EntreContos

Literatura que desafia.

Terroristas – Poesia (William Oliveira)

A barba que marca,
Jihad ou Je Sui.
A carne e a navalha,
Amedy ou Charlie.

Um culto ao seu,
que nunca foi meu.
Uma caneta escreveu
e outra história se leu.

Gladiadores e fazendeiros,
universal é o seu dinheiro.
Desrespeito ao companheiro,
exploração do que eu não temo.

O batuque se escondeu,
mas não silenciou.
Nem nunca a fala do ateu
com o capeta compactuou.

O amor ao temor.
Na agressão não há louvor,
o fanatismo gerou terror.
Você não cura através da dor.

Anúncios

10 comentários em “Terroristas – Poesia (William Oliveira)

  1. Brian Oliveira Lancaster
    4 de fevereiro de 2016

    Interessante escolha de formato. Causa o impacto pretendido, com suas frases rimadas e cheias de camadas subjetivas.Só achei a frase final pessoal demais (“você”) para um texto que vinha na linha de pensamentos soltos.

    • William de Oliveira
      19 de fevereiro de 2016

      Valeu Brian! Quando eu coloquei o vc, não quis destinar a alguém, mas sim a uma imagem. Viagens, meu amigo rss.

  2. Neusa Maria Fontolan
    7 de janeiro de 2016

    Tem ritmo mesmo. Legal.

  3. vitormcleite
    28 de novembro de 2015

    muito bom, lido agora depois de paris tem ainda um outro significado. muitos parabéns. cá em portugal há muito essa pratica de cantar falando ou falar a cantar, resultando rap por vezes muito interessante. ao ler da primeira vez também me aconteceu como ao Fabio, e depois de ler o comentário dele tive que repetir o exercício e está muito bom. muitos parabéns

  4. Anorkinda Neide
    19 de novembro de 2015

    Não é a cura que estão procurando não é? É a doença mesmo 😦
    Bonito poema, William.

    • William de Oliveira
      19 de fevereiro de 2016

      Acho que procuro apenas um sentido em tudo isso Anorkinda. Um sentido justo. Mas não encontro.

  5. William de Oliveira
    5 de outubro de 2015

    O que vc falou faz sentido Fabio, a letra é ritmada e o contexto cabe certinho em um som Punk, preciso achar alguém pra musicar ela agora rs

  6. Fabio Baptista
    5 de outubro de 2015

    E aí, Willian!

    Li a poesia em ritmo de punk rock! 😀
    Ficou bacana, parabéns.

    Abraço!

    • William de Oliveira
      19 de fevereiro de 2016

      Fabio, pensei nessa poesia musicada na cabeça na paulera do punk mesmo. Acertou na veia!

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 4 de outubro de 2015 por em Poesias e marcado .