EntreContos

Literatura que desafia.

A metade da laranja – Conto (Priscila Pereira)

pai-e-filho

As tragédias da vida me intrigavam, pois, depois de certo tempo a vida continuava a fluir e abriam-se novos caminhos antes inexploráveis. A fatalidade pode unir pessoas que nunca se juntariam sob outras circunstâncias. Foi o meu caso.

Sofro de uma doença quase desconhecida, mas feroz, dores tomam conta de meu corpo, como ondas em um mar bravio, sem descanso, sem calmaria. Sem nenhuma chance de cura e uma sobre vida longa, sou obrigado a viver acorrentado a este corpo indefinidamente. Minha alma anseia por voar, viver, sentir algo que não seja dor, sou um espírito livre preso em um corpo enfermo.

Em certo dia, de certo mês, no terceiro ano de minha doença, estava caminhando pelas ruas de minha cidade, focando minha mente em algo fora de meu corpo, o que aliviava, ou distraía a dor que sentia, quando vi um garotinho sentado no meio fio da calçada, muito sujo, despenteado, vestindo farrapos, chupava uma laranja com uma aparência de tanta felicidade que não resisti, parei, cheguei perto dele e perguntei:

– Por que você está tão feliz?

– Porque estava com muita vontade de chupar uma laranja e consegui essa aqui. Disse mostrando a laranja pela metade.  – Quer um pedaço?

– Não, obrigado. Mas uma laranja é motivo pra ficar feliz?

– Claro que é moço, além de ter conseguido o que comer hoje, foi justamente o que eu queria.

-Isso foi tudo o que você comeu hoje?

– Foi sim…

Não podia acreditar, o menino parecia não ter mais do que sete anos de idade, olhei em volta e não havia nenhum adulto por perto, então perguntei:

– Onde você mora, onde está sua família?

– Moro aqui na rua, não tenho família não moço…

– Quantos anos você tem?

– Dez anos. – Disse ele todo orgulhoso.

Notei que não havia prestado atenção à dor enquanto falávamos; ainda atônito, me ouvi dizer:

– Venha, vamos para minha casa que te dou um jantar decente.

O menino olhou pra mim e disse:

– O senhor tem família?

– Não. Sou só eu e você agora, se quiser…

Ele me olhou com preocupação e disse:

– Se eu for morar na sua casa ficarei tão infeliz quanto o senhor?

– Não… Espero ficar tão feliz quanto você.

Ele me deu sua mãozinha suja e melada e fomos para minha casa, enquanto andávamos em silêncio pude sentir minha alma se enchendo de esperança, poderia nunca viver uma vida plena e realizada, mas poderia proporcionar essa mesma vida a uma criança e através dela eu poderia enfim viver de verdade.

Anúncios

12 comentários em “A metade da laranja – Conto (Priscila Pereira)

  1. Neusa Maria Fontolan
    18 de fevereiro de 2017

    Uma bela lição de vida. Amei.

    • Priscila Pereira
      18 de fevereiro de 2017

      Obrigada Neusa!!!

  2. Fheluany Nogueira
    7 de fevereiro de 2017

    As falas finais valeram o conto. Parabéns pela fluidez, pela simplicidade. Deu um novo enfoque para a eterna busca da felicidade. Abraços.

    • Priscila Pereira
      7 de fevereiro de 2017

      Muito obrigada Fátima, fico muito feliz que tenha gostado!!

  3. Brian Oliveira Lancaster
    7 de fevereiro de 2017

    Melhor diálogo: “Se eu for morar na sua casa ficarei tão infeliz quanto o senhor?”.
    Acho que falta uma vírgula na primeira frase em “depois de certo tempo,”. Já no parágrafo “Em certo dia…” algumas vírgulas podem ser enxugadas, deixando as frases mais dinâmicas. É um cotidiano simples, mas cheio de sentimento.

    • Priscila Pereira
      7 de fevereiro de 2017

      Obrigada pelo comentário e pelas dicas Brian, com certeza vou resolver isso. Fico feliz que tenha gostado!!

  4. sergioricardosite
    7 de fevereiro de 2017

    Sensível.

    • Priscila Pereira
      7 de fevereiro de 2017

      Obrigada Sergio!!

  5. Gustavo Castro Araujo
    6 de fevereiro de 2017

    O conto é uma bonita fábula sobre a busca pela felicidade, sobre como podemos encontrá-la nas pequenas coisas. Acerta por usar uma linguagem fácil e pela fluidez. Ainda assim, resguarda, em suas entrelinhas, essa forte indagação psicológica a reboque do velho-porém-sempre-atual clichê de que a alegria da vida está na simplicidade. Bom trabalho.

    • Priscila Pereira
      7 de fevereiro de 2017

      Obrigada Gustavo, fico muito feliz de poder aprender tanto com vocês aqui. Parabéns pelo site!!!

  6. Marco Aurélio Saraiva
    6 de fevereiro de 2017

    Gostei do conto. Rápido e instigante. A doença do narrador pode ser interpretada como uma doença não física mas psicológica: talvez a depressão. Consigo enxergar por esse viés mesmo que o narrador insista em dizer que era “uma mente livre presa em um corpo enfermo”.

    Gostei do diálogo final:

    – Se eu for morar na sua casa ficarei tão infeliz quanto o senhor?

    – Não… Espero ficar tão feliz quanto você.

    Foi muito bom. Parabéns!

    • Priscila Pereira
      6 de fevereiro de 2017

      Obrigada Marco, gostei muito do seu comentário. Nem eu sei o que o protagonista tem, talvez alguma doença rara. Kkk obrigada e até mais!!

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 5 de fevereiro de 2017 por em Contos Off-Desafio e marcado .