EntreContos

Detox Literário.

Microcontos 2021 – Curto Circuito (Roberto Klotz)

[A1]

Desmatamento

Enxotavam os pássaros da praça.

Indignavam-se com a sua presença.

Bichos nojentos, diziam.

Do alto, uma pomba avaliava

a hora para saltar

da placa da praça de alimentação.

[A2]

Pesadelo

O escritor, em sonos terríveis estava de pé à frente do pelotão de fuzilamento.

Numa noite, crítico, o major, ordenou:

— Acalme-se. Tire a venda dos olhos.

Veja, atiramos contra os textos,

jamais contra o autor.

[B1]

O tempo é cruel. Implacável.

Brinca com a infância e a inocência,

coloridas de arco-íris pelo sol,

e as explode

como se fossem bolhazinhas de sabão.

[B4]

Carinhoso

Caiu em prantos!

Ao voltar para casa, após cinco anos assentando tijolos na cidade que nunca dorme,

ouviu uma clarineta chorando Pixinguinha.

[C3]

Só notícias ruins.

Plantação de terror:

Brutalidade, sangue, impunidade.

Desliguei a TV.

Desconectei o mundo.

Colho flores.

[C4]

Coragem.

Aposta alta.

Ingresso em dólares.

O desafio estava no parque sem diversões.

Avaliou a montanha-russa.

Afivelou-se no carrinho chamado vida.

[D1]

Crônica

Cachorro, pássaros, poste, café.

Tudo provoca à escrita.

Dia a dia faz o mesmo percurso.

Sabe que o texto está no caminho.

[D3]

Recolhia luzinhas do céu estrelado.

Ainda não sabia que ela era o grão de areia.

[E1]

DDD

Achei a minha agenda de telefones de 1972.

Alan, Ângela, Ari.

Com Bené, que dupla de ataque!

Daniel, Fê, Gabi.

Haroldo, cadê o meu LP dos Stones?

João, José Maria, José Roberto.

Milton. Primeiro a ter um carro.

Vera muito menina, não teve coragem de vir comigo.

Ficou em 034 quando mudei para 011.

[E4]

Lennon teve um sonho.

Eu tive um pesadelo.

Sumiram as fronteiras.

Branco, preto, amarelo ficaram monocromáticos.

Pão, manteiga e água em todas as mesas. Nem mais nem menos.

Alá, Jesus, Buda eram um só.

Sem estímulos, o mundo parou.

35 comentários em “Microcontos 2021 – Curto Circuito (Roberto Klotz)

  1. anamartorelli
    10 de abril de 2021

    Olá Curto Circuito,

    Ia brincar com o pseudônimo, mas deixa pra lá, rs’ de partida digo que achei as narrativas boas, mas temos aqui um ruído causado pelo formato de escrita, forma de poesia em micros? Achei arriscado, tentei ultrapassar isto durante a leitura, mas cheguei ao final dela ainda com este incomodo demasiadamente pronunciado, sinto muito. A2 acaba traduzindo o que gostaria de lhe deixar registrado.
    De todo modo você tem estilo, escolhe bem as palavras é gostoso te ler, tem ritmo e beleza, mas estes considero como atributos indispensáveis em textos poéticos.

    Meu favorito: D1 me vejo nele, mas fora isso constrói uma cena, consigo ver um micro.

    Parabéns pelos textos e boa sorte.

  2. Ana Maria Monteiro
    10 de abril de 2021

    Olá, Curto-circuito.

    Imagino que o que mais surge nos comentários é a pergunta inevitável: o porquê de usar uma estrutura de poesia para micros? E não sendo o seu conteúdo, mensagem, ou mesmo prosa poética, a pergunta ganha ainda maior razão de ser. >Pude ver aqui e ali um toque mais suave, mas no geral você é bastante objetivo. Então, acho que essa parte não funcionou. Mas o que interessa são os micros (devido ao tal formato, difíceis de avaliar nessa qualidade) e esses, no geral, são bons. A2 e D3 foram os meus favoritos, mas a maioria dos outros são bons também. Os que gostei menos foram B4 e E1. No geral foi uma boa participação, apenas manchada pela cisão criada no leitor, ao fazê-lo ler prosa em forma de poesia num desafio de micros.

    Parabéns e boa sorte no desafio.

  3. Amana
    10 de abril de 2021

    Olá, Curto Circuito, tudo bem? Não entendi por que você fez a quebra das linhas criando versos, havia necessidade realmente dessa estrutura? Consigo enxergá-los em formato de prosa, tranquilamente. Da leitura, gostei de E1 e E4. Achei D3 poético, esse fazendo jus à estrutura utilizada.

  4. Fernanda Caleffi Barbetta
    9 de abril de 2021

    [A1]
    Muito bom. Adorei o final, realmente inesperado. Boa sacada esta da praça de alimentação. Não entendi a formatação do microconto como se fosse um poema.

    [A2]
    A ideia é muito boa, mas acho que houve alguns deslizes na execução. Por exemplo, “em sonos terríveis” ficou estranho.
    Quando lemos as palavras escritor e crítico já sabemos que algo não vai se encaixar com o pelotão de fuzilamento, talvez devesse fazer de uma forma mais sutil, que revelasse apenas no final.

    [B1]
    Que bonito. A inocência explodindo feito bolhazinhas de sabão.
    Microconto delicado e profundo ao mesmo tempo.

    [B4]
    Clarineta chorando Pixinguinha – que lindo isso. Emocionante este.

    [C3]
    Mais um microconto com carinha de poema, sensível, com um final muito bonito.

    [C4]
    Muito bonito. Você tem uma bela sensibilidade para colocar os sentimentos no papel. Quando você coloca no formato quebrado como poema, fico confusa se a primeira palavra é um título…. acho que sim, mas se misturou.

    [D1]
    Muito boa a ideia da palavra crônica logo no início, pois o microconto mostra exatamente isso. O cotidiano provocando a escrita, o texto a caminho. Maravilhosa essa ideia. Você dever um(a) poeta).
    Tudo provoca à (a) escrita

    [D3]
    Não consegui captar a mensagem aqui.

    [E1]
    Muito bom. A escolha de ir colocando os nomes foi muito interessante, me instigou e me deu vontade de mais. O final é excelente.

    [E4]
    Gostei bastante desse, muito boa a ideia que teve a partir da música.

  5. Anorkinda Neide
    9 de abril de 2021

    Olá, Curto circuito
    Vc fez um bonito trabalho aqui. como poemas, embora o melhor nao seria a formatação dos textos em versos.. pois entao seriam poemas e nao microcontos? fiquei confusa. rsrs

    A1, nao curti muito
    A2, achei inteligentissimo!! muito bom lembrar a gente a nao levar para o lado pessoal as criticas hehe
    B1.. é poesia mesmo.. adorável..como o tempo é cruel com a infancia hehe
    C3.. tb um poema, pueril, bonito…
    C4, inteligente tb! Este é um microconto, deveria estar no formato de prosa…
    D1..o texto está no caminho… bonito, muito bonito este verso hehe
    D3, nao curti tb, embora seja uma ideia pueril, novamente, tem uma profundidade ae que não pesquei
    E1, muito bom!!! muito bem encaixado na canção e com uma nostalgia gostosa.Bem poética hehe
    E4.. bah!!!! concordo contigo!! em genero, numero e grau! nao somos formigas para sermos todos iguais… hehe por este micro, vc elevou o seu conto à lista dos favoritos.. ou não… kkk há concorrencia!
    Abraços!

    • Anorkinda Neide
      9 de abril de 2021

      Percebi que pulei o B4… muito bonito!
      hehe
      🙂

  6. Klotz
    9 de abril de 2021

    O pseudônimo sugere alguém que gosta de provocar choques. Será?
    A1 – Ficou bom, só que é mistura de poesia e prosa A2 – mesma coisa. É prosa ou poesia? O concurso é de contos! B1 Poeta, sinto informá-lo, o seu lugar é longe desse concurso de contos. B4 ok este passa só porque eu gosto da música C3 – Mais poesia marginal. C4 – gosta de causar! D1 – Conto ou crônica. Vai procurar a sua turma, poeta. D3 – Isso não é história. É legenda para uma imagem. E1 – Poeta! E4 – música tema é do Lennon ou do Raul?
    É muito chato ter de julgar escrito por escrito – 10 contos nesse caso, socorro! Aqui o arrependimento me faz desistir de participar dos próximos desafios.

  7. Fernando Dias Cyrino
    9 de abril de 2021

    Olá, Curto Circuito. Cá estou eu a navegar pela sua obra de microcontos. Escreve-os bem, tem sensibilidade, sabe usar as palavras, mas te conto, amigo/amiga, que suas histórias não me abraçaram, o que lamento. Sinto mesmo que possa ser muito mais pela minha incompetência enquanto leitor do que da sua competência enquanto autor. O E1, com a sua alusão à transformação a partir da mudança do DDD ficou legal. Fica com o meu abraço, Boa sorte no nosso desafio.

  8. jeff A Silva
    9 de abril de 2021

    Olá caro autor ou autor.

    Continhos bastante enxutos. Alguns erros aqui e acolá, mas nada demais. São textos poéticos e bem emocionais. Carregam drama, porém não sabem como escoar esse sentimentos em cada fragmento (pelo menos em minha opinião). Também senti um pouco de problemas de ritmo que prejudicaram minha experiência individual. Mesmo assim são construções leves, com pitadas de humor, irreverência, sentimento, cotidiano e reflexão. O preferido dessa coleção com certeza é o D3 e sua simplicidade conquistadora.

    Parabéns pelo trabalho e sorte no certame.

  9. Fil Felix
    8 de abril de 2021

    Olá, Curto-Circuito!

    Geralmente, textos que trazem uma metalinguagem com o “ser autor” geralmente vão do 8 ao 80, principalmente os que até citam o desafio que estamos participando (geralmente não curto esses). Mas aqui você conseguiu criar um bom parâmetro sobre tanto ser escritor quanto da própria escrita. Gostei que em A2 você traz uma metáfora muito boa para explicar algo real e atual: críticas ao texto e não ao autor. E é bom porque, apesar de você colocar que é para um e não para outro, é possível gerar interpretações. É realmente possível separar obra e autor? Estamos tão longe assim das nossas criações? Até que página nossa escrita, quanto arte, não nos espelha tanto assim? E por criar tantas perguntas, pelo menos na minha leitura, já é um destaque pra mim.

    E acredito que há muito dessa crítica na sua coleção. Em C3 temos o típico “desligue a TV e vá ler um livro”. Mas aqui é voltado para evitar o noticiário ruim, concordo que as vezes é melhor a gente se abster de certas coisas pra tentar manter nossa paz de espírito. O último aborda a questão da diversidade por um ponto de vista bem interessante, saindo da máxima de um mundo sem fronteiras. B4 também demonstra sua atenção em elaborar os micros, como trazer Carinhoso do Pixinguinha.

    Uma ótima coleção de contos, apesar de alguns deles não terem me cativado tanto, um risco que se corre ao participar com o limite de 10. O saldo geral é bastante positivo. Destaco também D1: uma das coisas que mais sinto falta, estando em home office, são as inspirações que pegamos simplesmente por sair de casa, indo pro trabalho ou pra qualquer outro lugar. O caminho, essa ponte entre os lugares, é um excelente poço de inspiração. Muito bom.

  10. davenirviganon
    8 de abril de 2021

    [Curto Circuito]
    De forma geral,
    colocar os versos
    uns sobre os outros
    todas as vezes
    nem sempre
    traz o impacto
    desejado

    [A1] Conto sobre como escolhemos bodes expiatórios para nossas próprias decisões enquanto civilização.
    [A2] Uma ponderação sobre a crítica, aos textos e aos autores. Geralmente o autor se vê como vítima das críticas e as vezes ele é.
    [B1] Criou uma bela e inocente imagem da infância que não dura para sempre, mas sem contar uma história.
    [B4] Homenagem a pixinguinha, mas esperava mais que apenas as referências.
    [C3] Apesar de se desconectar, a escolha pela fala direta, já denota que é impossível se desconectar totalmente. A última frase, pela forma seca em que é narrada me fez pensar isso.
    [C4] Achei a alegoria de uma vida agitada e arriscada, apenas ok.
    [D1] Um autor em busca do texto. Já fiz caminhadas para me ajudar a escrever e não ajudou muito, mas o café já fez muito mais por mim.
    [D3] Mais um pensamento que um conto. Um pensamento bonito, mas não contou uma história.
    [E1] Uma lista, que desencavou uma história de vida. Os ddds para mostrar que a distancia os separou foi uma boa sacada.
    [E4] Realmente, um mundo sem diversidade e respeito as diferenças é muito triste.

  11. Ana Carolina Machado
    8 de abril de 2021

    Oiiii. Abaixo falarei um pouco mais detalhadamente de cada texto:
    (A1)
    Não entendi muito bem esse, mas acho que pode ser uma metáfora sobre como o ser humano expulsar os animais de seus habitats naturais e esses mesmos animais invadem as cidades.
    (A2)
    Uma reflexão sobre como as críticas são contra textos e não contra os autores.
    (B1)
    Um microconto sobre como a infância e o tempo passam rápido.
    (B4)
    Um microconto sensível sobre a emoção que é despertada por meio de um artista de rua.
    (C3)
    Um microconto sobre como as vezes é bom se desconectar um pouco para se conectar com a natureza.
    (C4)
    Um microconto sobre a montanha-russa que é a vida.
    (D1)
    Um dos que mais gostei, pois muitas vezes é no caminho e em coisas da rotina que vemos inspiração para escrever textos.
    (D3)
    Um microconto sobre uma menina que recolhia estrelinhas.
    (E1)
    Um microconto sobre uma agenda antiga e a lista de nomes registrados nela.
    (E4)
    Um microconto sobre o dia em que a Terra parou devido ao fato de tudo ter ficado homogêneo.

    Parabéns pelos textos e boa sorte no desafio!

  12. Fabio D'Oliveira
    8 de abril de 2021

    Gostei do seu trabalho, Curto!

    Você conseguiu encontrar um ótimo equilíbrio nesse trabalho. Frases em versos, com um “tchan” de poesia, mas com a objetividade da prosa. Gostei bastante, de verdade. Você não fugiu da característica da prosa, entregou um enredo sólido e ainda brincou com as palavras.

    Devo confessar que nenhum micro realmente me encantou. As histórias, em si, não apresentam nada de novo, mas isso não é um problema, acredito. A estrutura é boa e, para mim, serviu para compensar o vazio que senti enquanto lia. Foi o ponto alto, digamos, hahaha.

    Meu micro favorito é C3. Não se engane: não é pela mensagem bonitinha. Tornou-se meu predileto por causa da reflexão que despertou em mim. Eu gosto muito de observar a humanidade, nossos costumes, nossas natureza, tudo isso. E uma coisa que ando notando é que a maldade e violência talvez sejam naturais ao ser humano. Ao menos para nosso lado animal. É algo que está presente em quase tudo: no dia a dia, na arte, no entretenimento. Essa negação, de fugir da nossa natureza e ir atrás de colher apenas flores, às vezes, é algo que intensifica essa crueldade, que fica retida lá dentro, sem escape, e explode de formas terríveis. Talvez reconhecer e dominar verdadeiramente nosso lado animal possa melhorar essa situação. Países mais humanizados tendem a ser menos violentos, pelo menos. Eu viajo demais nesses pensamentos, hahaha, e gosto muito de ficar criando teorias, brincando com elas, sem qualquer pretensão, claro. O ser humano é frágil demais.

    Gostei do seu trabalho, talvez esteja no meu TOP 15!

  13. danielreis1973
    7 de abril de 2021

    Prezado(a) Curto Circuito:
    Seus microcontos poéticos, divididos em linhas de versos, tiveram o mérito de manter uma narrativa com lirismo. Palmas, muito bem! O principal ponto de destaque foi sua aderência aos estímulos do desafio, colocando um olhar diferenciado sobre cada um dos escolhidos, em comparação com outros micro deste desafio, sobretudo os poéticos. A meu ver, os seus foram os que melhor se saíram nessa seara. Destaco o A2 (pela metalinguagem e discussão dos comentários) e o C4, pela metáfora da montanha-russa da vida. Felicidades!

  14. Catarina Cunha
    7 de abril de 2021

    Micro: Tem boas ideias, onde a conclusão é nossa, por exemplo: o A1 do pombo nos leva ao infalível ataque à mesa na praça de alimentação e cagando tudo por ali mesmo. Achei que o fluxo perdeu em agilidade, talvez pela forma de poesia métrica, embora a prosa não seja poética.

    Conto: Exceto o último, que adorei, os demais não me tocaram muito.

    Destaque: Surpreendente em tão poucas palavras:

    “[D3]
    Recolhia luzinhas do céu estrelado.
    Ainda não sabia que ela era o grão de areia.”

  15. Elisabeth Lorena Alves
    7 de abril de 2021

    Olá, Curto Circuito. Sobre seus contos: [A1] tem o tema. Quanto à intenção e estrutura quem entrou em curto foi eu. Sei que é um trocadilho infame. A pomba vai se suicidar? [A2] Segue o tema, tem estrutura, tem clímax e desfecho, mas não é forte, não convence. Uma pena.

    [B1] é uma reflexão. Se a gente não sabe que o personagem que espera é um/uma clarinetista, não dá para saber, em[B4], quem está tocando o instrumento. Logo, falta estrutura…

    [C3] aqui, embora seja uma reflexão, tem estrutura de conto e, o desfecho é inesperado. a pessoa poderia ter feito qualquer coisa óbvia, mas foi polher flores e com isso desdiz as intenções das (im) plantações do terror. Muito bom!

    [C4] Acho que não entendi. A parte do texto em que há ou deveria haver a ruptura, fica oca, quebra o efeito. No [C3] o desfecho acontece ao mudar o foco, mas faz sentido, não precisa de grandes informações. Aqui, fui cortando o texto para entendê-lo e não capto sentido e força. Uma pena.

    [D1] Aqui é uma reflexão do “fazer literário”. E nada mais. [D3] é subjetiva, mas por qualquer ângulo que se olha, vê conto, narração, personagem, estrutura do texto e a colisão (ruptura, clímax e desfecho) fazem sentido. Seu melhor texto. Parabéns.

    [E1] também é conto, com estrutura, possibilidades, tema da lista seguido, narração e personagens bem marcados. Bom. Assim como [E4]. E aqui concordo que tudo igual perde o sonho. Deve-se buscar a paz, nunca a anulação do outro.

    Sorte no Desafio.

  16. Felipe Lomar
    7 de abril de 2021

    Olá,
    Gostei dos textos, apesar de a escrita em verso não pertencer ao gênero do conto. Considero Isso um ponto fraco neste desafio. Apesar disso, gostei dos assuntos abordados e da forma como a escrita surpreende o leitor no final dos textos.

  17. Luciana Merley
    7 de abril de 2021

    Olá, caro autor.

    Para minha avaliação, utilizarei dois critérios principais: se o microtexto é uma HISTÓRIA e o IMPACTO que ela provocou.

    Gostei demais. Mais de uns que de outros, mas, dos que gostei, adorei. Fantástica ousadia literária.

    [A1] Eu confesso que li diversas vezes e não consegui captar a mensagem do texto. Há uma confusão proposital entre “placa da praça” e “praça”? A pomba é uma figura para outro personagem? Desculpe-me.

    [A2] Ótima crítica aos que confundem autor e obra. Gostei.

    [B1] Bonito texto, mas não me parece um conto pela ausência dos elementos essenciais em uma história completa (personagem e enredo).

    [B4] Muito bonito e poético.

    [C3] Faz sentido. As vezes faço isso também. Bem pontual, entrecortado, mas com um sentido diferente. Bom texto.

    [C4] Bela forma de descrever a nossa aventura por aqui.

    [D1] Uma outro meta-conto bem eficiente na geração da boa sensação do texto.

    [D3] Bonito, mas um pouco vago, na minha percepção. Faltou definição do personagem.

    [E1] Opa! Alguém de Berlândia por aqui? Gostei demais do texto. Leve, divertido, sagaz. Final irresistível. Melhor conto disparado na minha lista até.

    [E4] Menino(a)! Finalmente alguém com coragem nesse EC. Nasci para ver uma crítica tão incisiva e elegante àquela música globalista imbecil do Lenon. Maravilhoso.

    Parabéns, de verdade. É preciso talento para ter coragem na escrita. E você tem de sobra.

  18. Luis Fernando Amancio
    6 de abril de 2021

    Olá, Curto Circuito!
    Essa sua estruturação em versos pode, mesmo, causar curto circuito em alguns leitores. Eu gostei. Lembrou-me Bukowski, que possui prosas no formato de poemas.
    Os textos leves, voltados para o humor e o cotidiano, me agradaram mais. É possível que o C3 seja o meu predileto. Uma reflexão válida, microconto bem executado.
    O A2, metalinguístico, também me agradou. Mas o ritmo da leitura me atrapalhou um pouco. Talvez o formato poema não seja o ideal em todos os casos. Ainda assim, respeito sua opção e acho interessante coleções que mantenham algum elemento de unidade.
    Também gostei do E1. Compete com o C3 pela minha preferência, pensando melhor.
    Parabéns! Boa sorte no desafio.

  19. Nilo Paraná
    5 de abril de 2021

    A1, uma sátira, desmatar e construir praças, a ideia foi ótima.
    A2, continua a ironia, bem sacado. Não mate o mensageiro
    B1, implacável sim, cruel jamais. a cada destruição tenho um renascimento. reflexivo
    B4, caiu em prantos como a clarineta que chora carinhoso. gostei do jogo de palavras
    C3, boa escolha. deixar o terror e buscar flores.
    C4, metáfora interessante entre a vida e a montanha russa.
    D1, de longe esse foi o que mais gostei, deixa a ideia viajar.
    D3, simples, poético.
    E1, foi o que menos gostei, fico pensando que poderia desenvolver muito mais.
    não sei se minhas interpretações bateram com a sua, depois você me conta Curto Circuito. gostei bastante dos seus micros, muito trabalhados muito boa a escolha de palavras. parabéns.

    • Nilo Paraná
      5 de abril de 2021

      desculpe, eu costumo imprimir E4 ficou na ultima pagina, uauu, pesadelo mesmo. ufa, nao sou só eu.

  20. Fheluany Nogueira
    3 de abril de 2021

    Colapso imprevisto no funcionamento de algo, do qual resulta uma situação de desorientação é o que é um curto-circuito. Alguns dos micros-com-estrutura-de-poemas me provocaram essa sensação realmente, — leves e bem-humorados. Em outros, faltou a descarga elétrica final, apesar de dramáticos.

    Meu preferido é o metalinguístico (D1). Achei este texto inspirador.

    Abraço e sorte no desafio. Parabéns!

  21. Elisa Ribeiro
    3 de abril de 2021

    Construções híbridas poético-narrativas foi a impressão que me ficou do seu conjunto. A metalinguagem em A2 e D1 falam sobre o processo de escrita e da recepção, e me contam sobre o autor. Como poemas, gostei bastante de A1; como contos meus preferidos foram E1 e E4, gostei bastante de ambos, embora em E4 a visão de mundo não me agrade nem um pouco. Beijos, abraços e muita sorte no desafio e em tudo mais.

  22. cgls9
    2 de abril de 2021

    Gostei do seus contos e destaco D1 e D3! Outros vão preferir A2, B1, C4 e vai assim, porque, no final, cada leitor tem sua leitura. Isso é a graça de escrever. Parabéns e boa sorte !

  23. j2bohn
    2 de abril de 2021

    MICROCONTOS 2021 – CURTO CIRCUITO

    Uma coleção de contos curtos estruturados de forma semelhante a um poema.

    A1: Um microconto em forma de poema, mas não muito significativo e que não cumpriu a promessa da palavra “desmatamento”, que para mim tem pouco a ver com uma pomba.

    A2: A transição do pesadelo para o trabalho do autor é bem-feita na narrativa. Gostei. Que essa conclusão seja também o espírito das avaliações dos leitores neste concurso. 🙂

    B1: Uso inovador do estímulo. Bem escrito, mas também sem efeito especial.

    B4: Esta história lê-se bem, mas o final é um pouco difícil de compreender para este leitor inexperiente.

    C3: Referência interessante ao estímulo, com conclusão filosófica.

    C4: Muito bem, este passeio de montanha-russa está dando certo. Boa narração com um final inesperado.

    D1: Esta pequena história poética não me impressionou muito na primeira vez que a li, mas na segunda vez que olhei também para a imagem de estímulo, achei bem pensada e escrita.

    D3: Lindas imagens usadas no texto, mas infelizmente não entendi o significado.

    E1: Charmosa interpretação contemporânea do estímulo. Adorei sua simplicidade e clareza.

    E4: Conceito interessante, mas também não muito coerente. As comparações deixam algo a desejar.

    Em suma, uma boa coleção, com mais altos do que baixos.

    Parabéns pelo bom trabalho poético e boa sorte no desafio!

  24. Marlo Romulo Werka
    1 de abril de 2021

    Curto Circuito foi no meu cérebro…rs
    Acho E4 genial, muitos elementos de reflexão em tão poucas palavras. Que texto lindo…
    Gosto de A2 também. A frase final é impactante e correta.
    Mas, no restante da obra, não senti fluidez do texto, tampouco emoção.
    Parabéns e boa sorte.

  25. antoniosbatista
    1 de abril de 2021

    A 1- Por vingança, a pomba vai dar uma cagadinha na cabeça de alguém. Boa.
    A 2- Decisão certa do major. Se não gostou, rasgue o livro, não o autor.
    B 1- A analogia foi boa.
    B 4- Pedreiro sentimental.
    C 3- Deixou a notícias tristes e foi cuidar do jardim. Boa terapia.
    C 4- Abstrato.
    D 1- Um micro coerente com a imagem.
    D 3- Meigo.
    E 1- Médio.

    A estrutura ficou legal, frases curtas alinhadas uma embaixo da outra. O enfoque foi quase que na totalidade em bons sentimentos e belas imagens textuais. Poderia ter ousado mais nas criações para diferenciar dos outros que são, na maioria, iguais. Os temas (estímulos) tem um universo reduzido, como é o caso da imagem com os dois idosos. Ali tem duas pessoas com mochilas nas costas. A maioria dos micros falam em viagem. Inventar algo diferente é difícil, mas não impossível. Poucos foram originais na sua criação.

  26. Bruno Raposa
    1 de abril de 2021

    [A1] Achei divertido, brinca de forma eficiente com a subversão de expectativas do leitor, forma uma narrativa um tanto surreal. Gostei.

    [A2] Esse achei excelente. Irreverente e trás uma mensagem muito interessante de forma sutil, quase em segundo plano.

    [B1] Achei esse inferior aos anteriores. Talvez seja uma questão particular, não gosto de abordagens tão dramáticas. Mas reconheço a qualidade do micro.

    [B4] Também segue uma abordagem dramática, mas aqui achei mais interessante por ser o drama de um indivíduo, não uma mensagem fatalista. Micro bem simples, fica na média.

    [C3] Gosto da mensagem. É um texto mais singelo, sem tanto impacto, mas ganha pela sensibilidade. Bonito.

    [C4] Confesso que não entendi bem o final desse. Ficou confuso, difícil avaliar.

    [D1] Texto bastante simples, sem grande impacto, mas faz bom uso da imagem estímulo e traz um sentimento de fácil identificação. Não brilha, mas não compromete.

    [D3] Boa imagem. Tem seu valor poético, mas peca por não construir uma narrativa.

    [E1] Gostei desse. Criativo, cotidiano, tem um final esperto. Rima bem com a música proposta.

    [E4] Outro bom micro, com uma linguagem mais lírica, boas imagens formadas e uma mensagem poderosa.

    De forma geral. gostei da coleção. O [A2] realmente se destaca. Os micros que têm um quê de humor, ou que trazem mensagens mais leves, são os melhores. Os que pesam mais no drama, não curti. Também não entendi a opção pela formatação em versos. Não acho que tenha colaborado para o entendimento e tornou o ritmo de leitura um tanto entrecortado. O saldo final é bastante positivo.

    Boa sorte no desafio.

    Abraço.

  27. Evelyn Postali
    31 de março de 2021

    Caro(a) autor(a),
    Bem escritos, sim, mas esses microcontos me remetem à poemas curtos, em prosa, bastante ligados ao cotidiano com uma pitada poética na escolha das palavras. As frases curtas, dispostas verticalmente me incomodaram na leitura. De uma forma geral são bons e vale destacar o D1.
    Boa sorte no desafio.

  28. Regina Ruth Rincon Caires
    31 de março de 2021

    Microcontos 2021 – Curto Circuito

    [A1] – Palavras: PRAÇA

    O autor focou a criação do texto no “desmatamento”. Exatamente, diante do arraso das matas, as praças acolhem os pássaros. Principalmente praças de alimentação.

    [A2] – Palavras: PELOTÃO

    Aqui, o autor descreveu um “pesadelo”. Um autor sonha estar diante de um pelotão de fuzilamento.

    [B1] – Fotografias: criança com as bolhas de sabão

    O autor fala da fugacidade do tempo, um paralelo entre infância/inocência e a duração da bolha de sabão. Muito poético.

    [B4] – Fotografias: CLARINETISTA

    Texto lindo! O autor cita Pixinguinha e “Carinhoso”, e fala do retorno de um operário para a sua terra. Poesia pura. Pensei em “Construção”, do Chico Buarque.

    [C3] – Frases: “A cegueira também é isto, viver num mundo onde se tenha acabado a esperança.”

    Exatamente descrita no texto está a cegueira egoísta do mundo. Não me contaminando, nem quero saber de notícias. Dá para participar, batalhar e plantar flores. Uma atitude não exclui a outra.

    [C4]- Frases: “O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem.”

    É o que vale a pena, a vida. A escolha sempre deve ser a de afivelar-se a ela. Belo texto.

    [D1] – Ilustração: livro aberto

    Bem construído, problema apenas na transitividade do verbo provocar. Não cabe a crase.

    [D3] – Ilustração: a menina com a mala

    Texto maravilhoso. Tão sintético e tão intenso. É, ela ainda não conhece a dimensão que uma pessoa tem diante do universo. Sensacional.

    [E1] – Músicas: A Lista (Oswaldo Montenegro)

    Ah! Curto Circuito, você deixou uma mineirinha lá pelos lados de “Berlândia”, foi?!
    Que lindeza de texto, meu Deus! Daqueles textos nostálgicos que não entristecem. Parabéns, uma pérola!

    [E4] – Músicas: O dia em que a terra parou (Raul Seixas)

    Belo jogo de pesadelo e sonho. Será que não foram idênticos?! Lindo texto.

    Parabéns, Curto Circuito!

    Boa sorte no desafio!

    Abraços…

  29. Kelly Hatanaka
    30 de março de 2021

    Olá Curto Circuito!

    Você bugou minha cabeça com esses seus micro poemas. Amei, todos eles. Doces e ácidos ao mesmo tempo, cheios de crítica e reflexão.

    O E4 foi meu favorito, não só do seu post mas de todo o desafio até agora. Deu voz a uma inquietação minha e, que às vezes, parece que ninguém mais tem…

    Parabén e boa sorte!

  30. mariasantino1
    29 de março de 2021

    Olá, Curto Circuito!

    Então, a estrutura dos textos não deixa a leitura fluida, vc toma fôlego a todo tempo nos pontos parágrafos e seguidos e isso faz ficar arrastado (não em todos, funciona bem com alguns textos).

    Bem, vamos lá, No [A1] Fiquei na dúvida, por mais que a crítica social esteja aí e seja boa e válida, se os acontecimentos são passados na praça de alimentação do shopping. Não ficou claro pra mim, mas se sim então o humor é mais forte. Sinto que a proximidade de placa e praça não é bacana pela sonoridade. No [A2] temos uma metalinguagem que brinca com o desafio e com o sentido da palavra pelotão. É bacana essas brincadeiras e acho que todos os participantes vão se conectar, mas não é um texto com força para causar impacto. Já no [B1], como mencionei no início, é um exemplo onde a estrutura auxilia na visualização das imagens, e desejei pontos no lugar das vírgulas aqui, para o fôlego seguir melhor o ritmo pulsante da bola de sabão, mas ainda assim o ritmo pausado da leitura auxiliam a esse efeito para a metáfora. Gostei bastante. Parabéns! O [B4] é igualmente bonito e a referência do Pixinguinha ganha sentido no fim. É uma cena curta mas cheia de significado. O retorno a aquilo que te traz conforto… também gostei. [C3] não liguei muito ao estímulo e achei o texto fraquinho. O [C4] não possui ousadia. Os comparativos estão lá, o sentido também, mas e depois? Já o [D1] a ausência de ousadia traz simplicidade ao ato de se criar, ao ato de escrever em si (que é simples para um e sofrível para outros, ou para todo mundo dependendo do momento), fazendo um bom casamento. [D3] é bonito e sensível, e somos todos grãos de areia, pois não? Já o [E1] o lance do DDD é bacana também, ambos acabaram em estados diferentes. E no ultimo texto eu deduzi que o cara foi parar em uma cadeia. Nesse sentido o mundo para de fato.

    No geral são contos bacanas onde o ritmo narrativo ditado pela pontuação joga contra e a favor.

    Parabéns e boa sorte!

  31. thiagocastrosouza
    29 de março de 2021

    Caro Curto, seus textos vão por um caminho poético, achei, na forma em versos e na tratativa com as palavras. Há pontos altos e baixos, onde mesmo com a proposta de nos encadear nos versos, o resultado não é tão impactante quanto o esperado, além de brincadeiras com os duplos que, na poesia, considero previsíveis, como o que fez em C3.

    No entanto, os destaques são sensacionais, A2 com a ideia de sermos metralhados criticamente e como isso pode, mesmo que nos fira de alguma maneira, nos deixar mais vivos! Assim como texto de E1, que faz referência direta a uma lista, mas trabalha a ideia de forma interessante, os amigos reduzidos em características singulares, idas e vindas na vida.

    Destaque:

    “Crônica
    Cachorro, pássaros, poste, café.
    Tudo provoca à escrita.
    Dia a dia faz o mesmo percurso.
    Sabe que o texto está no caminho.”

    Apesar de tudo, D1 é o meu favorito. A melhor criação baseada na ilustração, um micro sobre o processo criativo e os caminhos que parem histórias para nós.
    Parabéns e boa sorte no desafio!

  32. Sandra Daher
    28 de março de 2021

    Olá! Bons textos, bastante enxutos, escrita bem limpa. Estilo bem definido. Gosto mais do C4 e E4. Muito bom.

  33. Claudia Roberta Angst
    28 de março de 2021

    O[A] autor[a] optou por redigir microcontos em forma de versos. Achei interessante, pois seus textos parecem mesmo ter um ritmo de poesia.
    Estranhei o diminutivo “bolhazinhas”, mas acredito que seja charme lusitano ou algo assim. Não se trata de um erro.
    Só não estou bem certa da crase em “Tudo provoca à escrita” – Sei que a ideia implícita é que tudo leva o escritor à escrita, mas eu não optaria pelo uso de crase nesse caso.
    Meu micro favorito é o [E4]
    Parabéns pela participação e boa sorte.

Deixe uma resposta para Klotz Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Informação

Publicado às 28 de março de 2021 por em Microcontos 2021 e marcado .