EntreContos

Detox Literário.

Errado (Matheus Pacheco)

-Você não estava morto?

-Correção, eu estou morto!

-Você é um fantasma?

-Não sou.

-Você é real?

-Também não.

-Então…eu finalmente fiquei louco.

-Na mosca

75 comentários em “Errado (Matheus Pacheco)

  1. Vanilla
    1 de fevereiro de 2020

    Muito legal e muito curto, na medida certa e bem feito. Algo me incomoda na simplicidade, talvez por ser um pouco rápido demais, não sei, mas parabéns!

  2. Daniel Reis
    1 de fevereiro de 2020

    Diálogo rápido entre um fantasma e um louco. Particularmente, me incomoda o arremate. Talvez com outra frase… sorte!

  3. Tom Lima
    1 de fevereiro de 2020

    O enlouquecimento tratado dessa forma não funcionou pra mim. A falta de emoções não parece ser uma ferramenta, mas um acidente que atrapalha a leitura. Usar a estrutura de diálogo pra dar velocidade foi interessante, mas esse vazio de emoções deixou um conto sem efeitos pra mim.
    Abraços.

  4. Ana Maria Monteiro
    1 de fevereiro de 2020

    Olá, Criança. Muito bom. Na mosca, mesmo. Gostei muito, original e divertido. Seguramente figurará na minha lista de 20. Parabéns e boa sorte no desafio.

  5. Rubem Cabral
    1 de fevereiro de 2020

    Olá, Criança.
    Bacana o conto feito só de diálogos. Contudo, achei-o sintético demais. Sim, passou bem a ideia e fecha bem com um punchline bastante bom, mas pediria mais algumas palavras: para acharmos graça do louco, ou ter pena dele, ou entender as razões do pseudofantasma, etc.
    Boa sorte no desafio!

  6. M. A. Thompson
    1 de fevereiro de 2020

    Um diálogo que poderia surpreender no final, mas não conseguiu. Boa sorte no desafio.

  7. Gustavo Azure
    1 de fevereiro de 2020

    Gostei bastante do diálogo desse microconto. Em outro, acabei de comentar que não precisaria de narração, somente o monólogo. E em seguida, nessa, encontro o que disse. Não consegui fazer uma relação com o título para a narrativa. Errado porque ele errou algumas vezes as perguntas que fazia? Boa sorte

  8. Thata Pereira
    1 de fevereiro de 2020

    Então… acho que quem ficou louca fui eu rs Fiquei um pouco perdida no conjunto. Isso porque o conto chama-se errado, o pseudo é criança, a imagem é uma mão orando e o conto são dois ou um louco conversando… Não sei. Acho que por ser um micro conto todos os elementos juntos entregam uma mensagem e infelizmente eu não consegui conectar a mensagem aqui.
    Boa sorte!!

  9. Marco Aurélio Saraiva
    31 de janeiro de 2020

    É estranho como eu sorri no final do conto. Acho que foi por ver o personagem reconhecer a própria loucura, e ter ela mesma respondendo a ele. Foi um exercício de pensamento interessante. O conto não tem enredo e nem tem muito impacto, mas a cena narrada é bem boa.

    Escrita: Boa
    Conto: bom

  10. Angela Cristina
    31 de janeiro de 2020

    Olá!
    Legal, gostei da história e da conclusão.
    Parabéns.

  11. Catarina Cunha
    31 de janeiro de 2020

    Dois doidos acertam na mosca.
    Elementos fundamentais do microconto:
    Técnica — ótima. Humor com diálogo ágil.
    Impacto — ótimo. O raciocínio lógico da loucura me surpreendeu.
    Trama — ótimo. O suspense e a dúvida levantada em espaço tão diminuto é difícil de executar.
    Objetividade — ótimo. Muitos significados em diálogo tão enxuto. Parabéns!

  12. Amanda Gomez
    30 de janeiro de 2020

    Olá,
    Um conto aberto a várias interpretações, por ser tão inconclusivo acaba incomodando. Fica uma leitura incompleto, eu diria. A imagem faz alusão a uma conversa religiosa… Pode ser desde o próprio Deus a um assombração que o perturba a Porto de ficar louco.
    Inconclusivo. Aguardarei a explicação do autor, caso tenha 😬
    Boa sorte no desafio.

  13. Fil Felix
    30 de janeiro de 2020

    Bom dia! Um conto construído por diálogos e aberto a várias interpretações, talvez mais ou menos próximas da intenção do autor. Pela imagem, imaginei que seria uma conversa com Jesus ou alguma divindade ou algo relacionado à fé. Lendo, talvez seja algum amigo imaginário ou apenas a loucura comentada no conto, se fomos pelo literal.

  14. Cicero G Lopes
    29 de janeiro de 2020

    Construído nos diálogos, a história está toda posta. Parabéns e boa sorte!

  15. Ana Carolina Machado
    29 de janeiro de 2020

    Oiiii. Um microconto que mostra um diálogo que termina com a conclusão que a pessoa está ficando louca e pode ser entendido de várias formas. Eu acho que pode ser uma criança(talvez por isso o pseudônimo) conversando com um tipo de amigo imaginário que acha ser um fantasma. Parabéns pelo texto e boa sorte no desafio!

  16. Fabio D'Oliveira
    29 de janeiro de 2020

    Olá, Criança.

    Admito: fiquei perdido, haha. É um micro que permite muitas e muitas interpretações. Uma conversa interna. Pode ser uma entidade, de fato, confundido sua vítima. Sei lá, só sei que, o tom cômico, apesar de agradável, não me cativou tanto. Como não consegui encontrar nenhuma reflexão, apenas um jogo de palavras, acabei ficando um pouco decepcionado. Pois, em micros de qualidade, sempre se encontra algo para pensar. Algo que é até, muitas vezes, profundo.

    Enfim, é isso!

    Parabéns! E boa sorte no desafio!

  17. Sarah S Nascimento
    28 de janeiro de 2020

    Olá! Seu microconto é bem claro, objetivo, adorei que usou os diálogos, uma ideia muito interessante.
    As perguntas e respostas nos levam pra esse final trágico, mas muito divertido!
    Adorei, muito criativo, parabéns!

  18. Pedro Paulo
    28 de janeiro de 2020

    Um breve momento de autoconhecimento, em direção à loucura, com o recurso do diálogo para apresenta-lo. Boa escolha.

  19. Claudio Alves
    28 de janeiro de 2020

    A loucura é sempre um bom tema. Conto simples, direto, divertido e bem conduzido.

  20. Evandro Furtado
    28 de janeiro de 2020

    Um conto que flerta com o surrealismo, mas não chega exatamente lá. Senti falta de mais absurdos, que, paradoxalmente, dariam mais coerência à história.

  21. Davenir Viganon
    28 de janeiro de 2020

    Conto, como o micro deve ser. A imagem nos encaminha para pensar que a pessoa está numa igreja, mas pode ser em qualquer outro local em que haja uma reflexão sobre o sobrenatural e/ou a loucura. Excelente. Cara de favorito.

  22. renatarothstein1
    27 de janeiro de 2020

    Simplesmente divertido. Gostei do seu micro, tadinho do louco😁

  23. Anderson Góes
    27 de janeiro de 2020

    Gostei muito desse conto, eu achei cômico e para me fazer rir é porque tem que ser bom! E ele realmente foi bom… Poucas palavras e mesmo assim conseguiu seu intento, parabéns!

  24. brunafrancielle
    27 de janeiro de 2020

    Está morto ou não existe? Porque ele diz uma mentira numa frase e uma verdade em outra?
    A assombração, ou imaginação, falha em ter coerência.
    Simples, poucas palavras. Sem ambientação.
    Mas entendi a ideia. Ele é louco e a criatura só existe em sua mente.
    Gostei da clareza do final

  25. Carolina Langoni
    27 de janeiro de 2020

    Para mim, parece um interno no hospício conversando com sua imaginação para não se sentir sozinho.
    Gostei, é simples e direto, mostra um diálogo divertido (para mim). :V

  26. Andre Brizola
    26 de janeiro de 2020

    Olá, Criança! Seu conto é bem aberto e permite diversas interpretações. Uma conversa de alguém consigo mesmo? A conversa entre dois loucos? A conversa com um fantasma mentiroso? Embora o diálogo seja franco e direto, e o bom humor seja o direcionador, ainda me parece pouco para conseguir chegar a uma conclusão sobre quem são as partes dialogantes. E eu realmente fico meio assim de me decidir por apenas uma interpretação. E sem conseguir me decidir, o conto acaba não me dizendo nada. Sei que a intenção provavelmente foi essa, mas não funcionou muito bem pra mim. Peço desculpas. Boa sorte no desafio!

  27. Givago Domingues Thimoti
    26 de janeiro de 2020

    Embora o microconto seja cômico, ele não funcionou comigo, É rápido, como se espera num microconto, mas não cativou.
    Enfim, boa sorte!

  28. Marília Marques Ramos
    26 de janeiro de 2020

    Achei meio sem graça. O diálogo é legal, mas já vi um monte de coisa parecida com isso. Faltou inspiração.

  29. Luiz Eduardo Domingues
    26 de janeiro de 2020

    Gostei bastante da maneira como você estruturou o seu conto apenas com diálogos, dando mais agilidade e contribuindo para tornar a história mais cômica. Parabéns!

  30. Carlos Vieira
    26 de janeiro de 2020

    A imagem me remeteu para algo metafísico, inclusive no sentido complementar (e não oposto) ao título: o que é certo? O que é verdade? Embora a loucura tenha sido retratada de modo até razoável demais, alinhado, mais autoquestionador do que realmente louco (o que trouxe um cero humor), a estrutura de diálogos diretos ficou bem interessante.

  31. antoniosbatista
    26 de janeiro de 2020

    Um conto bem-humorado. A estrutura, só com diálogos, ficou excelente e não precisou de maiores informações para dar o “recado”.Micro conto é assim mesmo, vai direto ao ponto, diz tudo em poucas palavras. Não é um comentário que a gente precisa alongar para não ficar muito curto, mesmo dizendo tudo se optar por gosto ou não gosto, o que fere as regras, duras, mas necessárias..

  32. Regina Ruth Rincon Caires
    26 de janeiro de 2020

    Criança, fiquei meio zureta quando terminei de ler seu texto. Aí, pensei: acho que não se trata de conversa de dois doidos. Acho que é uma conversa com a própria consciência, o personagem falando com ele mesmo. Será?! Menininho danado, você mexeu com os neurônios de todos os participantes, sabia?!
    Para descontrair, confesso que me senti tão confusa como quando ouvi essa piadinha sobre dois pescadores surdos:
    Dois surdos se encontram perto de um rio. O primeiro pergunta:
    – Vai pescar?
    O outro responde:
    – Não, vou pescar…
    O primeiro:
    – Ah… bom! Pensei que fosse pescar…
    Criança, espero que você se saia bem no desafio!
    Abraços…

  33. jowilton
    26 de janeiro de 2020

    Kkkkkkkkkkk Muito bom. Os dialógos são certeiros e o final arrebata com chave de ouro. Kkkkkkkkkkk

  34. Sabrina Dalbelo
    26 de janeiro de 2020

    Olá,
    O texto em forma de diálogo é bem dinâmico. Não vejo incorreções, ok.
    Mas se o cara está morto, não é fantasma e não é real… o que ele é? Será que fiquei louca?
    Kkkk
    Não, sério. Entendi o aspecto nonsense, necessário para a loucura fazer sentido.
    Bem pensado.
    Um abraço!

  35. Raione LP
    26 de janeiro de 2020

    Diálogo ágil e divertido, bem sacado.

  36. Bia Machado
    26 de janeiro de 2020

    Olá, tudo bem? Ok, é loucura. Ainda bem que é sua, não minha, rs. Eu criei mais de uma versão para o diálogo. Esquizofrenia, ou são duas pessoas doidas, uma pensando que está mais doida que a outra? Várias possibilidades. Fiquei até desconfiada da falta de pontuação na última frase, haaha. Obrigada!

  37. Valéria Vianna
    25 de janeiro de 2020

    Curto e grosso, como se diz na linguagem jornalística. Um microconto que contextualiza perfeitamente uma situação em breves diálogos. Ótimo desfecho. Congratulações.

  38. Luciana Merley
    25 de janeiro de 2020

    Olá, criança. Eu realmente fiquei perdida com seu conto- diálogo. Pelo pseudônimo, imagino ser uma criança, mas a última frase “eu finalmente fiquei louco” não combina com o vocabulário de uma criança. Na necessária tentativa de adivinhação, pensei (com base na imagem) que pudesse se tratar de uma visão crítica acerca da morte e vida de Jesus e, portanto, uma crítica ao fundamento do Cristianismo. Mas como disse, em textos como esse, é difícil não conjecturar porque ele não tem elementos suficientes para a interpretação. Um abraço.

  39. Gustavo Araujo
    25 de janeiro de 2020

    Esse é daqueles textos que permitem mil interpretações. Para mim, um diálogo de alguém consigo mesmo, ou melhor, com outra personalidade que nele vive. Não sou da área de psicologia, mas já ouvi dizer que dentro de nós habitam inúmeras versões de nós mesmos. É o que parece ocorrer aqui. Não, não acredito que o sujeito ficou louco. Mais parece que ele admitiu que pode conversar com ele próprio, como fazem os escritores e poetas. Bom texto. Parabéns e boa sorte no desafio.

  40. Elisa Ribeiro
    25 de janeiro de 2020

    Talvez o primeiro delírio de alguém que rompe o limite entre sanidade e loucura. A escrita direta e agradável, o diiálogo bem escrito e certa ironia valorizam o texto. Refletindo sobre o conjunto titulo, pseudônimo, imagem e texto, creio que a intenção do autor foi mesmo confundir o leitor. Parabéns! Ao menos comigo você conseguiu. Desejo sorte no desafio. Um abraço.

  41. Fabio Monteiro
    24 de janeiro de 2020

    Devo ter ficado louco tambem. Errado seria avaliar seu mini conto de forma narcisista. Tem lá seus atributos. Boa sorte no desafio.

  42. Gio Gomes
    24 de janeiro de 2020

    Novamente a loucura, aqui dentro de um diálogo bem humorado. Achei fluido, parabéns.

  43. Alice Castro
    24 de janeiro de 2020

    Tão curto que não tenho muito a falar. Diria que seriam duas amigas. A ritalina conversando com a fluoxetina… heheheheheheheheh
    Boa sorte!

  44. Fernando Cyrino
    24 de janeiro de 2020

    Olá, Criança, você me apresenta um conto bem interessante sobre a loucura. Acho que os doidos, na sua liberdade (sou atraído por eles) são eternas crianças. E como tal elas exercem um papel fundamental no mundo que é o de nos manter a sanidade. Seu conto me trouxe confusão mental e fiquei me perguntando, mas não é isto que uma história de loucura pretende? Ou pelo menos deveria desejar? Cá estou eu agora a pensar o que a imagem tem a ver com a história, não consegui pegar a ideia. Passou-me ser as mãos de um religioso em atitude orante, mas e daí? Faria parte da loucura geral do conto? Bem, acho que cumpriu e bem a função de tratar da loucura. Ou mesmo a minha loucura não captou nada. Recuso-me, como sempre, a ler comentários antes de enviar os comentários. Meu abraço.

  45. fernanda caleffi barbetta
    23 de janeiro de 2020

    Olá, Criança, o seu pseudônimo e a imagem me confundiram, acho que não possuem nenhuma relação com o microconto. No início até imaginei ser uma criança conversando com um espirito, mas depois ficou claro se tratar de alguém com problemas mentais e, pelo que entendi, falando sozinho.
    Não entendi a sua ideia com este diálogo nem a mensagem, desculpe. Fiquei com várias pulgas atrás da orelha. Abraço.

  46. Vitor De Lerbo
    23 de janeiro de 2020

    O primeiro passo para o tratamento é o diagnóstico!
    Em poucas palavras, vemos uma revelação surpreendente que nos leva ao sobrenatural e depois descobrimos se tratar de algo psiquiátrico.
    Bom trabalho para um diálogo tão curto.
    Boa sorte!

  47. Paulo Luís
    23 de janeiro de 2020

    O diálogo é ótimo. Engraçado e objetivo. O que ficou difícil foi saber onde está a insanidade: nos dois ou no autor? Ks,ks,ks… Muito bom! Boa sorte.

  48. Anorkinda Neide
    22 de janeiro de 2020

    Olha, eu nao entendi…
    se a figura estava morta mas nao era um espírito, tb nao podia ser uma alucinação, pois alucinações nao morrem. e por experiencia com pessoas loucas de verdade, eles nunca se apercebem q estão loucos.
    ao perguntar se está louco, já se sabe q ele nao está louco.
    ou seja, nao entendi nada.
    (sim, eu sou a chata dos comentarios.. lide com isso)

    • Criança
      22 de janeiro de 2020

      Nem esquenta poxa, você já é de casa já.

  49. Priscila Pereira
    22 de janeiro de 2020

    Olá, Criança!
    Muito interessante… Pela imagem imaginei que fosse tema religioso e confesso que ainda acho que tem alguma coisa a ver com isso… Mas deixa isso pra lá.
    O que eu posso dizer… Temas com a loucura me atraem muito… Eu achei realmente interessante, rápido e certeiro o seu micro, mesmo ainda achando que não foi totalmente compreendido…
    Parabéns e boa sorte!

  50. Fheluany Nogueira
    22 de janeiro de 2020

    Diálogos fora de contexto geram mesmo essa confusão. Gostei: sintético, direto, divertido e, sobretudo, criativo. Disse tudo.

    Parabéns pelo trabalho e boa sorte! Abraço.

  51. Angelo Rodrigues
    22 de janeiro de 2020

    Conto que brinca com a condição mental do outro… ou é apenas um diálogo interno de quem não está bem da cabeça. Vai se saber o que seja.
    Fiquei buscando uma associação entre o texto e a imagem e, confesso, não consegui decifrar. Mãos postas, de modo geral têm um quê de religioso, de súplica que tal semelhante, o que não está presente no diálogo subjetivado no texto.
    Boa sorte.

  52. Augusto Schroeder Brock
    22 de janeiro de 2020

    Olá!
    Divertido, curto e direto! Funciona bem.
    Quando o personagem fala “Correção,” lembrei do Rafiki em diálogo com o Simba na cena prestes a revelar o Mufasa, que não sabemos se é um fantasma ou apenas fruto da imaginação de uma mente confusa. Coisa da época de “criança”.
    Parabéns pelo texto.

  53. Rodrigo Fernando Salomone
    22 de janeiro de 2020

    Ah, que maravilha que é o início da insanidade, rsrsrs. Belo diálogo, gostei bastante. Parabéns e boa sorte.

  54. Nilo Paraná
    21 de janeiro de 2020

    o fantasma mentiu. Nunca acredite no que um morto diz, você pode ficar louco. ótimo conto.

  55. Emanuel Maurin
    21 de janeiro de 2020

    Dois doidos conversando da nisso. Seu dialogo está bem escrito. Boa sorte.

  56. Jorge Miranda
    21 de janeiro de 2020

    Simples, direto e com diálogos certeiros. Gostei do que li. Lendo fiquei imaginando se o nosso herói não conversava consigo mesmo na frente de um espelho. Parabéns pelo texto.

    • leandrociccarelli2
      21 de janeiro de 2020

      Achei bem hilário, super direto e fluído. O final é ótimo! Parabéns, acertou na mosca, boa sorte!

  57. Cilas Medi
    21 de janeiro de 2020

    Simples, direto e objetivo.
    Na mosca.
    Diálogos malucos também fazem parte do cotidiano.
    Parabéns!

  58. Andreza Araujo
    21 de janeiro de 2020

    De início, pensei se tratar de tema religioso. O final me surpreendeu, interpretei como se ele estivesse diante de uma alucinação (e ciente disto, aliás, o que é o mais interessante). É criativo mas não me emocionou. Boa sorte!

  59. Marisa De
    21 de janeiro de 2020

    Ótimo! Vou dizer o que já disse de alguns outros poucos contos, a concisão é um dom. Contar uma história com pouquíssimas palavras torna-a muito mais rica e densa. Parabéns,, boa sorte.

  60. Nelson Freiria
    21 de janeiro de 2020

    Olha, sendo sincero, não entendi a da imagem, Mas pelo título e pela sequência de diálogos, tenho a impressão que as respostas tinham algo de mentira. Como os diálogos revelam apenas parte da informação e nada ali é racional, não pra ter certeza de nada. De qualquer forma, é um micro conto ágil, bem humorado e na medida que precisava ser

  61. Rafael Carvalho
    20 de janeiro de 2020

    ” E tá errado? Num tá!”
    Conto simples, direto, objetivo e têm seu fim nele, sem a necessidade de uma reflexão sobre as entrelinhas do texto.
    Gostei da escrita, parabéns, boa sorte aí!

  62. Fabiano Sorbara
    20 de janeiro de 2020

    Olá, Criança! Um micro rápido, que chegou e pronto, contou sua história direta. O diálogo é construído sem sobras de palavras, muito bom. O que me incomodou foi a falta do uso dos travessões no lugar dos traços.
    Desejo boa sorte no desafio. Abraços.

    • Criança
      20 de janeiro de 2020

      Sendo Sincero, eu não coloquei travessão pq eu realmente não sei usar esse comando no word.
      kkkk

      • Alguém
        21 de janeiro de 2020

        Criança, travessão no word você faz mantendo pressionada a tecla “Alt” enquanto digita “0151”. Deve haver outras maneiras, mas esta é a que conheço.

      • Paulo Luís
        23 de janeiro de 2020

        Olá, Criança! Para usar o travessão siga este caminho:
        1) Inserir — 2) no último botão clic em símbolo — 3) mais símbolos — 4) caracteres especiais — 5) É só escolher o símbolo que quiser usar e clicar em inserir.

  63. Luiza Moura
    20 de janeiro de 2020

    Uma curta, simples e boa discussão!

  64. drshadowshow
    19 de janeiro de 2020

    Isso, sim, é um microconto perfeito. Gostei muito. Espero não ter que reproduzir esse diálogo com minha (falta de) razão. Maravilhoso.

  65. Maria Alice Zocchio
    19 de janeiro de 2020

    Muito bom. Nenhuma palavra sobrando. Um diálogo seco contando muito e levando a um final que permite interpretações. “Errado” acertou.

  66. Eder Capobianco
    19 de janeiro de 2020

    Muito legal…………o cômico elevado ao alto nível de um diálogo……….o “finalmente” insere o leitor no texto, como que destinado ao mesmo fim, a loucura………o efeito é uma equalização do ser humano………..acho que a ilustração sobrou aí……….ela direciona o conto, mas ele está tão bem escrito, e a sátira faria este papel até mais naturalmente…………parabéns!

  67. Pedro Gomes
    19 de janeiro de 2020

    Bem conseguido, embora a saída final seja um pouco previsível.

  68. jetonon
    19 de janeiro de 2020

    Creio que ficou mesmo!
    Boa sorte!

  69. renatarothstein1
    19 de janeiro de 2020

    Criança, você escreve micro como gente grande, hein?
    Um diálogo curto e decisivo, a oportunidade do leitor crias mil histórias com seu Errado.
    Parabéns!

  70. angst447
    19 de janeiro de 2020

    Tá aí um micro conto que é realmente micro e sintético. E melhor de tudo, diz ao que veio sem perder tempo com palavras a mais. Eu gostei muito do diálogo e da conclusão. Boa sorte!

Deixe uma resposta para Luciana Merley Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Informação

Publicado às 19 de janeiro de 2020 por em Microcontos 2020 e marcado .