EntreContos

Detox Literário.

Noite do Dia (Vitor Leite)

Noite do dia

Vida sem espaço para a imaginação, onde só cabe a poesia. Sou casa, o teu espaço, desarrumado, baralhado, transformado em nós. Sou vazio preenchido, boca beijada, olhos desejosos dos teus. Não sou corpo sou fogo, sou pele e mãos, uma boca sôfrega ou um sexo só. Uma cama sem limites, uma casa a arder.

Um descanso.

Como os dias que acabam sempre seguido de outro, são os teus beijos. Ris na tua pele sem fim no escuro da noite. Agarro-te como se chegássemos ao fim do mundo e rebolamos na nossa procura como se saltássemos para o infinito. Presente, o teu corpo em mim, no teu cheiro no toque das peles.

Tão longe o mundo rodopia enquanto dois corpos ardem, combustão mutua, como mãe geradora de vida, tudo acaba com um ai, suspiro último, chamas devastadoras e um fechar de olhos qual guerreiro ferido de morte.

Acaba o mundo.

Dois corpos ressuscitam, agarrados, pele na pele a ganhar força para alimentar a vontade que acaba no querer e aí começa.

Anúncios

7 comentários em “Noite do Dia (Vitor Leite)

  1. Brian Oliveira Lancaster
    9 de julho de 2015

    Diferente e incomum. A estrutura não lembra poesia, mas traz todo o sentimento embutido, de forma eficaz, rápida e rasteira.

  2. William de Oliveira
    23 de junho de 2015

    que gostoso de ler isso!
    o formato também é muito bom, foge do comum,

  3. Anorkinda Neide
    17 de junho de 2015

    Wow! Desde que foi postado este texto, eu li, devorei e fiquei com vontade de comentar, mas daí veio o desafio de contos e tive que esperar…

    Uma prosa riquíssima vc nos trouxe, Vitor, muito obrigada por este encanto, este enlevo que proporciona esta leitura.

    O final foi fabuloso, num looping tão verdadeiro, como é bom quando a poesia traduz fielmente o real, nos trazendo aquela expressão aos lábios: É bem isso mesmo! 🙂

    Parabéns
    Abração

  4. mariasantino1
    11 de maio de 2015

    Que ótima essa pequena morte. Gostei bastante sobretudo do empréstimo de sentido (cama/casa/mundo…). As epígrafes formam também um sentido:
    Noite do dia.
    Um descanso.
    Acaba o mundo
    Parabéns pelas palavras crepitantes. Abraço

  5. Wender Lemes
    10 de maio de 2015

    Bela descrição. Bem construído naquilo que diz e no que deixa por imaginar. As imagens são vívidas, mas as sugestões são ainda mais. Parabéns.

  6. Fabio Baptista
    8 de maio de 2015

    Que volúpia! 😀

    Um dos meus preferidos até aqui, Vitor.

    Parabéns!

  7. Neusa Maria Fontolan
    7 de maio de 2015

    Meu Deus! Eu cheguei a ver as cenas aqui. Muito bom mesmo. Parabéns Vitor.

Deixe uma resposta para William de Oliveira Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Informação

Publicado às 6 de maio de 2015 por em Poesias e marcado .