EntreContos

Detox Literário.

Um conto inesperado – Conto (Francisca Diogo)

O céu está limpo. Uma menina de 4 anos brinca na varanda com o pai. Tem a t-shirt dele vestida. O pai faz-lhe cócegas. Riem-se. Entram em casa. Ele dá-lhe banho na banheira. O chuveiro é um telefone (— Está lá!). Veste-a (—  Muito rápido, à americana! Saco de batatas! Saco de batatas!). Estão felizes.

É verão. A menina está com os avôs maternos no Algarve. A avó de toca, nada na piscina. A menina de vestido de folhos, sorridente, ao colo largo do avô, come um donut caseiro. Há música. A menina dança, alegremente.

Tem 5 anos. O pai diz-lhe que a mãe foi para o hospital para nascer a irmã. O pai faz uma mala com roupas e roupinhas. A menina está tão entusiasmada. Vai ter uma irmã pequenina para sempre.

Tem 7 anos. Encontra-se sentada no banco do jardim da escola primária da uma vila ribatejana. A arquitetura é a típica de Salazar. Um grupo de meninas da mesma idade perguntam-lhe, entre risinhos (— És menino ou menina? — Menina!). Pouco depois, brincam juntas. Fazem cambalhotas nos ferros do jardim. Conversam. Divertem-se.

A menina faz 9 anos. A casa está decorada de balões. A mesa está cheia de doces. As crianças brincam alegres. Os adultos conversam. O avô paterno passeia junto ao rio, em frente à casa. Ouve o relato do jogo do Sporting na rádio que tem na mão.

São as férias. A menina está na Ericeira com os pais, os avôs paternos, os dois irmãos mais velhos, e a irmã mais nova. São as festas da vila. As ruas estão enfeitadas. O avô vai com a menina comer uma fartura junto à praia. Encosta-se ao muro azul e branco, com ela ao colo, partilham o olhar o mar, sobre o muro.

É noite. Está frio. Os pais e os irmãos estão em casa. Toca um telefone. O pai atende. Todos choram e gritam. A menina está no quarto do irmão. Ninguém lhe diz, mas ela sabe, o avô morreu. O irmão abraça-a, e ela pode expressar a sua dor, chora.

A avó vive agora sozinha em Alhandra. A menina passa vários fins de semana com ela. Vão à praça de manhã. A avó compra o que a neta mais gosta. Conversam. A avó está triste, sente a ausência do avô. A presença da neta alegra-a. A menina sente-se bem junto da avó. São tranquilos e aconchegantes aqueles dias. Dorme com a avó. Ouve as histórias dela, a cheias de 69, a pobreza da época, os esforços do avô enquanto médico para ajudar a população. Ouvem rádio antes de adormecer e quando acordam.

Os pais chamam a menina. Dizem-lhe que vão viver para Lisboa no próximo ano. Na cidade há uma escola de dança que forma bailarinos profissionais, se ela quiser entrar terá de treinar para as audições. A menina adora dançar (— Quero!).

É Verão. Estamos na Ericeira. A menina treina para a audição. Está determinada em dar o máximo de si. O seu corpo está evoluir rapidamente em elasticidade e força. Está mais magra, mais séria. Muitas vezes não quer fazer as refeições, só fruta. A avó está preocupada. A menina está a ficar diferente, mais afastada dela, menos alegre, menos livre, demasiado responsável.

A menina aprova na audição. Observa os jovens dançando graciosamente nos corredores e nas salas de dança. Ouve os vários instrumentos clássicos das aulas de música. Os alunos de teatro ensaiam nos claustros do edifício velho. A menina está apaixonada pela beleza dos movimentos e dos sons.

Ao longo dos meses a menina vai deixando de ser ela. O seu corpo está cada vez mais magro. O seu olhar está cada vez mais sério e vazio. A sua alma está cada vez menos viva. Quase não come. Os pais acompanham-na a uma psiquiatra. A médica tem a convicção no olhar (— A vossa filha pode morrer). Decidem, irá ser internada.

Tem 11 anos. Está num quarto de hospital. Olha a janela de grades. Sente-se presa, presa no espaço, presa na alma. O tempo corre parado. Todos os dias pergunta (— Quando vou sair? — Quando recuperares peso). Querem salvar-lhe o corpo, e talvez a alma. Continua a tentar não comer e a fazer exercício para perder peso. Dão-lhe medicação para travar o excesso de movimento. Por vezes, não consegue sentir-se a si mesma. Os olhos querem fechar, e ela quer mantê-los abertos. Uma enfermeira doce senta-se ao seu lado, dá-lhe a mão, sente a dor da menina. A menina sente gratidão por aquele cuidado sentido.

Com 12 anos tem alta. Um longo caminho ainda falta percorrer para recuperar a vida. O melhor remédio vai ser a escola, as amizades, o amor.

Com 14 anos está com obesidade. O corpo está mais vivo, apesar em parte ainda doente. A alma está mais saudável, apesar de ainda precisar de mais vida. Na consulta a menina fala do amor pelos avós. Vê uma lágrima cair pelo rosto médica, habitualmente séria. A médica está contente por ter ajudado a despertar aquela adolescente que sorri.

A jovem tem 22 anos. Sente-se profundamente deprimida. A dor é demasiada. Não vê saída dela. Tenta o suicídio. Está a adormecer. Inesperadamente desperta. Ainda quer a vida. Pede ajuda.

A jovem está na universidade. Continua deprimida. Sente que não consegue continuar o curso. Vai desistir. A melhor amiga visita-a (— Se não consegues vens para minha casa, e vamos juntas às aulas. Queres ficar lá enquanto não te sentes capaz? — Sim. Obrigada.). A jovem viveu alguns meses com a família da amiga. Partilhava o quarto com os seus dois filhos pequenos. Naqueles meses, foi o seu lar aquela linda casa de campo junto ao rio. Aquela família ficou no seu coração. Tornou-se a sua segunda família.

A jovem tem 26 anos. Sofre de ansiedade e depressão. Consulta um psicólogo que ao longo do tempo a ajuda a enfrentar-se a si própria, à sua sombra, e à sua luz. Naquela jovem, há uma mulher que quer amar e ter uma família.

Tem 30 anos. As suas relações amorosas são superficiais. Trabalha na área social com pessoas sem casa. Muda de projeto. Faz turnos, faz noites. Trabalha na rua, e de carro de um lado para o outro, muitas vezes sem encontrar as pessoas para ajudar. Sente-se cansada e sem propósito. Está cada vez mais desconfiada do mundo. Procura ajuda psiquiátrica e psicológica. Em poucos meses recupera.

Tem 34 anos. Está grávida, abraçada com o companheiro no sofá. Conversam e riem. Começa a sentir contrações (- Vai nascer. Nem parece verdade). Nasce. É colocado sobre ela. A mulher chora de felicidade pela primeira vez. Está tão apaixonada pelo seu filho.

O casal e o filho vivem numa casa com um terraço sobre o rio e a lezíria. São felizes. A mulher partilha aquela felicidade com a mãe, com os irmãos, com a restante família, com os amigos. É tão bom o amor e a vida.

Um comentário em “Um conto inesperado – Conto (Francisca Diogo)

  1. Ana Maria Monteiro
    20 de novembro de 2021

    Olá, Francisca.

    O nosso português atrapalha a leitura dos colegas brasileiros e acredito que seja por isso que ninguém comentou.

    O seu conto pareceu-me o relato de uma história verídica, ligeiramente fantasiada. Posso estar enganada, mas foi a sensação que tive enquanto lia.

    Uma pequena revisão (não ortográfica) pode melhorar bastante o resultado final.

    Gosto de encontrar o nosso país nas leituras, você fala na Ericeira, em Lisboa, de Alhandra e eu estou lá, vejo os sítios que me são familiares.

    Sei o que é a arquitetura do estado novo, sei como foi o salazarismo.

    Para uma portuguesa que gosta de ler da mesma maneira que eu (há muitas formas de ler), as alusões são gratificantes e melhores ainda quando não acompanhadas de explicações e juízos. O seu conto está assim: refere sem transparecer posição pessoal. Gosto disso. Tenho o meu olhar, a minha opinião, gosto de ter assim, pela leitura, uma revisitação às minhas próprias referências, sem mais nada.

    Porque, para mim, a leitura é mais um sentido, tal como o paladar e todos os outros, sendo o olfato, o sentido que mais apela à evocação – o olfato e a leitura.

    Gostei muito e espero que essa menina continue feliz.

    Confesso que só “engoli” bem o final cor-de-rosa, porque acredito que se trata de um caso verídico.

    Continue, escreva ficção. Vou gostar de ler.

Deixe uma resposta para Ana Maria Monteiro Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Informação

Publicado às 5 de novembro de 2021 por em Contos Off-Desafio e marcado .
%d blogueiros gostam disto: