EntreContos

Detox Literário.

Microcontos 2021 – Riv Otril (Kelly Hatanaka)

[A2]

Diante do pelotão, olhos vendados, morreu mil vezes enquanto esperava pelos tiros.

[A3]

Cioso de sua saúde mental, aprendeu a deixar-se estar ocioso.

[B1]

Haduken de bolha de sabão? Claro, por que não?

[B3]

Mãos dadas, mochilas, parada para um sorvete na volta da escola.

Olhavam-se por cima do sundae. Ah, o primeiro amor!

– Ah, vocês estão aí! Eu estava tão preocupada!

– Só paramos pra um sorvete, mamãe.

Ana olha para os rostos enrugados de seus pais, deixa que terminem o sundae e os leva de volta ao lar.

[C2]

Monossílabos. Sim. Não. Talvez. Claro. Obrigado.

O que todos viam, era um relacionamento frio, forjado por anos de convivência tediosa.

Mas, abaixo da superfície, havia um amor profundo que prescindia de palavras.

[C4]

Estava caindo desde que nasceu, era o que sentia. Por isso, só tinha mesmo medo do chão, do fim de tudo. Enquanto isso, na queda, era livre.

[D1]

Acabou. Foi o fim daquele mundo. Hora de começar outro. Foi à estante e escolheu o próximo livro.

[D2]

Enquanto ela decidia se aquilo era ou não real, o tempo corria.

Em breve, seu despertador resolveria o dilema.

[E2]

O desejo era sólido. O amor era líquido. O resto, vapor.

[E4]

A Terra parou, mas o bicho homem não para. E a economia, meu irmão? Quem vai alimentar o deus-mercado? Eu queria parar, bem que queria. Mas agora que devo, não quero mais.

40 comentários em “Microcontos 2021 – Riv Otril (Kelly Hatanaka)

  1. Felipe Lomar
    10 de abril de 2021

    Olá,
    Seus textos, apesar de muito suscintos, são interessantes. Trazem reflexões interessantes, muitas vezes de forma metafórica. Acho que alguns dos contos seriam melhores caso fossem mais desenvolvidos, pois às vezes parece que falta algo a mais para ser falado, que poderiam concluir ou acrescentar à reflexão e ao conflito literário.
    Boa sorte.

  2. cgls9
    10 de abril de 2021

    Vou começar a tomar esse tal de rivotril, para, quem sabe, alcançar um pouco dessa inspiração! São contos que tem brilho incomum. Contam histórias, surpreendem, são sucintos e na maioria das vezes, fecham a conta com grande saldo. Esta coleção saltou direto para o meu top 15. Parabéns e boa sorte!

  3. Catarina Cunha
    10 de abril de 2021

    Micro: A técnica é perfeita e as tramas presentes, mesmo que de forma sutil (A3 e B1). Este conjunto de contos, a última leitura dessa maratona louca em que o Bruno Raposo nos meteu, surtiu em mim o mesmo efeito que duas gotinhas de seu pseudônimo.
    Grata.

    Conto: Não vou comentar um por um porque todos estão no mesmo nível: intrigantes, surpreendentes e bem sequinhos; do jeitão que eu gosto.

    Destaque: Síntese perfeita de quem viaja pelo mundo através de livros. Amei:

    [D1]
    Acabou. Foi o fim daquele mundo. Hora de começar outro. Foi à estante e escolheu o próximo livro.

  4. Amana
    10 de abril de 2021

    Olá, tudo bem? Gostei dos micros no geral, bem micros por sinal, fazendo com que um deles, o B1, nem mesmo apresente um enredo mínimo. Em alguns acho que se ateve muito à imagem ou ilustração, já em outros tive que recorrer ao post para lembrar do que se tratava, mas sem problemas quanto a isso. Eu consigo perceber uma unidade entre eles, unidade de sensação, digo. Não foi um carrossel de sensações, acho que deu pra manter uma leitura até linear, digamos.

    Meu preferido foi o B3, bem emotivo e apesar disso em um tom mais “suave” que os outros.

  5. Ana Carolina Machado
    9 de abril de 2021

    Oiiii. Abaixo falarei mais detalhadamente das temáticas dos microcontos:
    (A2) ,( A3) e (E4): saúde mental
    Esses três microcontos falam sobre saúde mental. O primeiro sobre a ansiedade e o nervoso que fazem com que a pessoa morra antes mesmo de levar os tiros. O segundo sobre como a mente precisa de um tempo ocioso e o último sobre os tempos de pandemia que estamos vivendo e a a questão das pessoas que ficaram sem renda devido ao período de suspensão do auxílio emergencial.

    (B3) , (C2) e (E2): amor
    Os três microcontos refletem sobre o amor, seja através do passeio do casal que tomava o sundae ou no amor que estava além das palavras. E o último sobre amores líquidos.

    (B1), (C4), (D1) e (D2): sonhos e imaginação
    Esses quatro microcontos refletem sobre sonhos e imaginação seja na forma da referência ao haduken do jogo, seja na imaginação que a leitura desperta ou sobre sonhos que o despertador iria interromper ou mesmo a sensação de está sempre caindo.

    Parabéns pelos textos e boa sorte no desafio.

  6. Ana Maria Monteiro
    9 de abril de 2021

    Olá, Riv Otril. Você enviou os seus micros logo no início e foi brilhante. A palavra-chave deste tipo de texto é concisão e dificilmente encontrarei outros exemplos que atinjam tão bem esse objetivo. Igualmente importante é que um micro conte uma história e aí já não foi tão bem-sucedido. Em todo o caso, dá para perceber que tem experiência neste formato. Os meus favoritos: A2 e E2.

    A2 – Adorei. Sem observações, melhor é impossível.
    A3 – Gostei. Está muito bom, conciso, como é suposto, bom jogo de palavras, mas, para mim, faltou qualquer coisa.
    B1 – Tive de procurar o significado no google, mas ainda assim ficou aquém; não conta uma história, funciona mais como legenda da foto.
    B3 – Lindo, de uma sensibilidade maravilhosa, quase piegas, mas mesmo assim achei muito bom.
    C2 – A mensagem é excelente e o micro plenamente conseguido, mas, talvez por culpa do primeiro ser tão bom, a este faltou qualquer coisa.
    C4 – Magnífico. Não chega a contar uma história, mas conta a história de toda uma vida.
    D1 – Bom, mas ajusta-se à imagem de forma enviesada.
    D2 – Achei médio, talvez o mais fraco de todos eles.
    E2 – Magnífico! O meu coração e sentido crítico, balança entre este e o primeiro de todos.
    E4 – Muito bom, uma mensagem excelente e bem enviada, mas não posso dizer que amei.

    Parabéns pela participação e boa sorte no desafio. Ps: Você ficará certamente no meu top 15.

  7. Klotz
    9 de abril de 2021

    De cara, amei o seu pseudônimo. Nome e sobrenome. Só espero que eu não durma após ler os contos.
    A2 – Gostei muto, mas já li/ouvi essa ideia antes. A3 – desconfio que é um pensamento, não um conto. Na dúvida pro réu. B1- por causa da minha ignorância – Haduken – não entendi. Sempre se pode aprender numa onda de golpes que a gente aprende no google e no Street Fighter: Hadouken se escreve com “ou”. Relendo o conto, com a informação, a minha nota subiu um pouco. B3 – o Alzheimer duplo doeu aqui. Doeu dor de amor, mas o conceito pro conto foi muito bom. C2 – Lindo isso. Em vez de dizer, aqui vc mostrou como o casal se comunicava. Muito bom. C4 – Pensamento ou conto? Na dúvida pro réu. Bastante filosófico. Li, reli e treli. Muito bom. D1- bem assim. A cada livro um mundo novo. Existem inúmeras formas de contar a mesma história. Vc encontrou originalidade na estante, D2 – Com Riv Otril o despertador não tem efeito. Curiosamente neste conto imaginei “autora” enquanto no Hadouken imaginei “autor” – machismo julgando que Street Fighter é coisa de meninos.E2 – sem dúvida: pensamento, não conto. Pensamento interessante, mas pensamento. E4 – Também está mais próximo a pensamento. Comentei antes que sob o tema “a Terra parou” haveria muitos contos, É ideia clichê. Arte é criatividade, o oposto de repetição de ideias. Então, este conto é bem mediano.
    Riv Otril não me apagou!

  8. danielreis1973
    7 de abril de 2021

    Prezado(a) Riv Otril:
    Seus micros são breves pinceladas de situações, mais do que sensações e pensamentos, o que conta positivamente. Cumprem bem a proposta do desafio, relacionando-se adequadamente com os estímulos. Porém, meu micro preferido é justamente o menos narrativo: o E2 e seus estados da matéria. Boa sorte no desafio!

  9. Fernando Dias Cyrino
    6 de abril de 2021

    Olá, Riv Otril, um belo conjunto de microcontos vocAê me apresenta. Gostei da maneira como você os arranjou seguindo os estímulos de maneira bem criativa. Muito bem redigidos e carregam emoção, o que para mim é básico. Achei, Riv Otril, genial o C4. Você foi muito feliz na construção dele. Outros microcontos que me chamaram mais positivamente a atenção foram o A3, B3, D1 e E2. Parabéns pela sua obra. Com certeza que você consegue contar boas histórias com poucas palavras. Abraços.

  10. Sandra Daher
    5 de abril de 2021

    Riv Otril, achei seus contos muito criativos, deve haver muito mais potencial…! São surpreendentes, no geral, interessantes ao leitor. Destaco quatro que gostei mais, o C4, o C2 e D1 e o E2. O C4 é o melhor pra mim, grande sacada a da queda livre. Parabéns e sucesso no Desafio!

  11. Elisabeth Lorena Alves
    4 de abril de 2021

    Olá, Riv Otril

    Vou comentar levando em consideração a completude dos microcontos. Assim, tirando [A3] e [E4], os microcontos contaram uma história, obedecendo os estímulos propostos. B 3 e C1 são meus prediletos dos seus trabalhos, Riv Otril. Os olhei um por um, com cuidado. Em sua maioria seus textos são bem estruturados. Já o Tema foi alcançado com exatidão em todos. Particularmente cada um tem uma qualidade específica que o distingue dos outros.

    Em [A2] o tema é forte, claustrofóbico. Gosto dessa ideia de sofrimento antecipado. Ansiosa que sou, me identifico. O texto tem toda a estrutura de um conto micro. Ideia, enredo bem marcado no tema proposto e completude de sentido.

    Já no [A3] a qualidade surge na jogada com a antonímia entre a dupla de vocábulos cioso e ocioso foi perfeita. Em [B1] fiquei imaginando um Haduken de bolha de sabão. No Street Fighter não teria o resultado esperado, o que dá ao texto uma doçura, entretanto, não consegui captá-lo como microconto, acho que porque a ideia do que seria o golpe bolhoso surge na introdução.

    Em [B3]o tema se desenvolve de forma doce, porém é algo dolorido. Ao menos ainda não esqueceram que se amam. Aqui todo o tema foi bem aproveitado, o estímulo, a criação em cima dele é plena com a sugestão dos problemas atuais com a maior expectativa de vida humana e seus problemas.

    No microconto [C2] também gostei da forma como trabalhou com o tema. Uma construção perfeita de sensibilidade que traduz a cumplicidade de forma muito bem elaborada. E [C4] é perfeito. É muita coragem ser livre na queda. Dos seus, meu preferido é [D1]. Para mim ler é isso mesmo, ser nômade nos diversos mundos da escrita. Com o sonho revelado apenas ao final de [D2] o aproveitamento dos os elementos e ideias foi plenamente satisfatório. Assim como em [E2].

    Para mim só [A3] e [E4] e no caso do segundo fiquei triste porque a ideia dele era deliciosa, mas acredito que foi abortada pelo sentido dado de início, coisa que você acertadamente não repetiu em[D2]. Quanto a [E4] vi mais como uma crônica. Não o compreendi como conto. A ideia dele, embora muito próxima de nossa realidade, ainda não é batida, porém, como construção contista fica devendo. Uma pena. No mais, foi bem, Riv Otril.

    Boa sorte no Desafio.

  12. j2bohn
    2 de abril de 2021

    MICROCONTOS 2021 – RIV OTRIL

    A2, A3, B1: Trocadilhos interessantes, entretanto um pouco simples demais para o meu gosto. Poderia elaborar e gerar mais tensão para estimular a vontade de investigar mais.

    B3: Bem elaborado, mas acho o fim previsível. Não combina muito bem com a foto.

    C2: Gostei da simplicidade e do efeito gerado. Me capturou e fez pensar mais sobre o casal.

    C4: Gostei. Mas fiquei na dúvida se a declaração da “liberdade na queda” não é contraditória, já que uma queda sempre envolve a ameaça de impacto a qualquer momento.

    D1: Achei encantador e elegante.

    D2: Considero o melhor microconto da coleção. Gostei da precisão e das possíveis interpretações variadas quando vista a imagem.

    E2: Bastante simples e sem muito sentido para este leitor inexperiente.

    E4: Tive dificuldades para relacionar o que foi dito no microconto com o texto da música.

    C2, D1 e D2 foram os meus favoritos.

    Parabéns pelo trabalho e boa sorte no desafio!

  13. Anorkinda Neide
    31 de março de 2021

    Olá Riv Otril
    Gostei demais dos seus primeiros microcontos, a ponto de ficarem rodando na minha cabeça, pq já faz vários dias que os li… rsrs
    Me refiro aos As, Bs, e Cs
    os Ds e Es, não me conectaram tanto, fiquei desejando q o q eles abordaram fosse dito de outra maneira, horrivel isto, afinal o texto é seu e nao meu, mas é a sintonia deles q nao conectou com a minha, saca?
    Estou bem enferrujada para comentar aqui no EC e a competição de comentarios, a inspeção feita pela Raposa, isto tudo tá me amedrontando huahuiha
    Finalizo dizendo que fizeste um bom trabalho aqui.
    Parabens.

  14. Davenir Viganon
    31 de março de 2021

    [Riv Otril] Notei que teve um fio condutor, no geral abordam os fins e os começos. Gostei deles no conjunto.

    [A2] Geralmente personagens prestes a ser fuzilados invocam uma bravura frente ao inevitável, uma busca pela dignidade retirada. Aqui vc fez o inverso, os tiros eram o de menos.
    [A3] Não consegui completar na minha mente nada maior.
    [B1] Pinta um momento doce e infantil, podia ser mais.
    [B3] Como o anterior, só que com uma virada muito boa.
    [C2] Passou a ideia, mas foi muito descritivo.
    [C4] Me lembrou do Rogério Skylab, que se define como um artista que já surgiu em decadência, por isso não se preocupava em fazer sucesso. Gostei.
    [D1] Achei, ok.
    [D2] Parecido com o outro mas um pouco melhor.
    [E2] Não gostei, não me passou nada.
    [E4] O melhor da coleção. Gosto da força e contundência.

  15. Elisa Ribeiro
    31 de março de 2021

    Gostei do seu conjunto. Seus microcontos são concisos e de boa e imediata comunicação com o leitor, o que é muito bom em um micro. Alguns jogos de palavras muito felizes, sobretudo em [C4] e [E2]. Também gostei de [D2] e [E4], nesse achei genial a ambiguidade no uso da palavra “devo”. Parabéns pelo trabalho. Um abraço.

  16. Evelyn Postali
    30 de março de 2021

    Caro(a) autor(a),
    Seus microcontos estão todos bem escritos. São concisos, diretos e literais; têm ideias completas. Gostei especialmente do A2, C2 e E2.
    Boa sorte no desafio.

  17. Marlo Romulo Werka
    30 de março de 2021

    Prezado(a) Riv Otril, apresentar o texto inicial é difícil né?
    B3 é ótimo. A quebra de ideia é interessante e envolvente.
    A2, A3 e B1 nada me dizem. Soam óbvios.
    Os demais, ok.
    Parabéns pela coragem de abrir o desafio.
    Boa sorte!

  18. Bruno Raposa
    29 de março de 2021

    [A2] Eu morreria igual, rs. Bom micro, insinua mais do que conta, mas tem um apelo emocional bacana.

    [A3] Legal o jogo de palavras. Mas sem grande impacto.

    [B1] Funciona mais como uma legenda para a foto do que como microconto. Não se sustenta sem o estímulo e não traz uma pequena narrativa. Reclamação gamer: é Hadouken, com “o”.

    [B3] Confesso que achei um pouquinho confuso, a primeira frase não ajudou, precisei reler pra entender. Também traz apelo emocional, mas se diluiu na confusão.

    [C2] Eu trocaria “monossílabos”, por “lacônicos”. Afinal, “talvez”, “claro” e “obrigado” não são monossílabas, rs. Gosto da ideia, é bonita e foge da previsibilidade. Outro bom micro.

    [C4] Excelente! Na ideia, na execução, no jogo de palavras certeiro. Grande destaque dessa coleção. 🙂

    [D1] Achei ok, rs.

    [D2] Bem sacado, inteligente. Gostei bastante.

    [E2] Traduz muito bem os sentimentos de forma concisa e poética. Insinua algum enredo, mesmo sem personagens. Preferia um pouco mais de conteúdo, mas gostei.

    [E4] Parece mais uma minicrônica, rs. Gosto da reflexão, mas ela não monta uma narrativa.

    Achei o todo um tanto irregular. Alterna alguns micros muito bons, outros medianos e uns dispensáveis. O saldo geral é positivo, sobretudo pela esperteza nos jogos de palavras. [C4] e [D2] mostram uma inteligência que, talvez com um pouco mais de calma, poderia atravessar todos os micros.

    Desejo sorte no certame.

    Abraço!

  19. Ana Martorelli
    28 de março de 2021

    Olá Riv Otril.

    Já adianto que não tenho grande experiência em avaliação de micros, isto é um desafio para mim também, então vamos lá. Destaco seu micro C4 que teve um forte impacto e não precisou de grandes rodeios para tanto, fiquei pensativa com ele. No geral achei seus contos concisos e bem construídos, embora sinta falta de um pouco mais de desenvolvimento, achei que atingiram seus objetivos de maneira satisfatória. A2 e D2 também despertaram efeito parecido com o anteriormente citado C4, fico feliz com o sabor da reflexão ao final.

    Parabéns pela coragem de abrir o desafio e boa sorte!

  20. Kelly Hatanaka
    27 de março de 2021

    Olá Riv Otril.

    Gostei de todos os micros. Muito bons!
    Meu favorito foi o E2.

    Parabéns e boa sorte!

  21. Fil Felix
    27 de março de 2021

    Bom dia, autor! Abrir o desafio não é um trabalho fácil, caindo quase que a respondibilidade de definir as expectativas em torno dos próximos micros. Então parabéns pela coragem!

    Agora sobre seus micros: eles trabalham de forma independente. Podem ser lidos em qualquer ordem e facilmente serem tirados daqui e postados em qualquer lugar. Por um lado, isso é uma vantagem, mostra a versatilidade do autor e também a quantidade de ideias que teve em tão pouco tempo. Por outro lado, sinto falta de uma espécie de “unidade” entre eles.

    O primeiro conto, abordando o fuzilamento, é impactante. Mas admito que não sou muito fã dos micros assim, que seguem uma estrutura de duplo sentido com as frases, mostrando X e finalizando dizendo que é Y, como uma revelação; ou brincando com o sentido/ sonoridade das palavras. Não sou muito fã porque é uma estrutura meio batida para os micros. E seus três primeiros seguem essa ideia. O quarto, B3, já traz essa mesma estrutura (o primeiro amor, aparentemente infantil, que se revela em dois idosos, talvez sofrendo de alzheimer), mas que se desenvolve melhor, tem uma história ali, não somente um vislumbre. Foi um dos meus preferidos.

    Outros três micros me chamaram a atenção. C4, em relação à queda livre, trazendo quase uma filosofia de vida. Estamos em contagem regressiva desde que nascemos, rumo à morte e ao desconhecido. E você abordou isso a partir da queda sentido o chão, achei muito bom. Em D1 também há a brincadeira de duplo sentido (os mundos x livros) e ilustra bem essa nossa relação com a literatura. E por último, E2: brinca com os estados líquido, sólido e vapor, mas deixa para o leitor tentar decifrar e até viajar na interpretação.

    Como ponto negativo, talvez o uso literal dos temas em alguns dos micros. Como da bolha de sabão ou até mesmo as mochilas dos velhinhos, meio que criaram uma gordurinha desnecessária ao meu ver.

    Parabéns e boa sorte no desafio!

  22. Regina Ruth Rincon Caires
    27 de março de 2021

    Microcontos 2021 – Riv Otril

    [A2] – Pelotão
    Um texto breve que descreve a agonia da pessoa a ser executada. Triste e angustiante.

    [A3] – Cioso
    Outro texto breve que conduz a mensagem brincando com palavras (adjetivos) diferentes, mas semelhantes na escrita e na sonoridade. Bem trabalhado.

    [B1] – Fotografia da menina com bolhas de sabão
    Texto curtíssimo, traça um paralelo entre: o golpe de luta que consiste em concentrar energia com as palmas das mãos, e o encanto de aparar a leveza deliciosa de estourar a bolha de sabão. Sensível.

    [B3] – Fotografia do casal idoso
    Um texto arrebatador, o melhor deste conjunto. Traz uma mensagem de amor, de cuidado, e, de maneira poética, descreve a luta enfrentada por aqueles que são acometidos pelo Alzheimer, e ainda mostra como a tolerância é o maior remédio para este mal. Genial.

    [C2] – “Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos.”
    Havia tamanha cumplicidade entre os dois que muitas palavras não eram necessárias. Doce.

    [C4] – “O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem.“
    O texto trata da coragem, ou da falta dela. Mergulhar na liberdade que a queda livre proporciona. Tangente.

    [D1] – Ilustração do livro aberto
    Texto enxuto e lindo. Mostra como vivemos várias vidas e conhecemos vários mundos, basta abrirmos um novo livro. Há fins e começos para serem escolhidos, nos livros. Primoroso.

    [D2] – Ilustração do abismo e do relógio.
    Descreve um sonho, a história construída na fantasia. Vai acordar com o som do despertador. Sutil.

    [E2] – Música: Formato Mínimo (Skank)
    O texto descreve a efemeridade do tempo, tudo intenso e fugaz. Vai ser bom, não foi? Incisivo.

    [E4] – Música: O dia em que a terra parou (Raul Seixas)
    Trata do dilema dos dias atuais. A necessidade de parar para salvar vidas e a dureza da fome, caso a renda não venha. Real.

    Parabéns, Riv Otril, a leitura foi deliciosa!

    Boa sorte no desafio!

    Abraços…

  23. Luis Fernando Amancio
    26 de março de 2021

    Caro Riv Otril,
    Rápido e profícuo, ein? Você tem muita eficiência, ideias criativas e boa execução. Para mim, microcontos precisam passar uma narrativa e, muitas vezes, ficam melhor se utilizarem o mínimo de palavras. O A2 e o A3 são maravilhosos. Não gosto dos que se prendem basicamente no jogo de palavras – o B1 e o E2, por exemplo.
    Nos contos com mais palavras você também se sai bem. Seus textos são coesos e precisos. Creio que tenha boa experiência no gênero. Escolhe bem as palavras para o texto ser harmônico – em microcontos, isso é essencial.
    Parabéns e boa sorte no concurso!

  24. Nilo Parana
    26 de março de 2021

    ola Rivotril.
    ótimos contos, sucintos, claros e expressivos. A2 é primoroso, talvez o melhor que tenha lido até agora. todos seguem o padrão. até D1, bastante difícil falar de livros sem cair em clichês, mas o seu ficou muito bom. parabéns.

  25. Luciana Merley
    26 de março de 2021

    Olá, caro autor.

    Para minha avaliação, utilizarei dois critérios principais: se o microtexto é uma HISTÓRIA e o IMPACTO que ela provocou.

    Adianto que gostei demais dos textos.

    [A2] Micro perfeito. Curto, inteligente e com mensagem forte.

    [A3] Ótima jogada com as palavras e uma mensagem de desaceleração mais que necessária.

    [B1] Amei a jogada (rsrs) após descobrir o significado do termo, mas, não me pareceu uma história. Não identifiquei personagem (nem oculto) ou enredo.

    [B3] Bela história e com um final muito terno. Apenas aponto que foi truncada em demasia. Tive que reler para descobrir quem era quem, e isso é péssimo num micro.

    [C2] Um bom microconto. Um pouco explicativo, mas bom.

    [C4] Perfeito. Inteligente e impactante.

    [D1] Um ótimo conto. Simples e bonito.

    [D2] Mais um conto eficiente. Com palavras poucas e bem utilizadas.

    [E2] Jogo lindo de palavras. Caso não tivesse inserido um verbo, não o consideraria um conto, mas, o farei por entender o sujeito oculto.

    [E4] Ótimo conto com crítica política sutil, como deveriam ser todas, aliás (rsrs). Apesar do conceito distorcido (no meu entender) sobre a relação economia-vida diária, uma boa sacada. Especialmente quando o sujeito “deve” e sente na pele no final. Ótimo.

    Uma excelente coleção de textos, caro. Parabéns.

  26. Fabio D'Oliveira
    26 de março de 2021

    Que ansiedade, hein, Riv Otril, haha. Achei muito criativo abrir o desafio com esse pseudônimo, hahahahaha. Parece até deboche.

    Os contos estão bem escritos e são fechadinhos. Gosto da sua objetividade. Nenhum microconto me arrebatou, parece que você optou por um caminho seguro, como o texto do pelotão. Já li, inclusive, um romance que descreve um fuzilamento e é exatamente isso que acontece: o pavor, a ansiedade, a surpresa, tudo isso mata a alma do personagem inúmeras vezes antes da bala matar seu corpo. Isso não é ruim, claro. É uma escolha sua. Torna o texto fácil de ser aceito e admirado, dando pouca margem de causar qualquer estranhamento.

    Meu micro favorito é o C4. Ele é curto, mas gigante em conteúdo. Quando se opta por um micro desse tamaninho, bem, bem curtinho, o impacto e a reflexão são fatores muito importantes.

    Não vi nenhuma conexão entre os contos, nem em tema ou universo compartilhado, mas tudo bem. O trabalho individual de cada um está ótimo. Parabéns pela ótima abertura! Começou o desafio com aquele brilho e ansiedade, haha.

  27. jeff A Silva
    26 de março de 2021

    Olá caro autor ou autora

    Parabéns pelos micros. São histórias boas e bem contadas (dado o tamanho proposto pelo desafio kkk) Uma coisa interessante foi a velocidade que você conseguiu conceber as ideias! Primeiramente vou falar dos pontos positivos em minha modesta opinião. As histórias são boas e tem seus objetivos (como a critica na E4) assim como tocam a alma com poesia (minha preferida foi a E2) – “O desejo era sólido. O amor era líquido. O resto, vapor. – Como tão poucas palavras podem dizer tanto?? Como parte negativa posso opinar que senti falta de um tempero a mais em alguns textos. Por final digo que o que menos gostei foi o A3.

    Parabéns pelo trabalho e sorte no desafio.

  28. antoniosbatista
    25 de março de 2021

    Coesão. Precisão. Imagens construídas contando cada história em poucas palavras. Gostei de todas, especialmente a B 3. Fiquei admirado por ter tão boas ideias em pouco tempo. Construir o texto e ser o primeiro a publicar. Boa sorte.

  29. Fernanda Caleffi Barbetta
    25 de março de 2021

    [A2]
    Adorei a sua ideia e a forma como escolheu as palavras para, com poucas delas, causar impacto. É isso que, na minha opinião, garante o sucesso do microconto. A ideia de que ao se aguardar pelos tiros se morre inúmeras vezes é daquelas coisas que parecem simples, mas que são sensacionais.

    [A3]
    Gostei muito da escolha da palavra cioso juntamente com ocioso, explorando cada uma em seu sentido.

    [B1]
    Depois de descobrir o que era Haduken, gostei da ideia. Por não saber o que era, o micro para mim perdeu um pouco da graça que que ele poderia ter causado. A falha é minha por não saber, mas o risco foi seu de ter usado algo que não é tão conhecido (não sei se há muitos iguais a mim por ai).

    [B3]
    A sua ideia aqui foi excelente, só acho que o início não acrescentou e tornou o micro confuso. Entendi que incluiu escola e primeiro amor para nos levar a um entendimento equivocado, mas para mim ficou um pouco confuso. A palavra mamãe, ali no final, já resolve isso, nos trazendo essa imagem equivocada de dois jovens. Creio que teria funcionado melhor se começasse com o diálogo, mas é minha opinião. O final foi surpreendente. Uma ótima ideia. Adoro ser surpreendida em microcontos.

    [C2]
    Um microconto bonito, poético. Não trouxe nada muito novo ou impactante, mas conseguiu uma história em poucas palavras.

    [C4]
    Ótima a sua ideia de utilizar a queda livre separando as duas palavras. A liberdade durante a queda. Muito bom. É muito legal quando percebemos como duas palavras bem escolhidas fazem um microconto acontecer.

    [D1]
    Na minha opinião é um bom microconto, mas sem destaque.

    [D2]
    Muito bom. Adorei o final, resolvendo o dilema para nós, mostrando que ela sonhava. A graça do micro não está no mistério, mas justamente na revelação. Um início sem muita informação, que poderia ser tanta coisa… isso é muito bom.

    [E2]
    Mais uma ideia brilhante, muito bem desenvolvida. Falou tanto com tão pouco. Gostei.

    [E3]
    Assim como o B3, aqui o mais não é mais. Muita informação no início que apenas confunde e não direciona. Gostei bastante do sentido duplo que deu à palavra devo. Dever no sentido de obrigação e de devedor. Achei muito criativo. Foi o ponto alto do micro.

    Querido, Rov Otril, gostei dos seus microcontos, de alto nível. E que coragem de ser o primeiro e já lançar mão de dez. Sou da opinião de que é melhor ater-se ao que é realmente bom para não diminuir a média final, ficaria apenas com os porretas mesmo. Mas o que é bom pra mim pode não ser para você e vice-versa. De qualquer forma, foi um ótimo trabalho. Parabéns.

    • Riv Otril
      6 de abril de 2021

      Saudações Fernanda! Ser o primeiro a postar não foi questão de coragem e sim de medo. Medo de editar com tal paixão a ponto de não restar mais que um sujeito e um verbo. Muitíssimo agradecido por vossa leitura e por vosso comentário tão detalhado e cuidadoso!

  30. Fheluany Nogueira
    25 de março de 2021

    Contos sucintos, mas completos, com considerável expansão de significados e atenderam bem aos estímulos.

    Preferido: “Estava caindo desde que nasceu, era o que sentia. Por isso, só tinha mesmo medo do chão, do fim de tudo. Enquanto isso, na queda, era livre.” – Muito bom o jogo de sentidos com “queda e livre”. Cada palavra evolui junto com o conto.

    Gostei também do pseudônimo, se bem que você me pareceu bem coeso e coerente, sem precisar de efeitos sedativos e espero que, aqui, não apareçam a Sertra Lina, a Lora Zepam ou o Broma Zepam, os dois últimos, irmãos.

    Parabéns! Abraço!

    • Riv Otril
      6 de abril de 2021

      Cara Fheluany, agradeço muitíssimo por vossa leitura e por vosso comentário. Tem razão, não faço uso da substância referida em meu pseudônimo. Porém, penso que alguma gotículas espalhadas no ar fariam maravilhas aos ânimos! 🙂

  31. angst447
    25 de março de 2021

    Riv Otril, tudo bem?
    Nem sempre a pressa é inimiga da perfeição, ou pelo menos, neste caso, não atrapalhou em nada o bom trabalho apresentado.
    Fiquei com a impressão de que o[a] autor[a] tem experiência em elaborar microcontos pelo domínio das palavras em pouco espaço. Seus textos apresentam coesão, precisão e capacidade de condensar ideias mais complexas sem esbarrar no limite de caracteres exigido.
    Menos é mais neste desafio.
    Meus prediletos? [A2] [B3] [D1]
    Parabéns pela participação e boa sorte.

    • Riv Otril
      6 de abril de 2021

      Saudações Angst447! Agradeço muitíssimo por vossa leitura e vosso gentil comentário! Ser uma pessoa de poucas palavras vem a ser útil em desafios como este.

  32. mariasantino1
    25 de março de 2021

    Olá, Riv Otril!

    Primeiramente gostaria de deixar claro que não sei comentar e muito menos avaliar contos. Tento ser justa e buscar algum ponto para apoiar minha “crítica”. Sendo esse um certame onde os próprios participantes avaliam, procuro por algo que vá além do que está revelado nas linhas. Uma reflexão, crítica, referência de outra obra ou fato histórico para que a extensão do texto não se limite aos caracteres usados e finde com o término da leitura. Enfim… Nos seus micros o texto que foi melhor apreciado (por mim) foi o [C2], pois nele a pessoa leitora imagina os gestos e atitudes desse relacionamento. Talvez até indo de encontro ao que o próprio leitor já tenha vivenciado: a decodificação do olhar de quem se ama e a antecedência em realizar os desejos antes que seja preciso pedir, ou mesmo que não haja essa necessidade. Cabendo na frase de inspiração proposta pela Adm do EC. Outro também com alguma extensão e que agrada é o que se baseou na foto dos dois velhinhos, pois sugere que ambos tenham vivido muito e juntos até aquele momento, mesmo sem a necessidade de se descrever esses momentos.

    Os demais textos são bons, entretém, fazem rir também, mas infelizmente a maioria termina sem deixar muita coisa na boca para ser saboreada, entende? Fecham-se nas ilustrações propostas sem muita ousadia ficando difícil de serem comentados. No mais gostaria de agradecer por me ensinar a palavra “cioso”, espero saber usá-la algum dia.

    Parabéns e boa sorte.

    • Riv Otril
      6 de abril de 2021

      Muito grato por vossa leitura e por vosso comentário, Maria Santino! Você diz não saber comentar ou avaliar, mas o fez muitíssimo bem!

  33. thiagocastrosouza
    24 de março de 2021

    Olá Rivotril, parabéns pela coragem e pela criatividade em abrir o desafio.

    Saldo geral:

    Gostei dos contos, apesar de achar os textos inspirados nas fotografias muito descritivos, como que narrando diretamente o que aparece no estímulo. Há um enredo, um texto que encorpa a imagem, mas foi muito próximo das primeiras impressões que as imagens podem gerar. O mesmo ocorre no conto inspirado pela ilustração do livro. Já nos contos estimulados por palavras, há um jogo bacana em ambos os textos, tanto de palavras (“cioso/ocioso”) como do estado de temor completo do personagem diante do pelotão de fuzilamento.

    Destaque:

    “Estava caindo desde que nasceu, era o que sentia. Por isso, só tinha mesmo medo do chão, do fim de tudo. Enquanto isso, na queda, era livre.”

    Aqui achei que você captou muito bem a frase do Guimarães. Coragem para encarar o caminho, mesmo que o destino seja, inexoravelmente, a queda, o chão.

    Boa sorte no desafio!

    • Riv Otril
      24 de março de 2021

      Saudações, caro Thiago! Agradeço por vossa leitura e vossos mui bem vindos comentários, úteis e pertinentes como de costume.
      Sigamos em frente, rasgando-nos e remendando-nos!

  34. Priscila Pereira
    24 de março de 2021

    Olá, Rivotril 😏!
    Nossa, isso que é agilidade! Primeira a postar e que abertura do desafio!
    Gostei de todos os micros! Todos fortes e impactantes! Muito bom mesmo!
    Parabéns 👏 👏👏👏

    • Riv Otril
      24 de março de 2021

      Muito grato, Priscila, pela vossa leitura e vosso gentil comentário.
      A rapidez em postar deu-se pela ansiedade, tão difícil de controlar nos tempos atuais.

Deixe uma resposta para Ana Maria Monteiro Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Informação

Publicado às 24 de março de 2021 por em Microcontos 2021 e marcado .