EntreContos

Detox Literário.

O Buscador – Clássico (Jorge Bucay)

Esta é a história de um homem que eu definiria como um buscador. Um buscador é alguém que procura. Não necessariamente alguém que encontra. Tampouco é alguém que sabe o que está procurando. É simplesmente alguém para quem a vida é uma busca.

Um dia nosso Buscador sentiu que deveria ir até a cidade de Kammir. Tinha aprendido a seguir rigorosamente as sensações que vinham de um lugar desconhecido de si mesmo, então deixou tudo e partiu. Depois de caminhar dois dias por estradas empoeiradas, viu Kammir à distância, mas pouco antes de chegar à aldeia, uma colina à direita do caminho chamou sua atenção. Era coberta de um verde maravilhoso e havia muitas árvores, pássaros e lindas flores. Estava completamente rodeada por uma espécie de cerca de madeira, pequena e polida, e uma porta de bronze o convidava a entrar. De repente, sentiu que se esquecia da cidade e sucumbiu à tentação de descansar por um momento naquele lugar.

O Buscador passou pelo portal e começou a caminhar lentamente entre as pedras brancas distribuídas como por acaso entre as árvores. Deixou seus olhos, que eram aqueles de um buscador, passearem ao redor do lugar … e talvez por isso descobriu, em uma das pedras, essa inscrição “Birre Tare, viveu 8 anos, 6 meses, 2 semanas e 3 dias”. Ficou um pouco surpreso ao perceber que essa pedra não era apenas uma pedra. Era uma lápide, e sentiu pena ao pensar que uma criança tão jovem estava ali enterrada.

Olhando em volta, o homem percebeu que a próxima pedra também tinha uma inscrição. Ao se aproximar para ler, notou: Lamar Kalib, viveu 5 anos, 8 meses e 3 semanas. O Buscador ficou terrivelmente chocado. Este lindo lugar era um cemitério e cada pedra era uma lápide. Todas tinham inscrições similares: um nome e o tempo de vida exato do falecido. Mas o que o deixou espantado, foi verificar que, aquele que vivera mais longo, mal ultrapassara os 11 anos. Embarcado por uma dor terrível, ele sentou-se e começou a chorar.

O zelador do cemitério passava por ali e se aproximou, observou-o chorar por um tempo em silêncio e depois perguntou se ele estava chorando por algum membro da família.

– Não, nenhum membro da família – disse o Buscador – Mas … o que se passa com este lugar? Que coisa terrível existe por aqui? Por que tantas crianças mortas enterradas neste lugar? Qual a terrível maldição que pesa sobre essas pessoas, que as forçou a construir um cemitério para crianças?

O zelador idoso sorriu e disse:

“Você pode se acalmar, não há tal maldição, o que acontece é que aqui temos um costume antigo. Eu direi a você … Quando um jovem completa quinze anos, seus pais lhe dão um caderno, como aquele que eu tenho aqui, pendurado no pescoço, e é uma tradição entre nós que, depois disso, sempre que se gostar intensamente de algo, deve-se abrir o caderno e escrever sobre esse fato: à esquerda, que foi apreciado, à direita, por quanto tempo essa alegria durou. Você conheceu sua namorada e se apaixonou por ela? Quanto tempo essa paixão enorme e o prazer de conhecê-la duraram? Uma semana, duas? Três semanas e meia? E depois? A emoção do primeiro beijo, quanto tempo durou? O minuto e meio em seguida do beijo? Dois dias? Uma semana?

E a gravidez ou o nascimento do primeiro filho? E o casamento dos amigos? E a viagem mais desejada? E o encontro com o irmão que retornou de um país distante? Quanto tempo demorou para apreciar essas situações? Horas? Dias?

Então escrevemos no caderno todos os momentos, cada alegria, cada sentimento pleno e intenso … E quando alguém morre, é hábito abrir seu caderno e adicionar o tempo do que foi apreciado, escrevê-lo em seu túmulo. Pois isso, para nós, é o único e verdadeiro tempo de vida”.

………………………………

Tradução: Gustavo Araujo.

Anúncios

2 comentários em “O Buscador – Clássico (Jorge Bucay)

  1. Victor O. de Faria
    26 de janeiro de 2018

    “Adicionar o tempo do que foi apreciado…” – me ganhou aqui.

  2. Fil Felix
    25 de janeiro de 2018

    Nossa, muito interessante! Um conto curto, mas que traz muitas coisas em suas camadas. O triste é pensar que, ao fim da vida, tivemos tão pouco tempo de real felicidade. O quanto vivemos, dia após dia, mergulhados na rotina das coisas, vivendo no piloto automático, sem nenhum momento para nós, desses que fazem a diferença. Pensar que o que se leva dessa vida são os bons momentos, a alegria e felicidade, temos que buscar cada vez mais isso. Sermos esse buscador.

Deixe uma resposta para Victor O. de Faria Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Informação

Publicado às 23 de janeiro de 2018 por em Clássicos e marcado .