EntreContos

Detox Literário.

Microcontos 2021 – Rain (Ana Carolina Machado)

[A1]

 Somente de manhã encontraram o pequeno bebê deixado na praça. Àquela altura a caixa de papelão que lhe servia de bercinho já tinha virado caixão.

[B2]

Uma bicicleta estava presa nas paredes mais profundas da sua mente, fazendo um peso extra na consciência. O veículo somente sumiu quando o ciclista que ele atropelou recebeu alta.

[C2]

Ouvia o barulho de seus vários olhos que estavam espalhados pela casa. Pela direção do som sabia que alguns brincavam perto dela e que os outros deviam estar na cozinha. Sua família seguia sendo o brilho nos seus olhos apesar da idade ter lhe levado a visão.

[D3]

Olhando da porta, via a garotinha se afastando, levando, além da mala, uma parte do seu universo. Piscou para afastar uma lágrima e a figura mudou. A antes menininha voltou a ser sua filha adulta que acenava. Ainda não estava totalmente pronta para ver sua eterna princesinha deixar o ninho.

[E4]

Naquele dia, parado no tempo, a chuva parecia chorar um pouquinho por cada pessoa.

36 comentários em “Microcontos 2021 – Rain (Ana Carolina Machado)

  1. anamartorelli
    10 de abril de 2021

    Olá Rain!

    Bela coleção de micros, apesar da toada soco na cara e sorvete para aplacar a tristeza, achei seus contos excelentes! O primeiro li tão despretensiosamente que ao final tive que esperar um tempo para dar continuidade na leitura dos demais, me pegou em cheio e admito ter sido um dos, senão o único, a ter me provocado tamanho solavanco.
    De todos o único que não me afetou tanto foi E4, uma pena, pois teria fechado a coleção com perfeição.

    Não tenho muito mais a falar, então não vou me alongar, parabéns pelo resultado!!!

    Boa sorte no desafio.

  2. Ana Maria Monteiro
    10 de abril de 2021

    Olá, Rain.

    Muito bons, os seus micros, irei usar uma definição para cada um: A1 tristeza que fere; B2 consciência pesada; C2 beleza e cegueira; D3, síndrome de ninho vazio; E4, poesia pura. Os meus favoritos foram o primeiro e o último e o que gostei menos foi o B2. O último, E4, é perfeitamente fantástico, como dizer melhor a imensa tristeza em que esta pandemia nos mergulhou? Não há lágrimas para tanta dor, não há chuva que abarque tantas vítimas, não há nada que possa compensar-nos da vida quotidiana que estamos a perder e muito menos das vidas que se perderam definitivamente. A coleção é muito boa.

    Parabéns e boa sorte no desafio.

  3. Amana
    10 de abril de 2021

    Olá, Rain, tudo bem? Então, eu gostei da sua coleção. Gostei do enredo de B2, a alternativa para a imagem foi bem interessante. A1 foi de doer o coração demais… Achei C2 muito explicativo, mas eu também apronto dessas coisas, então sei bem como é. Meus preferidos foram B2 e E4.

  4. Anorkinda Neide
    9 de abril de 2021

    Olá, Rain!!
    Que chuva, hein!! Então comecemos pelo final… que sensível a chuva chorar um pouquinho por cada pessoa… isto me encantou demais…
    A1, muto triste.. minhanossasinhorinha mas é um microconto competente em emocionar
    B2, engenhoso o uso da famigerada bicicleta na parede. Gostei.
    C2..que coisa maravilhosa… é de ir às lágrimas! Ahh se todo idoso cego pudesse entender a vida desta forma…
    D3.. aff vi minha Fifi indo morar sozinha.. nunca eles tem idade suficiente pra deixar de serem nossos bebês 🙂
    Muitos parabéns, Rain.. muitos!!

  5. Klotz
    9 de abril de 2021

    Rain é um pseudônimo que me leva ao molhado. Muito melhor que preto, na imagem você colocou um guarda-chuva colorido. Delicado. Imagino que a autora seja menina.
    A1 Caraca! baita impacto. Muito bom. B2 Ótimo. Em vez de veículo poderia ter escrito bike, atropelara em vez de atropelou. C2 precisei verificar a imagem – não me pareceu que a personagem estivesse de venda – pouco importa. Vc conseguiu transmitir a insegurança do caminhar no tempo, com um conto de médio impacto, mas de filosofia. O ruim é que precisei reler para captar A ideia, o que não é bom para histórias curtas (famoso conto do dinossauro que ainda estava lá é ótimo e para ser entendo, precisa ser relido inúmeras vezes) D3 mandou bem de novo. E4 – está mais para pensamento. Na dúvida, pró réu.

  6. davenirviganon
    9 de abril de 2021

    [Rain]
    Contos concisos, com linguagem direta, contundente, que forma imagens bonitas e tristes na nossa mente. O primeiro [A1] foi uma porrada, com o destino daquele bebe. [B2] A consciência pesada também foi contundente. [C2] Uma senhora que enxerga através dos netos. [D3] A hora de uma menina que já tinha virado adulta. [E4] Aqui, retratou um sentimento mas senti falta de uma história.

  7. Ana Carolina Machado
    8 de abril de 2021

    Oiiii. Abaixo falarei um pouco mais detalhadamente de cada texto sobre cada um dos microcontos:
    (A1)
    Um microconto triste sobre um bebê que não foi achado à tempo.
    (B2)
    Um microconto sobre um atropelamento e o peso na consciência que o acidente causou.
    (C2)
    Um microconto sobre uma família em que uma senhora cega tem vários filhos e netos espalhados pela casa , eles são seus novos olhos.
    (D3)
    Um microconto sobre uma mãe e sua filha. Chega o momento da menina sair de casa, mas para mãe ela sempre será sua eterna princesinha.
    (E4)
    Um microconto sobre a chuva que chorava em uma cidade provavelmente vazia e parada devido a pandemia. Ou que chorava um pouco pelos personagens dos microcontos anteriores.

    Parabéns pelos textos e boa sorte no desafio.

  8. Fil Felix
    8 de abril de 2021

    Olá, Rain! Dia chuvoso, não?

    De maneira geral, seus microcontos são muito bons! Uma escrita bastante firme, sincera, sem firulas e bastante objetiva. Uma qualidade, já que muitos acabam se embananando quando estão escrevendo e não conseguem passar a informação com clareza (eu incluso!), e também um diferencial. Nessa parte, eu já tenho tendência a gostar dos textos com mais firulas e lirismo, mesmo que pra tratar de assuntos pesados. Mas isso não impediu de gostar menos dos seus.

    O primeiro conto, pra mim, foi o melhor dos cinco e começou a coleção com um chute no peito! Usa a estrutura dos contrastes, bastante em voga aqui no desafio, mas um segundo trecho muito pesado, apesar de discreto. Muito bom mesmo, a morte do bebê. E talvez esse tenha sido o tendão de Aquiles da sua coleção: o segundo conto, sobre o atropelamento, vem nessa mesma pegada de trazer uma cena forte, visceral e visual, uma tragédia anunciada, mas com um impacto menor que o primeiro. E pra mim, os demais contos apostaram nesse impacto com o leitor, mas foram diminuindo, sem conseguir segurar a onda. Mas no todo, uma coleção muito boa.

  9. Fabio D'Oliveira
    8 de abril de 2021

    Tudo bem, Rain? Estava chovendo muito quando escreveu os contos?

    Seu trabalho é agradável. Falo isso de forma sincera. A leitura flui belamente, sem qualquer entrave, está tudo bem escrito, a estrutura é perfeita e a condução da narrativa é impecável. É uma ótima seleção, Rain. Você tem uma escrita sensível, apesar da objetividade a ausência de floreios, e isso é bom. Porém, devo admitir uma coisa: a maioria dos seus textos caminham para a obviedade. E isso tira um pouco do brilho do seu trabalho em geral.

    Meu micro favorito é E4. Muitos interpretam de forma emocional e afins, mas eu imaginei mesmo um mundo congelado no tempo, com exceção da chuva. Amei essa imagem e por isso se tornou meu favorito.

    Parabéns pela boa chuva!

  10. danielreis1973
    7 de abril de 2021

    Prezado(a) Rain:
    Exceto pelo E4, que me pareceu mais frágil na construção, seus textos tem sementes de histórias maiores, mais grandiosas. O formato microconto não é particularmente fácil, mas você soube condensar suas histórias dentro dos limites do desafio. Meu preferido é o B2, pela criatividade em ater-se ao estímulo proposto, e o C2, pela síntese da situação da cegueira. Boa sorte no desafio!

  11. Luis Fernando Amancio
    7 de abril de 2021

    Oi, Rain! Parabéns por sua coleção. Suas histórias são bem construídas, você presa pelo impacto final sem ficar reduziada a ele. Ainda que alterne dois textos bem curtos com outros mais estruturados, é possível ver um estilo coeso na sua narrativa.
    Em alguns momentos, porém, achei que faltaram algumas vírgulas.
    O primeiro é excelente, de uma tristeza singular. Ótima escolha para inaugurar sua coleção. O último também se sobressai para mim. Haja chuva para chorar a nossa tragédia cotidiana!
    Não há pontos baixos entre seus contos, de modo que os que eu não destaquei também são bons.
    Boa sorte no desafio!

  12. Elisabeth Lorena Alves
    7 de abril de 2021

    Olá, Rain.

    [A1] é um choque de realidade. Conto completo em estrutura, narração, tema. O Desfecho é terrivelmente real. De cuna a caixão pelo espaço de uma noite. Triste.

    [B2] também é sintético sem perder a força e a verdade. Bem estruturado. A ideia de transformar a figura da bicicleta no peso da consciência foi muito interessante. E romper o peso e o conto com a alta foi muito legal, Na verdade eu já acreditava que a bicicleta jamais sairia. No confronto entre carro e camelo, o maior sempre vence e o menor.

    [C2] traz a cegueira senil e a esperança e aconchego familiar. Cria uma falsa sinestesia em ouvir barulho dos olhos, mas a metáfora fala dos familiares que estão atentos a ela. Cegueira e visão são duais nesse texto que conversa com a verdade humana, o findar que se aproxima sem pesar.

    [D3] traz a despedida de uma mãe que obviamente não consegue separar as fases etárias da filha. Conto bem elaborado. A ruptura é a constatação de que era uma ilusão óptica e o desfecho mostra um ataque de Síndrome do Ninho Vazio. Perfeito.

    Em [E4], a lua personificada, chora pelas dores dos homens. Conto interessante porque geralmente a Literatura mostra a lua como algo etéreo, distante, mesmo personificada não tem essa alma cheia de empatia como no texto.

    Sucesso no Desafio.

  13. Felipe Lomar
    6 de abril de 2021

    Olá,

    Seus textos são muito bons! você conseguiu, em poucas palavras, gerar um impacto no leitor. O fato de os textos manterem uma coerência temática reforça esse impacto. Gostei especialmente de A1 e D3.

    Boa sorte.

  14. Catarina Cunha
    6 de abril de 2021

    Micro: Sim, para quem ainda não entendeu o que é microconto, basta ler este conjunto fantástico de concisão, clímax e emoção. Todos estão foda.

    Conto: Conseguiu criar personagem forte (C), final chocante (A), final feliz (B), emoção (D) e empatia (E). Pelo conjunto da obra está na minha lista.

    Destaque: Traduziu, em um nanoconto, a tragédia em que nosso mundinho afundou:

    [E4]
    Naquele dia, parado no tempo, a chuva parecia chorar um pouquinho por cada pessoa.

  15. Fheluany Nogueira
    4 de abril de 2021

    Chuva, lama nos pés e textos que manipulam o leitor, abrindo possibilidades de interpretação. O real e poético estão amarradinhos. Cada texto busca soluções dentro de condições humanas.

    A abertura é uma bordoada na alma, clara e concisa, mas densa. Nem preciso dizer que é o meu preferido. É uma pisada no calo.

    Parabéns pelo trabalho, boa sorte e abraço!

  16. tony.j
    3 de abril de 2021

    Achei demais a forma como o autor(a) conseguiu despertar em mim tantas emoções diferentes em poucas linhas.

    A1 quebrou minhas expectativas de um final bonitinho e óbvio… É um verdadeiro tapa na cara!

    B1 causou indignação: Me pareceu uma situação de ‘colisão e fuga’, seguida por forte remorso (acho que estou errado). Fiquei feliz que esse não teve um final trágico.

    C2 e D3 trazem a sensação de nostalgia. Muito sensível a forma como a senhora é descrita e a visão da mãe sobre sua filha prestes a se mudar, tão pura. Um toque fofo para acalmar após o tapa do A1.

    E4 é triste e muito próximo. Senti muito do contexto atual nesse conto.

    Rain, me sinto sortudo de ter lido seus contos, você conseguiu em poucas linhas criar 5 contos que foram capazes de fazer minha mente voar.

    Parabéns, boa sorte no desafio! =D

    Abraços…

  17. Fernanda Caleffi Barbetta
    2 de abril de 2021

    [A1]
    Microconto maravilhoso, do jeito que eu gosto. Poucas palavras e um soco na cara. Final triste e perfeito. Nem mais nem menos.

    [B2]
    Outra paulada. No início do micro eu pensei “enfiou uma bicicleta aqui só para fazer jus à imagem”, mas o desfecho fez total sentido.

    [C2]
    Gostei deste, mas, na minha opinião, a história se perdeu um pouco. Ficou um pouco confuso.

    [D3]
    Um microconto sensível, com uma lida história. Não chega a arrebatar, mas é bonito.

    [E4]
    Gostei bastante deste também.
    Só não entendi a inclusão de “parado no tempo”. Não explicou nada e não faria diferença. Acho que só atrapalhou.

  18. Elisa Ribeiro
    2 de abril de 2021

    A experiência ao ler seus micros foi de uma empolgação crescente até C2 e uma queda abrupta de entusiasmo em D3 e E4. D3, achei-o um tantinho piegas e E4, para mim não entregou uma narrativa. A seu favor, digo que adorei C2, o melhor micro do certame até agora, mas estou bem no começo das leituras. Beijos e abraços. Sorte no desafio.

  19. j2bohn
    2 de abril de 2021

    MICROCONTOS 2021 – RAIN

    A1: Uau, uma história focada, forte e pesada. Excelentemente escrito.

    B2: Boa ideia, mas a ligação com a imagem de estímulo na primeira frase do microconto parece meio artificial e forçada, embora eu tenha gostado da conclusão.

    C2: A história pinta um quadro vívido e emocional com suas palavras. No entanto, os trocadilhos com o termo “olhos” são apenas parcialmente bem-sucedidos, na minha humilde opinião.

    D3: Uma interpretação comovente do estímulo, com um final convincente e sensível. Gostei.

    E4: Frase interessante, mas o termo “parado” em combinação com o termo “chuva” para mim não dá certo, mas pode ser que a interpretação intencionada pelo autor iluda este leitor inexperiente.

    Em suma, uma coleção compacta e bem-sucedida.

    Parabéns pelo ótimo trabalho, e boa sorte no desafio!

  20. Luciana Merley
    2 de abril de 2021

    Olá, caro autor.

    Para minha avaliação, utilizarei dois critérios principais: se o microtexto é uma HISTÓRIA e o IMPACTO que ela provocou.

    Excelentes textos. Muito sensíveis, por vezes trágicos, mas, muito inteligentes e bem enredados.

    [A1] Ai! Que coisa mais devastadora. Acabou com meu dia. Por essa razão é um bom texto. Provocou o efeito exato que o autor desejava. Faltou uma vírgula aí.

    [B2] Outra quase tragédia, dessa vez com final feliz, ufa! Ótimo micro.

    [C2] Achei a ideia sensível, tocante, maravilhosa. Penso que sobraram palavras. Poderia ter sido pensado de modo mais curto ainda. Por exemplo: “que estavam” pode ser facilmente eliminado do texto.

    [D3] Outro lindíssimo e sensível. Também acho que sobraram construções. A parte do “ainda não estava preparada” , na minha avaliação, já ficara subentendido pelo enredo que você apresentou.

    [E4] Uma frase de muito significado, especialmente nesse nosso contexto de tragédia cotidiana. Achei que o “parado” gerou um pouco de confusão sobre quem é seu personagem. Mas, um ótimo micro.

    Parabéns.

  21. Fernando Dias Cyrino
    2 de abril de 2021

    Puxa, Rain, que legal seus microcontos. São abertos e isto faz com que a mente da gente possa viajar dentro deles. Gostei muito de todos, mas o B2 está excelente. Parabéns pelos seus contos. Eles me trouxeram beleza e isto é muito bom.

  22. Claudia Roberta Angst
    2 de abril de 2021

    Micros que entregam toda a sensibilidade do/a autor/a [acredito que seja uma colega e até desconfio de quem seja… ou não].
    Poucas palavras, mas escolhidas com olhar preciso de quem sabe manipular sentimentos, silaba por sílaba. Haja talento!
    Meus favoritos são … todos. Não consegui escolher, mas o primeiro é uma punhalada que sai rasgando qualquer coração. Cruel.
    Parabéns pela participação e boa sorte.

  23. Evelyn Postali
    2 de abril de 2021

    Caro(a) autor(a),
    Contos sensíveis, um pé na realidade, outro quase na poesia. Bem escritos, tem ritmo, boa escolha de palavras. As construções demonstram a objetividade. Gostei do E4.
    Boa sorte no desafio.

  24. Marlo Romulo Werka
    1 de abril de 2021

    Rain, C2 e D3 emocionam. Lindos. Aplaudi aqui, de verdade.
    Acho A1 e D4 simples demais,. B2 é intrigante, e confesso ainda não ter certeza se entendi direito.
    Parabéns e boa sorte.

  25. Kelly Hatanaka
    1 de abril de 2021

    Oi Rain!

    Gostei muito de seus contos. São fortes, um tanto doloridos, meio como um chacoalhão, claros e concisos. Gostei muito mesmo, de todos eles.

    Meu favorito foi o E4, bem poético e que, dizendo tçao pouco, fez imaginar muita coisa.

    Parabéns e boa sorte!

  26. antoniosbatista
    1 de abril de 2021

    A 1- Trágico e cruel.
    B 2- Bacana.
    C 2- Correto com o tema.
    D 3- Sempre chega a hora do filhote deixar o ninho.
    E 4- Creio que a referência é a Pandemia.

    Rain, teus micro contos estão bem escritos. Cenas do cotidiano sem grandes surpresas e novidades. Poderia ter ousado um pouco mais nas ideias.

  27. cgls9
    1 de abril de 2021

    Seus textos são cirúrgicos, como devem ser os microcontos. Da sua coleção gosto dos dois primeiros, os que seguem não têm tanta força e ainda assim, o conjunto é muito bom. Parabéns e boa sorte no desafio.

  28. Bruno Raposa
    31 de março de 2021

    [A1] Imagem forte, micro super enxuto e eficaz. Ganha pelo impacto. Bom micro.

    [B2] Começa com uma imagem bem esquisita, que se explica de forma interessante quando a trama de revela. Produz bem uma pequena narrativa. Outro acerto.

    [C2] Um pouco confuso, precisei ler mais de uma vez, o que dilui um pouco a força de um micro. Mas tem uma narrativa e imagens muito eficientes. Gostei.

    [D3] Bem feito, usa bem a imagem de estímulo. Surpreende no final. Não cai no meu gosto, acho que apela demais para o emocional, mas reconheço a qualidade.

    [E4] Outro que achei excessivo no apelo emocional. Como não constrói uma narrativa, só sobre esse escorregão dramático. Não gostei desse.

    No geral, achei uma coleção muito boa. Os micros são precisos, diretos, enxutos. A maioria faz bom uso dos estímulos. Só não curti o último, mas gostei bastante da leitura geral.

    Desejo sorte no desafio.

    Abraço.

  29. jeff A Silva
    31 de março de 2021

    Olá caro autor ou autora.

    Um ótimo começo com um conto de duas pequenas linhas (A1) que arrebata e impacta qualquer desavisado! Gostei bastante de inicio de pé na porta e tapa na cara (kkk) Porém ouve certa queda nos demais, tanto no impacto quanto nas mensagens das criações seguintes. Mesmo assim são boas historias contadas. Mostrar muito sendo obrigado a escrever tão pouco é difícil pra xuxu!

    Parabéns pelo trabalho e sorte no desafio.

  30. mariasantino1
    30 de março de 2021

    Olá, Rain!

    Então, alguns contos matadores, hein? Vc inicia muito bem com [A1] onde a caixa torna-se caixão devido a displicência dos que dormiam e de quem abandona. É crueldade também do acaso que não deu uma amenizada no tempo para permitir alguma chance ao gurizinho. Gostei do texto. Evoca a fragilidade da vida, de se estar vivo e pequenos atos, desições e escolhas. Me ganhou mesmo. No [B2] temos o remorso com o uso do comparativo da bicicleta presa na memória. O [C2] usa a ideia de cegueira atrelado à família que dar vida a quem não enxerga mais, mas que deve se manter de pé para tocar o barco. É uma ideia bacana, mas não curti muito a repetição de olhos, nem a primeira frase de vários olhos pela casa, sabe? Não ficou esteticamente atraente de ser lido, mas o teor do texto permanece forte e bonito. Assim como o [D3] é igualmente bonito, mas não possui muito impacto pelas palavras escolhidas. O ultimo conto é parece ser complemento do inicio, do primeiro conto do bebezinho. O lance de terra parada também se completa com a morte do menininho no primeiro conto. Só observe a cacofonia “chorar um pouquinho por cada (porcada) pessoa.” Isso deixa um som desagradável quando lido e tira um pouco o brilho do texto.

    No mais, gostei do tom trágico, fatídico que permeia os contos. A fragilidade da vida é o que parece interligar os textos.

    Parabéns e boa sorte neste desafio.

  31. Aline Carvalho
    30 de março de 2021

    O primeiro e o segundo conto achei impactante!!! Os outros três já tem um ar de nostalgia… Todos muito bem escritos!

  32. Nilo Paraná
    30 de março de 2021

    ola Rain, gostei muito dos teus contos, curtos, limpos, expressando a ideia claramente, quanto a escolha e desenvolvimento bastante originais B2, chocantes como A1. D3 também muito bom, parabéns, boa sorte.

  33. Regina Ruth Rincon Caires
    30 de março de 2021

    Microcontos 2021 – Rain

    [A1] – Palavras: PRAÇA

    Texto denso, muito triste. Observar a pontuação. Criativo.

    [B2] – Fotografias: BICICLETA NA PAREDE

    A amargura da culpa, doído. Texto muito bom.

    [C2] – Frases: “Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos. “

    O cuidado da mãe, mesmo cega, acompanhando e cuidando dos seus amores. Muito profundo.

    [D3] – Ilustração: a menina com a mala

    Esta é a verdade que SEMPRE habitará o coração da mãe. Os filhos nunca crescem, serão eternamente suas crianças. Lindo.

    [E4] – Música: O dia em que a terra parou (Raul Seixas)

    Uma frase concisa e que encerra um pensamento gigante. Mas a cacofonia quebrou o encanto.

    Rain, noto uma tendência para “trabalhar” com a família: mãe, filhos… Muito bonito. Parabéns pelo seu trabalho!

    Boa sorte no desafio!

    Abraços…

  34. JOTA BRASIL
    29 de março de 2021

    Caramba…sou convidado e vir aqui apreciar os textos e dou logo de cara com esse ” soco” …
    profundo e certeiro…
    Muito gostado…

  35. thiagocastrosouza
    29 de março de 2021

    Rain, poucas linhas, ideia direta com poder de impacto ou sensibilização. Gostei especialmente do trabalho que fez em B2 e D3, dois estímulos difíceis de trabalhar, ao meu ver. O primeiro, se aproveitando da figura surreal de uma bicicleta encravada na parede, você traz o peso real de alguém que cometeu um crime não declarado. Em D3, há também outra história pé no chão, apesar do fantástico da imagem: a cria que parte para ganhar o mundo, o eterno bebê que nós, pais, insistimos em manter em nossa forma de ver os filhos. Muito bom! C2 é bom também, mas um pouco referencial demais ao texto, ficou abaixo dos demais.

    Destaque:

    “ Somente de manhã encontraram o pequeno bebê deixado na praça. Àquela altura a caixa de papelão que lhe servia de bercinho já tinha virado caixão.”
    Quanta dureza, caro(a) escritor(a), para abrir os textos. Porém, são casos possíveis, e o conto nem sempre precisa descambar para algo bom. Apontei esse como o melhor pelo fechamento que deu em E1 também, como se a chuva do dia anterior tivesse caído sobre o bebê encaixotado.

    Parabéns e boa sorte no desafio!

  36. Sandra Daher
    29 de março de 2021

    Uma forma bem concisa, limpa, de se expressar. E em todos os contos. Pra mim, resultaram melhores, com mais impacto, o do bebê e o da senhora cega. Creio que esse estilo, sem floreios, precisa sempre da boa surpresa, feliz ou não. Continue!

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Informação

Publicado às 28 de março de 2021 por em Microcontos 2021 e marcado .