EntreContos

Detox Literário.

Liberdade – Conto (Elisabeth Lorena Alves)

Naquela manhã o dia estava parecendo mais a um entardecer de fim de outono, porém nada muito Antônio Firmino Monteiro e nem poderia, porque ele não estava no Rio de Janeiro… Mesmo assim, levantou-se, estendeu o corpo como se fosse um corredor de São Silvestre e uma vez alongada, colocou em sua cesta de vime uma toalha de convescote, quadriculada em branco e verde, sua preferida, uma garrafa de vinho, pães, queijos, geleias, uma garrafa de suco e um pote de abacaxi recém-fatiado. Tudo a seu gosto. Talvez aquela era a primeira vez que pensava em si.

Saiu para encontrar-se, pensava. Seguiu o caminho arenoso, sem calçados, levando, a tiracolo, seu porta-livro e a cesta devidamente guarnecida. A água, que circundava seu caminho, fazia um barulho leve em seu encontro com o vento matutino, um casal de aves esvoaçava livre no céu, a mata ao fundo e na lateral ressoava seus gritos sutis na diversidade animal que lhe era própria.

Os pés descalços brincavam com o terreno morno e nenhuma sombra encobria seu caminho. Era tudo beleza e ousadia. Ao longe, muito longe, sinos invisíveis aos seus olhos badalavam.  A Natureza farfalhava indiferente, porém feliz. Sentou-se muito perto da água e estendeu ali sua toalha escolhida, depositou sobre ela o cesto e, retirando o livro que desejava ler naquele dia, recostou-se, não sem antes servir-se de uma taça de vinho.

Ler ali, enquanto curtia aquele recorte de natureza, era uma experiência libertadora. Entre as páginas do livro, encontrava a paz desejada mesmo quando o antagonista avançava em sua vingança. Na ficção, diferente da vida, o mal sempre perde. E, se antes preferia a realidade, agora a arte era o caminho escolhido para se estabelecer e de onde não desejava sair.

Ali, olhando a natureza, não lembrava de advogados, juízes, promotores e testemunhas falsas. Sequer pensava em julgamentos comprometidos e prisões clandestinas. Não era senhor da verdade, escritor de denúncias inúteis e nem mesmo vítima de uma investigação clandestina. Era livre para sentir e até sonhar…

De repente, o cheiro das folhas úmidas misturou-se com o odor acre de urina envelhecida. Sua urina…

De onde estava,  tudo o que via era uma tela, não sabia se era óleo ou guache. A distância e a miopia impediam que percebesse qual o tipo de pintura. O restinho de ironia que  fazia viver dizia que não era sumiê e o nome que ela só entendia do meio para o final lhe dizia que o artista não era um japonês. Era algo como Stegues Batista… Sabia também que era uma cópia. Seu parco conhecimento de arte pictórica lhe dizia que, naquela proporção quase a cobrir a parede, não deveria realmente ser uma tela original. Talvez fora instalado ali para perturbar quem esteve ali antes dele, talvez pelo mesmo motivo…

E ele sabia quem tinha estado ali antes. E, antes deles, ali tinha vivido outros que denunciavam a mediocridade e a degradação do que para ele era Cultura. Aquele quadro, que o fizera sonhar, era sua última visão de beleza. A realidade voltava brusca com a lembrança das últimas palavras ouvidas: “Amanhã você morrerá”. E, diferente do romance, o amanhã não é para sempre, é hoje. E ele sabe que, os passos que ouve agora é sua última sinfonia… Depois seria o fim.    

18 comentários em “Liberdade – Conto (Elisabeth Lorena Alves)

  1. angst447
    8 de fevereiro de 2021

    Narrativa curta e envolvente. Uma ótima criação baseada em outra arte, letras e pinceladas se misturam em harmonia. Parabéns.

    • Elisabeth Lorena Alves
      9 de fevereiro de 2021

      Grata! Vindo de ti é um excelente elogio.

  2. Fernanda Caleffi Barbetta
    8 de fevereiro de 2021

    Que dupla, hein?!. Muito belo o quadro, bela ideia e desenvolvimento do texto baseado nele. Parabéns aos dois.

  3. Anderson Prado
    7 de fevereiro de 2021

    Um excelente exercício de criação literária! Parabéns aos envolvidos, Antônio e Lorena! 👏👏👏

    • Elisabeth Lorena Alves
      7 de fevereiro de 2021

      Agradecida, Anderson Prado.

  4. Fabio Monteiro
    7 de fevereiro de 2021

    Que conto maravilhoso. Me senti fazendo parte da narrativa…Parabéns..Linda escrita.

    • Elisabeth Lorena Alves
      7 de fevereiro de 2021

      Agradecida, Fabio.

  5. ARIMACELE LEAL DA TRINDADE
    6 de fevereiro de 2021

    Parabéns Elisabete
    Lindo me fez viajar o seu conto 💕

    • Elisabeth Lorena Alves
      7 de fevereiro de 2021

      Agradeço sua leitura, Arimacele.

  6. Jucineide Rocha Carreira
    6 de fevereiro de 2021

    Delicia de conto, que mente fértil vc tem.

    • Elisabeth Lorena Alves
      7 de fevereiro de 2021

      Amiga, Juh! Agradeço sua leitura.

  7. Maria de Fátima Medeiros Machado
    6 de fevereiro de 2021

    Parabéns!!! Para os amantes da literatura, este conto está perfeito! Nos leva a viajar com o personagem!!! Amei

    • Elisabeth Lorena Alves
      7 de fevereiro de 2021

      Mestre! Que honra ter sua leitura em meu Conto. Obrigada!

  8. Elói
    6 de fevereiro de 2021

    Parabéns, Elisabeth, pela bela narrativa; bacana ver essa sensação de completude do ser humano com a natureza, sentir a vida livre de interferências negativas.

    • Elisabeth Lorena Alves
      6 de fevereiro de 2021

      Grata por sua leitura.

  9. antoniosbatista
    6 de fevereiro de 2021

    Muito bom. Até parece que sou um pintor famoso! Obrigado Lorena pelas referencias em teu conto, muito bem escrito, Você também pintou um quadro muito bonito.

Deixe uma resposta para angst447 Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Informação

Publicado às 6 de fevereiro de 2021 por em Contos colaborativos e marcado .