EntreContos

Detox Literário.

Microcontos 2021 – Kalunga (Fil Felix)

[A1]

Despedida

O clichê estava lá: entre a praça, os pombos e a solidão. As mãos suando, molhando o pequeno pedaço de papel que segurava, borrando as declarações que havia escrito.

Não tinha mais importância, mesmo. Nada mais tinha.

O som do tiro veio como a rejeição, seco. Espantando as aves ao redor.

[B1]

Singular

Sempre enxerguei o mundo numa bolha de sabão, embrulhado em celofane colorido e reluzente. Muito além do aparente. Diferente, como eu.

Mas frágil. Um toque e a bolha se desmancha no ar, vulnerável aos olhares que julgam por um pensamento, uma orientação.

Ou uma mudança de cromossomos, como eu.

[C4]

Origami

Dobre o papel ao meio.

Filha, mãe, esposa, avó.

Cansada e pressionada sob as mãos sociais.

Embutir a ponta para dentro do vinco.

Sexo frágil, os dedos diziam.

Desdobrou-se em tantas, o corpo marcado não deixava mentir.

E mesmo assim.

Abra as asas.

Finalizou a dobradura, largou os papéis e voou.

[D2]

Ligação

Um abismo, era o que havia entre meu pai e eu. Coberto como a noite, ocultando preconceitos e abandono. Nossa conexão não passava de uma tira áspera de papel crepom. E cada lágrima que derramava sobre essa ponte manchava-me até a alma de um colorido intenso, que só ele não conseguia enxergar.

[E4]

Reencontro

Faria um almoço com o que tinha em casa: uma cebola, alho, pegaria um molho e um pacote de macarrão da dispensa. Sem receita, simples. O mundo desmoronava ao seu redor e não podia esperar mais. Necessitava daquele perdão, aceitar os erros do passado.

E na primeira garfada, perdoou-se.

35 comentários em “Microcontos 2021 – Kalunga (Fil Felix)

  1. anamartorelli
    10 de abril de 2021

    Olá Kalunga!!!

    Dá para notar uma atmosfera comum que atravessa todos os seus contos, personagens pesarosas, não necessariamente são, mas imaginei todas mulheres, fiquei curiosa com o motivo, mas não consegui identificá-lo. Tem uma coleção que trata de múltiplas dores humanas e é muito sensível no que tange os cenários emocionais, tudo isso sem tornar-se apelativo. Gosto do equilíbrio e da escolha sensata de palavras!!!
    Os dois primeiros contos são meus favoritos, E4 também me tomou!!! Os outros dois são um pouco mais opacos, mas nada que comprometa a obra.

    Parabéns pelos textos e boa sorte no desafio!

  2. Ana Maria Monteiro
    10 de abril de 2021

    Olá, Kalunga.

    Os seus micros são muito bons, mas todos eles permeados de uma certa tristeza e muita poesia, são extremamente poéticos e muito bem escritos. Gostei de todos, da sensibilidade, das histórias, das mensagens, do que fica por dizer, mas está lá, enfim, gostei de tudo mesmo. O menos favorito, sendo ainda assim tão bom, foi D2.

    Parabéns e boa sorte no desafio.

  3. Amana
    10 de abril de 2021

    Olá, Kalunga, tudo bem? Gostei bastante dos seus micros, você mantém o drama e a expectativa em todos eles. Gostei da metáfora de C4, embora discorde da estrutura em versos, já que o concurso é de micros, mas isso não diminuiu o meu encanto com as suas histórias. Além de C4, D2 também foi um dos meus preferidos.

  4. Anorkinda Neide
    9 de abril de 2021

    Kalunga! Que belo conjunto vc fez aqui.. palavra que define: Inspiradíssimo!
    A1.. pq vc fez isto conosco? um suicídio tão lindamente narrado.. ahh que dor… ❤
    B1.. que sensivel!! um cromossomo a mais, como eu… não temo que dizer, só aplaudir!
    C4, maravilhoso origami!! e voou!! linda, liberta, como todas nós devemos ser! ❤
    D2, maravilhoso!! vc tirou isto daquela imagem? rsrs achei perspicaz.. pq vc se colocou naquela ponte… nao sei se a historia é real, mas a minha é..quase assim… meu pai, pobrezinho.. que Deus o tenha ❤
    E4, não sei porquê o meu macarrão da pandemia seria um reencontro , um perdão.. mas tudo bem.. é a sua historia.. não peguei a profundidade dela, mas o macarrão, me é familiar a minha mesa.. rsrs
    Não preciso dizer-lhe parabéns! preciso então tá: Parabéns, Kalunga!
    ps: perdoe tantos coraçõezinhos, foi mais forte que eu ❤

  5. Klotz
    9 de abril de 2021

    Gosto de tentar saber o mistério dos pseudônimos. Kalungas, me parecem ser uma referência ao quilombo que existe numa região próxima à Chapada dos Veadeiros. Será que eu acertei?
    A1 – ótimo. Nem havia reparado no título. Perfeito. B1 – Muito bom. Boa a metáfora da vulnerabilidade. Não entendi a palavra cromossomos no contexto. C4 mandou bem! De novo. Tangenciou a provocação, mostrando que às vezes apenas uma palavra é suficiente para desencadear uma história. Apesar da limitação de caracteres desenvolveu a dobradura com o texto. D2 Que surpresa boa é a sua escrita! Escreve nos escuros da alma sem apelar para as tragédias de sangue. E4 – Ótimo de novo. Conflito e resolução do conflito com provocação. Acho que tem uma vírgula após o “E” da última linha.

  6. davenirviganon
    9 de abril de 2021

    [Kalunga]
    [A1] Despedida: Um suicídio bem escrito. Deixou nas entrelinhas para pensar os motivos.
    [B1] Singular: Um conto sobre Síndrome de Down ou outra parecida? singelo e bonito.
    [C4] Origami: Acho que algumas frases não precisavam estar empilhadas, mas o conto foi sensacional. A ideia de se dobrar com a resignação da japonesa.
    [D2] Ligação: A ideia é interessante mas contou muito e mostrou pouco.
    [E4] Reencontro: Quem nunca teve uma recaída culinária. Eu mesmo já tive umas quatro hoje.

  7. Fabio D'Oliveira
    8 de abril de 2021

    Fala, Kalunga!

    É uma ótima seleção de microcontos. Sua escrita é extremamente sensível e dá gosto de ler você. A organização do texto, a escolha das palavras, tudo isso indica que tem experiência na escrita. Pessoas assim costumam presentear, não tornar a leitura difícil, e foi exatamente isso que você fez. Depende do leitor, agora, estar aberto para receber seu trabalho. Gostei bastante, de verdade.

    Meu micro favorito é B1. Achei lindo a forma como fala sobre a fragilidade da sociedade. Uma metáfora excelente. Vivemos inúmeros tabus, não pode aquilo, pode somente isso, etc. Até na arte existem pessoas querendo meter o dedo. É uma reflexão atemporal, o que dá ainda mais valor para esse textinho.

    Parabéns pelo excelente trabalho.

  8. danielreis1973
    7 de abril de 2021

    Prezado(a) Kalunga:
    Que textos cinzas, meu Deus! Apesar de belos, são na maioria bem depressivos, não acha? Alguns, como o E4, parecem mais recorte de um momento do que de um acontecimento fortuito. Sem dúvida, meu preferido foi o C4, que se houvesse premiação por microconto individual, seria um dos meus preferidos. No geral, seu trabalho foi muito positivo. Sucesso, boa sorte!

  9. Ana Carolina Machado
    7 de abril de 2021

    Oiiii. Microcontos sensíveis em que os mais diferentes tipos de papéis se fazem presentes. Abaixo falarei um pouco mais detalhadamente de cada :
    (A1)
    Um microconto triste sobre como uma praça se torna palco de uma tragédia. O papel se faz presente no texto na forma do pedaço de papel que ele segurava.
    (B1)
    Um microconto sensível que reflete sobre as diferenças e que é narrado por uma pessoa com síndrome de down(Acho que é síndrome de down por causa do momento que fala de cromossomo). O papel se faz presente no texto na forma do papel celofane colorido.
    (C4)
    Um microconto que reflete sobre os papéis que a mulher tem enquanto descreve uma dobradura. O papel se faz presente no texto na forma do papel de origami.
    (D2)
    Um microconto que reflete sobre um relacionamento distante de um pai e seu filho. O papel se faz presente no texto na forma da tira áspera de papel crepom.
    (E4)
    O papel se faz presente no texto de forma figurada, na forma da pessoa que assume o papel tanto de quem pedi perdão como de quem recebe o perdão.

    Parabéns pelos textos e boa sorte no desafio!

  10. Luis Fernando Amancio
    7 de abril de 2021

    Oi, Kalunga! Parabéns pelos minicontos! Tristes, é verdade, e deveras poéticos. Você conduz bem as narrativas, ainda que opte por torná-las lentas. Em meio a tantos contos que miram no impacto, os seus são uma pausa para a reflexão. Todos precisamos desacelerar um pouco.
    O microconto A é uma tragédia. Ou seja, da imagem de calmaria na praça, somos levados para o estrondo final. Achei bem bonito. O do origami também foi bem construído. A libertação, seja com origamis, comidas ou suicídio, é um tema recorrente aqui.
    O saldo final é positivo. Você demonstra competência narrativa, pois quem conta histórias com 300 caracteres pode fazer coisas grandiosas sem esse limite.
    Boa sorte no desafio!

  11. Elisabeth Lorena Alves
    7 de abril de 2021

    Olá, Kalunga, como vai sua tribo? Brincadeirinha.

    Vamos aos contos. Gostei de quase todos.

    Em [A1], Despedida, a incógnita e a certeza se mesclam, mas é conto, está bem estruturado e é bom. E a comparação entre rejeição e o tiro é legal, funciona bem.

    [B1] traz uma reflexão sobre as singularidades, porém é conto pela construção de ideias. As palavras “cores”, “diferente” e “orientação” vão delineando um plano que se quebra que vai evoluindo, até que tendo diluído as cores, surge a verdade, é uma diferença cromossômica. Como tia de uma criança T21 a percepção de cores e espaços demarcados (bolhas no texto) fazem sentido.

    Já [C4] traz uma discussão muito legal, as obrigações impostas sobre a mulher pelos padrões de determinadas sociedades. A substituição de Sociedade por mãos sociais criam bem o ambiente. A Liberação com as asas, não do origami, dão o toque final: Perfeito.

    [D2] me decepcionou um pouco. Talvez se não fosse em primeira pessoa fosse mais forte. Mas é bom. [E4] Perfeito.

    Sucesso no Desafio.

  12. Felipe Lomar
    6 de abril de 2021

    Olá,
    Gostei do tom crítico dos seus contos. Você conseguiu passar a mensagem muito bem. Gostei especialmente do B1 e de sua forma de retratar o preconceito.

    Boa sorte

  13. Catarina Cunha
    6 de abril de 2021

    Micro: A técnica é lenta, o que não me arrebata. Mas o controle das emoções foi muito bem explorado.

    Conto: Tem estilo delicado e bem coordenado. Encontramos histórias de vida dentro de cada um. Consegue que o leitor se identifique com os personagens. No meu caso o macarrão redentor.

    Destaque: O jogo de palavras contidas em suas dobraduras me encantou:

    [C4]
    Origami
    Dobre o papel ao meio.
    Filha, mãe, esposa, avó.
    Cansada e pressionada sob as mãos sociais.
    Embutir a ponta para dentro do vinco.
    Sexo frágil, os dedos diziam.
    Desdobrou-se em tantas, o corpo marcado não deixava mentir.
    E mesmo assim.
    Abra as asas.
    Finalizou a dobradura, largou os papéis e voou.

  14. Fernanda Caleffi Barbetta
    4 de abril de 2021

    [A1]
    Um microconto forte, bem escrito. O final me surpreendeu, não esperava mesmo.

    [B1]
    Bonito o seu microconto. Gostei da mensagem, da crítica ao julgamento, à maneira como tratamos quem é diferente. A bola de sabão representando a fragilidade. Boa ideia.

    [C4]
    Sensível e forte ao mesmo tempo. Adorei. O final é um belo desfecho também.

    [D2]
    Uau, quanto sentimento neste pequeno texto. Gostei muito.
    Quando fizer algum texto usando alguma referência lembre-se de que o leitor não verá esta referência… quando colocou “esta ponte”, ficou estranho, pois não foi citada uma ponte antes.

    [E4]
    Maravilhoso esse micro. O final é muito bom, nem mais nem menos, na medida.

    • mariasantino1
      4 de abril de 2021

      Olá!

      Vou meter meu bedelho aqui, posso?

      Sobre a ponte (D2), a meu ver, vi que o (a) autor(a) estava se referindo ao relacionamento com o pai. A ponte da imagem de estímulo é reforçada pelo uso do termo que se referia aos dois extremos: pai e filha.

      • Fernanda Caleffi Barbetta
        5 de abril de 2021

        Oi, lógico que pode, fique à vontade rsrs. Eu entendi o que o(a) autor(a) quis dizer metaforicamente com a ponte. Citei o fato da inclusão sem muita explicação de ponte com o pronome essa, mas percebi que houve a referência anterior na forma de papel crepom. Obrigada.

  15. Fheluany Nogueira
    4 de abril de 2021

    Mensagens sobre fraquezas, dores e morte, repletas de poesia e emoção. Textos pungentes, bem escritos, sem bem que prefiro micros um pouco mais enxutos e impactantes. O micro do Origami é uma apunhalada na alma, um grito de libertação.

    Parabéns pelo trabalho, sorte e abraço!

  16. Elisa Ribeiro
    2 de abril de 2021

    Uma atmosfera negativa atravessa suas narrativas, exceto em E4, que soou-me como um alívio bem vindo. A despeito, gostei dos seus micros. Meu preferido foi Origami, gostei da abordagem poética e do experimentalismo e também da, digamos, mensagem. Ligação, não me soou como uma narrativa, mas como uma descrição de um relacionamento, ou seja, como parte de algo maior. Abraços e muito boa sorte no desafio e em tudo mais.

  17. j2bohn
    2 de abril de 2021

    MICROCONTOS 2021 – KALUNGA

    A1: Microconto comovente e bem elaborado, mas com um início um pouco fraco, pois este leitor não conseguiu compreender o clichê mencionado no início.

    B1: As imagens utilizadas não vão bem juntas, em minha humilde opinião (numa bolha de sabão – embrulhado em celofane). Mas o microconto em si tem uma proposta muito interessante e uma conclusão surpreendente e inovadora.

    C4: Para este leitor um dos mais lindos microcontos deste desafio, comovente, bem estruturado e com efeito forte. Interpretação diferenciada do estímulo dado. Parabéns!

    D2: Microconto lírico, um tanto exagerado, com referência meio vaga ao estímulo.

    E4: Texto bem escrito, parece que tinha algo mais a dizer que escapa a este leitor inexperiente.

    Parabéns pelo trabalho, em particular pelo microconto C4, e boa sorte no desafio!

  18. Luciana Merley
    2 de abril de 2021

    Olá, caro autor.

    Para minha avaliação, utilizarei dois critérios principais: se o microtexto é uma HISTÓRIA e o IMPACTO que ela provocou.

    Gostei da escrita e do lirismo na maioria dos textos. Em alguns, tenho observações a fazer.

    [A1] Trágico, devastador. Muito bem escrito em poucas palavras.

    [B1] Uma bonita auto reflexão. Talvez uma boa parte de um livro narrado em primeira pessoa ou uma poesia moderna, mas não um conto. Não encontrei no trecho, elementos suficientes para contar uma história.

    [C4] Lindíssima história de um vida contada em poucas palavras e sob uma analogia maravilhosa.

    [D2] Uma excelente ideia desenvolvida a partir do estímulo. Me pareceu que sobraram palavras, como a explicação “essa ponte” lá no final. O leitor atento percebe que a ligação frágil era como uma ponte de papel crepon.

    [E4] Outro bonito texto que funcionaria muito bem num contexto maior. É sim uma história, mas, não muito convincente quando assim, solta. Nasce como se fosse uma situação de escassez, mas termina com uma auto redenção. Não encontrei a liga dessa história.

    No geral, muito bons textos. Parabéns.

  19. Fernando Dias Cyrino
    2 de abril de 2021

    olá, Kalunga, cá estou eu apreciando seus microcontos. Achei-os bem interessantes. São bonitos e densos. Gosto disso. Dentre todos, que achei bem bons, os intitulados Origami e o último que você deu o nome de Reencontro me encantaram. Muito legal, Kalunga. Valeu muito ter vindo ler suas histórias.

  20. Claudia Roberta Angst
    2 de abril de 2021

    Eita, Kalunga, quase conseguiu me deprimir.. não sei se pelo teor dos seus textos, ou por não estar apta a mergulhar nas águas profundas do seu sentir.
    O [A1] me tocou e surpreendeu. Não esperava pelo final que chegou tão rápido espantando até os pombos.
    Os outros micros também foram bem escritos, mas o primeiro foi o que mais me impactou.
    Parabéns pela participação e boa sorte.

  21. Evelyn Postali
    1 de abril de 2021

    Caro(a) autor(a),
    São contos sensíveis assentados na realidade, mas sem apelo. Reflexivos e poéticos. Bem escritos, e se a intenção era deixar o coração triste, conseguiu. Depressivos, até. Destaco o A1 e C4.
    Boa sorte no desafio.

  22. Marlo Romulo Werka
    1 de abril de 2021

    Kalunga, que texto denso nesse bom conjunto.
    Dolorido, às vezes.
    Faço análise positiva, pela técnica e pela sensibilidade diferenciada, como em Origami (o melhor).
    Parabéns e boa sorte.

  23. Kelly Hatanaka
    1 de abril de 2021

    Olá Kalunga!

    Que produção mais linda você trouxe! Amei seus contos, todos líricos, cheios de beleza, um mais lindo que o outro, falando de morte, dores, fragilidades. É até difícil apontar um favorito. Fico entre o B1 e o C4.

    Parabéns e boa sorte!

  24. antoniosbatista
    1 de abril de 2021

    A 1- Drama da desesperança.
    B 1- Não captei o perfil da pessoa.
    C 4- Ficou boas as analogias. Boa ideia.
    D 2- Bonitas metáforas, mas parece que faltou motivos.
    E 4- Acabou o regime.

    Bons micros, com exceção de um que me pareceu faltar alguma coisa para melhor entendimento e do B 1, não consegui visualizar como ficou a pessoa, após a transformação do cromossoma.

  25. cgls9
    1 de abril de 2021

    Belíssimos trabalhos, sensíveis e belos. Há uma melancolia que os atravessa. A construção de ORIGAMI é magnífica! Destaco A1 e C4. Parabéns. Boa sorte.

  26. Bruno Raposa
    31 de março de 2021

    [A1] Bom micro. Tem uma linguagem direta, fluida. Surpreende sem fazer uma grande reviravolta, o final foi bem orgânico. Gostei muito.

    [B1] Lírico, surpreendente, a frase final traz um impacto muito interessante. Um micro muito sensível e de ótima qualidade. Título muito bom também. Gostei demais desse.

    [C4] Outro micro repleto de lirismo e sensibilidade. Abordagem muito inteligente da citação e ótima analogia com o origami. Muito bom.

    [D2] Nesse eu achei que você pesou a mão na carga sentimental. Aos meus olhos, ficou exageradamente dramático, até um pouquinho piegas. Não curti.

    [E4] Interessante. Meio esquisito do ponto de vista prático, mas funciona de forma lírica.

    No geral, achei uma ótima coleção. Os três primeiros brilham. Os outros não mantém o nível, mas não chegam a comprometer. Acho que foi uma escolha inteligente se ater apenas a cinco. Muito bom, Kalunga.

    Desejo sorte no desafio.

    Abraço.

  27. jeff A Silva
    31 de março de 2021

    Olá caro autor ou autora

    Uma mini analise para mini textos:

    (A1)
    Confesso que fiquei (e de algum modo ainda estou) um confuso com o final, que em minha opinião quase foi perfeito, tendo se mostrado um pouco antes do ideal.

    (B1)
    Um conto com toque de boa critica social. simples e objetivo. É tocante na medida

    (C4)
    Meu preferido dessa boa lista com folga. Cheio de sentimento, sutil e com um design muito agradável aos olhos. “Desdobrou-se em tantas, o corpo marcado não deixava mentir.” é poesia embalada na realidade, só digo isso. Bom demais!

    (D2)
    Confesso que não gostei tanto desse. Mas as alegorias funcionam.

    (E4)
    Aqui acho que foram palavras demais para falar apenas da comida até chegar em algo com mais substancia. De todos foi o menos bom para mim.

    Parabéns pelo trabalho e sorte nesse desafio.

  28. Nilo Paraná
    30 de março de 2021

    todos contos com uma grande dose de sofrimento. muito bem escritos. gostei muito de B1 e E4, menção especial para origami, lindo. parabéns. boa sorte.

  29. Aline Carvalho
    30 de março de 2021

    O último conto eu achei mais simples… Os outros mostram uma grande sensibilidade!
    Gostei de “Finalizou a dobradura, largou os papéis e voou.”

  30. mariasantino1
    30 de março de 2021

    Olá, Kalunga!

    Pois bem, o que temos aqui? Um sofrimento por ser mulher. A autoaceitação e rejeição de outros, da sociedade. Olha, achei tudo muito duro, sabe? Dureza mesmo de quem se sente ou se coloca em um lugar assim. Tipo, é uma sensação real. Verdadeira. Posso estar errada, mas os contos se conectam e a narradora vai expandindo suas dores em cada texto.

    No [A1] temos um suicídio impelido por uma rejeição onde o leitor só testemunha e sente. No [B1] a metáfora da bola de sabão esconde que vai dentro da pessoa que narra, que vive às margens de si devido o julgamento da sociedade por sua orientação sexual ou aceitação de gênero(cis ou trans). É forte e brinca com a fragilidade da bola de sabão. No [C4] a frase de incentivo recebe significado de aceitação onde a pessoa narra, usando a metáfora da dobradura de um origami, uma vida inteira. CARAIO! Super competente e soberbo (no melhor sentido possível). O texto é micro, mas o sentido é macro e não some na mente, vai além da leitura. O [D2] é reforço do exposto onde a personagem só expande o que já sabemos acerca da ausência de aceitação. No [E4] temos a redenção. Puxa vida! Não tenho ressalvas e não sei se vou conseguir ser feliz de novo. Você vai para minha lista.

    Parabéns pelo trabalho! Boa sorte no desafio.

  31. Regina Ruth Rincon Caires
    30 de março de 2021

    Microcontos 2021 – Kalunga

    [A1] – Palavras: PRAÇA

    A dor que precede um suicídio. Meu Deus, que doloroso! Denso.

    [B1] – Fotografias: Criança com as bolhas de sabão

    Que bonito, um grito de liberdade! E que todos voem, que todos vivam e sejam felizes, independente de cromossomos. Muito bom!

    [C4] – Frases: “O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem.”

    “Dobre o papel ao meio.

    Embutir a ponta para dentro do vinco.

    Abra as asas.”

    È isso que a vida quer da gente, coragem. Nada de dobrar, de embutir. O importante é voar. Que lindeza de texto! Que poesia. Parabéns!

    [D2] – Ilustração: relógio, abismo, ponte

    Autor, meu querido, quanto grito abafado! A cada texto lido, o coração fica ainda mais apertadinho, dá uma vontade danada de oferecer um abraço. Quanta dor, quanto ressentimento. Torço para que tudo seja ficção, tudo “de mentirinha”. Muito bem escrito.

    [E4] – Música: O dia em que a terra parou (Raul Seixas)

    Olhe outra facada! A terra parou numa macarronada “temperada”. Não, a morte não pode ser saída. Escrita perfeita e densa, muito dolorida.

    Kalunga do céu, menino! Que trabalho pesado, que escrita cinza (pra não dizer dark). Admiro o tom carregado dos textos, mas é leitura para uma vez por ano. Você escreve muito bem, e é muito tristinho. Parabéns pelo trabalho! Muito bom.

    Boa sorte no desafio!

    Abraços…

  32. thiagocastrosouza
    29 de março de 2021

    Encontrei uma série de micros sobre a personalidade, auto aceitação, o problema da rejeição, da identidade, de se encontrar no mundo. Muito duras suas histórias, mas necessárias para enxergarmos com mais atenção a dor do outro. São contos que encorajam a empatia, sem necessariamente, fazer uso de apelo moral ou didatismo. As dores apresentadas a partir desses personagens. A metáfora do origami é muito boa, assim como o enxergar o mundo por dentro da bolha, até que ela estoura pela rejeição, o preconceito. Está tudo muito homogêneo aqui e, apesar de espinhoso, o trajeto é válido e transformador. Gostei, mesmo que não tenha me arrebatado.

    Destaque:

    “Dobre o papel ao meio.
    Filha, mãe, esposa, avó.
    Cansada e pressionada sob as mãos sociais.
    Embutir a ponta para dentro do vinco.
    Sexo frágil, os dedos diziam.
    Desdobrou-se em tantas, o corpo marcado não deixava mentir.
    E mesmo assim.
    Abra as asas.
    Finalizou a dobradura, largou os papéis e voou.”

    Bem construído, estrutura poética, desdobrar-se para alçar voo. Dizem que se fizer mil tsurus um desejo se realiza, pensei nisso após ler o conto. Quantos papéis são necessários dobrar para alcançar, finalmente, o desejo?

  33. Sandra Daher
    29 de março de 2021

    Ficou bonita essa metáfora do origami. E o do tiro na praça, já impactante pelo assunto, ficou também bem resolvido.

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Informação

Publicado às 28 de março de 2021 por em Microcontos 2021 e marcado .