bebê que morreu e reencarnou?
    Não entendi totalmente, me desculpe.

  21. Cilas Medi
    24 de janeiro de 2017

    E dessa vez foi o pós morte, nova família em um novo estado, o espiritual. Um conto lírico e passível de ser refutado por quem não consegue aquilatar, pelo lado da ciência, que a vida, real, continua. Disse tudo em poucas palavras. Parabéns!

  22. vitormcleite
    24 de janeiro de 2017

    muito bom, é o exemplo do que se pretendia para este desafio, e tanto que dizes com tão poucas palavras… muitos parabéns

  23. Davenir Viganon
    24 de janeiro de 2017

    A viagem poderia ser melhor trabalhada. A ideia de ciclos pedia justamente que não houvesse esse corte abrupto, quase didático. Melhor seria deixar o leitor tentar desbravar esse mistério do que garantir que ele entenda tudo, tintin por tintin. A ideia é muito boa, mas a execução nem tanto.

  24. Bruna Francielle
    24 de janeiro de 2017

    Bem, acho que poderia ter elucidado um pouco mais as 2 primeiras estrofes, e economizado palavras na última!
    As primeiras estrofes dão margem a mais de uma interpretação, mas o fim é claro !
    A interpretação que parece mais literal seria de que o homem estaria dormindo literalmente, e sonhou com alguma pessoa que ele gostava, mas que estava a muitos anos sem ver, talvez porque ela tenha morrido há muitos anos, e então, o homem morre !
    Mas aí, na última estrofe, a personagem mulher, que parecia ser importante para o protagonista, simplesmente desaparece !
    Outra interpretação que eu tive, foi que a mulher que ele se referia, fosse ainda de outra ”reencarnação” que ele teve..
    Outra que ele não estaria reencarnado na primeira estrofe.. mas em algum outro mundo !
    Também ficou estranho ele sendo um bebe ter consciência de pensar aquelas coisas ! Talvez a narração fosse em terceira pessoa, teria ficado mais verossímil

  25. Miquéias Dell'Orti
    24 de janeiro de 2017

    Olá,

    Um belo conto sobre o renascimento. O sono eterno (que na verdade, não é eterno, segundo o conceito que texto permeia) e o retorno à uma nova vida, sugerindo nova felicidade.

    O tempo não existe nesse conto, ele é alegórico. O ciclo é que importa. A renovação da vida. Bonito de ler e legal de se perder em reflexões.

    Muito bom.

  26. Amanda Gomez
    24 de janeiro de 2017

    Olá,

    Achei interessante a forma como falou sobre reencarnação, embora eu ache que no outro plano não ficamos tão afoitos para voltar, porque seria de outra forma..enfim. O alma me parece uma que está bem presa a vida terrena, e sonha em um dia voltar. Até que volta, e isso pode ter demorado muito tempo.

    A consciência me incomodou um pouco, ficou meio no sense o fato dele está consciente da vida passada, da espera e da nova. Mas de que outra forma seria contada essa história, não é?

    Fora algumas ressalvas, o conto é bom.

    Boa sorte no desafio.

  27. Laís Helena Serra Ramalho
    24 de janeiro de 2017

    Confesso que não gostei muito do conto, mas talvez por ser um gênero que não me agrada muito. A narrativa também não me fisgou: em alguns trechos, você conta quando seria necessário mostrar, dando nome aos sentimentos em vez de se utilizar de sensações e linguagem corporal. Isso tirou um pouco do impacto.

  28. Vitor De Lerbo
    24 de janeiro de 2017

    O sonho de ter a vida novamente dentro do peito foi realizado, e a única maneira de expressar toda a alegria foi chorar ao recebê-la.
    É uma bela explicação filosófica para o choro dos recém-nascidos.
    Conto feliz e bem escrito.
    Boa sorte!

  29. Pedro Luna
    24 de janeiro de 2017

    Na primeira parte, aqui como exemplo: “Porém, ao me lembrar dos anos que haviam passado, e de que eu talvez nunca mais a teria” , esse TERIA se refere a vida? Acho que sim. No início pensei se tratar de uma mulher, acho que ele fala da vida. Pois na segunda parte reencarna e fica satisfeito por a ter novamente. Achei legal trazer o choro do nenem como uma demonstração de felicidade.

    Achei legal.

  30. Anderson Henrique
    24 de janeiro de 2017

    Gostei da maneira como moldou a reencarnação. Faz jus ao título e funcionou bem. Se fosse um conto com mais espaço, eu iria sugerir construções mais criativas para substituir trechos como “molhado e quente”. Mas entendo que foram atalhos para encurtar o texto e fazê-lo caber na limitação do desafio. Bom conto.

  31. Felipe Teodoro
    23 de janeiro de 2017

    Hummm… Um conto interessante, a escrita é boa, apesar do início soar meloso demais. O regresso aqui parece ser a palavra chave, não se trata apenas de retornar à vida, mas sim, um vida nova. O final com a cena do nascimento, e a percepção de estar vivo novamente foi muito bonito. Acredito que você sintetizou bem a ideia, porém, apensar de bem executado, o conto não trouxe nenhum tipo de elemento que o transformasse em um excelente micro. Mas essa, é apenas minha opinião. Minha dica: evitar construções do tipo “vi o choro nos olhos” e tomar cuidado com o excesso de pronomes.

    Parabéns!

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 13 de janeiro de 2017 por em Microcontos 2017 e marcado .