EntreContos

Detox Literário.

Kyra (Emanuel Maurin)

Sempre gostei de observar o céu noturno pelo telescópio, por isso optei em morar afastado da cidade, a distância da iluminação pública e de outras casas torna o lume de estrelas bem mais atrativo. Por muito tempo, andei distante dos amigos, vez ou outra, visitava minha irmã. No final do ano passado, chegava no meu canto cheio de grandes árvores, flores e arbustos. Era noite sem lua, chovia, o céu escurecia o chão de terra vermelha muito embarreado, alguma interferência atmosférica desligou o motor do meu carro e meu celular começou a tocar, completamente apagado; curioso, encostei o aparelho no ouvido e uma voz feminina saudou-me. 

— Boa noite, sou a capitã Kyra.

— Como assim? Meu telefone está desligado, por que ouço sua voz?

— Em nosso planeta, nos comunicamos quanticamente nos aparelhos e sua tecnologia não é muito diferente da nossa, se preferir, falamos depois, quando estivermos próximos. Preciso estacionar minha nave em seu quintal, caso não queira ajudar, posso ir embora.

Apesar do cansaço que cerrava os meus olhos, aceitei, não poderia perder a maior oportunidade da minha vida, principalmente após passar anos olhando e pedindo mentalmente ao universo por um contato.

Saí do carro correndo em direção ao quintal, tropecei numa pedra, caí e embarrei minha roupa junto ao chão, levantei olhando para o céu, e somente vi escuridão e chuva.

Momentos de amargura inundaram minha alma, muitas pessoas não acreditariam no que acabei de ouvir no telefone celular. Enfim, a capitã Kyra ligou novamente.

— Por favor, não se assuste, a nave vai aparecer, aos poucos, por cima das árvores do seu quintal, faremos um escudo para interromper a chuva e somente ficará visível a você. Tudo bem?

Ao ouvir aquela voz suave em meu ouvido, imaginei um lagarto verde, vestido de uniforme branco, igual ao de almirante de navio, por fim, suspirei e disse que tudo bem.

Assim que sinalizei positivamente, um evento excepcional e estranho começou a acontecer. Um barco dourado apareceu como um relâmpago iluminando o céu escuro e deixou um enorme rastro idêntico a um arco-íris no firmamento. Ao olhar a embarcação resplandecente, viajei para o mundo das ideias. “Não posso negar que tive medo quanto minha escolha, ajudar sempre é a melhor opção”, filosofei em voz alta e a capitã Kyra ouviu minha filosofia barata e respondeu-me junto ao telefone celular.

— Vou descer para falar com você pessoalmente.

Quieto e atento a cada detalhe ao meu redor, disse que concordava. Olhei para o alto e uma espécie de bola de sabão circundou a nave, tive um momento de êxtase nostálgico. Enquanto aguardava, pensava na dor de ter sido deixado para trás por uma mulher a quem tanto dediquei meu amor. Inclusive, tentei controlar meus pensamentos, por medo de dizer à capitã Kyra algo desagradável.

Olho mais uma vez para cima e aparece uma deusa.

— Como sei que não é uma divindade? Perguntei e respondi a mim mesmo.

Tem acontecido algumas coisas estranhas em minha vida, e estou começando a notar certo desajuste em minha cabeça.

— Como vou saber que não é o meu cérebro inventando coisas? — o nervosismo atrapalhava meu raciocínio lógico e não me deixava responder minhas próprias indagações.

Ouço, “calma”! Desta vez, uma voz doce interrompeu meu pensamento, e depois de ela ter pronunciado a palavra calma, veio andando tranquilamente em minha direção.

Apesar da capitã Kyra aparentar poder, coragem e inteligência à primeira vista, não tive pensamentos virtuosos em relação a ela. Minha fascinação pelo seu corpo cheio, dentro do macacão lilás, roubou sua verdadeira beleza, fazendo-me pensar apenas em sexo. Excitado, fui ao encontro dela, primeiro devagar, hesitante, sem saber bem o que dizer quando ficasse frente a frente, aos poucos, notei que minha razão me puxava para trás, parei, pensei, depois segui em frente.

Ao chegar perto dela, disse: “oi!”. Não veio outra palavra na minha mente. Ela sorriu, mostrando toda sua simpatia, estendeu-me a mão, estendi a minha, e quando apertei a dela, todo meu corpo estremeceu, foi paixão à primeira vista.

Meu coração acelerou, não pude conter a emoção, então, ela me chamou para conhecer a sua nave.

Assim que concordei, ela novamente pegou em minhas mãos, olhos nos olhos, começamos a flutuar no ar, como se não houvesse gravidade.  Ainda nos encarando, chegamos ao convés superior.

Nada mudou na atmosfera, o mesmo sopro de vento que soprava as folhas balançava a vela pendurada no mastro: o barco não avançava, a chuva cessou, mostrando o firmamento todo iluminado, meus olhos brilharam ao ver tão belo céu, mulher e embarcação.

— Eu sou uma exploradora intergaláctica, única tripulante desta nave, tudo aqui é programado por um computador quântico, sou apaixonada pelo seu planeta. Há tempos coleciono conhecimentos sobre a humanidade, que não me servem para nada, agora, pela primeira vez, tive vontade de conhecer uma pessoa que pensa e age como eu. Venho lhe acompanhando pela internet há algum tempo, sei que, como eu, você é solitário e ama o universo.

Não pude acreditar que algo desta dimensão estava acontecendo comigo, então criei coragem, aproximei meu rosto do rosto dela e a beijei como por uma eternidade, um cosmos explodiu dentro do meu peito enquanto nos beijávamos.

Nós dois começamos a nos despir ao mesmo tempo, a capitã Kyra não vestia nada por baixo, o macacão transparente caiu aos seus pés, ajudei a tirá-la de dentro da seda e abracei-a com bastante força, todo o firmamento nos observava. Nos amamos profundamente. Após o namoro, Kyra me agradeceu pela noite maravilhosa, pediu-me para aguardar no convés enquanto ela descansava para carregar as baterias, beijou-me mais uma vez e subiu para sua cabine.

Na hora, não entendi o motivo da capitã Kyra não ter me convidado para entrar junto a ela, já que aqui fora fazia frio.  

Enquanto aguardava no convés, um conflito começou a atormentar-me.

—Por que ela me deixou aqui fora sozinho? – Pensei e, num súbito ato de insanidade, fui procura-la dentro da nave, chamei várias vezes e não ouvi respostas.

  Enquanto deslizava as mãos pela parede da nave conferindo a tecnologia, uma porta destravou em minha frente. Então entrei naquele ambiente cheio de pequenas luzes piscando e mal dei o primeiro passo, tive palpitações ao vê-la deitada numa mesa branca. Kyra estava sem os cabelos negros, igual a uma boneca de silicone careca, ligada, por uns fios, a um enorme computador luminoso.

O sensor do computador percebeu meu movimento e acionou o motor do barco nave, saí correndo em direção à borda e, sem olhar para trás, pulei de uma altura de mais de vinte metros, os galhos das árvores amorteceram minha queda, mesmo assim, quebrei o braço com o impacto da batida na terra embarreada.

Olhei para cima e, com muita tristeza, vi a nave dourada partir, deixando um risco luminoso no céu.

Com muita dor, fui até o carro, notei que a parte elétrica voltou a funcionar, liguei para minha irmã Heloísa, mandei-a encontrar-me no pronto-socorro central.

Havia umas diferenças entre nós, Heloísa era boa, amava-me, mesmo sabendo da minha loucura, dos meus remédios controlados e da minha depressão.

— O que aconteceu com seu braço? — perguntou Heloísa, bem espantada com o acontecido.

— Nada, caí, quebrei o braço e bati a cara no barro.

— Está mentindo.

— Por que diz que estou mentindo?

— Por que vejo pavor e tristeza em seus olhos, espera que, depois de tantos acontecimentos bizarros e muitas decepções amorosas em sua vida, eu creia que nada aconteceu?

– Heloísa, aconteceu algo terrível, talvez o pior acontecimento de minha vida, foi por causa de uma noite de amor, com a melhor mulher que me apareceu. Agora estou com a cara enlameada, o braço quebrado e o coração dilacerado. Por favor, não me dê sermões, prometo que não fiz mal a ninguém.

— Está bem, mas vê se amanhã procura o psiquiatra e não pare de tomar o medicamento. Durma na minha casa está noite.

– Sim, vou dormir lá, é o mais certo que tenho a fazer neste momento.

Após trinta dias enfiado dentro de casa, retornei ao médico, tirei a tala e tive alta. Voltei ao trabalho no mesmo dia, passei todo tempo pensando na capitã Kyra, à tarde, passei na padaria do Adão, comprei pães, suco de laranja, entrei no carro e segui viajando em meus pensamentos.

Ao adentrar a casa, o telefone tocou outra vez, olhei no visor e, para minha surpresa, estava tudo apagado, fiquei ansioso e coloquei rapidinho o fone no ouvido e ouvi.

— Amor?

— Sim! — Respondi gaguejando ao ouvi-la novamente.

— Perdoa-me, eu errei em não ter lhe contado, eu não consigo lhe esquecer.

Estou com saudades, depois que você partiu, uma enorme dor, misturada com saudade, dominou minha consciência, não consigo parar de pensar em você. Volta para mim.

— É o que eu mais quero. Antes, deixe-me explicar algo importante: depois que me apaixonei, não conseguiu mais me concentrar em nada que não fosse você, sabendo disto, o comandante da minha missão mandou a nave barco voltar ao meu planeta de origem, lá desmancharam meu corpo e deixaram minha consciência alojada num receptáculo. Até que uma capitã de outra nave soube da minha aventura e resolveu me ajudar, trazendo o receptáculo, onde minha consciência estava alojada, escondido em sua nave, até chegar em seu planeta.

— Chegando aqui foi fácil, ela conectou minha consciência numa rede de internet e aqui estou, falando novamente com você.

— Incrível sua história, confesso que, a princípio, fiquei assustado. Quando sua nave partiu, fiquei com o coração despedaçado e já estava morrendo de saudades. O problema agora é encontrar uma maneira de interagirmos fisicamente.

— Tenho uma ideia, sou especialista em robótica, caso queira, podemos construir uma mulher de silicone perfeita, depois, faço um download de minha consciência para o corpo da boneca.

— Kyra, estou morrendo de saudades, a caminho de casa, fica falando comigo ao telefone, sofri muito nesse tempo que passei longe de você.  

Ao entrar no quarto, disse à capitã Kyra para ajudar a escolher uma boneca fabricada no Japão, idêntica ao corpo que ela possuía antes de ser desmontada. A capitã Kyra tentou encomendar uma boneca gordinha, o problema era que os fabricantes estereotiparam a aparência das bonecas, e ela não encontrou um corpo cheio e único como o que eu adorava. Então, usando todo seu conhecimento cientifico, encomendou vários materiais e componentes eletrônicos para fazer uma “mulher”, com todos os movimentos e características humanas.

Uma semana depois, a encomenda chegou. Abri a caixa e segui o passo a passo ditado pela capitã Kyra, montei a estrutura do corpo e liguei aos circuitos digitais, tal como minha amada ensinou, enfim, ela ficou perfeita.

Então, muito emocionado, conectei a consciência da capitã Kyra na “mulher”, e senti o sopro “divino” fazer o coração dela pulsar, os lindos olhos castanhos sorriam se abrindo delicadamente para mim. Uma nova Eva acabara de nascer, levantou, veio em minha direção e nos beijamos por muito tempo.

Estamos juntos a mais ou menos uns cinco meses, ainda não apresentei capitã Kyra  a ninguém.

Um dia, minha irmã veio me visitar sem avisar, Kyra estava sentada no quintal, ficou imóvel ao perceber a presença de Heloísa.   

Minha irmã, muito curiosa, perguntou se eu estava fazendo sexo com aquela boneca. Não dei nem resposta, ela viu que não gostei do comentário maldoso. Sorte que a visita foi de médico, não ficou nem vinte minutos. Assim que ela saiu, a capitã Kyra correu para os meus braços e nos amamos a tarde toda.

20 comentários em “Kyra (Emanuel Maurin)

  1. Jowilton Amaral da Costa
    15 de setembro de 2019

    O conto narra a história de um homem que tem contato com uma alienígena chamada kira, ela é a capitá de um barco estelar. Mais tarde descobrimos que Kira é uma espécie de robô. Eles se envolvem emocionalmente e sexualmente. kira tem que voltar para seu mundo, deixando o homem inconsolável aqui na terra. Pouco depois Kira entra em contato novamente através da internet. Ela e o homem conseguem transferir a consciência da capitã para uma boneca de tamanho humano. No decorrer do conto descobrimos que tudo pode ser apenas um devaneio esquizofrênico da mente adoentada do homem.

    Achei o conto médio. A narrativa me pareceu de alguém pouco experiente na escrita, os diálogos não são naturais e a trama é ingênua, ao meu ver. A dúvida que ficamos se Kira existe realmente, ou se é apenas um surto da mente doente do homem, não é muito original, que diminui o impacto do conto. Boa sorte no desafio.

  2. M. A. Thompson
    15 de setembro de 2019

    Olá autor(a). Parabéns pelo seu conto.

    TÍTULO: Kyra

    GÊNERO:
    [ X ] Ficção Científica
    [ X ] Sabrinesco (erótico)

    RESUMO: Um astrônomo amador tem um contato imediato de terceiro grau e se apaixona pela extraterrestre. Descobre que a mesma na verdade é uma consciência em um corpo de androide. Estranhamente a nave regressa, a ET é desmontada e tem a consciência contrabandeada de volta para a Terra onde é transferida para uma boneca realista japonesa.

    ORTOGRAFIA E GRAMÁTICA: Nada a comentar.

    O QUE ACHEI DA HISTÓRIA:
    Achei forçado o uso da palavra “quanticamente” porque me parece que as pessoas quando querem mostrar sinais de intelectualidade ou futurismo adotam essa palavra sem ideia do que o quantum representa. Mais de um conto da série C fez uso desse expediente.
    O fato de o personagem logo nos primeiros momentos do contato ter pensado em sexo e em seguida ter feito sexo com a extraterrestre não é crível.
    E mais uma vez vem a relação com o quantum: o computador que comanda a nave é quântico.
    Outro trecho pouco crível é a nave ir embora sem mais nem menos.
    Parece um conto escrito por uma mulher que entende pouco de ficção científica.
    Ideia parecida com a do conto “A Garota sem Memória” que também aborda o sexo entre humano e androide. A diferença deste é que foi com um ET.
    Pelo pseudônimo eu esperava algo mais belicoso. 🙂

    Desejo sorte e torça por mim também. 🙂

    Abçs.

  3. Adauri Jose Santos Santos
    12 de setembro de 2019

    Resumo: Homem recebe uma ligação de uma extraterrestre dizendo que iria estacionar a nave em seu quintal. Depois de estacionar sua nave, a extraterrestre leva o homem para dentro da neve e os dois fazem amor. De repente, a nave decola sozinha levando a tripulante embora, algum tempo depois, a mulher retorna somente como consciência e é colocada numa boneca de silicone ficando junto do seu amado terrestre.
    Considerações: É uma boa estória, tem um bom enredo e é bem interessante em alguns pontos. Os temas estão misturados, mas isso não prejudica a estória. O desfecho é que ficou um pouco simplório, ao invés de usar “mulher de silicone”, “boneca” você poderia achar outros termos do campo da robótica. Há alguns erros de revisão. Boa sorte!

  4. Ana Carolina Machado
    12 de setembro de 2019

    Oiiii. Um conto sobre um homem solitário que tem um relacionamento com uma capitã chamada Kyra que é de outra galáxia. Os dois se amam intensamente na nave navio dela, porém após a noite de amor ela o deixa sozinho, o que causa estranhamento e o faz entra a procura dela. Ele descobre o segredo dela ao ver ela sem os cabelos e meio que recarregando. Ele acaba tendo que saltar do barco nave e machuca o braço na queda. Depois daquele encontro os dois se apaixonam e a saudade faz com que um viva pensando no outro o que leva a sérias consequencias para Kyra que é desmontada e tem sua consciencia deixada em um receptáculo. Mas ele monta um novo corpo para ela e transfere a consciencia para a boneca e no fim ele e Kyra passam a viver juntos e felizes, apesar dele não apresentar ela para ninguém, nem a irmã dele sabe. É o segredo deles. Achei o conto muito legal, pois mostrou o encontro de duas almas solitárias que apesar da diferença de galáxias constroem algo forte juntos e apenas sossegam quando se unem novamente. E o final em aberto deixou no ar a pergunta se um dia ele falará da capitão kyra para a irmã ou alguém e qual seria a reação deles com a informação. Parabéns pelo conto e boa sorte no desafio.

  5. Rafael Penha
    12 de setembro de 2019

    RESUMO: Rapaz com algumas frustrações na vida repentinamente recebe a estranha visita de uma nave alienígena e imediatamente se apaixona pela capitã. Ao se deparar com algo chocante, ele foge, mas em pouco tempo sua amada volta e juntos, eles conseguem desenvolver uma forma de ficar juntos.

    COMENTÁRIOS: O conto é bastante ousado. Procura fundir os dois temas do certame numa única história. De fato, os dois temas foram atingidos, mas o enredo acabou sendo prejudicado.
    A história me pareceu apressada e sem muito desenvolvimento. Ela começa de uma forma e repentinamente é introduzido o tema científico. A nave simplesmente aparece do nada e o romance entre o protagonista e Kyra nçao tem nenhum desenvolvimento, sendo resumido a poucas palavras: “Venho lhe acompanhando pela internet há algum tempo, sei que, como eu, você é solitário e ama o universo.” Para que eu pudesse me sentir conectado com a história, gostaria de entender melhor o que fez Kyra se apaixonar. Já o protagonista, me pareceu muito mais atração sexual do que amor, visto que todas as suas frases são direcionadas ao corpo da mulher e da necessidade de reconstruí-lo.
    O conto tem muitos nomes, personagens e locais desnecessários, que nada acrescentam à história, alguns exemplos são: irmã Heloísa, pronto- socorro, padaria do Adão.
    Quanto à gramática, há algumas passagens mal narradas e algumas discordâncias gramaticais que me incomodaram, mas acredito que pessoas mais qualificadas hão de apontar.
    Um abraço.

  6. Fabio
    11 de setembro de 2019

    Kyra

    Resumo: Um homem recebe uma ligação de uma mulher de outro planeta. Mesmo com o telefone desligado ela consegue se conectar a ele. Kyra é o nome desta mulher. Ela lhe diz que em breve ira visita-lo e que eles possuem o mesmo desejo de desvendar as estrelas. Ao chegar na casa do homem ela cria um campo que os envolve. Ali eles se conhecem e tem uma relação intensa. Infelizmente kyra se vai logo após a sua noite de amor. Triste pela sua partida, ele se lembra de quando perdeu sua esposa. Aconselhado pela irmã a continuar com os remédios e seu tratamento psquiatrico após o incidente acontecido com a partida de Kyra, o personagem sente que poderá reencontra-la. Ao final eles se encontram, mas Kyra não é mais como era antes.

    Ponto Forte: A mistura de enredos Sci-Fi/Ficção e Sabrinesco. Bela sacada e muito envolvente.

    Ponto fraco: Kyra ter virado uma boneca. Poderia deixa-la como se apresentou (opinião pessoal, sem muito valor).

    Conceito Geral: A história é muito, muito boa. Muito bem explorada, muito bem narrada, com pontos de grande relevância que nos conduz a ler a história do início ao fim. História fantástica.

  7. Gustavo Araujo
    11 de setembro de 2019

    Resumo: homem que sofre de depressão recebe a visita de uma alienígena. Ambos se apaixonam, mas ela é obrigada a retornar a seu planeta enquanto ele permanece na Terra; depois entram em contato e ela, por não poder ocupar o corpo que tinha antes, tem a consciência transferida para uma boneca de silicone, com quem o homem passa a viver.

    Impressões: conto de sci fi com pegada sabrinesca. É dirigido ao público infanto-juvenil. Os personagens são planos e a narrativa, linear. Tudo acontece num ritmo de relatório, sem direito a mergulhos mais profundos. A impressão que tive é que o(a) autor(a) é alguém que dá seus primeiros passos na arte da escrita. Vejo aí um bom potencial, ainda que a história apresentada não tenha me cativado. Isso porque não há nada muito instigante, inexistem conflitos psicológicos ou filosóficos que provoquem o leitor. Demais disso, as explicações soaram um tanto professorais e, para a falar a verdade, ingênuas, apelando à expressão “quântico” como se isso funcionasse para qualquer situação. O resultado é uma leitura que não atrai, embora consiga entreter. De todo modo, não deixa de ser meio bizarro ver que o cara, no final, acabou casado com uma boneca — é a melhor parte do conto, por conta do caráter inusitado da situação. Em todo caso, parabenizo a pessoa que escreveu pela coragem em participar do desafio. Boa sorte!

  8. Miquéias Dell'Orti
    10 de setembro de 2019

    RESUMO

    Um rapaz que vive isolado é surpreendido por uma interferência e uma ligação desconhecida do seu celular desligado o coloca em comunicação com uma viajante espacial. A viajante, de nome Kyra, pede ajuda a ele, solicitando que o permita pousar a nave em que está no seu quintal. Ele aceita para sanar sua curiosidade.

    Imaginando que tipo de criatura riria encontrar, o rapaz vai até a nave e se surpreende ao ver que Kyra é idêntica a um ser humano. Ele a acha linda.
    Ela lhe explica o porquê de ter que fazer aquilo e confessa que acompanha sua trajetória há algum tempo, pois se identifica com sua solidão e amor ao universo.
    Eles transam e no dia seguinte o rapaz não a encontra. Ele retorna à nave e a vê deitada em uma maca, então percebe que ela parece com uma boneca.

    Após o rapaz deparar-se com essa cena, a nave é religada e ele tem de se jogar para não ser levado. Na queda, quebra um braço e pede a irmã que o encontre no hospital para ajudá-lo.

    Ela o questiona sobre o braço quebrado e ele mente. Ela confirma que ele está mentindo e diz não acreditar nele por conta do seu histórico de depressão e desilusões amorosas.

    Trinta dias depois do ocorrido, o rapaz recebe outra ligação de Kyra. Ela lhe diz que está com saudades e explica que não pode continuar junto dele, pois se apaixonou e foi chamada de volta. Quando retornou, seu corpo foi desmontado e sua consciência ficou confinada por dias até que uma outra capitã e compadeceu dela e trouxe sua consciência em um receptáculo de volta à Terra.

    Kyra lhe fala que é especialista em robótica e que podem adquirir uma boneca e reintegrar sua consciência, para que fiquem juntos. Apesar de não conseguirem comprar uma boneca com o mesmo biotipo de Kyra, o rapaz compra os materiais necessários para que ela crie um corpo sintético.

    Tudo dá certo, Kyra se integra ao novo corpo e eles finamente ficam juntos. Meses depois, a irmã do rapaz o faz uma visita. Kyra fica imóvel na presença da irmã, que a confunde com uma boneca e repreende o irmão, mas logo vai embora e o casal fica novamente junto.

    MINHA OPINIÃO

    Uma boa (e, talvez, bizarra) narrativa. Gostei do seu estilo, simples e direto. Gostei também das nuances, da quebra do padrão de beleza e da saída arquitetada por Kyra de montar seu próprio corpo. Afinal, porque diabos extraterrestres, se fossem idênticos a nós, seriam modelos padrão de beleza como os impostos hoje?
    Subverter isso foi uma boa ideia.

    Para além disso, a narrativa parece se alicerçar em um subtexto bastante complexo: a mente perturbada do protagonista. Algumas passagens deixam claro que ele sofre com problemas mentais devido à traumas amorosos e que vive confinado. Somado a isso, o final controverso, com a irmã questionando sobre a boneca na varanda reforça essa ideia.

    Enfim, um bom trabalho.

    Parabéns.

  9. jetonon
    10 de setembro de 2019

    O cara tinha o conhecimento estelar muito aguçado, até que um dia aparece em sua vida um ser feminino inter-galático, se conheceram e transaram.
    Porém, impossibilitado de voltar à terra, Kiria, o ser inter-galático, cria uma boneca com a sua consciência e manda para terra. Viveram juntos.

  10. Gustavo Aquino Dos Reis
    10 de setembro de 2019

    Resumo “Kyra”: o conto aborda a história do encontro fantástico entre um soturno homem e uma capitã de uma embarcação intergaláctica que, após monitorá-lo por um tempo, decide encontrá-lo. O conto vai se desenrolando demonstrando o afeto entre os dois. A paixão acontece e Kyra propõe um método eficaz para que ambos fiquem juntos.

    Considerações: a história é muito fraca, infelizmente.

    Ela até inicia com uma premissa boa, mas a estruturação ruim e os erros gramaticais jogam contra.

    Porém, notei a coragem e a firmeza de um autor iniciante aqui: e, amigo(a), isso é maior que qualquer enredo ou habilidade de escrita.

    Continue se aprimorando.

  11. Tiago Volpato
    8 de setembro de 2019

    Resumo:

    A história de um doidão que tem contatos imediatos de 69º grau. Uma certa noite em que nosso herói voltava para casa, seu carro desliga misteriosamente, seu celular liga e um et pede para adentrar com a nave no seu quintal. Ele aceita e descobre que o et é uma beldade que faz a Angelina Jolie parecer uma feiosa. Os dois dão uma catracada e ao invés do cara dormir depois, ela vai dormir, então nosso herói descobre que a beldade é um robo desmontável (vai fazer sentido), ele foge, a nave vai embora.
    Anos depois ele recebe novo contato, a beldade robo tinha sido presa e desmontada (não falei), mas ela conseguiu vir para o Brasil e esconder sua consciência na NET (tá lascada).
    Os dois compram um corpo pra ela em um sexy shop e vivem felizes para sempre.

    Comentários:

    Uma mistura de arquivo X, Emanuele e aquele filme do cara que namora uma boneca inflável que eu não lembro o nome com aquele ator lá que eu esqueci. Enfim, gostei do texto, é uma história simples que você soube contar, esse limiar da loucura do personagem e de não sabermos se é uma alucinação ou não foi muito bem conduzida e nos leva a pensar no que realmente aconteceu. A resposta não vem de mão beijada e vai do leitor construi-la. Particularmente prefiro assim do que ter tudo entregue.
    O engraçado éque um dia antes de ler o texto, assisti um stand up onde a humorista fala justamente de bonecas sexuais, ela ficou obcecada pelo assunto e foi atrás de uma fábrica lá nos EUA de bonecas sexuais, ela descobriu que os modelos mais vendidos não são aqueles que seguem o padrão de beleza que julga-se estabelecidos, então a parte de que não existia uma sex doll gordinha me deixou na dúvida. Fiquei de pesquisar sobre o assunto, mas deu preguiça. Enfim. É isso!

  12. Cicero Gilmar lopes
    6 de setembro de 2019

    Resumo: o sujeito faz um contato extraterrestre com uma alienígena gostosona que o guia na internet… se apaixonam a primeira vista, eles transam, ela vai embora, ele quebra o braço e sofre. Depois ela faz novo contato e o instrui na construção de uma boneca de silicone, fazem um download da consciência dela para o corpo da boneca e vivem felizes para sempre…

    Considerações: Uma junção de temas, sci-fi e sabrinesco e para mim, lembrou também o universo Mangá… é ruim, mas é bom! Não sei se vc me entende? Só gostaria de saber se o (a) autor (a) tem tomado seus remédios controlados? Rsrs

  13. Jorge Santos
    2 de setembro de 2019

    Resumo:
    Homem faz amor com ser Kyra, uma mulher extra-terrestre que se revela como um robot enviado por um computador também extra-terrestre para estudar a ligação com os terrestres. Quando ele descobre, a nave parte, mas depois ele é contactado novamente. Compra uma boneca sexual japonesa e transfere a consciência de Kyra para a boneca.
    Comentário: Gostei da forma como o autor ou autora fundiu os dois temas propostos, se bem que não achei que o texto tivesse ficado perfeito – pessoalmente, não teria usado o expediente da “nave barco”. De resto não achei problemas de maior – além do facto de tudo ter acontecido rápido demais, mas pronto, o amor acontece de uma forma imprevista, forma essa levada aqui ao extremo. O desfecho é bem idealizado e, para mim, a melhor parte do texto, que só ficou a perder pela precipitação do desenvolvimento amoroso. A ideia que deu foi a de que ela carregou num botão dele e ele ficou em estado “desesperadamente apaixonado”.

  14. Fernanda Caleffi Barbetta
    28 de agosto de 2019

    Parabéns pelo conto. Encontrei erros gramaticais que devem ser graças a uma revisão apressada. Boa sorte.

  15. Luis Guilherme Banzi Florido
    20 de agosto de 2019

    Boa tarde, amigo. Tudo bem?

    Conto número 28 (estou lendo em ordem de postagem)
    Pra começar, devo dizer que não sei ainda quais contos devo ler, mas como quer ler todos, dessa vez, vou comentar todos do mesmo modo, como se fossem do meu grupo de leitura.

    Vamos lá:

    Resumo: história de amor entre homem e extraterreste. Kyra, uma conquistadora espacial, encontra o amor na terra. Porém, é um amor proibido, e é levada embora. Se livra de sua prisão e retorna à terra, onde, usando seus conhecimentos de robótica, constrói uma boneca “gordinha”, transfere sua consicência para ela, e voltam a se amar.

    Comentário: seu conto é bastante curioso! A ideia foi criativa, não lembro de ja ter lido algo do tipo.

    Gostei do conto, mas achei que acabou ficando um pouco rápido demais, com situações acontecendo sem parar, e sem dar tempo para o leitor (pelo menos eu) digerir e entender o que acontecia. Acho que não é um problema de ritmo, mas sim de espaço. A história é meio grande pra 2500 palavras.

    Ainda assim, como falei, gostei pela curiosidade da história. Gosto muito dessa questão de consciência. Quando você for ler esse comentário, o desafio já vai ter acabado, então acho que não tem problema de falar que meu conto também aborda essa questão (meu conto é humanidade).

    Você criou a ideia meio que de uma internet intergalactica. Os dois criaram um tipo de romance virtual, ou à distância (e bora distância nisso hahaha). Aliás, não só distância física. à princpio, tem a distância da espécie, e em dado momento, a distância física, em si, devido ao fato de Kyra não ter mais corpo físico.

    Fiquei na dúvida se tudo foi real ou apenas delírio dele, que claramente não foi ao psiquiatra hahaha. Não que isso importe, só to comentando.

    Uma questão que não posso deixar de citar é a pontuação, que apresenta vários problemas. Em algum momento, isso atrapalha até mesmo o entendimento dos parágrafos. Acho importante dar uma revisada na ppontuação, o que vai melhorar a qualidade do conto em geral.

    Parabéns e boa sorte!

  16. Lucas Cassule
    20 de agosto de 2019

    Kkkkk gostei da iniciativa ( um romance entre um humano e um extraterrestre). Só achei a montagem das cenas com muitos furos…. Por exemplo eu notei que quando ele caiu, quebrou o braço, mas em nenhum momento foi ao tratamento, a pessoa que o encontrou no momento quase que só lhe pediu para tomar um simples medicamento 😉

  17. Luciana Merley
    17 de agosto de 2019

    Um homem solitário recebe uma ligação estranha vinda de uma nave espacial. Ele e a tripulante tem uma relação sexual e ela desaparece. Tempos depois ela entra em contato e eles encontram uma maneira de permanecerem juntos.

    Gramática – Encontrei alguns erros de pontuação e na construção das frases.

    Pontos fortes – A linguagem é fluída.

    Pontos a melhorar –
    Entendi como uma tentativa de FC com sabrinesco, mas a história não fez muito sentido como um todo. Quase tudo pareceu-me muito inverossímil. Não me refiro ao fato de tratar-se de naves espaciais, mas há incongruências dentro do próprio enredo. Por ex: Ele aceita o pedido de uma ET e não apresenta susto. A impressão (mas que o texto não confirma) é que ele já tinha alguma ligação prévia com seres do espaço. Outra coisa: Porque ele recordaria da mulher que perdeu quando vê uma nave espacial? Outro ponto: O desejo sexual não teria um caminho a percorrer? Na frase “…fazendo-me pensar apenas em sexo. Excitado, fui ao encontro dela…” Não deveria haver primeiro um assombro, o medo, a incerteza sobre a aproximação para depois acontecer o contato físico? Porque uma alienígena tão fascinante teria um desejo sexual súbito por um humano?

    Como a maioria dos textos que tenho lido, a impressão é que se joga o sexo dentro do texto para cumprir tabela e isso é completamente afastador da leitura.
    Os textos Sabrina tem olhar, aproximação, conversa, incertezas, conflitos…para depois chegar a um clímax.
    O final também é confuso, os motivos de ela não te-lo procurado não são convincentes. Passou pela minha cabeça algo como ele ter problemas mentais e ter imaginado tudo isso, mas o texto não confirma. Então, bem confuso.

    Espero ter contribuído de alguma maneira. Um abraço.

  18. Claudinei Novais
    16 de agosto de 2019

    RESUMO: O protagonista inicia uma conversa com uma tal de capitã Kyra, mulher de outro planeta, que o contatou através do celular desligado. Capitã Kyra informou que a nave logo desceria. Ele imaginou que desceria um ser com aspecto de lagarto ou algo do gênero, mas a capitã Kyra era linda, como uma deusa mitológica. Quando se encontram, ele se apaixona pela mulher. Ela lhe informou que era a única tripulante da nave e que o aparelho era todo programado por computadores. O protagonista não conseguiu segurar o tesão e logo a beijou, tirando a roupa na sequência e transando loucamente, dentro da nave. A perceber que os motores da nave haviam sido ligados, ele conseguiu pular, caindo sobre árvores e quebrando o braço. Ficou 30 dias dentro de casa, enquanto se recuperava. Depois desses dias de confinamento, quando estava apto ao voltar ao trabalho, o celular novamente tocou. Era a capitã Kyra outra vez. Tiveram a ideia de fazer uma boneca e transferir a consciência da capitã Kyra à boneca, assim essa boneca ficaria na terra com o protagonista. Assim feito, finalmente ficaram juntos e se amaram ardentemente.

    CONSIDERAÇÕES: Trata-se de uma FC sabrinesca, ao estilo da Emmannuelle que passava na Band anos atrás. Poderia ser interessante, mas a forma como foi exposta a sequência dos fatos soou um tanto superficial, sem muita emoção. Ainda assim, um conto interessante que conseguiu juntar os dois temas propostos no certame.

  19. Vladmir Campos Leão
    9 de agosto de 2019

    Resumo: Homem com passado amoroso frustrado recebe uma chamada telefônica de uma alienígena que tem tudo para ser sua cara-metade. O problema é que ela é um robô que teve de voltar ao seu planeta de origem. O tempo todo fica a impressão de que o protagonista tem algum problema mental, como esquizofrenia.

    Comentário: Notei alguns erros de pontuação como um ponto final que deveria substituir a vírgula existente logo depois da palavra “cidade” no primeiro parágrafo. Sendo que o mesmo ainda poderia ser dividido em dois, já que muda de assunto na metade.
    Tem um travessão faltando durante um diálogo… quanto às críticas é isso.

    Agora, sobre o conto em si: Gostei! Mas ao mesmo tempo tive pena do protagonista por não saber se ele tinha mesmo encontrado alguém que gostasse dele, ou se tinha feito sua própria boneca sexual enquanto sua mente delirante tecia o restante da situação.
    O final me pareceu dar margem para essa impressão por não dar nenhum sinal mais sólido de que era tudo coisa da cabeça dele ou não.

  20. Evelyn Postali
    8 de agosto de 2019

    Caro(a) escritor(a)
    Resumo: Um pacato cidadão recebe a visita de uma capitã interestelar em seu quintal e apaixona-se por ela.
    Conto de ficção científica. Roteiro leve, tentando ser divertido. Lembrou-me o Guia Definitivo do Mochileiro das Galáxias, ou algo desse gênero. Os diálogos não são ruins. Não percebi erros de escrita muito gritantes. Frases construídas de forma boa, mas as descrições me pareceram em excesso.
    Eu li sem percalços e consegui imaginar toda a sequência da história. É um bom conto, mas não é tão impactante e criativo. Em alguns momentos, me pareceu bem ingênuo, sem um conflito maior que pudesse provocar suspense, ou outro sentimento relevante.
    Boa sorte no desafio.

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Informação

Publicado às 1 de agosto de 2019 por em Liga 2019 - Rodada 3, R3 - Série C e marcado .