EntreContos

Literatura que desafia.

Metapunhetagem (Anderson Henrique)

Personagem 1: Vai começar assim? Personagem 2: É, cara. Tu nem escolheu nosso nome. Autor: Calma, galera. Ainda estou pensando. Tudo começa meio nebuloso. Um pequeno esboço, um lampejo de … Continuar lendo

5 de agosto de 2017 · 46 Comentários

Anelisa sangrava Flores – Anderson Henrique – Resenha (Gustavo Araujo)

Anderson Henrique faz uma aposta ousada em “Anelisa sangrava flores”. Num mercado literário dominado por narrativas fantasiosas que replicam os best-sellers americanos, com seus aliens, duendes, games e mundo paralelos, … Continuar lendo

9 de abril de 2017 · 2 Comentários

Escuro da noite (Anderson Henrique)

A mãe já tinha avisado: tenha modos que mais tarde tem visita. Quando chegaram, a janta tava pronta. Panelas quentes e todo mundo ao redor da mesa. Mãe puxou reza. … Continuar lendo

10 de março de 2017 · 40 Comentários

Livros, amores e assassinatos em série (Anderson Henrique)

Jurei que a mataria se fosse embora. Cumpri a promessa com uma espátula em meu primeiro livro, “A aflição do canalha”. Morreu como se não entendesse meus motivos. Sufoquei-a com … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 80 Comentários

Belinha (Anderson Henrique)

Por causa de Belinha que eu fui. Vê se moleque nessa idade tem motivo para entrar em cemitério meia-noite? Meia-noite, cabra! Cêdemais pra chamar de dia, tardemais pra não chamar … Continuar lendo

21 de setembro de 2016 · 43 Comentários

O Barqueiro (Anderson Henrique)

Meu senhor, não tem jeito. Aqui não é diferente lá das terras donde o senhor vem. Quando o senhor precisava ir de uma cidade a outra, não havia um preço … Continuar lendo

5 de março de 2016 · 14 Comentários