EntreContos

Literatura que desafia.

Tupã, pichador (Sérgio Ferrai)

A bota apertou a bochecha do mendigo que dormitava na calçada em frente à construção do edifício. – Está sonhando, dorme sujo? Acorda, vagabundo. – Vociferou o dono da bota. … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 84 Comentários

Ventos uivantes já não sopram mais (Victória Cardoso)

Depois do último suspiro, silêncio. O tom alvo da sua pele se mesclava com o rubro do sangue. Documentos ardiam na lareira ao lado, queimando um passado que durante anos … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 82 Comentários

O Banquete (Iolanda Pinheiro)

Planejou o jantar a semana toda. Ele chegou antes de hora e comeu a cozinheira. Quatrocentos camarões assistiram à cena sem acreditar em seus olhinhos pretos. Estavam congelados, mas não … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 136 Comentários

Doces lembranças (Renato Silva)

Calça xadrez se despediu dos cachinhos rubros. O trem partiu e nunca mais a viu. Os anos correram, as pernas cresceram, mas o lacinho nos cabelos e o cheiro alaranjado … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 82 Comentários

Livros, amores e assassinatos em série (Anderson Henrique)

Jurei que a mataria se fosse embora. Cumpri a promessa com uma espátula em meu primeiro livro, “A aflição do canalha”. Morreu como se não entendesse meus motivos. Sufoquei-a com … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 80 Comentários

Vaca Fu (Virgílio Gabriel)

Nas planícies do Himalaia, em um pasto afastado dos olhos humanos, Mimosa Lee defende os animaizinhos locais das investidas do perverso Yeti. A sua técnica lendária de Kung Fu, temida … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 83 Comentários

Crack! (Pedro Luna)

Panelas amassadas. Lixo no chão. Goteiras. Baratas atrás do armário. Geladeira vazia. Roupas furadas. Sem ventilador. Sem televisão. Privada entupida. Espelhos rachados. Uma parede. Um retrato. Duas pessoas. Duas promessas. … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 83 Comentários

Um assassinato no escuro (Gustavo Henrique)

Era 7:00 da manhã e havia um velho batendo em sua porta com força, ela não queria abrir mas ele insistia… ela não abriu e então ele parou e o … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 86 Comentários

Bela (Catarina Cunha)

Hoje é meu aniversário. Mamãe me enfeitou de vestido branco com moranguinhos desenhados. O laço de fita nos cabelos me deixou bem mocinha com os sapatos emprestados da Cinderela.  Meu … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 90 Comentários

Seu Próprio Deus Ex Machina (Fil Felix)

Foi um gesto de afirmação. Ah, se foi. Seguido por um clarão imenso, sem zoom ins ou outs, sem longa-metragens: 16 mm. Tudo muito rápido, a cidade inteira num borrão … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 85 Comentários

Cravo (Cláudia Roberta Angst)

Nunca se viram, nem de longe, nem de perto. Apenas trocaram fotos e silêncios. Ela sempre muito gentil. Ele, um enigma. Marcaram um encontro na pracinha. Ali, em frente à … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 87 Comentários

Vida e morte do homem só (Juliano Gadelha)

Nasceu no âmago do amor familiar. Cresceu percebendo-se diferente. Os outros não faziam sentido. Tolos, erráticos, insensíveis, cruéis. Protegeu-se em relações superficiais. Ainda assim, laços foram rompidos bruscamente. Desistiu. Seus … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 88 Comentários

Vida (Tom Lima)

Ela acompanhava com olhos amarelos o tortuoso voo de aprendiz. Pupilas como duas linhas negras compensando a luz da manhã. Observando. Esperando. Corpo tenso. Está preparada para o complexo ato … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 86 Comentários

Regime (Estela Menezes)

Vivia sorrindo. Não importa o que ele fizesse ou dissesse, ela contente, um brilho só. Num exame de rotina, o médico desconfiou de um caso raro de felicidade mórbida. E … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 85 Comentários

Anseio (Amanda Gomez)

~Voar ~ Deve ser a sensação mais incrível do mundo! Se eu pudesse voar, iria o mais alto que minhas asas pudessem me levar. Que maravilha deve ser voar. Se … Continuar lendo

13 de janeiro de 2017 · 84 Comentários

O Engodo dos Caniços (Fátima Heluany)

Os meninos descobriram os peixes, depois do verde, na água contida do açude. Estavam à espera: por isso bastava o roçar dos anzóis nas águas clamantes e o peso dos … Continuar lendo

12 de janeiro de 2017 · 86 Comentários

Beterrabas (José Leonardo)

Descemos ao trabalho. Topografia extremamente ruim, madrugada, mas enfrentamos porque urgia. Só sentíamos a poeira nas narinas, não ante os olhos, que quase nada tateavam. Eu tinha de ensinar o … Continuar lendo

12 de janeiro de 2017 · 88 Comentários

Veias Parnasianas (Sandra Datti)

A vida de Theo, um soneto aparado em pedras marmóreas na incansável busca pela perfeição. Tudo em seu lugar, com seu ritmo próprio, alucinado por fecundas e ricas rimas. Seu … Continuar lendo

12 de janeiro de 2017 · 90 Comentários

A Feiticeira – Clássico (Anton Tchekhov)

Era quase meia-noite. Deitado em um imenso leito, na casa do sacristão, o chantre Saveli Guikine não dormia, se bem que tivesse o hábito de dormir cedo, como as galinhas. … Continuar lendo

10 de janeiro de 2017 · Deixe um comentário

Regulamento Desafio de Micro Contos 2017

Conforme antecipado, aqui está: o segundo desafio de Micro Contos do EC, para começar 2017 com tudo! I – Do Texto e do Envio 1) A participação no Desafio de Micro Contos … Continuar lendo

7 de janeiro de 2017 · 2 Comentários

Como Proust pode mudar sua vida – Alain de Botton – Resenha (Gustavo Araujo)

“Ao lermos a nova obra-prima de um homem brilhante, ficamos felizes em descobrir reflexões nossas que havíamos menosprezado, alegrias e tristezas que havíamos reprimido, todo um mundo de sentimentos que … Continuar lendo

6 de janeiro de 2017 · 4 Comentários

Sombras – Conto (Thiago Lopes)

A mão grande cobria a minha. Eu caminhava, olhando para meus sapatos rigorosamente engraxados. E lá em cima, o rosto duro de bronze, os bigodes cobrindo a boca num sulco … Continuar lendo

5 de janeiro de 2017 · 5 Comentários

Por trás dos sonhos – Conto (Miquéias Dell’Orti)

Não considere este pedaço de papel estúpido. Não o considere. É só mais um trecho de rabiscos desesperados, palavras de alguém no limite da sanidade, sabe? Sa-ni-da-de. Aquela linha que … Continuar lendo

5 de janeiro de 2017 · 4 Comentários

Entre por sua própria conta e risco; mas a conta fica – Conto (Victor O. de Faria)

I. O Passado Dan ignorou o letreiro, ajeitou a Pulsar no cinto, recostou-se à mesa do bar e apontou sobre os ombros do autômato. — Eu quero aquela! A figura … Continuar lendo

4 de janeiro de 2017 · 5 Comentários

Obrigada pelo fogo – Clássico (Scott Fitzgerald)

Aos 40 anos, a sra. Hanson era uma mulher bonita, mas um tanto apagada, que vendia espartilhos e cintas em viagens de negócios fora de Chicago. Por muitos anos seu … Continuar lendo

3 de janeiro de 2017 · 5 Comentários

Canis Lupus – Conto (Eduardo Selga)

Abraça os joelhos com força, sentada na cama, sem nenhuma outra viva alma (os irmãozinhos dormem noutro quarto, lá embaixo), o cobertor por cima do medo. Se pudesse, escorreria. Ou, … Continuar lendo

2 de janeiro de 2017 · 13 Comentários

Metamorfose institucional – Conto (Davenir Viganon)

Certa manhã, ao despertar de sonhos intranquilos o país acordou metamorfoseado numa republiqueta monstruosa.

2 de janeiro de 2017 · 5 Comentários

Sabugo – Conto (Cilas Medi)

De milho. Sim, ele sabe, arrastando para o lado direito, com a mesma mão de direção, o suor. Mais sabugos, deles, dos milhos que gastou quase um grande, milhão, para … Continuar lendo

31 de dezembro de 2016 · 3 Comentários

Pat Coelha contra o Porco – Conto (Evelyn Postali)

— É simples. Você faz e ficamos zerados, Pat. O último trabalho para o grupo. Lembrou-se das palavras de Crocodilo Mendonça. Retirou o capacete com visor computadorizado liberando as longas … Continuar lendo

30 de dezembro de 2016 · 10 Comentários

São Paulo em Chamas – Conto (Carlos Henrique Gomes)

Eu estava a caminho da Galeria do Rock para buscar meu disco novo: The Book of Souls, do Iron Maiden em vinil importado, meu sonho de consumo. Juntei dinheiro e … Continuar lendo

29 de dezembro de 2016 · 5 Comentários

Ilusões Irresistíveis: o fabuloso mundo dos concursos literários – Artigo (Gustavo Araujo)

O caminho é conhecido: ao se deparar com a triste realidade do mercado de livros no Brasil, o autor desconhecido ou independente enxerga nos concursos literários sua tábua de salvação. … Continuar lendo

28 de dezembro de 2016 · 20 Comentários

Presépio – Clássico (Carlos Drummond de Andrade)

Dasdores (assim se chamavam as moças daquele tempo) sentia-se dividida entre a Missa do Galo e o presépio. Se fosse à igreja, o presépio não ficaria armado antes de meia-noite … Continuar lendo

27 de dezembro de 2016 · 4 Comentários

Era uma vez o amor – Conto (Helio Sena)

Era uma vez um rapaz, chamava-se João, João tem demais no mundo, é uma loucura, ele era só mais uma nessa multidão, quem sabe, talvez não. Um dia João casou-se … Continuar lendo

26 de dezembro de 2016 · 4 Comentários

Tempestade – Conto (Carlos Daniel)

Ontem meu respirar foi lento, profundo e demorado. Cada gota vinda ds imensidão negra acima de mim torturava minha pele enquanto meus olhos descansavam por um breve momento. Tanto caos … Continuar lendo

24 de dezembro de 2016 · 3 Comentários

Querido Papai Noel – Crônica (Catarinha Cunha)

Querido Papai Noel,   Suzete pendurou a meia-arrastão na janela prendendo cartão decorado com purpurina e preenchido com letra caprichada:   Querido Papai Noel,            Este ano eu fui … Continuar lendo

23 de dezembro de 2016 · 10 Comentários

Tatua, tatuagem – Conto (Rita Prates)

Lá vem ela faceira descendo a ladeira. Corpo escultural, pernas longas e bem delineadas, coxas grossas e firmes, vistas com prazer através de saias curtas, curtíssimas, que mostram todas as … Continuar lendo

22 de dezembro de 2016 · 13 Comentários

Angest – Conto (F. Velista)

As leituras recebidas eram confusas. Por uma fração de segundo os autômatos chegaram a cogitar falha no equipamento. Não fosse a consciência dos Sete acerca da perfeição inerente à programação … Continuar lendo

21 de dezembro de 2016 · 2 Comentários

O Outro – Clássico (Jorge Luis Borges)

O fato ocorreu no mês de fevereiro de 1969, ao norte de Boston, em Cambridge. Não o escrevi imediatamente, porque meu primeiro propósito foi esquecê-lo para não perder a razão. … Continuar lendo

20 de dezembro de 2016 · 4 Comentários

Ranking – Dez/2016

Encerrado o desafio “X-Punk”, é hora de conferir como ficaram nossos rankings. Para começar, vamos ver o resultado final do nosso “Ranking 2016″, que considera todos os certames iniciados no … Continuar lendo

19 de dezembro de 2016 · 6 Comentários

Aconteceu em uma campina – Conto (Neusa Fontolan)

Conheci Tobias em uma festa, não importa qual. Meu nome? Pode me chamar de Fabio… Desde o inicio percebemos a enorme empatia, com pouco tempo de conversa já nos considerávamos … Continuar lendo

19 de dezembro de 2016 · 13 Comentários

Resultados do Desafio X-Punk

Caros EntreContistas, Um dos desafios mais exigentes que já tivemos por estas bandas. Quarenta contos inscritos e apenas três desclassificados, abordando as diversas faces do universo punk, em suas versões cyber, steam, bio, … Continuar lendo

17 de dezembro de 2016 · 26 Comentários

Avaliação – X-Punk

Caros participantes e amigos, Agradecemos mais uma vez a presença de todos por aqui. No total, 40 (quarenta) contos inscritos, demonstrando toda a diversidade dos estilos Punk. Às regras da … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · 40 Comentários

Alice (Pedro Teixeira)

I-O MESSIAS HÍBRIDO Quando avistei Eduardo Sangaletti, perguntei a mim mesmo se era verdade o que ele dizia sobre a transformação. Não havia nenhum traço alien em sua figura barbuda. … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · 42 Comentários

Esquecidos (Renato Silva)

Há muito tempo, deixei minha humanidade para trás. Habito um corpo cibernético para poder continuar existindo neste planeta frio e seco. Impossível sobreviver às condições inóspitas a qualquer forma de … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · 39 Comentários

O Híbrido – Olhos biônicos não choram (Thiago de Melo)

“O inferno está vazio. Todos os demônios estão aqui”. (A Tempestade – William Shakespeare)   – Fui encontrado agonizando em meio a diversos outros corpos. O último borrão de luz … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · 41 Comentários

Uísque, rainha e um punhado de colhões (Rafael Sollberg)

O estupro coletivo acontecia em todos os cantos do lugar. Sem gritos, lágrimas ou qualquer resistência. Apenas a violência pura dos anos de castidade forçada. No centro da nave espacial, … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · 42 Comentários

A Mecânica do Coração (Bia Machado)

Com a capital da Província de São Paulo em polvorosa por causa da Revolução que finalmente tinha tomado as ruas, decidi que era hora de voltar ao Solar dos Rouxinóis. … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · 88 Comentários

CTRL-X (Daniel Reis)

CTRL-X (Narcopunk) Nanocomprimidos nucleares revestidos (50 mg). A embalagem pode incluir entre 28 e 31 unidades, de acordo com o mês de referência para distribuição do lote.   COMPOSIÇÃO Cada … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · 86 Comentários

Indignação (Pedro Luna)

De vez em quando, Lorenzo parava o que estava fazendo para contemplar a chuva. Ficava imóvel, de queixo erguido, fitando as nuvens vermelhas no alto e recebendo as gotas no … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · 39 Comentários

As Fronteiras de Topázio (Fil Felix)

A Corte Interseccionista de Terra Nova estava cheia: humanos e androides ocupando todos os assentos do lugar, enquanto uma multidão se concentrava do lado de fora, erguendo placas e proclamando … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · 42 Comentários

Assassinato no Lula Molusco (Leonardo Jardim)

Acordei muito tarde naquele dia. O despertador instalado no meu implante ótico não tocou, não sabia bem o motivo. Desde que troquei para a nova versão bioquímica, essa joça não … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · 85 Comentários

Crias Áridas (Wender Lemes)

– Então… vocês são filhos do deserto? – o soldado de olhos azuis nos perguntou, logo antes de sua gargalhada contaminar seus companheiros no armazém. Mantínhamos a expressão séria, mas … Continuar lendo

26 de novembro de 2016 · 40 Comentários

Eu Quero é Ficar Sedado (Fátima Heluany)

Zav corria descalço pela grama úmida. A chuva cessara, e o azul do céu era cortado por um arco íris. O vento balançava os galhos das árvores e desmanchava os … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · 40 Comentários

Por um fio de memória (Anorkinda Neide)

Por um tempo um tanto curto ousei acreditar no futuro. Sabem, aquela fé de que tudo seria melhor, mais bonito, mais fraterno, mais justo, blábláblá. Ainda bem que foi por … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · 40 Comentários

Os sonhos não morrem (Waldo Gomes)

“- Não sabemos bem o que o aconteceu, estávamos tranquilos, trabalhando normalmente;  Aí do nada veio essa explosão surda que chamou o prédio inteiro pra dançar, dança rápida, um passo … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · 86 Comentários

Chips (Cilas Medi)

Um leve ruído que fez, o comparsa deu-lhe um cascudo, no sombrio entrar daquele local, escuro e com bastante possibilidade de serem descoberto, já que o laboratório continha tudo fora … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · 40 Comentários

A Condição Humana (Leandro Barreiros)

Harlam ouvia sobre Quilbrum desde a infância. A cidade ficava a longínquas léguas do Arquipélago de Florais, tão bela quanto os jardins de Tamuachan e tão avançada quanto a lendária … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · 40 Comentários

Meia aliche, meia quatro queijos (Zé Ronaldo)

— E, aí, sabem que dia é hoje? — perguntou uma criatura que se assemelhava a uma planta, se não fosse toda metálica. — Num me diga que sou eu … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · 39 Comentários

Ideology (Bruna Francielle)

Não tinha certeza do que eram aqueles rabiscos no canto esquerdo, em cima. Se olhasse para o quadro ligeiramente de lado, pareceriam aviões, se olhasse de frente, poderiam ser mariposas. … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · 43 Comentários

O Sonho de Yago (Ricardo de Lohem)

No final do século 10101 – 21 em binário – o mundo mudou. Neste novo mundo tudo se pode ser. Ou quase tudo. E tudo se pode curar. Ou quase … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · 41 Comentários

Voz do sopro (Vitor Leite)

Fugir. Sim isso, estava decidido, acabou! chega! e nem olhou para trás. Mochila às costas e partiu. Não posso contar nada da viagem até que parou num monte sobre um … Continuar lendo

25 de novembro de 2016 · 41 Comentários

Esperança Negra (Priscila Pereira)

Logo no início da Nova Era todos os humanos foram cadastrados, catalogados, seus óvulos ou espermatozoides foram coletados e seus órgãos reprodutores foram esterilizados. Com o avanço da biotecnologia e … Continuar lendo

24 de novembro de 2016 · 86 Comentários

A Flautista (Marco Piscies)

Rheinland-Pfalz, Alemanha. 1953 A temperatura caía junto com a noite. Empoleirada ao relento no terraço de um dos prédios da base militar alemã, Libby não conseguia controlar a tremedeira. Sentia … Continuar lendo

24 de novembro de 2016 · 85 Comentários

Náusea e vômito (Luis Guilherme)

Náusea e vômito O conto que dá origem a uma nova categoria do Punk: o Glitter Punk   Seguem as buscas por homem desaparecido no interior de Aniorama. Jovem de … Continuar lendo

23 de novembro de 2016 · 43 Comentários

Lupércio e o Príncipe Encantado (Eduardo Selga)

I Há uma voz doce flutuando na metrópole onde não existe dia. Fala alto, mas não é um grito nos ouvidos: instalada em diversos zepelins estacionados nos céus da cidade … Continuar lendo

23 de novembro de 2016 · 43 Comentários

Café (Catarina Cunha)

Antes de pensar o dia perguntei-me se haveria outra noite suficiente para alimentar todas as bocas estelares. A mudez solar sepultou todos os meus pensamentos óbvios na cova rasa da … Continuar lendo

22 de novembro de 2016 · 47 Comentários

Despertos (Claudia Roberta Angst)

Nós somos do tecido de que são feitos os sonhos. – William Shakespeare   Corria em direção a um penhasco gigantesco. O vento batia em seu rosto e Marlon podia … Continuar lendo

22 de novembro de 2016 · 41 Comentários

O Homem da Federação (Jowilton Amaral)

Poção dos Anjos parecia abandonada quando um homem montado num cavalo tordilho trotou sobre a terra mortiça da avenida da cidade. As casas de madeiras amareladas pela poeira, misturadas ao … Continuar lendo

21 de novembro de 2016 · 40 Comentários

Sozinho no Fim do Mundo, Eu Chorei Lágrimas de Vapor (Fabio Baptista)

Conheci Suzana na fatídica viagem que fiz a Oslo, tantos anos atrás. Estávamos a bordo de um dirigível LZ-129, um colosso de madeira que, à época, era a expressão máxima … Continuar lendo

17 de novembro de 2016 · 42 Comentários

Biscoitos de Queijo (Paula Giannini)

Ingredientes 250 gramas de manteiga 1 ovo 2 ½ xícaras(chá) de farinha de trigo 1 ½ xícaras(chá)de maisena 1 colher(sopa) de fermento químico 1 xícara(chá) de queijo parmesão ralado Dia … Continuar lendo

17 de novembro de 2016 · 84 Comentários

O Catador “Tunado” (Rubem Cabral)

Rio de Janeiro, 01 de setembro de 2038. Aquele velho sonho recorrente: no rosto da filha recém-nascida se desenhava, quadro a quadro, um belo sorriso banguela. Saudoso, Cleverson percebeu o … Continuar lendo

15 de novembro de 2016 · 40 Comentários

Esfera 8 (Evelyn Postali)

Esfera 8. Período 2-9, 3090 Mesmo distante, o som das armas lasers do lado de fora aponta: a força-tarefa corporativo-governamental consegue transpor a cortina de segurança em um dos laboratórios … Continuar lendo

15 de novembro de 2016 · 40 Comentários

O Odu de Marte (Davenir Viganon)

I Acordou naquela manhã desejando a Terra intensamente, como em todas manhãs que lembrava. Os campos verdes, o cheiro de terra molhada e o ar puro prometidos nos anúncios e … Continuar lendo

14 de novembro de 2016 · 74 Comentários

Traição das Máquinas (Olisomar Pires)

Nas paredes do pequeno quarto do hotel, as marcas de tiros nunca eram consertadas. “Pra quê? aparecerão outras”, dizia o senhorio e então, elas ficavam. Infelizmente não eram datadas, um … Continuar lendo

13 de novembro de 2016 · 41 Comentários

Filho do Sol (Victor O. de Faria)

Era uma mãe dedicada… Mas agora, segurando uma tesoura banhada em sangue de outrem, já não sabia quem era. Yosef Hamashia, perplexo com as manchas que se multiplicavam em seu … Continuar lendo

10 de novembro de 2016 · 41 Comentários

O Silêncio das Deusas Desnudas (Evandro Furtado)

Heath sempre foi um sujeito centrado, daqueles que se detém sobre algum aspecto particular da vida e nele se prende por um longo tempo. A primeira vez que nos encontramos, … Continuar lendo

10 de novembro de 2016 · 40 Comentários

Distante Encontro (Tatiane Mara)

Levantei-me às 04 horas da manhã. Nem preciso do relógio-parente me cutucando os ouvidos com suas melodias terríveis. Deve estar em algum canto nesse canto onde moro, cheio de quinquilharias … Continuar lendo

9 de novembro de 2016 · 42 Comentários

Regulamento Desafio “X Punk”

I – Das Disposições Gerais e da Inscrição 1) A participação no Desafio “X Punk” do EntreContos é totalmente gratuita. O Desafio é voltado a ESCRITORES que orgulhosamente sejam também LEITORES. 2) … Continuar lendo

4 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

A Redenção do Anjo Caído – Fabio Baptista – Resenha (Gustavo Araujo)

“A dádiva da mente brilhante sempre vem acompanhada pela maldição do rápido enfastiamento com tudo e com todos.” Lúcifer, derrotado no início dos Tempos, enfim percebe a onisciência de Deus … Continuar lendo

4 de novembro de 2016 · 5 Comentários

Para Sempre – Conto (Luis Guilherme Florido)

Para sempre Uma releitura de “A Pequena Sereia”   Era uma vida muito solitária. Cada dia arrastava-se doloroso e infinito, marcado pela vastidão da casa sem vida. O velho relógio … Continuar lendo

4 de novembro de 2016 · 5 Comentários

A Galinha Preta (Tarsis Magellan)

O velho Caldeira fora um tipo formidável de empregado. Mas, então, a idade avançada lhe permitia apenas vigiar a Fazendinha dos Trevos. Era um velho solitário. E raramente os Hayden, … Continuar lendo

3 de novembro de 2016 · Deixe um comentário

A Caleche – Clássico (Nikolai Gogol)

A cidadezinha de B. animou-se muito quando nela se aboletou o regimento de cavalaria ***. Antes disso, pasmava num tédio mortal. Quando, por acaso, passamos por esta cidade e olhamos … Continuar lendo

1 de novembro de 2016 · 2 Comentários

Sussurro ao pé do ouvido – Conto (Neusa Fontolan)

— Deixa-me explicar, senhora… As fadas são os seres mais egoístas do meu mundo, não dão nada para ninguém e muito menos a um humano. As fadas não são capazes … Continuar lendo

31 de outubro de 2016 · 8 Comentários

Mastigando Humanos: pra degustar ou digerir? – Resenha (Fil Felix)

Mastigando Humanos é um livro do brasileiro Santiago Nazarian publicado originalmente em 2006 pela Editora Record e que aborda questões existenciais através do surreal, nonsense e absurdo, ao lado de … Continuar lendo

29 de outubro de 2016 · Deixe um comentário

A Dona – Conto (Rodrigues)

O japonês era cego. Há um tempo, contratara alguém para auxiliá-lo: um enfermeiro paraplégico e bem baixinho. Passavam os dias na inércia vespertina do condomínio. Era muito tempo de sol … Continuar lendo

29 de outubro de 2016 · 5 Comentários

A Espada de Esaú – Conto (Óscar Fernandes)

A tarde gastava-se, morna e indolente, sem pressas de dar lugar à noite. O sol como que dormitava, refastelado bem no centro de um distante prado de água e fogo, … Continuar lendo

29 de outubro de 2016 · 2 Comentários

Aves Tristes – Poesia (Francisco Ferreira)

Rebrilham nesta lua um empréstimo de saudades e tristezas tolas, tolas. Toscas correntes que trancam nossos peitos em amores de porvir e devir num derredor de ais não ditos, insuspíraveis … Continuar lendo

29 de outubro de 2016 · 1 comentário

Perigo nas Linhas de Código – Resenha (Gustavo Araujo)

O universo literário policial tem sido dominado por homens há muito tempo. Por isso, é quase redentor perceber que mulheres estão se dedicando a essa vertente, como é o caso … Continuar lendo

29 de outubro de 2016 · 1 comentário

Ofício de Ossos – Crônica (Catarina Cunha)

Esmeraldina botou no mundo doze criaturas, oito se criaram, quatro Deus levou ainda anjos. E só não gerou mais porque o marido Cícero, coveiro da cidade, morreu de uma síncope. … Continuar lendo

27 de outubro de 2016 · 12 Comentários

Porco no rolete – Conto (Paula Giannini)

Atendeu ao telefone. Do outro lado, a voz cavernosa dizia algo ininteligível. Certamente, se tratava de um engano, ou então, algo para que não estava com a menor paciência, um … Continuar lendo

27 de outubro de 2016 · 8 Comentários

Sequestro – Conto (Tamires de Carvalho)

Interior, sabe como é: Só tem ocorrência de roubo de galinha, briga de casal. Quando muito, vez ou outra, aparecia algum “projeto de traficante”. Mas nada que fosse muito difícil … Continuar lendo

26 de outubro de 2016 · 8 Comentários

O Outro Espelho – Conto (F. Velista)

No inicio da segunda semana de teotlec, um vento quente sufocava o amanhecer avermelhado de Aztlán. Na janela de sua quitinete, no nonagésimo terceiro andar da arcologia esférica que ocupava … Continuar lendo

26 de outubro de 2016 · 6 Comentários

Farenheit 451 – Resenha (Davenir Viganon)

Uma distopia clássica da Ficção Científica, escrita no pós-2ªGM (1953). Um manifesto contra o autoritarismo para além de sua face política e também uma bela obra da literatura que se … Continuar lendo

26 de outubro de 2016 · 5 Comentários

A Loteria – Clássico (Shirley Jackson)

A manhã de 27 de junho estava límpida e ensolarada, com o calor refrescante de um dia em pleno verão; as flores desabrochavam em profusão, e a grama era de … Continuar lendo

25 de outubro de 2016 · 3 Comentários

Homenagem ao Palhaço – Poesia (Gardel Dias)

No deslumbre das águas ali eu me via Do caudaloso Rio, misterioso por demais Nos brados destas sertanistas cantorias Em meio aos tamanhos nobres matagais Nas correntezas da vida, imensas … Continuar lendo

24 de outubro de 2016 · 2 Comentários

Utopia – Conto (Priscila Pereira)

Mais um dia havia terminado e Gustavo voltava para casa sozinho, como sempre. Caminhava devagar, ouvindo um rock melódico nos fones de ouvido. O uniforme da fábrica de autopeças não … Continuar lendo

24 de outubro de 2016 · 2 Comentários

A Narrativa Panfletária: Entre o Inconveniente e a Necessidade – Artigo (Eduardo Selga)

  Convidado pela professora Jurema Oliveira a ministrar uma oficina de contos na II Feira Literária Brasil-África de Vitória — FLIBAV —, ocorrida na Universidade Federal do Espírito Santo nos … Continuar lendo

23 de outubro de 2016 · 2 Comentários

O inimigo de papai – Conto (Helio Sena)

Papai sempre chega do serviço às 6:30. Ele nunca se atrasa. E sempre traz um doce no bolso da camisa. Um docinho de banana ou de goiaba que ele ganha … Continuar lendo

21 de outubro de 2016 · 2 Comentários

É óbvio, não? – Conto (Neusa Fontolan)

Sentado em cima de uma lápide, ele batia furiosamente nas teclas de uma maquina de escrever, espalhadas por toda sua volta, estava muitas folhas de papel amassado. Um rapaz se … Continuar lendo

21 de outubro de 2016 · 9 Comentários

Ranking – OUT/2016

Encerrado o desafio “Cemitérios (Retrô)”, é hora de conferir como ficaram nossos rankings. Para começar, o “Ranking 2016“, que vai considerar todos os certames iniciados no ano corrente e no … Continuar lendo

19 de outubro de 2016 · 3 Comentários

Mil Folhas – Conto (Rubem Cabral)

A casa precisa ser arrumada e a geladeira está um horror: cheia e vazia. Cheia de legumes murchos, vazia de qualquer coisa boa de se comer. Não há uma fruta … Continuar lendo

19 de outubro de 2016 · 11 Comentários

Jeito de matar lagartas – Clássico (Antônio Carlos Viana)

As lagartas nunca foram tantas como naquele ano. Elas chegavam anunciando o verão. Diziam que, quando eram muitas, o verão seria muito quente e os cajus, mais doces. Eram lagartas … Continuar lendo

18 de outubro de 2016 · 8 Comentários

Daniel Reis

Daniel Reis nasceu em Curitiba, Paraná, em 1973, mas só foi ver neve aos três anos de idade – e, mesmo assim, apenas pela janela, porque estava muito resfriado naquele … Continuar lendo

17 de outubro de 2016 · 3 Comentários

Resultados do Desafio Retrô Cemitérios

Caros participantes, amigos e curiosos de sempre. Um Desafio à altura dos três anos de Entre Contos. Uma disputa apertada, em que o vencedor foi definido apenas no último voto! … Continuar lendo

16 de outubro de 2016 · 24 Comentários

Avaliação – Desafio Retrô Cemitérios

Caros participantes e amigos, Agradecemos mais uma vez a presença de todos por aqui. No total 46 (quarenta e seis) textos inscritos para o certame que comemora três anos de Entre Contos, … Continuar lendo

25 de setembro de 2016 · 42 Comentários

Não use droga, ruim (Maria Santino)

Yolandy desceu da moto nem aí para a calcinha que aparecia por debaixo da saia minúscula. Riu para o China, o motorista e amigo há pouco reencontrado, e bateu de … Continuar lendo

24 de setembro de 2016 · 43 Comentários

O lugar que o vento e a luz esqueceram (Marcia Saito)

As pedaladas causavam ruídos ritmados com as engrenagens e correias que impulsionavam a bicicleta a circundar a rua que descia suave por seu manto cinza. Tão logo alcançou a calçada, … Continuar lendo

24 de setembro de 2016 · 48 Comentários

O Jardim das Almas Perdidas (Amanda Gomez)

A sensação era como se eu estivesse submersa em um mar gelado e, aos poucos, meus ossos iam transformando-se em gelo. Olhei fascinada para uma gota de suor escorrendo no … Continuar lendo

24 de setembro de 2016 · 42 Comentários

Canteiros no Planalto Central (Bia Machado)

“Quem morou aqui? Ele deve ter sido um jardineiro muito preocupado, Que arrancou as lágrimas e cultivou boa colheita. E estamos tão surpresos! Estamos paralisados e aturdidos… Um jardineiro assim … Continuar lendo

24 de setembro de 2016 · 82 Comentários

Uma Prece para Maria (Iolanda Pinheiro)

O fim da tarde se aproximava sonolento, e os últimos visitantes caminhavam entre as sepulturas, produzindo um som crocante do atrito dos seus sapatos com o piso de dolomitas. Em … Continuar lendo

24 de setembro de 2016 · 98 Comentários

Colóquio Noturno (Thiago Amaral)

O grupo penetrava no cemitério em silêncio, enquanto o vento se esfregava em seus corpos, causando calafrios. Davi andava ao lado de Mônica, com quem estivera transando há algumas semanas. … Continuar lendo

24 de setembro de 2016 · 40 Comentários

O Pelotão (Marcelo Nunes)

Sábado, 23 de julho de 1904. Dia da última etapa do Tour de France, após mais de 2200 km percorridos por estradas e montanhas onde em raros momentos os olhos … Continuar lendo

24 de setembro de 2016 · 77 Comentários

Flutuando na Poeira (Fátima Heluany)

Eu sei que estou morto. Uma existência fria e metálica. Cada passo, uma encruzilhada, num susto perdido tentando estabelecer o contato entre o que eu fora e o que eu … Continuar lendo

24 de setembro de 2016 · 44 Comentários

Batuque e Reza (Fil Felix)

Xiqueópolis sempre foi esta cidade litorânea excêntrica e odara. Onde o tempo e realidade se tornam um grande termo abstrato e colorido, sem início ou fim. E desde o primeiro … Continuar lendo

24 de setembro de 2016 · 42 Comentários

Inumação (Davenir Viganon)

Acordei tonto e minha cabeça latejava com restos de um pesadelo que terminou. Raspei a mão em uma superfície de madeira quando fui tocar a nuca. O sangue pastoso grudou … Continuar lendo

24 de setembro de 2016 · 45 Comentários

Faminta (Luis Guilherme)

O jantar de sexta era sagrado pra Juliana. Um hábito que servia de motivação para aguentar (“sobreviver”) a semana frustrante: emprego medíocre (“Essa velha megera e essa gente feia o … Continuar lendo

23 de setembro de 2016 · 52 Comentários

O Espeleólogo (Paula Giannini)

“No mundo inteiro, mais de 500 mil famílias vivem em cemitérios. No Camboja, centenas vivem entre túmulos, lutando contra a pobreza e a desigualdade” Agência Fides   Quando crescesse, queria … Continuar lendo

23 de setembro de 2016 · 97 Comentários

A capela de telhas amarelas (Maria Flora)

A conversa entre dois homens perturbava o imponente silêncio daquele amplo espaço verde. – Mas que ideia é essa, senhor Giuseppe? Giuseppe inchou as bochechas em sua irritação. Em sua … Continuar lendo

22 de setembro de 2016 · 51 Comentários

Até prova em contrário (Simoni Dário)

Coisas estranhas vinham acontecendo na vida de Marquinhos desde aquele dia. A morte da mãe fora boba e repentina. Mal súbito, dizia o doutor, o coração dela parou de trabalhar … Continuar lendo

22 de setembro de 2016 · 51 Comentários

Recorte do cotidiano (Pétrya Bischoff)

As mãos trêmulas, couro grosso de uma vida de labuta, sustentam o terço de encardidas pérolas, outrora brancas. Em movimento de prece silenciosa, os lábios ressequidos conjuram nomes santos e … Continuar lendo

22 de setembro de 2016 · 43 Comentários

O Segredo de Fênix (Ricardo Falco)

Eu poderia estar agora delirando, falando sobre seres sobrenaturais, poderes ocultos, rituais místicos, sociedades perdidas, cemitérios clandestinos, ou demais temas fascinantes por sua morbidez. Porém, preferi narrar para vocês o … Continuar lendo

22 de setembro de 2016 · 92 Comentários

Na praia (Pedro Luna)

Acostumados a acordar antes do sol e a acompanhar os pais nas jangadas, os três meninos ignoravam o vento frio do início da manhã e andavam lado a lado, seguindo … Continuar lendo

21 de setembro de 2016 · 46 Comentários

“Sem Título” (Gustavo Aquino)

Regido pela sinfonia de algum funk carioca, entornei o conteúdo do copo em uma única golada. Voltei o recipiente sobre a mesa e, ignorando a ninfeta que rebolava em meu … Continuar lendo

21 de setembro de 2016 · 51 Comentários

Belinha (Anderson Henrique)

Por causa de Belinha que eu fui. Vê se moleque nessa idade tem motivo para entrar em cemitério meia-noite? Meia-noite, cabra! Cêdemais pra chamar de dia, tardemais pra não chamar … Continuar lendo

21 de setembro de 2016 · 43 Comentários

Lembrem-se dos Esquecidos (Gilson Raimundo)

O voo de Brasília até o pequeno sítio ao norte da Serra das Andorinhas foi tranquilo. Após quarenta anos do termino da guerrilha, mais um cemitério clandestino havia sido descoberto, … Continuar lendo

21 de setembro de 2016 · 43 Comentários

Miudinha (Anorkinda Neide)

– Shh… não faça barulho. – Larga de ser besta, eles não ouvem mais nada, não. – Não sei. Talvez ouçam tudo e mais um pouco. – Você diz, pensamentos? … Continuar lendo

20 de setembro de 2016 · 90 Comentários

Negrinho, a Fada Madrinha e o Cemitério sem Flores (Fabio Baptista)

Era uma vez, um menino chamado Negrinho. Não era esse o nome dele, mas era assim que todo mundo chamava. Negrinho queria ganhar um presente de Natal. Na verdade, ele … Continuar lendo

20 de setembro de 2016 · 74 Comentários

O Cemitério sem Fim – Os Que Perseguem Suas Caudas AKA O Cemitério sem Saída II (Ricardo de Lohem)

Uma Microtetralogia PROSPERO   Os cemitérios são as cidades dos que não mais existem. Odeio esses antros de finitude, só vim neste para o enterro de William. Depois de caminhar … Continuar lendo

19 de setembro de 2016 · 67 Comentários

Por quem crescem as raízes (Phillip Klem)

Mila caminhava ao lado do irmão para longe do burburinho de conversas e prantos. Era uma tarde ensolarada, porém agradável. Havia um leve cheiro de grama cortada preenchendo o ar … Continuar lendo

18 de setembro de 2016 · 45 Comentários

Simetria (Pedro Teixeira)

Eu não sou o culpado. Tal afirmação vai contra todas as evidências, sei disso, e nem é minha intenção convencer alguém com este relato: ele é apenas uma tentativa desesperada … Continuar lendo

18 de setembro de 2016 · 61 Comentários

Hibisco para todos (Catarina Cunha)

Há anos adquiri o hábito de passear nas alamedas do cemitério depois do almoço, lendo as lápides, imaginando a vida daquelas pessoas e sempre terminando meu passeio no túmulo 1672, … Continuar lendo

17 de setembro de 2016 · 50 Comentários

As vidas do cemitério (Vitor Leite)

Já não tenho paciência para preencher mais formulários, tanta papelada, tanta pergunta e depois o emprego acaba por ser para alguém que desde início já estava escolhido. – Querido, não … Continuar lendo

16 de setembro de 2016 · 39 Comentários

O Apanhador (Victor O. de Faria)

— Azul, lilás, vermelho, laranja, amarelo. O que são esses cristais, Isalla? — São presentes do pai dela, Janilla. — Ele não foi sorteado há três anos? — Foi. — … Continuar lendo

15 de setembro de 2016 · 43 Comentários

Mea Culpa (Daniel Reis)

Confiteor Deo omnipotenti, omnibus Sanctis, et tibi, pater: quia peccavi nimis cogitatione, verbo, et opere: mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa…   — Abençoa-me, padre, porque pequei. — In … Continuar lendo

15 de setembro de 2016 · 88 Comentários

Vende-se uma alma (Claudia Roberta Angst)

Mais um sinal fechado, quase trancado. O terceiro naquela manhã que prometia mais calor do que novidades. Ele dedilhou notas invisíveis no volante, tentando reaver a melodia perdida no despertar. … Continuar lendo

13 de setembro de 2016 · 94 Comentários

Poço das Almas (Evelyn Postali)

  Procura-se coveiro instruído, com 2° de escolaridade para enterrar mortos e realizar serviços adicionais, disposto a receber R$ 1500 mensais. A saber: o referido cargo não exige conhecimento imediato sobre … Continuar lendo

13 de setembro de 2016 · 104 Comentários

A Casa do Bairro Atibaia (Jowilton Amaral)

Pedro entrou na casa com passos miúdos. Não fora fácil para ele reencontrar o lugar onde crescera. O cheiro de maracujá pairava na sala como uma nuvem diáfana de reminiscências. … Continuar lendo

13 de setembro de 2016 · 61 Comentários

Noite de Confidências (Priscila Pereira)

Marcelo anda solitário pelas ruas impulsionado por um comichão na consciência que não o deixava ficar em paz. Era uma noite muito fria e a lua brilhava, redonda, prateada e … Continuar lendo

12 de setembro de 2016 · 89 Comentários

A Musa (Felipe Teodoro)

O velho desperta com os olhos brilhando. Ainda não amanheceu, mas ele não pode perder a oportunidade. Levanta da cama e corre até o computador, que é sua forma de … Continuar lendo

12 de setembro de 2016 · 74 Comentários

O Estranho Desaparecimento de Eleanor Rigby (Tatiane Mara)

O estranho desaparecimento de Eleanor Rigby Novamente repito: eu não sou padre. Meu nome é John Mackenzie, professor. Fui seminarista sim, intencionava ingressar nas fileiras de Nosso Senhor, mas o … Continuar lendo

11 de setembro de 2016 · 44 Comentários

Túmulos em Si (Wender Lemes)

O cheiro de tabaco velho que escapava daquela gaveta dispersava memórias antigas pelo ar. Seu Sebastião tinha a mania de sentar-se ali na beirada da cama e revirar as coisas … Continuar lendo

11 de setembro de 2016 · 52 Comentários

Amor Gótico (José Geraldo Gouvea)

Ouviram um gemido rangido e desagradável. A lua gorda de maio abriu uma janela estreita entre as nuvens e a fumaça para ver Lucinda nua. Ela riu, a lua deve … Continuar lendo

11 de setembro de 2016 · 52 Comentários

Vencendo a Morte (Olisomar Pires)

A enfermeira Egbertha Hims era gorda. Muito. Entretanto, o carinho, a simpatia e o profissionalismo com que tratava os pacientes da Clínica Samaritana lhe emprestavam uma fina silhueta e se … Continuar lendo

8 de setembro de 2016 · 99 Comentários

Eu sou Crewe (Evandro Furtado)

Aquele que este relato encontrar não deve nele acreditar, para sua própria segurança. Mas devo redigi-lo de qualquer forma, antes que minhas mãos percam as habilidades a elas concebidas. Antes … Continuar lendo

8 de setembro de 2016 · 55 Comentários

Regulamento Desafio Retrô “Cemitérios”

Sim, somos permeáveis a sugestões subliminares e nem tão subliminares assim. Neste mês de setembro, o Entre Contos completa três anos de Desafios Literários. E, para comemorar a data, nada … Continuar lendo

5 de setembro de 2016 · Deixe um comentário

Achados e Perdidos – Oliver Jeffers – Resenha (Gustavo Araujo)

Preciso confessar: sou um sujeito apegado a tradições. Quando se trata de filhos e literatura, isso se traduz no hábito de ler para as meninas ao colocá-las para dormir. Normalmente, … Continuar lendo

3 de setembro de 2016 · 3 Comentários

Labirinto (Priscila Pereira)

Entre espinhos e rosas, numa curva sombria, eu me vejo. Não sei para onde ir. Em um lado, solidão, neblina e mistério. No outro lado o luar entre as folhas … Continuar lendo

2 de setembro de 2016 · 4 Comentários

Sou – Poesia (Lucas Lopes)

eu sou logo eu sou cedo sou agora sou vivo sou quente sou sentimento sou quente respiro me permito me permito sentir e sinto forte sinto falta sou amor sou … Continuar lendo

31 de agosto de 2016 · Deixe um comentário

Sem Você – Conto (Simoni Dário)

  – Como posso ser feliz? – Sorrindo. – E se o sorriso for falso? – Mantenha, por exercício. – Estou cansado de me exercitar. – Persista. – Para que … Continuar lendo

31 de agosto de 2016 · 10 Comentários

Os Devaneios do General – Clássico (Érico Veríssimo)

Abre-se uma clareira azul no escuro céu de inverno. O sol inunda os telhados de Jacarecanga. Um galo salta para cima da cerca do quintal, sacode a crista vermelha que … Continuar lendo

30 de agosto de 2016 · 14 Comentários