EntreContos

Detox Literário.

Anedota Lasciva – Poesia (Michel Menezes)

sua camisola sedosa era muralha penetrável,
que se aproximava
o quadril rebolante até demais, pomposo, quase me matava.
“Você quer aquilo?”
“Sim.”
“Naquilo?”
“Assim!”
a ansiedade do pênis, sua voz chilreante em meu ouvido
suas ancas rosadas estremeciam, meu coração feito louco inquieto
ternura de boceta!
“Assim!”
divino amor!
nádegas sacudiam, seus seios fartos perfumados
“Assim!”
bocas abertas, suor e gemido mútuo
fodi bem pra caralho, umas cinco ou seis vezes.
“Assim!”
ela cavalgou sem destino e sem sair do lugar
gulosa
“Assim!”
satisfiz-me até o pescoço, deixando umas três ou quatro marcas
de porra
no lençol.

assim aconteceu, Lorena.
perdoe-me, por ser,

Adúltero.

Anúncios

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 12 de abril de 2016 por em Poesias e marcado .