EntreContos

Literatura que desafia.

Privação – Poesia (Francisco Ferreira)

Na taberna dos sonhos
prateleiras vazias
fazem proclamas de solidão.

Atiro-me sobre as horas
para matar o tempo
de saudades imorríveis.

Escrevo joios em minha seara
que o minuano
varreu de silêncios e gafanhotos.

Em meu peito seco
correm areias e desesperanças
inundando as vazantes de nostalgia.

Meus dias são de eterno perder-me
se te ausentas
da minha diária ração de amor.

Anúncios

2 comentários em “Privação – Poesia (Francisco Ferreira)

  1. Priscila Pereira
    25 de junho de 2016

    Oi Francisco, poema incrível. Tão singelo e meigo. Muito bem estruturado e bem escrito. Gostei demais. Parabéns!!

  2. Brian Oliveira Lancaster
    12 de maio de 2016

    Texto bem sonoro, dando vazão à imagens nítidas e surreais.

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 15 de abril de 2016 por em Poesias e marcado .