EntreContos

Detox Literário.

Consultoria e Astrologia – Crônica (Juliana Calafange)

taxi5

Os taxistas do Rio são umas figuras, todo mundo sabe. Gostam de bater papo e simulam intimidade como ninguém, em menos de 5 minutos se está amigo de qualquer um deles. Dia desses peguei um táxi em Copacabana com destino a Botafogo. Estava saindo de um exame cardíaco, cujo resultado não tinha sido bom e eu estava meio deprimido. Os meus problemas de saúde martelavam minha cabeça e faziam pensar também na minha mãe, que mora comigo e está começando a sofrer os primeiros sintomas do Alzheimer. Tudo isso se misturava, me enjoava, e eu já não sabia como ia encarar a reunião que tinha pela frente, dali a poucos minutos.

Assim que entrei no táxi disse ao motorista qual era o destino e, antes mesmo que ele desse a partida no carro, me perguntou se eu estava bem. Ele não perguntou se eu estava me sentindo bem. Perguntou apenas:

– Está tudo bem com você?

Não sei dizer exatamente porque a pergunta fez com que algumas lágrimas quisessem sair pelos olhos. Respirei fundo e respondi:

– Tudo bem.

– Esse tudo bem não foi muito bom…

– Tudo bem, sim, só umas preocupações.

Eu dei a deixa, ele deu a partida no carro e prosseguiu:

– Preocupações com o que? Fala pra mim.

Nessa hora, vi um crucifixo pendurado no espelho retrovisor do motorista e pensei, agora fudeu, ele vai querer me catequizar até chegar em Botafogo… Vai ficar falando de Jesus e tal… Acabei respondendo:

– Nada não, umas preocupações com o trabalho… em casa também…

– Ah, meu amigo, você tem cara de ser um sujeito tão bacana. Não deixa as preocupações te atropelarem não…

Lá vem o espírito de intimidade com os clientes, pensei. Mas de certa forma me comovi com o fato de ter cara de sujeito bacana, sabe como é, eu tava meio carente naquele dia. Ele continuou:

– Preocupação no trabalho e em casa todo mundo tem. Minha mulher, sabe, ela é bipolar.

Lembrei de um tio, diagnosticado há anos como bipolar, que vivia penando entre crises de euforia e depressão, uma doença muito triste. Me solidarizei:

– É duro conviver com um bipolar, né?

– É dureza! Ela é totalmente bipolar, meu amigo, numa hora ela diz uma coisa, noutra hora diz outra, eu nunca sei o que ela quer, parece duas personalidades!

Que tolice, ele não estava se referindo a nenhum diagnostico psiquiátrico, estava se referindo à personalidade insegura e autoritária da esposa.

– Sabe o que eu faço com as preocupações? Eu deixo andar, que sigam seu caminho sozinhas! Qual é o seu signo?

– Peixes.

– Eu também sou de peixes! De que dia você é?

– 21 de fevereiro.

– Eu também, que coincidência!!! Peixes é terrível, a gente sofre demais! É muita emoção, muita tentação, peixes nadam em águas muito profundas…

Nessa altura, eu já não sabia mais se o homem era cristão, astrólogo ou filósofo. Mas me identifiquei quando disse que a família dele vinha do nordeste, assim como a minha. Já estávamos chegando ao meu destino e o papo transcorria sobre as dificuldades enfrentadas pelos piscianos e pelos nordestinos ao longo da vida. Aproveitei o papo e falei sobre a doença de mamãe, que era doloroso pra mim vê-la perder sua capacidade mental assim. Ele também se solidarizou comigo, me contando que o pai dele teve a mesma doença. Aí eu acabei falando do meu exame cardíaco, que precisava parar de fumar e que eu tinha medo de morrer, e ele me aconselhou fortemente a fazer uma analise do meu mapa astral, que isso certamente ia me ajudar a resolver todos os problemas que eu estava passando.

Finalmente chegamos em Botafogo. Eu me sentia bem melhor depois do papo com meu novo amigo. Já estava seguro para encarar a reunião. Quando ia descendo do táxi, o motorista me entregou um cartão. Estava escrito: “Rosa Maria Albuquerque – Consultoria e Astrologia”. Ele disse, enquanto eu ia fechando a porta:

– Sabe quem é essa aí? É minha mulher!

E foi embora no seu táxi amarelo. Olhei para o cartão achando graça, na verdade deveria constar: bipolar e astróloga! Virei o cartão para olhar o verso e tinha algo escrito. Era um cartão personalizado: “PISCIANO – Conselhos levianos é a última coisa que você precisa no momento. Nasceu no signo de peixes para honrar a profundidade, mesmo que essa dimensão o afaste das pessoas que realmente interessam. Cumpra seu destino, nada mais”.

Anúncios

2 comentários em “Consultoria e Astrologia – Crônica (Juliana Calafange)

  1. Fabio Baptista
    29 de novembro de 2015

    Fala, João! Muito boa a crônica, cara.

    Um pouco triste (devido às doenças citadas), humana e divertida.
    Taxistas do Rio são “lendários” (para o bem e para o mal).

    Abraço!

    • João Kruger
      3 de dezembro de 2015

      Valeu, Fabio! Obrigado pelo seu comentário. Eu gosto muito de conversar com taxistas. Se fosse um deles escreveria um livro só com as histórias q eles devem ouvir. Abraço!

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 23 de novembro de 2015 por em Crônicas e marcado .