EntreContos

Detox Literário.

Minha Família Querida (Estorvo)

“A vida é boa de se viver, a gente é que não presta”.                                                                        (Dito popular)

Penso de quantas maneiras eu poderia apresentar e, consequentemente, dizer a respeito desta situação. Dada à sua vileza, sinto que seja necessário pormenorizar o caso. Porque, no que vale a conjuntura dos fatos, e para tanto, permito-me como envolvido que estou discutir o discutível. Que é por assim dizer, e dessa forma, o que nos é possível contemporizar em busca de alguma verdade, da forma como persiste, seus extremos, dentro de nós.

Nisso creio, porém, não poder salientar, ou antever, inúmeros outros enfoques que se colocaram em perfeita sintonia com o empenho com que descrevo, mesmo que resumido. Digo isto, por ser este assunto, muito delicado. Confesso estar forçando a gramática, principalmente a pontuação, a adjetivação e a adverborização, pelo fato e ato de escrever tão rebuscado, à moda dos grandes escritores, como Suassuna ou até mesmo ao mestre Machado. – que eles não me ouçam – Sem que, com isso, os prezados senhores e queridíssimas damas, não cogitem a mínima intenção. Nem é de meu feitio sair por aí fazendo plágios, pois nem mesmo sou escritor. A custo um reles subliterato beletrista. E deles, sou, somente e somente só, um honrado e saudoso epígono. No que diz respeito à virgulação é apenas e, simplesmente, por certo engasgo momentâneo, em virtude da gravidade do problema. De modo que, e por assim sendo, estar tão nervoso, suando frio, e com uma tremedeira danada nas mãos, ao tentar explicar o inexplicável e, certamente absurdo. Peço mil vênias, mas vamos ao cerne da questão.

Pois bem, vou tentar colocar este dilema como algo extraordinário que me força, pois alguns esclarecimentos se impõem; sem os quais será difícil acompanhar a sucessão dos fatos e entender o enredo em que me meti, embora comedido no vitupério e sóbrio nos elogios. Pois que, elogiar, elogiarei se necessário for. 

A verdade é que estou atolado em dívidas, estou até o pescoço de problemas. E para piorar o achincalhe sobre a minha pessoa acabei de ser flagrado pela minha mulher com um cartão de visitas de uma loja na mão, quando estava prestes discando. Nele estava escrito em letras bem grandes “COMPRA E VENDA DE ORGÃOS”, então ela disse cheia de desdém e malquerença com sua fala viperina: “Estás comprando um piano, Carlos Augusto?!… Eu não sabia que o senhor era músico!…” Imagine só o estado em que me encontro ouvir uma zombaria desta é de arrebentar qualquer um. Com toda sinceridade, jamais me passou pelo juízo que eu fosse precisar deste recurso. Porém, estou no meu limite. A decisão é extrema, eu sei, mas necessária. Fechei negócio com a tal loja, com a qual minha mulher me surpreendeu ao telefone. É isso, está tudo combinado, acertado e consubstanciado pela parte deles e, decidido, consolidado e confirmado no que depende de mim. Vendi meu rim. Vou fazer o transplante amanhã ao meio-dia.                                                        

*****

Cego que não sabe se benzer quebra o nariz, diz o dito. Eu não, eu sei me virar. Hei-me aqui convalescente numa cama de hospital, paralisado, mas feliz. A família numa alegria só. Largos sorrisos no rosto de todos. Minha mulher, então, nem se fala de tanto contentamento. Problema resolvido, dívidas sanadas, agora é só pensar o futuro.

Há oito dias que estou internado, mas em plena recuperação. Os médicos me fazem muitos elogios; dizem eu ser muito forte, de uma saúde rara. Minha mulher e meus filhos mostram-se muito envaidecidos com isto. É flagrante em seus semblantes a felicidade estampada no brilho dos olhos, por terem um pai, um esposo, com tanto vigor. Principalmente minha mulher que, também, achou muito louvável minha atitude, meu desprendimento. Salientou até que atos de coragem como demonstrei, poucos têm hoje em dia. Até fico meio encabulado com tantos afagos e gestos de carinho. E confesso estar todo prosa. Sinto-me orgulhoso e garboso com a família que tenho. 

           Noto também que eles estão mais unidos agora. É fácil vê-los pelos corredores, pelos cantos do hospital, confabulando ideias, estratagemas. Muitas vezes escapa algumas palavras, então percebo que é sobre mim que falam. Outro dia ouvi minha mulher cogitando a ideia de no ano que vem comprar um carrinho para a família. Para tanto, estavam estudando qual órgão é o mais valioso, para assim, fazer negócio. E já estavam vendo preço de mercado. Mercado particular ela quis dizer, porque na lista oficial não se aceita venda e compra. É por lista de espera e não se ganha nada por isso. Visto ser, de certa forma, uma ação clandestina. De tal modo que, melhor seria procurar o mercado paralelo devido a esse imbróglio, digamos assim, alfandegário e monetário. Em vista de tal dificuldade, estão tratando o assunto de forma cautelosa. À vista disso deduzi, do que ouvi de um dos meus filhos, quando disse ter posto anúncio camuflado em códigos num jornal, já estavam obtendo boas propostas com ofertas ótimas. Desse modo, se Deus quisesse, e Ele tinha que querer. Eles iriam fazer um bom negócio. Foi sem querer, mas eles deixaram escapar entre cochichos estarem cogitando em vender a córnea de um dos meus olhos. 

            Antes de ontem, quando já eram mais da meia-noite, eu ouvi uma conversa entre os médicos do plantão que minha mulher já estava estudando a possibilidade de, junto ao hospital de fraturas, negociarem minha perna direita e o braço esquerdo. Porque este tipo de operação já é muito bem sucedida, desde que seja implantada com urgência naquele a quem teve o membro decepado e que o doador esteja a disposição para qualquer emergência. Mas para tanto, paga-se muito bem, dizem. Eu me sinto tão bem com a felicidade de minha família que passei uma procuração, aqui mesmo no hospital, para que eles possam fazer um leilão do meu coração, – desde que com ele não leve meus segredos, rs… rs… rs… – para que tenham após minha morte, claro, uma espécie de seguro de vida para a manutenção de seu conforto. 

            Mas mudemos de assunto. Eu fiquei emocionado mesmo foi com o ato de solidariedade de minha filha mais velha, a Vanessinha. Essa menina não me dá trabalho. Logo cedo entrou para a História, na USP quero dizer, e já está fazendo mestrado. Maravilhosa essa minha menina, só me dá orgulho. Outro dia ela me disse cheia de indignação: “O que estão fazendo com o senhor é uma degradação, um aviltamento a um ser humano ainda em vida. Pois, quando eu morresse de fato, não iria sobrar nada para ser sepultado. E que, conforme disse o Guimarães Rosa, em seu Grande Sertão: Veredas, “As pessoas ainda não foram terminadas… Mas que elas vão sempre mudando. Afinam ou desafinam”. Mas, no meu caso, eu estava sendo desterminado. Que isso era uma barbárie de uma sociedade mergulhada no capitalismo selvagem.” – disse ela, censurando-me. – Sinceramente, fiquei comovido com seu senso de humanismo. Mas o fato é que ela só pensou em mim, não lembrou de seus irmãos nem de sua mãe. Já, a Maria, essa é uma mercenariazinha, por ela já deveriam de ter trocado até de apartamento, por um maior, com um quarto só pra ela. E a Michelli, a mais nova, é uma gracinha, pra ela tudo está bom: “Desde que não afete a saúde funcional do papai,” – disse, outro dia, para sua mãe. ‘– Havemos de ponderar, são puros arroubos, coisas da juventude. 

             Também não quero esquecer o esforço descomunal do irmão de minha mulher, o Alberto, e o pulha do pai, seu Hildebrando. Veem de tudo, desde uma ambulância, preço do Dólar, do Euro, na possibilidade de fazer negócio com o exterior, onde sempre rende mais. São pau-pra-toda-obra. Ah!… O que esses dois não fazem para ver aquela filha e irmã sorrindo. Tudo isso sobre a batuta do meu primogênito, o Vinícius. Um gerente nato. Este sim sabe pôr os pontos nos is, nos epsílones e os dáblios no lugar e na hora certa. Além do mais e acima de tudo, filósofo! Lembro-me emocionado de como ele me sensibilizou na quarta-feira passada, logo que acordei da anestesia, quando me disse umas frases maravilhosas. Ele falou quase ao meu ouvido: 

           — Papai, diga-me do fundo do seu coração, qual a questão? Ser ou não ser? 

E eu, meio constrangido, sem saber se ia errar ou acertar, respondi titubeante: 

         — Ser!… – então ele confirmou: 

         — Isso papai!… Ser é a questão. Não será um rim, um olho, uma perna ou um braço que haverá de lhe fazer falta. E isto, é sinal de que o senhor ainda está pensando. E se pensa, logo existe!… Foi o Descartes quem falou isso. 

         Disse ele cheio de pompa e orgulho por seus conhecimentos intelectuais e filosóficos. E por fim, ainda falou uma frase do Nietzsche que bateu no fundo da minha alma; com as mãos acariciando-me os ralos cabelos prateados, suspirou fundo e completou: 

          — E não se esqueça papai, que ninguém, ninguém pode construir em teu lugar as pontes que precisarás passar para atravessar o rio da vida, ninguém exceto tu, só tu. E não se martirize, pois que, dificuldades e obstáculos são fontes valiosas de saúde e força para qualquer homem.

A despeito disso tenho algumas mágoas de minha mulher. Por que, no passado, sempre que podia ela arrumava um jeito para me humilhar. Antes de minha heróica decisão, do transplante do rim, certa ocasião saímos; fomos jogar pôquer na casa de uns amigos nossos. Aí ela disse, na frente de todos, com toda a malevolência e a empáfia que Deus lhe deu, me deixando vermelho de vergonha. Só por que eu falei que andava pensando sobre certa coisa… Então, ela prontamente repeliu: 

            — Como!?… Você!… Andar e pensar ao mesmo tempo? Rá… Rráa!… Jamais!… – então todos deram um estardalhaço de gargalhada.  

             A considerar o estado macabro em que vou ficar após todos estes transplantes que estão programando para mim, eu convido os prosaicos senhores e as amabilíssimas senhoras, com a devida acuidade, a não ser que vá acontecer algo desagradável àqueles que temem entediar-se com uma situação, em que digamos assim, um tanto insólita, e que paulatinamente serão cúmplices da desintegração de um homem. Não o homem, mas o físico do homem. Pois sim, que minha moral e espírito de altivez encontram-se em elevadíssimo grau de consciência e alto estima. Eu estou bem e muito bem. Especialmente eu peço a atenção dos senhores médicos, porque estes sim podem tirar proveitos experimentais muito úteis desses transplantes.

Agora falemos um pouco de mim. Com exceção de agora, eu nunca que houvera obtido sucesso em nada. Fiquei não digo velho, insensato, mas um homem maduro e tonto. Aqui estou eu, prostrado neste leito de hospital. Tenho o aspecto de uma pessoa saudável e alegre, entretanto, na realidade estou sentindo vontade de dar um urro com toda a força dos meus pulmões. Arrancar todos estes tubos de hemoglobinas, soro, sangue e jogar pela janela, pular da cama e socar o primeiro que topar pelo corredor. Mas deixemos isto pra lá. Nada disso importa. O que vale é o bem estar de minha família querida. Vamos dá continuidade ao assunto.

Minha mulher, a Ângela… Ops, que lapso!… Ia me esquecendo de dizer o nome dela para os senhores, mas é este o seu nome, Ângela. Ela não sabe, mas meus filhos estão querendo fazer-lhes uma surpresa, para antes da compra do carro. Eles ouviram falar que estão comprando pele para operações plásticas em queimados, e até mesmo para aqueles que não se sentem muito bem com a beleza que tem. Então eles já estão vendo as condições para, no natal, presentearem a mãe com uma viagem a Bariloche, Pois este é seu sonho de criança: fazer um boneco de neve. Então eu falei para eles não deixassem sua mãe privada desta vontade. Agora eles estão se empenhando em achar comprador para o couro da minha bunda.

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Informação

Publicado em 22 de março de 2020 por em Envelhecer, Envelhecer - Grupo 1.