EntreContos

Detox Literário.

Interior – Poesia (Gardel Dias)

praca

Eu me lembro da serração do interior que vejo tão rápida
quando ali passo na estrada lisa e azulada.

É o pé da serra feito uma espessa listra esverdeada que passa
suspensa bem em cima de minha cabeça.

É a reta longa, é na curva perigosa das cidades do interior e que não
é tão interior assim.

Uma boa lembrança – o sino da igreja, da cantiga na radiadora pela
manhã cedo.

Era pela manhã que ouvia, como despertador, a música da igreja,
religiosamente todas as manhãs.

É morada antiga, são as lembranças da década passada nessas cidades do Maciço de Baturité,
da linha de ferro, do trem que demorava, do tempo quente num sol de meio dia e do banho no rio.

Ficávamos à  toa no meio do dia, o sol fervendo nossas cabeças, ali víamos o trem cargueiro
passar, caminhávamos na trilha em busca do trem.

Era o pé da Serra e o vento frio, são boas as memórias da infância quando ainda nem sabia pensar.

Era o verde da serra em perí­odo curto de neblina, era a curva perigosa que fazia vítima alguém descuidado.

Era o ônibus que passava, a gente o notava vindo à curva da Casa Branca – que não existi mais e
era o horário e a partida.

Era uma leitura musical e instrumentos, caminhada da igreja, depois os dobrados e depois o lanche.

Era a biblioteca pouco visitada – os livros pouco lidos e que um dia tomei um pra mim,
era o horário da escola numa carona qualquer.

Era de tudo um pouco, a tv na praça e com notícias de mortes, era o futebol na praça,
era uma conversa na praça, quase tudo sabíamos na praça: coisa de cidade pequena.

2 comentários em “Interior – Poesia (Gardel Dias)

  1. Brian Oliveira Lancaster
    16 de fevereiro de 2017

    Gostei. Dá uma sensação nostálgica, de tardes ao Sol, sem preocupações. Como sugestão de sonoridade, a repetição de palavras seguidas (igreja no início e praça ao final) me deslocaram um pouco da leitura.

  2. Antonio Stegues Batista
    11 de fevereiro de 2017

    Linda poesia! Me fez lembrar o meu tempo de criança, quando ia pescar no rio e subir nas arvores para pegar fruta, goiaba, laranja e do cavalinho de pau que meu avô fez! Boas recordações, Gardel!

Deixe uma resposta para Brian Oliveira Lancaster Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Informação

Publicado às 11 de fevereiro de 2017 por em Poesias e marcado .