EntreContos

Detox Literário.

Raymond Carver e Lucia Berlin – Resenhas (José Angelo Rodrigues)

Não deixem de ler.

Melhor ainda, não percam a oportunidade de conhecer (talvez compreender como se escreve) contos absolutamente bem feitos, daqueles que você lê e não dá conta de que está lendo, mas ouvindo um relato de fatos vividos por alguém.

Contos despossuídos de artificialidades (detestáveis apoteoses, súbitas revelações ao final do conto que mais parecem trapaças com o leitor), relatos de eventos tão colados à plausibilidade da vida, que fica difícil imaginar que decorram de elaborações intelectuais.

Não gosto de relatos – curtos ou longos – em que se evidencia a invenção, salvo quando explicitada a intenção de. Quando se objetiva “criar” uma verossimilhança em tudo implausível, terminando por soarem falsos, irreais. São esses os contos de Carver e Berlin: verdadeiros e plausíveis do princípio ao fim.

No Brasil poucos livros desses autores foram publicados, de Lucia Berlin apenas um.

Vamos lá:

Raymond Carver:

•Fique quieta, por favor, Rocco (fora de catálogo, 1988).

•Iniciantes, Cia das Letras, 2009

•Short Cuts – Cenas da Vida, Rocco (fora de catálogo, 1994)

•68 Contos de R. Carver, Cia das Letras, 2010

•Esta Vida, Poesias Escolhidas, Editora34 (esse eu tenho, mas não li, ainda)

Sobre o primeiro livro de Carver, publicado em 1981, ocorreu uma daquelas coisas estranhas, curiosas. Após entregar o manuscrito (What we talk about when we talk about love) ao editor (Gordon Lish), o sujeito cortou cerca de 50% do que leu, tornando o livro de Carver algo minimalista. Justo isso tornou a obra de Carver um sucesso imediato. Quando Carver ganhou fama, descobriu-se que seu texto fora decepado em cerca de 50%. Imediatamente passaram a detestar o editor, Philip Roth à frente dos detratores de Lish, justo o homem que deu fama a Carver. Coisas da vida. O livro What we talk… saiu no Brasil com o título Iniciantes, pela Cia das Letras, com os contos originais de Carver, sem os cortes do editor.

Se tiverem a intenção de ler Raymond Carver, é razoável ler o condensado feito pela Cia das Letras: 68 Contos. Ele dá uma visão bastante boa e abrangente do que Carver escreveu (com um bom prefácio de Rodrigo Lacerda).

Raymond Carver morreu em 1988, com cinquenta anos. Dividiu seu trabalho de escritor com trabalhos braçais mal remunerados. Viveu as consequências do alcoolismo e morreu de câncer nos pulmões por decorrência do tabagismo extremado.

Lucia Berlin

O único livro dela publicado no Brasil chama-se Manual da Faxineira – Contos Escolhidos, Cia das Letras, 2017.
Lucia Berlin trabalha exatamente sobre os trilhos de Carver, embora os contos de Berlin tenham um caráter mais dramáticos, trabalhados sob as experiências vividas por ela e sua família, seus filhos, seus pais. Seus contos proporcionam um mergulho maravilhoso na vida atribulada que teve quando viveu em alguns países e experimentou o drama do álcool, das drogas, dos subempregos, do excesso (muitos casamentos) e falta (muitos abandonos) de homens em sua vida, sempre trazendo algum tipo de drama.

Questionada sobre a vida que teve, imaginou-se que Berlin realmente tivesse vivido tudo aquilo, mas não, ela disse que apenas usava sua vida como fio condutor para construções literárias imaginadas. Berlin constrói tudo com tanta leveza que você não imagina estar lendo, mas ouvindo relatos de fatos reais.

O grande truque (opa!) de Berlin em direção à máxima verossimilhança, está no fato de que todos (quase) os contos são narrados na voz mais plausível das narrativas, a primeira pessoa. Eu vi, eu fiz, eu sei. Quem vai discordar, particularmente quando tão bem escritos, tomados por um distanciamento crítico do leitor quando se passam em lugares que mais parecem imaginados, algo como “num lugar distante”, embora sejam lugares reais no Chile, no Peru, no Sul dos Estados Unidos e por aí vai.

Uma boa oportunidade de conhecer dois autores maravilhosos para compreender a forma moderna de escrever histórias curtas.
Tudo sem aqueles eventos apoteóticos ou inesperadas revelações que parecem estragar tudo.

Anúncios

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 13 de setembro de 2017 por em Resenhas e marcado .