EntreContos

Literatura que desafia.

Era uma vez o amor – Conto (Helio Sena)

Era uma vez um rapaz, chamava-se João, João tem demais no mundo, é uma loucura, ele era só mais uma nessa multidão, quem sabe, talvez não.

Um dia João casou-se com Maria, a das Dores, embora antes tenha namorado outras três Marias, que também são tantas, nem todas santas.

Tiveram uma penca de filhos, cinco, três princesas e dois príncipes, o mais novo com um mês apenas, era uma escadinha que não tinha fim.

Quando o pequerrucho fez um ano, esperava-se que Maria engravidasse de novo, mas não, o que ela fez surpreendeu a todos, pois foi, deu no pé.

De tarde, os filhos dormindo, outros na escola, ela ajeitou uma bolsa, catou algum dinheiro, e ligou de um orelhão, adeus, venha para casa, João.

O marido, sem entender, herdou a criançada toda, pensou que fosse enlouquecer, sem norte, direção certa, ai, meu Pai, o que eu faço agora?

O patrão, deveras comovido, dispensou ele uns dias, enquanto João dava um jeito na vida, quem sabe a Maria não voltava, e tudo se arrumava?

Mas não, a desnaturada não voltou, nem ali nem na semana seguinte, e João arranjou uma moça para cuidar da meninada, o pobre estava exausto.

Lurdinha morava lá embaixo, perto do rio, ótima, dava gosto vê-la em ação, os meninos limpinhos, de bucho cheio, a casa toda arrumada.

Passava o dia com as crianças, de noite, quando João do serviço chegava, ela voltava para casa, morava só com a mãe e um irmão tantã, até amanhã.

Certo dia, meio a medo, João propôs que ela dormisse no emprego, os filhos gostavam tanto dela!, seria melhor, você não acha, por que não?

Lurdinha hesitou um pouco, carecia de falar com a mãe, de manhã ela disse que topava, e João, agradecido, bem-humorado, reajustou o ordenado.

Ora, foi uma beleza!, e tanto foi que Lurdinha e João começaram a se engraçar, um mês depois estavam dormindo juntos, ela logo engravidou…

Justo quando o menino nasceu, sabe quem foi entrando de repente em casa?, sim, era a Maria!, foi entrando e escorraçou a moça, abraçou os filhos.

Quando João chegou do trabalho, foi aquele susto, perguntou cadê Lurdinha?, já sabia a resposta, Maria no pé do fogão, o cheiro bom da janta.

João exigiu uma explicação, Maria neca, então ele saiu, correu lá na beira do rio, Lurdinha podia voltar, vamos, vem, a outra vai embora já!

Lurdinha voltou, mas a outra, por mais que João pedisse, não arredou pé, e o tempo foi andando, e as duas foram ficando, olhar, silêncio e ódio.

Até que um dia, como dissimular?, João mandou a casa aumentar, Lurdinha em um quarto, Maria no outro, as duas suas esposas, era o jeito…

A vizinhança não viu aquilo com bons olhos, João um bígamo, um depravado, que pecado, não tinha ele medo de arder no fogo do inferno?

Mas João era querido ali por todos, e quando se gosta, o olho finge, e fecha e cega, de forma que a família foi deixando de causar espantamento.

De seis, a filharada pulou para oito, mais um de Lurdinha, outro de Maria, e foi quando João morreu, seu carro caído no córrego, um desastre feio.

Meio às lágrimas, as mulheres foram obrigadas a trabalhar fora, as duas se revezando com a gurizada, mas o impacto foi atenuando, a vida segue.

Tempos depois, o escândalo se espalhou, as duas mulheres estavam juntas, dividiam a mesma cama, tudo, era o amor surpreendendo a solidão…

Lurdinha e Maria taparam os ouvidos, falassem à vontade, elas só queriam uma coisa, ser felizes, felizes para sempre, que louco que não quer?

Anúncios

4 comentários em “Era uma vez o amor – Conto (Helio Sena)

  1. Miquéias Dell'Orti
    2 de janeiro de 2017

    Olá Helio,

    Realmente, uma prosa poética (acredito que você tenha se empenhado em fazer uma, se não, me perdoe pela ignorância) com pé e cabeça, diga-se de passagem, não é uma coisa que eu vejo em abundância por aí… então só tenho que parabeniza-lo. Além disso, achei o enredo bom, atual e interessante.
    Concordo com o Eduardo quando ele diz que algumas rimas não funcionaram, talvez rever esses pontos seja uma boa. Mas também achei que isso não atrapalhou o desenvolvimento da narrativa. Parabéns.

  2. Evelyn Postali
    30 de dezembro de 2016

    Helio…
    Esse conto me pegou de um jeito só, assim, como a chuva de hoje, molhando o dia. Mas foi tão lindo ler esse amor todo misturado e, sério, não tem como não gostar disso. Fiquei assim, parada na poesia do seu texto, nessa coisa casual que escreveu – mas sei que foi proposital tudo, aí – sorrindo, meio boba, porque a situação do João não era lá muito favorável. E assim, fui, até o fim, encantada.
    Parabéns!

  3. Davenir Viganon
    27 de dezembro de 2016

    Sucinto, sincero e elegante!
    Gostei bastante!

  4. Eduardo Selga
    27 de dezembro de 2016

    Possivelmente muitos entrecontistas haverão de considerar, na leitura dos primeiros parágrafos, que autor cometeu um erro crasso na construção do texto, errando absurdamente no item pontuação.

    Entretanto, rapidamente podemos perceber que não apenas a pontuação, como também os numerosos parágrafos com rigorosamente duas linhas são propositais, no sentido de provocar uma dinâmica ágil e a mescla do discurso indireto com o indireto livre. Isso causa uma estranheza bem-vinda ao texto literário.

    O “era uma vez” do início e o fato de o casal ter “três princesas e dois príncipes” sugere que o enredo trará uma ligação irônica com o universo dos contos de fadas, mas esse nexo não se efetiva, sendo apenas uma estória corriqueira. Se a ironia tivesse sido levada a efeito, o final, já bem interessante, teria se potencializado.

    No segundo parágrafo entendo haver uma referência ao poema narrativo “Morte e vida severina”, de João Cabral de Melo Neto. Há um ritmo similar, bem como o nome Maria. No conto está escrito “um dia João casou-se com Maria, a das Dores, embora antes tenha namorado outras três Marias, que também são tantas, nem todas santas”, ao passo que no poema citado temos “[…] deram então de me chamar / Severino de Maria; / como há muitos Severinos / com mães chamadas Maria, / fiquei sendo o da Maria / do finado Zacarias”. Essa impressão fica reforçada pelo fato de, aqui e ali, o autor usar rimas, que nem sempre funcionaram bem.

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 26 de dezembro de 2016 por em Contos Off-Desafio e marcado .