EntreContos

Detox Literário.

Sólidos – Poesia (Francisco Ferreira)

No tempo das’águas, no em antes, do ano passado

andei quase a virar passarinho.

Um átimo da minha vocação

de borboleta ou morcego foi que faltou.

Desvoei!

 

Mas meu medo de menino,

medo ancestral da queda, amoleceu-me.

Desdesenhadas minhas asas tortas

recolhi as penas e a pena.

Despoetei-me!

 

Arrasto-me lagarto desde então.

Encaramujei minhas vontades

e liberdades receosas. Parado no ar

caindo de pedra e chumbo,

Gravitacionei.

Anúncios

8 comentários em “Sólidos – Poesia (Francisco Ferreira)

  1. Wender Lemes
    23 de agosto de 2015

    Olá, Francisco. Você tem uma técnica muito boa, tão boa que quase ofusca a tristeza que as palavras escondem. Alguns chamam de bloqueio criativo, você “solidificou” a questão em forma de lagarto. É muito complicado o que algumas coisas da vida fazem com a poesia que carregamos dentro de nós, mas tendo a pensar que a semente é forte e as asas dos poetas sempre crescem outra vez.
    Parabéns!

  2. vitor leite
    30 de junho de 2015

    gostei, os pequenos reparos a fazer já foram realizados, por isso vou ler mais uma vez. parabéns pelo ritmo apresentado

    • Francisco Ferreira
      2 de julho de 2015

      Obrigado, Vitor Leite.Amo o jeito “mineirim da roça” de falar, afinal, jamais me permitiria deixar de sê-lo. Abraços.

  3. Claudia Roberta Angst
    22 de junho de 2015

    Versos gostosos de ler, com um ritmo não calculado, mas sutil. Gostei das metáforas e os neologismos. Poetizei.

  4. Anorkinda Neide
    22 de junho de 2015

    Bacana, Francisco!
    Inspirado em Manoel de Barros? Gostei das metáforas e dos verbos e dos neologismos.

    Apenas o primeiro verso, consideraria um estranho no ninho… rsrsrs

    ‘No tempo das’águas, no em antes, do ano passado’

    o apóstrofo em “das’águas”, nunca vi usar assim, apenas assim: “d’águas”, mas acho q nem caberia… fica simples e correto: “das águas” mesmo.

    “no em antes”.. tb não conheço essa expressão, inclusive não entendi.

    Mas de resto, o poema está show! Parabéns.

    • Francisco Ferreira
      2 de julho de 2015

      Anorkinda, não há como negar a influência de meus ídolos (Manoel de Barros e João Guimarães Rosa). Bom, sobre o apóstrofo em questão, está grafado em mineirês puríssimo, da forma que falamos. rsrsrsr Também a expressão “no em antes” é um regionalismo, grafado um pouco mais sofisticado, o meu povo simples daqui diz no inhantes e é o que ocorreu antes do agora. Abraços.

      • Anorkinda Neide
        3 de julho de 2015

        ahh entendi… regionalismos…
        dae boiei mesmo, pq nao sou de Minas, uai…rsrsrs

        no ‘em antes’, entao seria melhor colocar entre aspas… poderia o leitor lembrar de ‘inhantes’ que é mais conhecida essa forma de grafar.

        Obrigada pelos esclarecimentos!

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 21 de junho de 2015 por em Poesias e marcado .