EntreContos

Detox Literário.

Bodas, bolhas finas (Beatrice)

Enquanto entravam, a mulher apoiava-se no braço do marido. Havia tempos que não usava saltos, mas escolhera o único sapato que escondia as unhas. Ele corria os olhos pelo ambiente procurando o melhor cenário para a fotografia. A única mesa disponível ficava no meio do salão. Tudo bem, o restaurante pareceria luxuoso de qualquer ângulo. O garçom demorou a trazer-lhes o cardápio e ainda mais a voltar para anotar os pedidos, apesar dos tantos sinais e chamados. 

Ele olhou para a mesa da esquerda, onde três mulheres brindavam com drinques coloridos. A esposa olhou para a da direita, onde um casal sorridente já pedia a conta. Na esquerda, uma das mulheres, a do decote profundo, retribuía o olhar com um sorriso de canto. Ao mesmo tempo, a esposa percebia que o casal da direita saia sem levar uma caixa preta com laço dourado.

As cervejas e saladas chegaram enfim. O cenário estava composto. Fizeram a fotografia das bodas, que ele postou nas redes sociais com a frase: trinta anos não são trinta dias.

Comeram devagar todos os vegetais embebidos no molho de ervas, até os esculpidos na beira dos pratos. Os olhares dele eram para a esquerda, e os dela, para a direita.

― Vou conhecer a toalete.

Ela saiu pela direita com passos vagarosos e no caminho embolsou o objeto esquecido entre as taças do casal. Sentada no vaso sanitário, ela deslizou as mãos sobre o veludo e abriu a caixa como se abrisse um presente. O estojo estava vazio, mas seria uma fina embalagem para colares modestos. Enrolou a fita dourada e guardou tudo na bolsa, junto com alguns guardanapos de papel fino.

Pediram a sobremesa e ele fotografou a flambagem das bananas; e complementou a postagem das bodas, que já havia recebido dezenas de curtidas. 

Ela inspirou o aroma da canela com açúcar queimado. Aprenderia aquela receita para as visitas dos filhos.

Pagaram a conta com o cartão de crédito. 

― Onde ficam os banheiros?

Ela indicou a direção e ele saiu pela esquerda. Na passagem, recebeu e embolsou um bilhete. Reparou que a moça tinha unhas longas que combinavam com o vermelho do vestido.

Em casa, a esposa esquentou o feijão e os bifes do almoço e eles jantaram. O marido leu em voz alta os comentários na postagem recente e mostrou a ela os emoticons de parabéns, enquanto ela lavava louças e arrumava a cozinha.

Na cama de casal, ela namorava o estojo, que agora era seu, mesmo sem o recheio. Imaginava o colar que estava no pescoço da jovem elegante. Esmeralda? Turquesa? Preferiria citrinos.

― O que é isso?

― Ganhei ― ela riu ― a dona esqueceu, ou não quis.

― Voltaria para buscar. Pegar o que não é teu, não deverias.

Ela baixou os olhos e encolheu-se para a direita.

Na esquerda, ele namorava pelo celular, trocava palavras com o novo número de contato. Imaginava o recheio daquele vestido vermelho. 

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Informação

Publicado em 5 de julho de 2021 por em Minicontos 2021, Minicontos 2021 - Grupo Pinscher.