EntreContos

Detox Literário.

Amargo Rio Doce – Poesia (Francisco Ferreira)

Rio acima desovo-me
fluido fujo da foz
evitando aMAR.
Águas mortas
em linhas tortas
sólidos liquefazem no ar.
(Partículas em suspeição).

Rio suspeito
em meu leito
de sublevação.
Peixe fátuo, fresco, frito
água furtada, fonte aflita
torrente de monção.
(Água turva insurreta).

Pousa em graça
pouso de graça
bicos longilíneos, des-caminhar.
Correnteza, cabeceira
leito seco, peito seco, corre seco
a caminho do aMAR.
(Movem-me moinhos, aguarrás).

 

Francisco Ferreira

 

http://impalpavelpoeiradaspalvras.blogspot.com.br/

Anúncios

4 comentários em “Amargo Rio Doce – Poesia (Francisco Ferreira)

  1. Neusa Maria Fontolan
    7 de janeiro de 2016

    Parabéns.

  2. vitormcleite
    27 de novembro de 2015

    parabéns francisco, tem momentos interessantes, embora outros não tenham entusiasmado por tirarem força às tuas palavras

  3. Brian Oliveira Lancaster
    23 de novembro de 2015

    Profundo, com aquela sensação de melancolia bem na superfície dos acontecimentos recentes. Triste e realista, essência de poesias.

  4. Francisco Ferreira
    22 de novembro de 2015

    Chora de amargura e amargor o nosso Doce, faço parte deste rio, pois nasci próximo a nascente do Santo Antônio, que vai engrossar-lhe as águas mais além e hoje apenas morre junto com ele. Abraços.

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 22 de novembro de 2015 por em Poesias e marcado .