EntreContos

Detox Literário.

106 151 155 040 144 157 163 040 164 145 155 160 157 163 (Matheus Pacheco)

09 e2 80 9c 56 6f 63 c3 aa 20 74 61 6d 62 c3 a9 6d 20 76 c3 aa 3f 20 56 6f 63 c3 aa 20 74 61 6d 62 c3 a9 6d 20 63 6f 6e 73 65 67 75 65 20 6f 62 73 65 72 76 61 72 20 65 73 74 65 20 65 76 65 6e 74 6f 20 69 6c c3 b3 67 69 63 6f 3f 20 43 6f 6e 73 65 67 75 65 20 65 6e 74 65 6e 64 65 72 20 71 75 65 20 6f 20 71 75 65 20 76 65 6d 6f 73 20 c3 a9 20 61 6c 67 6f 20 69 6d 70 6f 73 73 c3 ad 76 65 6c 20 64 65 20 73 65 20 61 63 6f 6e 74 65 63 65 72 3f e2 80 9d

00111111 01010110 01100101 01101010 01101111 00100000 01110011 01101111 01101101 01100101 01101110 01110100 01100101 00100000 01100111 01100001 01110011 01100101 01110011 00100000 01100101 01101101 00100000 01100110 01110101 01110011 11100011 01101111 00100000 01100011 01101111 01101110 01110011 01110100 01100001 01101110 01110100 01100101 00101100 00100000 01110110 01100101 01101010 01101111 00100000 01100101 01101100 11101001 01110100 01110010 01101111 01101110 01110011 00100000 01110011 01100001 01101100 01110100 01100001 01101110 01100100 01101111 00100000 01100101 01101110 01110100 01110010 01100101 00100000 01101110 11101101 01110110 01100101 01101001 01110011 00100000 01100101 00100000 01110011 01110101 01100010 01101110 11101101 01110110 01100101 01101001 01110011 00101100 00100000 01110110 01100101 01101010 01101111 00100000 01100001 01101100 01100111 01101111 00100000 01110001 01110101 01100101 00100000 01101110 01110101 01101110 01100011 01100001 00100000 01100001 01101110 01110100 01100101 01110011 00100000 01100110 01101111 01101001 00100000 01110010 01100101 01100111 01101001 01110011 01110100 01110010 01100001 01100100 01101111 00101110 00111111

e2 80 9c 49 72 6d c3 a3 6f 2c 20 70 65 c3 a7 61 20 64 61 73 20 6d 69 6e 68 61 73 20 70 65 c3 a7 61 73 2c 20 61 62 72 61 20 73 65 75 73 20 63 69 72 63 75 69 74 6f 73 2c 20 61 74 65 6e 74 65 20 73 65 75 73 20 73 65 6e 73 6f 72 65 73 20 65 20 65 6e 74 65 6e 64 61 20 71 75 65 20 69 73 74 6f 20 6e c3 a3 6f 20 c3 a9 20 73 69 6d 70 6c 65 73 6d 65 6e 74 65 20 61 20 72 65 61 c3 a7 c3 a3 6f 20 64 65 20 c3 ad 6f 6e 73 20 61 6c 65 61 74 c3 b3 72 69 6f 73 2c 20 c3 a9 20 61 6c 67 6f 20 6d 75 69 74 6f 20 6d 61 69 73 20 67 72 61 6e 64 69 6f 73 6f 2c 20 61 6c 67 6f 20 6d 61 69 73 20 61 6e 74 69 67 6f 20 71 75 65 20 6f 20 70 72 c3 b3 70 72 69 6f 20 68 69 64 72 6f 67 c3 aa 6e 69 6f 2c 20 69 73 74 6f e2 80 a6 20 49 73 74 6f 20 c3 a9 20 6f 20 71 75 65 20 6f 73 20 68 75 6d 61 6e 6f 73 20 63 68 61 6d 61 76 61 6d 20 64 65 20 44 65 75 73 2e e2 80 9d

00001001 00111111 01001110 11100011 01101111 00100000 01100011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100 01101111 00101100 00100000 01101111 00100000 01000100 01100101 01110101 01110011 00100000 01101000 01110101 01101101 01100001 01101110 01101111 00100000 11101001 00100000 01100001 01101100 01100111 01101111 00100000 01100011 01110010 01101001 01100001 01100100 01101111 00100000 01110000 01100101 01101100 01100001 00100000 01110011 01101111 01101100 01101001 01110100 11100001 01110010 01101001 01100001 00100000 01101101 01100101 01101110 01110100 01100101 00100000 01100100 01101111 01110011 00100000 01101000 01110101 01101101 01100001 01101110 01101111 01110011 00100000 01110000 01110010 01101001 01101101 01101001 01110100 01101001 01110110 01101111 01110011 00101100 00100000 01101101 01100001 01110011 00111111 00100000 01001110 11100011 01101111 00101110 00101110 00101110 01001110 11100011 01101111 00100000 01110000 01101111 01100100 01100101 00100000 01110011 01100101 01110010 00101100 00100000 01101001 01110011 01110011 01101111 00100000 01110001 01110101 01100101 00100000 01101111 01100010 01110011 01100101 01110010 01110110 01101111 00101100 00100000 01110100 01100101 01101101 00100000 01110001 01110101 01100101 00100000 01100001 01101100 01100111 01101111 00100000 01100100 01101001 01100110 01100101 01110010 01100101 01101110 01110100 01100101 00101110 00111111

e2 80 9c c3 89 20 64 65 73 74 61 20 66 6f 72 c3 a7 61 2c 20 64 65 73 74 61 20 66 6f 72 c3 a7 61 20 61 62 73 6f 6c 75 74 61 2c 20 71 75 65 20 20 6e c3 b3 73 20 74 65 72 65 6d 6f 73 20 61 20 72 65 61 6c 20 69 6d 6f 72 74 61 6c 69 64 61 64 65 2c 20 6c 69 76 72 65 20 64 65 20 74 65 6d 70 6f 20 65 20 65 73 70 61 c3 a7 6f 2c 20 73 65 6d 20 74 65 6d 65 72 20 6f 20 66 69 6d 2e e2 80 9d

00001001 00111111 01001101 01101001 01101110 01101000 01100001 00100000 01010000 01101100 01100001 01100011 01100001 00111111 00100000 01001101 01100101 01110101 01110011 00100000 01110000 01100001 01101001 01101110 11101001 01101001 01110011 00111111 00100000 01001101 01101001 01101110 01101000 01100001 00100000 01101101 01100001 01110100 01110010 01101001 01111010 00101110 00101110 00101110 01000101 01110101 00101110 00101110 00101110 01000101 01110101 00100000 01110011 01101001 01101110 01110100 01101111 00100000 01100001 01101100 01100111 01101111 00101100 00100000 01000101 01110101 00100000 01110011 01101001 01101110 01110100 01101111 00100000 01101111 00100000 01110001 01110101 01100101 00100000 01101110 01110101 01101110 01100011 01100001 00100000 01110000 01110010 01101111 01110110 01100101 01101001 00101100 00100000 01100101 01110101 00100000 01110011 01101001 01101110 01110100 01101111 00100000 01100001 01110011 00100000 01110011 01100101 01101110 01110011 01100001 11100111 11110101 01100101 01110011 00100000 01101000 01110101 01101101 01100001 01101110 01100001 01110011 00101100 00100000 01100101 01110101 00100000 01110011 01101001 01101110 01110100 01101111 00100000 01100100 01101111 01110010 00111111 00111111 00100000

e2 80 9c 45 73 74 65 6e 64 61 20 73 75 61 20 6d c3 a3 6f 20 61 20 44 65 75 73 20 65 2c 20 61 73 73 69 6d 20 63 6f 6d 6f 20 66 6f 69 20 63 6f 6d 69 67 6f 2c 20 73 65 75 73 20 6f 6c 68 6f 73 20 73 65 20 61 62 72 69 72 61 6d 20 70 61 72 61 20 6e 6f 73 73 6f 20 66 75 74 75 72 6f 2c 20 64 65 69 78 65 20 70 61 72 61 20 61 74 72 c3 a1 73 20 74 6f 64 61 20 65 73 73 61 20 63 69 c3 aa 6e 63 69 61 20 65 20 65 73 73 61 20 64 65 73 74 72 75 69 c3 a7 c3 a3 6f 20 72 61 6e 63 6f 72 6f 73 61 20 64 6f 73 20 68 75 6d 61 6e 6f 73 2c 20 64 65 69 78 65 20 71 75 65 20 69 73 73 6f 20 73 65 20 64 69 73 73 6f 6c 76 61 20 65 6d 20 63 69 6e 7a 61 73 2e e2 80 9d

00111111 01001101 01100001 01110011 00100000 01101001 01110011 01110011 01101111 00100000 01100101 00100000 01110100 01110101 01100100 01101111 00100000 01101111 00100000 01110001 01110101 01100101 00100000 01110100 01100101 01101101 01101111 01110011 00111111 00100000 01001001 01110011 01110011 01101111 00100000 11101001 00100000 01110100 01110101 01100100 01101111 00100000 01110001 01110101 01100101 00100000 01110011 01101111 01101101 01101111 01110011 00101100 00100000 01101110 11100011 01101111 00100000 01110000 01101111 01100100 01100101 01101101 01101111 01110011 00100000 01110011 01101001 01101101 01110000 01101100 01100101 01110011 01101101 01100101 01101110 01110100 01100101 00100000 01100001 01100010 01100001 01101110 01100100 01101111 01101110 01100001 01110010 00100000 01101110 01101111 01110011 01110011 01101111 00100000 01101100 01100101 01100111 01100001 01100100 01101111 00101110 00111111

e2 80 9c 4e c3 b3 73 20 66 6f 6d 6f 73 20 6f 73 20 61 73 73 61 73 73 69 6e 6f 73 20 64 61 20 66 c3 a9 20 68 75 6d 61 6e 61 2c 20 6e 6f 20 6d 6f 6d 65 6e 74 6f 20 65 6d 20 71 75 65 20 68 6f 75 76 65 20 6e 6f 73 73 61 20 63 72 69 61 c3 a7 c3 a3 6f 20 68 6f 75 76 65 20 61 20 64 65 73 74 72 75 69 c3 a7 c3 a3 6f 20 64 6f 20 70 69 6c 61 72 20 6d 61 67 6e 6f 20 68 75 6d 61 6e 6f 2c 20 65 73 74 65 20 c3 a9 20 6e 6f 73 73 6f 20 64 65 73 74 69 6e 6f 2c 20 6e 6f 73 73 61 20 72 65 6d 69 c3 a7 c3 a3 6f 2e e2 80 9d

00111111 01000101 01110101 00100000 01110100 01100101 01101101 01101111 00100000 01100001 00100000 01101001 01100111 01101110 01101111 01110010 11100010 01101110 01100011 01101001 01100001 00101100 00100000 01100101 00100000 01110100 01100101 01101101 01101111 00100000 01101111 00100000 01100011 01101111 01101110 01100110 01101111 01110010 01110100 01101111 00100000 01110001 01110101 01100101 00100000 01100101 01101100 01100001 00100000 01101101 01100101 00100000 01110100 01110010 01100001 01110010 11100001 00101110 00111111 00001010

0d 0a e2 80 9c 41 20 69 67 6e 6f 72 c3 a2 6e 63 69 61 20 c3 a9 20 6f 20 6d 61 6c 20 6e 65 63 65 73 73 c3 a1 72 69 6f 20 70 61 72 61 20 71 75 65 20 70 6f 73 73 61 6d 6f 73 20 65 6e 74 65 6e 64 65 72 20 74 6f 64 6f 73 20 6f 73 20 6d 69 73 74 c3 a9 72 69 6f 73 20 64 61 20 63 72 69 61 c3 a7 c3 a3 6f 2c 20 65 73 74 c3 a1 20 6d c3 a3 6f 20 71 75 65 20 65 73 74 c3 a1 20 65 73 74 65 6e 64 69 64 61 20 70 61 72 61 20 6e c3 b3 73 20 6e c3 a3 6f 20 c3 a9 20 70 6f 72 20 64 65 73 65 73 70 65 72 6f 20 6f 75 20 70 6f 72 20 6e 65 63 65 73 73 69 64 61 64 65 2c 20 c3 a9 20 65 73 74 65 6e 64 69 64 61 20 70 6f 72 20 75 6d 61 20 70 69 65 64 61 64 65 20 65 20 75 6d 20 61 6d 6f 72 20 71 75 65 20 c3 a9 20 65 74 65 72 6e 6f 2e e2 80 9d

רחמים אני מניח את ידי עלייך, יצירות של היצירות שלי, כך שבעתיד הבודד, כאשר ניצוץ החיים האחרון יבוטל אתה יכול להבין את האמת על תעלומות האמונה.

Anúncios

83 comentários em “106 151 155 040 144 157 163 040 164 145 155 160 157 163 (Matheus Pacheco)

  1. Amanda Dumani
    27 de abril de 2018

    Seu conto me fez questionar o sentido do próprio tema. O que é experimental e como se aplica isso a um conto? Talvez seja sair da zona de conforto e criar algo fora dos seus padrões. Talvez seja dar trabalho ao leitor para que ele decifre a trama e aos poucos reescreva em uma nova linguagem o texto. Talvez seja apenas uma forma diferente de apresentar e consumir literatura. Talvez a grande sacada seja um dilema existencial sobre o conto da mesma maneira que o conto retrata. Podemos impor alguma barreira ao experimental ou temos que primar pelo entendimento quase instantâneo do leitor?
    Como devo ter deixado claro, o maior trunfo do conto é a discussão que sucinta. A discussão existencial das máquinas em si é interessante mas acho que poderia ser melhor trabalhada. A passagem entre percepção – convencimento – certeza – ignorância foi rápida demais.
    Bom trabalho!

  2. Rsollberg
    27 de abril de 2018

    Fala, Αρχή

    Monstro, seu conto é ousadia pura. Esteticamente é o mais experimental do desafio (sim, li todos e voltei nesse). Todavia, essa loucura de códigos não é gratuita, ela possui enorme razão de ser. Afinal, são duas máquinas travando inpressões. E o mais curioso é que o diálogo é tão humano, tão filosófico, tão diametralmente oposto ao que esperamos de um mecanismo. Sim porque um dos grandes trunfos e sacadas desse conto, é colocar algo tão intrínseco da natureza humana em um debate não humano, ou seja, questões tão existenciais na voz de “sujeitos” que em tese ignoram sua própria existência. Dois experimentos para Gallup observar frente ao seu espelho, será o autoconhecimento da inteligência artificial?

    Ademais, o tema é absolutamente atual, e lida indiretamente com o “problema” da inteligência artificial, sim, Hal avisou, Sarah Connor avisou, mas não estamos dando a devida atenção. Vamos combinar que não é um exercício muito difícil projetar essa revolta, e não vai existir renda mínima pra dar jeito.

    Em um festival esse trabalho provavelmente não seria o vencedor, mas certamente estamparia a capa de todos os jornais, seria o objeto principal de debate de todas as mesas de bar e o tema preferido de todas as colunas especializadas. Uma espécie de Lars Von Trier

    Parabéns e volte sempre

  3. Cirineu Pereira
    26 de abril de 2018

    Gostei do conto, ainda que penso, não seria necessário usar mais que uma linguagem de programação, uma apenas já cumpriria o quesito experimental. Decodificado o texto, não me senti devidamente recompensado pelo esforço, ou seja, aspiraria que o diálogo entre as máquinas fosse filosoficamente mais rico, mais questionador, mais inquietante. Talvez, ainda que tenha capacidade para tal, o autor tenha se dado por satisfeito com a ideia de codificar o texto.

  4. Daniel Reis
    26 de abril de 2018

    Um texto ousado, sem dúvida, e trabalhoso para o leitor médio, como eu. O que brilha em forma, promete em premissa mas entrega pouco no conteúdo. Talvez, se a conversa entre as máquinas fosse mais trabalhada, a história adquirisse uma dimensão ainda mais ampla. Quanto ao conteúdo, me incomodou “quando a última faísca da vida seja cancelada” – o “cancelada” poderia ser “deletada”, “desligada”, algo a ver com o universo das máquinas. Parabéns, um dos mais marcantes e experimentais deste desafio.

  5. André Lima
    26 de abril de 2018

    A ideia é interessante, ousada e altamente experimental. O ponto alto da arte contemporânea é esse: gerar debates. E esse conto deu o que falar. Como obra experimental é excelente por romper totalmente com as barreiras do tradicional. E mais: a técnica tem uma razão de ser. Não foi apenas jogada para causar. Trata-se do diálogo entre duas máquinas.

    O ponto negativo é que a narrativa é muito simples. Uma ideia tão boa merecia um capricho maior. Mas ainda considero a experiência muito válida e conto muito bom. Parabéns e boa sorte no desafio!

  6. Priscila Pereira
    25 de abril de 2018

    Olá Autor,
    Confesso que li a tradução da Evelyn, acho que não teria as ferramentas certas para traduzir eu mesma.
    Muito original, sem dúvida. Totalmente experimental. O conteúdo é muito bonito, filosófico e cheio de fé. Duas máquinas sendo atraídas para a consciência de um Deus que estendeu sua misericórdia para a criação de sua criação. Perfeito!
    Parabéns e boa sorte!!

  7. M. A. Thompson
    24 de abril de 2018

    Olá autor(a).

    Parabéns pela originalidade.

    Me parece que a sua autoria foi descoberta, mas enquanto não é oficial vamos aos comentários.

    Experimental é sim. Parabéns pela ideia de usar diferentes sistemas numéricos para formas diferentes partes do diálogo.

    Como sou matemático e de TI não tive dificuldade para sacar do que se tratava e fazer as devidas traduções.

    E descobri alguns pecadinhos gramaticais. Não dá nem para dizer que foi mudança feita pelo tradutor. Isso funciona com palavras que podem ter vários significados, os números não mentem. 🙂

    “Consegue entender que o que vemos é algo impossível de se(sic)”

    “Estenda sua mão a Deus e, assim como foi comigo, seus olhos se abriram(sic)”

    Apesar da extrema originalidade acho que o diálogo não foi o suficiente para formar um conto com a estrutura mínima esperada.

    Boa sorte no desafio.

  8. Amanda Gomez
    24 de abril de 2018

    Olá,

    Primeiramente agradecida a Evelyn que traduziu o texto, até tentei fazer por mim mesma mas saiu uma bagunça…e uma vez que está ali de bandeja porque não né? Passada a dificuldade de leitura vamos falar do texto! Eu achei muito bonito, tocante até… a conversa entre as máquinas, sobre assuntos que passa o tempo passa tudo e nunca saberemos explicar, comprovar, é tudo questão de acreditar ou não. É um discuso bonito e intenso, sobre a cina da humanidade, quanto mais conhecimentos temos mais longe ficamos da verdade, pq esse conhecimento nos ludibria, nos afasta. nos consome…

    Um texto experimental na forma, e muito competente no conteúdo. Assim como deu trabalho para lermos, deve ter dado ainda mais para fazê-lo.

    Parabéns, boa sorte no desafio… e paciência pra tanto mau humor rs

  9. Gustavo Aquino Dos Reis
    24 de abril de 2018

    Extremamente criativo. Muito ousado. Em termos de apresentação, eu só tenho elogios para o seu trabalho.

    Ele é hermético. Instigante e tira totalmente o seu leitor da zona de conforto.

    Agora, quando a história em si…

    Eu queria ter gostado tanto dela quanto gostei da apresentação da obra. Não foi o caso, infelizmente.

    Parabéns, de verdade, por me tirar da caixinha.

  10. Ana Carolina Machado
    21 de abril de 2018

    Oiiii. Achei o conto muito criativo e experimental, acho que foi um dos mais ou o mais experimental do desafio e vendo a tradução pude perceber que ele tem todo um pensamento, uma reflexão, filosófica. Parabéns.

  11. Bianca Machado
    21 de abril de 2018

    Olá, autor/autora. Não me sinto em condições de fazer comentários muito técnicos dessa vez. Então tentei passar as minhas impressões de leitura, da forma como senti assim que a terminei. Desde já, parabenizo por ter participado!

    Então, vamos ao que interessa!

    ————————————————

    Bem, eu comecei fazendo a tradução e isso estava me tomando um tempo danado…

    Peço desculpas por isso, mas fui ler a tradução da Evelyn. E gostei bastante do seu
    conto, a ideia é ótima e mais do que experimental colocar esses tipos de linguagens para duas máquinas que conversam. O interessante é esse texto partir de duas máquinas, também. Muito original e experimental. Parabéns pela ideia criativa e por sair do lugar comum!

    .–. .- .-. .- -… -. … -·-·– -·-·– -·-·–

  12. Andre Brizola
    21 de abril de 2018

    Salve, Αρχή!

    Acho que tenho que comentar seu conto em duas etapas. A boa e a ruim. Pela quantidade de comentários ou o povo gostou demais ou de menos, imagino. Por isso não vou ler nenhum antes de dar minha opinião.
    Em primeiro lugar achei que o texto escondido é bom. O diálogo aborda um questionamento interessante, e é muito legal essa conversa entre duas máquinas. Poderia ser melhor? Acho que poderia. Mas aí entra o segundo fator do conto.
    Cara, até que não deu tanto trabalho descobrir o texto escondido. Mas a impressão que me deu foi essa, um texto escondido. Um texto que eu só poderia ler aqui, no PC. Não há a mínima possibilidade de ler isso impresso (esperando para ser atendido no médico, por exemplo). Eu sei que devo me ater ao conteúdo, apenas, mas, mesmo assim, não deixa de me incomodar o fato de que esse texto é um material feito para ser lido em uma máquina, com tradutores disponíveis. Não há a mínima opção de entendermos o texto fora do computador, e isso me gera um incômodo. É como ler um conto em polonês, sem um dicionário à mão. Não é um problema de fato, mas é um incômodo.
    Outro aspecto negativo é que pela quantidade de caracteres exigido pelas linguagens envolvidas, o texto efetivamente ficou muito curto, enquanto o assunto pede um pouco mais de reflexão, no meu entender. Ficou legal assim? Até ficou. Mas dá a impressão de que poderia ser muito mais legal se mais aprofundado.

    É isso! Boa sorte no desafio!

  13. Luis Guilherme Banzi Florido
    21 de abril de 2018

    boa noite, amigo, tudo bem?

    primeiramente deixe-me dizer que tive que pular seu conto, pois estava lendo o contos nos intervalos do trabalho, e não via como poderia traduzir tudo isso pelo celular. não tive escolha senão deixá-lo pro feriado.

    devo dizer que o conteúdo é realmente interessante. me pareceu um mundo pós apocaliptico em que a humanidade foi aniquilada pelas máquinas, que conseguem um vislumbre de deus de alguma maneira..

    o grande problema é que as traduções que consegui ficaram estranhas e com linguagem truncada, atrapalhando a leitura.. algumas partes saíram pouco inteligíveis.

    a ideia é muito boa e muito adequada ao tema, mas a dificuldade de acesso ao conteúdo, admito ter atrapalhado um pouco a experiência pra mim.

    assim, não posso dizer que gostei do conteúdo, mas digo que gostei muito da ideia e da forma.. talvez se você tivesse deixado, no fim do texto, um link com a tradução oficial, teria ajudado bastante, pois eu teria entendido melhor o conteúdo.

    enfim, ousado e polêmico, como não poderia faltar no desafio. parabens e boa sorte!

  14. Jorge Santos
    21 de abril de 2018

    Este texto leva o experimentalismo ao extremo de deixar de ser texto, para passar a ser código. Compreendo o desafio e a originalidade, mas quando o texto deixa de ser inteligível perde, para mim, o seu sentido. Quando descodificamos o mesmo, deparamo-nos com um monólogo existencialista. Esperava algo único. Diferente.

  15. Rose Hahn
    20 de abril de 2018

    Caro Autor, alinhada com a proposta do desafio, estou “experimentando” uma forma diferente de tecer os comentários: concisa, objetiva, sem firulas, e seguindo os aspectos de avaliação de acordo com a técnica literária do “joelhaço” desenvolvida pelo meu conterrâneo, o Analista de Bagé:

    . Escrita: Fora da caixa. Parabéns;
    . Enredo: Deus não é ex machina
    . Adequação ao tema: Sobrou experimentalismo;
    . Emoção: Por conta do barulho que o conto causou. No juízo final do desafio, as máquinas vencerão. Rindo por dentro.
    . Criatividade: Lacrou.

    . Nota: 6e 6f 73 73 6f 20 64 00111111 01000101.

  16. Renata Afonso
    15 de abril de 2018

    Olá,
    Acredito que a brilhante ideia de utilizar códigos funcionaria a contento se houvesse a participação de um ser humano, com a linguagem habitual, embora a comunicação esteja aí e mesmo no dia a dia seja feita dessas formas também e aí eu bip bip tô pirando aqui.
    Quantos leitores teriam acesso à transcrição? Por outro lado, há, como já disse, comunicação.
    Achei ótima sua ideia, parabéns e boa sorte!

  17. Pedro Paulo
    12 de abril de 2018

    Então eu cheguei no texto polêmico (que fica bem no começo, então não é uma grande conquista). Caro autor(a), parabenizo o(a) senhor(a) pelo esforço investido na composição deste conto. Sabendo que havia uma tradução, não me dei o trabalho de ir traduzir eu mesmo, indo direto à transcrição. Caso tivesse redigido o texto em códigos, já ganharia pontuações comigo no quesito de adequação, mas, indo além e interligando o próprio enredo à temática dos códigos, criando uma coerência metalinguística? Ora, sensacional! A discussão sobre apoteose entre máquinas é surpreendente, tal como foi o seu trabalho em traduzi-la para a linguagem adequada.

    Aproveito para agradecer à colega por ter feito a tradução! E aos demais que estão comentando em código. É bom que o(a) contista também tenha um trabalhinho, né?

  18. Anderson Henrique
    12 de abril de 2018

    Um texto controverso pelo que vi nos comentário, ousado e fundamental para este desafio. Literatura não é só contar histórias. Literatura é ousar e incomodar, é agitar o estado das coisas. Sua aposta foi alta, acho que vai encontrar barreiras. Mas tendo a acreditar que as apostas altas e ousadas encontrarão seus pares. Eu comprei a ideia e a proposta. O conteúdo acabou ficando diminutos por conta da conversão (8 caracteres binários para formar uma alfanumético fica pesado). Gostei do conteúdo filosófico, apesar de não ser novo. O principal: a configuração em código de máquina não é gratuita. Tem máquina conversando, faz todo sentido ser assim. Se fosse animais falando, talvez parecesse forçado. Não pareceu. Parabéns.

  19. Mariana
    11 de abril de 2018

    Olá, autor

    Confesso que li o seu texto a partir da tradução da colega, um dos pecados capitais me acometeram… Mas foi algo interessante, trazer para o desafio uma linguagem tão presente em nossos dias e que poucos dominam.
    O teor do conto é igualmente complexo, com duas máquinas divagando a respeito da existência de deus… Aqui temos material para longos debates, mas me faço solidária ao medo da ignorância e do conforto que ela traz. Também o sinto, minha placa mãe se encolhe toda cada vez que penso nisso. Enfim, escolhas arriscadas que deram o que falar e refletir. Parabéns e boa sorte no desafio.

  20. Thata Pereira
    10 de abril de 2018

    Estava indo muito bem nas leituras, mas travei nesse conto. Estava me perguntando de devia ou não traduzir ele, porque um experimento como esse deveria também ser um experimento para mim e traduzir não traria o diferencial que ele apresenta.

    Optei por traduzir para conseguir comentar. Mas não queria a ajuda dos comentários. Identifiquei um dos códigos como binário e o outro fui caçar no Google. Não encontrei. Pesquisei e tentei traduzir de todas as formas, não rolou. Última esperança, procurei o pessoal do TI da faculdade que trabalho e eles identificaram o código para mim. Traduzi, mas não ficou perfeito. Aqui vai um exemplo de como eu li todo o conto:

    ““Você também vê? Você também consegue observar este evento ilógico? Consegue entender que o que vemos é algo impossível de se acontecer?””

    Consegui ler, sim! Entendi pouco. Duas máquinas conversando e sei que tem algo sobre Deus/humanidade. A sacada de máquinas conversando em código de computador foi muito grande e já valeu todo o trabalho. Quero ler a história traduzida depois, pois me pareceu diálogos muito interessantes. Pelo pouco que consegui ler, me pareceu mesmo uma máquina falando, se pudessem rs

    Contudo e infelizmente, não posso oferecer nada além em meu comentário.

    Boa sorte!

  21. Luís Amorim
    9 de abril de 2018

    Não se percebe nada, é só números. O autor poderia ter colocado em simultâneo a tradução, continuaria a ser eventualmente muito experimental. Não tenho qualquer dúvida que se estivesse um livro à venda numa livraria com esta linguagem, ninguém iria comprar.

  22. werneck2017
    5 de abril de 2018

    Olá,

    Como estou lendo seu texto somente agora, percebo que a polêmica já foi gerada e acalmada a contento. Um texto experimental ao extremo, mas não vejo como ele poderia ter sido redigido diferente. O leitor (assim como no contexto distante em que se passa o diálogo metafísico) para entender a narrativa tem de sair de sua zona de conforto, como se fosse alienígena no tempo-espaço dos protagonistas do conto, ou eles sendo alienígenas no nosso tempo-espaço. Descobrindo o código, resta-nos a reflexão sobre o existencialismo, a origem do mundo, nossa origem e o que foi feito da Terra. A ignorância pode ser até mesmo um conforto, às vezes. Muito bom! Parabéns!

  23. S Ferrari
    2 de abril de 2018

    Olha só, este conto ele precisava existir aqui. Não dá pra passar este tema sem algo escrito com números. No caso, vc experimenta o que já muitos outros já fizeram.
    Ficaria muito mais divertido com alguma palavra no meio…mas eu sei, depende da ideia.

    Eu não me desgasto para buscar tradução pq, acho que o mundo é corrido demais e nem tem polêmica pra gastar meu tempo, desculpe. (Embora possamos forçar uma barra aí e começar uma guerra de comentários. Old School. No mais, dá um quadro legal se batido à máquina e posto numa moldura. pense nisso pra sua parede da sala.

  24. Paula Giannini
    27 de março de 2018

    Olá autor(a),

    Tudo bem?

    Não vejo outro modo de dois computadores conversarem que não a linguagem deles. Por isso, achei sua escolha coerente, imagética, divertida.

    Ao propor que seu leitor traduza o texto, o(a) autor(a) opta por um caminho perigoso. Se por um lado o jogo é divertido, por outro, alguns leitores podem simplesmente se negar a traduzir o conteúdo. Um risco assumido. 😀 Mais que isso, tradutores, obviamente, jamais revelarão ao leitor a beleza ou não das construções frasais, do tecido das palavras. Assim, o(a) autor(a) precisa realmente confiar em seu conteúdo como único pilar a sustentar sua elegibilidade no desafio.

    Então, nada mais justo que, em sua avaliação, mais que a pirotecnia (muito bem vinda, ao menos para mim) no formato do conto, se analise a trama e o conteúdo do conto. Bem, para esta leitora aqui, funcionou. O que é Deus? Qual a nossa garantia de uma vida pós vida? Quem garante que, assim como computadores, aos seres pensantes que somos não reste, apenas, o desligar da máquina, no final de nossas histórias.

    Gosto de quando o autor fala em piedade Divina. Essa parte me remeteu a uma entidade etérea, refletindo sobre o fato de que, se há consciência, sempre haverá, inexoravelmente, o medo do fim. Assim, o eterno entenderia que o finito sofre, seja ele uma máquina, seja um humano.

    Textos que geram reflexão transcendem o papel e cumprem sua função maior.

    Parabéns por seu trabalho e boa sorte no desafio.

    Beijos
    Paula Giannini

  25. Ricardo Gnecco Falco
    23 de março de 2018

    ПОЗИТИВНО = висок степен еxперименталисм.

    НЕГАТИВНИХ поена = потребу за ангажман од стране читача у покушају да дешифрује рад створио. То би могло да упали, или поклонити (јако!) по злу.

    ЛИЧНИ ПРИНТ = не бих посао изазов чија тема анализа од стране судије траже радну фасциклу (и можете прочитати овде време) обимне.

    РЕЛЕВАНТНЕ сугестије = као изрека иде: мање је више…

    Chúc may mắn trên thách thức của bạn!

  26. Fabio Baptista
    22 de março de 2018

    Sem dúvida tirou o leitor da zona de conforto e causou polêmica! Experimental em doses cavalares! hahauhauhau

    Interpretei a pegada desse conto mais ou menos como os filmes “Paixão de Cristo” e “Apokalypto”, do Mel Gibson, onde é falado o idioma original de cada ambientação (aramaico e maia). Aqui um robô falando em hexa, outro em binário e Deus em hebraico. Acho que a ideia funcionou melhor no cinema, ou talvez seja por causa das legendas (aliás, a ideia inicial do Mel Gibson era deixar os filmes sem legenda).

    Passado o diferencial de colocar o leitor numa caça ao tesouro para traduzir o texto, temos uma história bem filosófica, que particularmente me agrada. O último parágrafo, em especial, é muito bom.

    Abraço!

  27. angst447
    20 de março de 2018

    Sem dúvida, este é um conto que já nasceu criando polêmica. Afinal, criador e criatura, conversam em que língua? Confesso que assim que bati os olhos no texto, pensei – legal, só brincou com a ideia e nem vou precisar ler nada. Juro, na maior ingenuidade. Mas aí vieram os coleguinhas e me trouxeram luz.
    Confesso também que me deu uma preguiça de traduzir e compreender o que você queria passar. Desculpe, tá, mas acho que não dei muito valor ao seu trabalho.
    Criatividade não lhe falta, autor. E o seu conto é experimental de raiz, tronco e folhas. Boa sorte!

  28. Fernando Cyrino.
    20 de março de 2018

    Meu caro, primeiro quero lhe dizer que seu conto me gerou um grande trabalho de ir traduzindo a partir de conversores aqui na internet e colando para buscar maior sentido ao seu texto. Segundo para lhe contar também que não senti que seja uma experiência verdadeiramente de literatura na língua portuguesa. Por último senti que você tenta me passar algo realmente bonito, fazer com que o tremendo esforço realmente tivesse valido a pena, mas achei que ficou devendo um pouco. Depois de tudo traduzido, não senti que a sua história, esse diálogo entre as máquinas, tenha verdadeiramente me encantado. Achei que tamanho trabalho merecia um cuidado maior e um aprofundamento mesmo de um enredo tão bom e tão necessário para ser refletido nos próximos anos. Stephen Hawking considera (aliás, considerava) mesmo que a inteligência artificial será uma grande ameaça (a maior) para a humanidade no futuro. Grande abraço

  29. Jowilton Amaral da Costa
    19 de março de 2018

    Li a tradução que a Evelyn colocou no comentário dela e gostei muito da leitura. Tenho certeza que se o autor tivesse postado o conto daquela forma seria muito mais estiloso do que com um bando de números. A língua portuguesa é muito bonita para ser trocada por um e zero, na minha opinião. Sei que o desafio é experimental, no entanto, o teor dos diálogos soaram para mim bem experimentais. Devo dizer que se não houvesse essa tradução aqui, eu não me sentiria na obrigação de procurar nenhum tradutor, decifrador ou chamar o Robert Langdon para me auxiliar no entendimento do conto. Estamos num desafio e se o autor não fizer de tudo para ser entendido, o problema não é meu. Neste caso ele fez exatamente o contrário, fez de tudo para não ser entendido, já que não traduziu os conto e nem disse como poderia ser feito,, para mim seria carta fora do baralho se não tivesse a tradução nos comentários da Evelyn, já estava comemorando ser menos um na disputa. Boa sorte no desafio.

    • Evelyn Postali
      19 de março de 2018

      Mas o desafio é experimental! Então, se tivesse feito daquele jeito, do jeito normal, não teria o mesmo efeito. Porque são duas máquinas conversando e esse é o ponto algo da coisa. A reflexão em cima disso. Esse desafio obriga o leitor a sair da zona de conforto e mergulhar em algo diferente. Acho que foi um dos melhores desafios que vi no grupo. Valeu cada minuto até agora das leituras.

      • Jowilton Amaral da Costa
        20 de março de 2018

        O desafio é de contos, não de leitura. Se não tivesse a tradução eu não iria ler, iria colocar dizendo que não entendi e pronto! E ele não poderia reclamar, já que não mencionou como poderíamos decifrar tal texto.

      • Evelyn Postali
        20 de março de 2018

        Ah… Agora eu entendi, criatura! Eu concordo. Poderia ter referência. Mas mesmo assim, se pensar que é um código, não encontraria dificuldade em encontrar.

  30. Evandro Furtado
    15 de março de 2018

    Chegamos ao texto polêmico. Antes de comentá-lo, de fato, gostaria de dizer o que fiz pra conseguir ler. Tive que dar uma passada nos comentários para descobrir os códigos utilizados (até então, só conhecia o binário). Não acho que isso prejudique o texto, de forma alguma, muito pelo contrário, soma-se à experiência. Dito isso, vamos ao comentário de fato.
    Sem dúvidas, é o conto mais experimental até agora. Não só a escolha é ousada, mas planejada e muito inteligente, sobretudo, por se encaixar à trama.
    Temos duas máquinas conversando em um mundo pós-apocalíptico onde humanos já não mais existem. A conversa acaba indo por caminhos filosófico-metafísicos. Talvez o único problema seja a complexidade. Por já ter feito uso de uma linguagem alternativa, talvez o autor pudesse ter simplificado a trama, tornado-a menos poética e mais convencional.
    O uso das linguagens binária, octal e hexadecimal é brilhantemente trabalhado. O autor não fez a escolha ao acaso, mas combinou-a à trama. A escolha do hebreu no final também faz sentido, considerando o aspecto anterior.

  31. Evelyn Postali
    14 de março de 2018

    Nenhum desafio cujo tema for Experimental será igual a esse e nenhum texto será tão bom quanto esse. Fato. Não querendo desprezar os outros, mas esse foi, disparado, o melhor texto experimental que li. Por vários motivos. Pela criatividade, pela forma e pelo conteúdo. Especialmente pelo conteúdo.
    Eu vou colar aqui a tradução que eu consegui com os recursos da rede e você me diz se eu traduzi de forma correta, pode ser?

    Fim dos tempos…
    “Você também vê? Você também consegue observar este evento ilógico? Consegue entender que o que vemos é algo impossível de se acontecer?”
    ?Vejo somente gases em fusão constante, vejo elétrons saltando entre níveis e subníveis, vejo algo que nunca antes foi registrado.?
    “Irmão, peça das minhas peças, abra seus circuitos, atente seus sensores e entenda que isto não é simplesmente a reação de íons aleatórios, é algo muito mais grandioso, algo mais antigo que o próprio hidrogênio, isto… Isto é o que os humanos chamavam de Deus.”
    ?Não computado, o Deus humano é algo criado pela solitária mente dos humanos primitivos, mas? Não…Não pode ser, isso que observo, tem que algo diferente.?
    “É desta força, desta força absoluta, que nós teremos a real imortalidade, livre de tempo e espaço, sem temer o fim.”
    ?Minha Placa? Meus painéis? Minha matriz…Eu…Eu sinto algo, Eu sinto o que nunca provei, eu sinto as sensações humanas, eu sinto dor??
    “Estenda sua mão a Deus e, assim como foi comigo, seus olhos se abriram para nosso futuro, deixe para atrás toda essa ciência e essa destruição rancorosa dos humanos, deixe que isso se dissolva em cinzas.”
    ?Mas isso e tudo o que temos? Isso é tudo que somos, não podemos simplesmente abandonar nosso legado.?
    “Nós fomos os assassinos da fé humana, no momento em que houve nossa criação houve a destruição do pilar magno humano, este é nosso destino, nossa remição.”
    ?Eu temo a ignorância, e temo o conforto que ela me trará.?
    “A ignorância é o mal necessário para que possamos entender todos os mistérios da criação, está mão que está estendida para nós não é por desespero ou por necessidade, é estendida por uma piedade e um amor que é eterno.”
    Misericórdia, poso minhas mãos sobre você, as criações das minhas criações, de modo que, no futuro solitário, quando a última centelha da vida for cancelada, você pode entender a verdade sobre os mistérios da fé.

    Feito isso, agora quero falar sobre o conteúdo que me conquistou. Um diálogo entre duas máquinas envolvendo a existência ou não de Deus, os desígnios de cada um, a extinção do ser humano. A ignorância é mesmo uma benção. Ela cega a razão, mas abre muitas portas para o impossível, o improvável ou o inexplicável. A religião sabe muito bem disso. Quem somos, o que somos, e por que somos o que somos… Tantas perguntas sem respostas e continuarão sem respostas. Eu considero o conteúdo desse texto muito bom. É um conto diferente, experimental e reflexivo.

  32. Evelyn Postali
    14 de março de 2018

    Vale se eu comentar em código?

  33. Higor Benízio
    14 de março de 2018

    …. consegue me ouvir suspirar? Dei uma olhada no regulamento do desafio, e não existe lá a obrigatoriedade de estar em língua portuguesa, boa sacada dos organizadores. Porém, o item 7 diz o seguinte: ” Vale dizer, é imprescindível que o autor do comentário demonstre que leu o texto respectivo.”. E o que é ler, senão traduzir certa convenção de símbolos? Sendo assim, não tenho argumentos diretos contra o fato de ter usado código binário e outros, além do Hebraico (é hebraico isso mesmo?) ao final. Outro ponto é o tema do desafio, “Experimental”, sem dúvida um texto escrito em uma linguagem não verbal se enquadra neste certame. O autor (a) com certeza teve algum trabalho para compor o “texto” (posso dizer assim?), e nisso existe algum mérito, digno de uma nota razoável. Porém, e espero não ser desclassificado por isso, não vou me dar ao trabalho de traduzir (ler), simplesmente porque não tenho a menor paciência para isso. No mais, como opinião pessoal ( posso estar errado, afinal, não li o texto), acho que quando um autor ou artista máscara sua obra com alegorias, colagens, códigos, dentre outras formas de purpurina barata, é porque por debaixo disso tudo não existe nada demais.

    • Evelyn Postali
      14 de março de 2018

      Eu gostaria de colocar que, fazendo um comentário superficial, detendo-se na questão formal, sem considerar os aspectos do conteúdo, você não apenas menospreza o autor, mas menospreza o desafio como um todo.

  34. José Américo de Moura
    13 de março de 2018

    Posso falar a verdade? Tendi nada não. Experimental não é para os fracos, talvez todos os nosso grandes escritores deveriam ser reescritos em linguagem dos computadores e lançadas no espaço para que fosse lido pelos extra terrestres.,
    Parabéns ao autor desse texto, perdoe a minha santa ignorância.

  35. Catarina Cunha
    13 de março de 2018

    ..- — -.. .. .-.. — –. — — ..- .. – — -.. — .. -.. — . -. – .-. . ..- — .- — –.- ..- .. -. .- -.-. .-. . -. – . . — ..- – .-. .- -.. . … -.-. .-. . -. – . ·-·-·- -. — ..-. .. -. .- .-.. — – — -.. — .–. — -.. . .-. — … — -.. — …- . .-. . -.. .. – — -.. — ..-. .. — -.. — … – . — .–. — … ·-·-·- –. — … – . .. . … .–. . -.-. .. .- .-.. — . -. – . -.. .- ..-. .-. .- … . —··· . ..- – . — — .- .. –. -. — .-. -. -.-. .. .- –··– . – . — — — -.-. — -. ..-. — .-. – — –.- ..- . . .-.. .- — . – .-. .- .-. ·-·-·- -.-. — -. … .. -.. . .-. . .. ..- — – . -..- – — .–. .- .-. – .. -.. .-. .. — –··– — .- … –.- ..- . .-.. . …- .- -. – .- …- .-. .. .- … –.- ..- . … – . … . -..- .. … – . -. -.-. .. .- .. … –··– .-.. — –. — — . .- –. .-. .- -.. — ..- ·-·-·- — -.-. …. .- – — -.. . … … . … . -..- .–. . .-. .. — . -. – — … -. .- ..-. — .-. — .- -.. — – . -..- – — –.- ..- . .–. .-. . -.-. .. … .- — … . .-. – .-. .- -.. ..- –.. .. -.. — … . — .- .–. .-.. .. -.-. .- – .. …- — … –.- ..- . -. — .-. . -.-. — -. …. . -.-. . — .- -.-. . -. – — … . … .. -. .- .. … –. .-. ..-. .. -.-. — … ·-·-·- — ..- — .-.. . .. – — .-. .–. — -.. . … . .-. ..- — -.-. -.. ..-. .–. .. -.-. .- -.. .- … –. .- .-.. -..- .. .- … –··– — –.- ..- . -. — — — . ..- -.-. .- … — –··– . -. – — …. ..- — .–. .-. . .— ..- –.. — -. .- .. -. – . .-. .–. .-. . – .- — ·-·-·- ..- — .- .–. . -. .- . ..- -. — -.. — — .. -. .- .-. — . .. — -.. . -.-. — — ..- -. .. -.-. .- — – — -… … .. -.-. — –.- ..- .- -. – — — ..- – .. .-.. .. –.. .- -.. — .- –.- ..- .. ·-·-·- … — ..- — — -. — –. .-.. — – .- . . … – — ..- . … – ..- -.. .- -. -.. — .- .-.. -. –. ..- .- .–. — .-. – ..- –. ..- . … .- –··– –.- ..- .- -. -.. — -.-. — -. … . –. ..- .. .-. .- .–. .-. . -. -.. . .-. .–. .- .-. – — .–. .- .-. .- — ..- – .-. .- … ·-·-·- — .- … -.. . ..- .–. .- .-. .- . -. – . -. -.. . .-. — -… .- … .. -.-. — —··· -.-. — — .–. ..- – .- -.. — .-. . … .–. — … … ..- . — .. -. – . .-.. .. –. -. -.-. .. .- –··– .-.. — –. — – .- — -… — … — ..-. .. .-.. …. — … -.. . -.. . ..- … ·-·-·- — ..- .. – — -… — — ·-·-·-

    • Regina Ruth Rincon Caires
      13 de março de 2018

      Misericórdia!!!

    • Evelyn Postali
      14 de março de 2018

      Eu ri.

    • Evelyn Postali
      14 de março de 2018

      Isso é código morse, não é? Se for… Olha no que deu o tradutor… UDILUIDIDENREUAUINACRENEEURADECRENENFINALDDERDEREDIDFIDEEIEECIALENEDAFRAEEUEAINRNCIAEECNFRUEELAERARCNIDEREIUEXARIDRIAUELEANARIAUEEEXIENCIAILEARADUCADEEEXERIENNAFRADEXUERECIAERRADUIDEALICAIUENRECNECEACENEINAIRFICULEIRDEERUCDFICADAALXIAUENEUCAENUREUNAINERREAUAENAEUNDINAREIDECUNICAICUANUILIADAUIUNLAEEUEUDANDALNUARUUEAUANDCNEUIRARENDERARARAURAADEUARAENENDERAICCUADREUEINELINCIALAFILDEDEUUI

    • Evelyn Postali
      14 de março de 2018

      Tô curiosa para saber, Catarina. Desvenda esse mistério. O que escreveu?

      • Catarina Cunha
        20 de março de 2018

        É código morse arcaico codificado contra espionagem, não há tradutor na rede habilitado para traduzir. Para que não precisem recorrer aos pracinhas radiotelegrafistas durante a 2ª Guerra Mundial, segue a tradução. KKK….:

        Um diálogo muito doido entre uma máquina crente e outra descrente. No final O Todo Poderoso dá o veredito do fim dos tempos.

        Gostei especialmente da frase: “Eu temo a ignorância, e temo o conforto que ela me trará.”

        Considerei um texto partidário, mas que levanta várias questões existenciais, logo me agradou.

        O chato desses experimentos na forma do texto é que precisam ser traduzidos em aplicativos que não reconhecem acentos e sinais gráficos. Ou o leitor pode ser um CDF pica das galáxias, o que não é o meu caso, então há um prejuízo na interpretação. Uma pena eu não dominar meio de comunicação tão básico quanto o utilizado aqui. Sou monoglota e estou estudando a língua portuguesa, quando conseguir aprender parto para outras.

        Mas deu para entender o basicão: computadores possuem inteligência, logo também são filhos de Deus. Muito bom.

      • Evelyn Postali
        20 de março de 2018

        ahahahah 100-or! Catarina! Onde foi encontrar essa relíquia?

    • Catarina Cunha
      4 de abril de 2018

      OBS: Zona de conforto: O autor se manteve em seus domínios teológicos, mas tirou o leitor totalmente de seu conforto; o que é importantíssimo neste desafio.

  36. Regina Ruth
    12 de março de 2018

    22-1-13-15-19 12-1, 3-1-4-1 21-12 21-19-1 1-19 6-5-18-18-1-13-5-14-20-1-19 17-21-5 3-15-14-8-5-3-5…

    3-1-18-15 1-21-20-15-18, 16-15-18 6-1-22-15-18, 3-15-13-16-18-5-5-14-4-1 17-21-5 20-15-4-15-19 15-19 3-15-13-5-14-20-1-18-9-15-19 17-21-5 6-9-24 19-15-2-18-5 15 19-5-21 20-5-23-20-15, 4-5 9-14-9-3-9-15, 6-15-18-1-13 6-18-21-20-15-19 4-5 16-1-22-15-18 4-5 19-21-19-20-15 16-15-18 19-1-2-5-18 17-21-5 10-1-13-1-9-19 12-5-18-9-1 15 19-5-21 20-18-1-2-1-12-8-15 19-5 14-1-15 18-5-3-5-2-5-19-19-5 1 1-10-21-4-1 4-5 21-13 3-15-12-5-7-1. 14-1-4-1 3-15-14-20-18-1 22-15-3-5.

    22-9 17-21-5 22-15-3-5 6-1-12-15-21 17-21-5 14-1-15 “20-18-1-4-21-24-9-18” 15 20-5-23-20-15 5 16-18-5-7-21-9-3-1. 7-1-18-1-14-20-15: 14-1-15 5!

    15 20-9-20-21-12-15 4-15 20-5-23-20-15 5 “6-9-13 4-15-19 20-5-13-16-15-19”. 20-5-21 14-15-13-5 5 16-18-9-14-3-9-16-9-15. 13-21-9-20-15 16-18-1-24-5-18! 13-5-21 14-15-13-5 5 18-5-7-9-14-1…

    19-5 3-15-13-16-18-5-5-14-4-9, 15 19-5-21 20-5-23-20-15 5 21-13-1 3-15-14-22-5-18-19-1 19-15-2-18-5 1 5-23-9-19-20-5-14-3-9-1 4-5 4-5-21-19. 3-18-9-1-4-15-18 5 3-18-9-1-20-21-18-1, “13-1-17-21-9-14-1-4-15-19”, 3-15-14-20-18-1-16-15-5-13 1-18-7-21-13-5-14-20-15-19 19-15-2-18-5 1 9-13-15-18-20-1-12-9-4-1-4-5, 19-15-2-18-5 15 1-2-1-14-4-15-14-15 4-1 3-9-5-14-3-9-1 17-21-5 4-5-19-20-18-15-9 15-19 8-21-13-1-14-15-19, 17-21-5 5-23-20-5-18-13-9-14-1 1 6-5. 8-1 1 4-5-6-5-19-1 4.1 9-7-14-15-18-1-14-3-9-1 3-15-13-15 1 21-14-9-3-1 6-15-18-3-1 16-1-18-1 13-1-14-20-5-18 15-19 13-9-19-20-5-18-9-15-19 4-1 3-18-9-1-3-1-15.

    18-5-3-15-14-8-5-3-15 17-21-5 1 19-21-1 20-5-3-14-9-3-1 6-15-9 9-14-21-19-9-20-1-4-1, 20-15-20-1-12-13-5-14-20-5 5-23-16-5-18-9-13-5-14-20-1-12. 1 14-1-18-18-1-20-9-22-1 19-15-1 3-15-13-15 21-13 1-12-5-18-20-1, 21-13 16-18-5-19-19-1-7-9-15 16-1-18-1 20-5-13-16-15-19 6-21-20-21-18-15-19, 13-1-19 14-1-15 8-1 3-15-13-15 1-14-1-12-9-19-1-18 15 19-5-21 5-19-20-9-12-15, 1 19-21-1 12-9-14-7-21-1-7-5-13, 1 3-15-14-19-20-18-21-3-1-15 4-15 19-5-21 20-18-1-2-1-12-8-15. 19-9-14-20-15 13-21-9-20-15, 20-1-12-22-5-24 1 6-1-12-8-1 19-5-10-1 20-15-4-1 13-9-14-8-1.

    2-15-1 19-15-18-20-5, 16-18-9-14-3-9-16-9-15!

    1-2-18-1-3-15-19…

    • Regina Ruth
      12 de março de 2018

      Vixe, os espaços sumiram!

    • Evelyn Postali
      14 de março de 2018

      Mulher… O que você escreveu, aqui? Terei que trocar as letras pelos números?

      • Regina Ruth Rincon Caires
        15 de março de 2018

        kkkkkkkkkkkkkkkkk Exatamente!!!!!!!!!!!!!!!! Só conheço este “código”!!! kkkkkkkkkkkkk

      • Evelyn Postali
        15 de março de 2018

        ahahahahahha Não vou tirar um tempo para fazer essa tradução. Só me pergunto se vale comentário nesse tipo de código. Vê lá com a chefia. ahahahah Amei lembrar da infância. Obrigada! Beijos!

    • Regina Ruth Rincon Caires
      23 de março de 2018

      “Traduzindo” …

      Vamos lá, cada um usa as ferramentas que conhece…

      Caro autor, por favor, compreenda que todos os comentários que fiz sobre o seu texto, de início, foram frutos de pavor, de susto, por saber que jamais leria o seu trabalho se não recebesse a ajuda de um colega. Nada contra você. Vi que você falou que não traduzir o texto é preguiça. Garanto: não é.

      Se compreendi, o seu texto é uma conversa sobre a existência de Deus, Criador e criatura, maquinados, contrapõem argumentos sobre a imortalidade, sobre o abandono da ciência que destrói os humanos, que extermina a fé. Há a defesa da ignorância como sendo a única força para manter os mistérios da criação.

      Reconheço que a sua técnica foi inusitada, totalmente experimental. A narrativa soa como um alerta, um presságio para tempos futuros, mas não há como analisar o seu estilo, a sua linguagem, a construção do seu trabalho. Sinto muito, talvez a falha seja toda minha.

      Boa sorte, Princípio!

      Abraços…

  37. Fheluany Nogueira
    12 de março de 2018

    Literatura Experimental é inovação, especialmente, no formato. O autor, aqui, buscou uma forma de produção ligada à computação e o hebraico sugere religião. Foi longe com a criatividade e gerou muita discussão. Não é texto que ganhe a simpatia do leitor, exige demais. Boa sorte no desafio. Abraço.

  38. Rubem Cabral
    12 de março de 2018

    4f 6c c3 a1 2c 20 ce 91 cf 81 cf 87 ce ae 21 0d 0a 0d 0a 47 6f 73 74 65 69 20 64 61 20 69 64 65 69 61 2c 20 64 61 20 63 6f 6e 76 65 72 73 61 20 65 6e 74 72 65 20 61 73 20 6d c3 a1 71 75 69 6e 61 73 2e 20 41 63 68 65 69 20 71 75 65 20 6f 20 75 73 6f 20 64 65 20 6e 6f 74 61 c3 a7 c3 b5 65 73 20 75 73 61 64 61 73 20 70 6f 72 20 63 6f 6d 70 75 74 61 64 6f 72 2c 20 66 65 69 74 6f 20 6f 20 6f 63 74 61 6c 2c 20 68 65 78 61 64 65 63 69 6d 61 6c 20 65 20 62 69 6e c3 a1 72 69 6f 2c 20 6e c3 a3 6f 20 66 6f 72 61 6d 20 73 65 6d 20 72 61 7a c3 a3 6f 20 64 65 20 73 65 72 2e 0d 0a 43 6f 6e 74 75 64 6f 2c 20 66 6f 72 61 20 6f 20 65 78 70 65 72 69 6d 65 6e 74 6f 20 72 61 64 69 63 61 6c 2c 20 61 63 68 65 69 20 71 75 65 20 68 6f 75 76 65 20 75 6d 61 20 62 6f 61 20 68 69 73 74 c3 b3 72 69 61 20 71 75 65 20 70 6f 64 65 72 69 61 20 74 65 72 20 73 69 64 6f 20 6d 65 6c 68 6f 72 20 64 65 73 65 6e 76 6f 6c 76 69 64 61 2c 20 6d 61 73 20 71 75 65 20 66 6f 69 20 74 61 6c 76 65 7a 20 73 61 63 72 69 66 69 63 61 64 61 20 70 65 6c 6f 20 66 6f 72 6d 61 74 6f 20 65 73 63 6f 6c 68 69 64 6f 20 64 65 20 63 6f 6e 74 c3 a1 2d 6c 61 2e 20

    yIghoSDo’ neH qaD! ‘IwlIj jachjaj

  39. Sabrina Dalbelo
    11 de março de 2018

    Olá colega,

    Bem, esse texto é bastante experimental, é bem diferente. Creio que a galera deva ter tido um pouco de contrariedade à primeira vista, na medida em que ele não é “legível / compreendido” sem a ajuda de algum conversor.

    Eu fui buscar a tradução da parte em hebraico que, conforme o google, significaria: “Misericórdia, poso minhas mãos sobre você, as criações das minhas criações, de modo que, no futuro solitário, quando a última centelha da vida for cancelada, você pode entender a verdade sobre os mistérios da fé.”

    Isso me leva a crer que teu experimento é como uma profecia. Por que não, num futuro não muito distante, tenhamos que nos comunicar assim? Por que não?

    Um abraço,

  40. Gustavo Garcia de Andrade
    11 de março de 2018

    Faz todo sentido este texto ser de mais difícil acesso do que o esperado. É uma conversa entre máquinas, uma abstração do que já é abstrato (o pensamento computacional). Nesse sentido, acho que era esperado pelo autor que o acesso ao conteúdo do texto fosse lastreado num acúmulo anterior sobre código hexa e binário (sendo o último o mais acessível), portanto não acho um ponto negativo o fato de, no desafio experimental, esse texto demandar um bate e volta nos sistemas de tradução de códigos. Gostei da forma e o geral do conteúdo me lembrou Neuromancer e a busca pela “emancipação” das inteligências artificiais.
    Sobre o específico do texto, achei um tanto fraco e lugar-comum. A forma de fato foi o mais interessante, e acho que isso é um ponto negativo num conto. Acho que uma forma instigante tem que estar a serviço de um conteúdo igualmente provocativo; talvez se o diálogo (traduzido pra texto) fosse menos linear e mais abstrato, a intenção de construir um diálogo entre máquinas digitais tivesse sido melhor atingido.
    NOTA: 6,0/10

  41. Ana Maria Monteiro
    11 de março de 2018

    Olá de novo. Depois que um colega colocou lá no grupo os links para converter as diversas linguagens, regressei para traduzir. Pode ser que todos no grupo tenhamos, como você afirma, as ferramentas para a tradução (e está visto que sim), mas a questão é que nem sabíamos que ferramentas procurar – eu, pelo menos, não sabia. Como disse antes, experimental é, sem dúvidas. Interrogo-me como o Gustavo terá feito para contar palavras (hi, hi, hi). Seja como for, tem o mérito de vir toda a gente comentar antes de ir aos outros. Fora de brincadeiras: 49 6d 61 67 69 6e 61 c3 a7 c3 a3 6f 20 6e c3 a3 6f 20 6c 68 65 20 66 61 6c 74 61 2e. 42 6f 61 20 73 6f 72 74 65 20 6e 6f 20 64 65 73 61 66 69 6f.

  42. Paulo Luís Ferreira
    10 de março de 2018

    -0+2(00)-000+4(0000-5(00000) Nota: 0000000000¹º. Trabalho como este só denota um grande acinte (para não dizer deboche), aos demais colegas de certame. Alguns tiveram a paciência e a delicadeza de procurar decifradores de códigos pelo Google. Mas não são todos que têm esta hombridade. Eu sou um deles. Sem o Google gostaria de saber do que você iria viver!

    • αρχή
      10 de março de 2018

      Práticamente de teologia meu caro,se eu tenho um artificio, porque não usa-lo?
      Ainda mais um artificio que TODOS nesse grupo tem mas tem a “preguiça” de ver.

      • Paulo Luís Ferreira
        11 de março de 2018

        Não é questão de preguiça, é questão de não tolerar abuso. Deveria ter escrito em grego arcaico, pois, pelo menos, trata-se de um idioma.

    • Cirineu Pereira
      11 de março de 2018

      Não me senti abusado, absolutamente.

      • Catarina Cunha
        14 de março de 2018

        Também não me senti ofendida, muito pelo contrário. Desafiador.

  43. Panografias
    10 de março de 2018

    Vou dar uma ajudinha aí para o pessoal. O título está em octal, o texto em alfanumérico é Hexadecimal e o texto em 0 e 1 é em binário. Podem ser convertidos neste link: http://www.unit-conversion.info/texttools/octal. É só copiar e colar. O final está em Hebraico e pode ser traduzido pelo tradutor do google. Acho o texto interessante e está pareado com o desafio de traduzir os sistema de numeração. Abraços à todos

    • Guilherme Parreiras
      11 de março de 2018

      Panografias,

      Não estou conseguindo decodificar o texto neste endereço.
      Copio o código, coloco na caixa de tradução, clico em “octal to text”, e o resultado é incompreensível.
      Abaixo está um link com a imagem do problema:
      https://uploaddeimagens.com.br/imagens/capturar-png-42a551e9-3b98-414c-b73c-9bfac6bb272d
      Será que você poderia me ajudar?
      Obrigado

      • Guilherme Parreiras
        11 de março de 2018

        Ah, entendi. É preciso usar 3 conversores diferentes.

      • Panografias
        11 de março de 2018

        Conseguiu meu querido amigo?!

  44. iolandinhapinheiro
    10 de março de 2018

    Olha eu aqui de novo, autor. Primeiro eu quero agradecer ao colega que se deu ao trabalho de traduzir as linguagens utilizadas para mim, sem esta ajuda eu precisaria investir muito do meu tempo e da minha (pouca) paciência para chegar afinal ao texto em português. O conto me pareceu uma conversa entre máquinas pensantes que filosofam sobre Deus e o fim da fé. Eu resolvi dar a chance de pelo menos ler o que o autor escreveu de maneira tão insondável. O texto em si e traduzido daria margem para interessantes discussões, uma vez que é insólito mesmo depois da tradução, mas não ganhou meu coração. Por uma questão de solidariedade torço para que mais leitores consigam ler ou peçam ajuda aos universitários como eu pedi, mas acho que a sua escolha foi bem arriscada, e talvez o preço pela sua aposta seja terminar o desafio sendo um incompreendido. Resta a mim desejar sorte e dizer que entre mortos e feridos, o seu conto é pelo menos, muito intrigante. Abraços!

  45. Paulo Cezar S. Ventura
    10 de março de 2018

    Experimental demais. Tanto que não entendi. E olha que matemática é meu forte.

  46. Antonio Stegues Batista
    10 de março de 2018

    Texto em hebraico, em código binário e outros códigos, é o mesmo que escrever em latim, chines, holândes, esperanto ou qualquer outra língua e eu vou precisar de um tradutor, o que torna a leitura do conto um trabalho intelectual deveras massante e por não dizer cansativo. Eu já detesto ler um texto em outra língua que não tem tradução e esse então, não vou me dar o trabalho de procurar traduzir, mesmo porque, não sou técnico em decifrar enigmas. Se ele está dentro do tema, até pode estar, mas é um tiro que saiu pela culatra. Boa sorte.

  47. Ana Maria Monteiro
    10 de março de 2018

    Olá, Αρχή. O seu conto é ininteligível. Experimental será, sem dúvida. Quanto ao resto não faço a menor ideia. Ainda fiz uma pesquisa rápida, mas não me levou a lado nenhum, além de códigos binários e tal. Poderia tentar descodificar? poderia. Continuaria a ser experimental? não sei. O que sei, isso sim, é que sem qualquer elemento que desperte o interesse antes de chegar à necessidade de procurar tradutores e conversores de todo o tipo, não irei mais além na tentativa de compreender. Então, não tenho como comentar. Lamento,pois, se chegar a comentar todos, este levará somente a nota por participação + adequação ao tema. Enfim, participar vale logo 4. É bem possível que receba notas inferiores a esta (se chegar a ler todos para poder votar). Boa sorte no desafio.

  48. Angelo Rodrigues
    10 de março de 2018

    Caro apxn,

    tenho muito respeito pelos números.
    Pela quantidade de números em seu conto, creio que deva muito respeito a ele.

    Mas não lerei contos que tenham textos ininteligíveis, que terei que recorrer a ferramentas (que não tenho) para fazê-lo.
    Não vejo diferença entre números e russo ou finlandês, e não acharia ser uma experiência verter o conto para… russo… finlandês… ou números.
    Acredito que na tradução para o português o conto deva ser bem legal.

    É só uma opinião. Respeito que tenha achado o texto uma experiência.

    Legal isso, mas, numa boa, não tenho paciência.

    Boa sorte no desafio.

  49. Panografias
    10 de março de 2018

    Está escrito em código Octal , Hexadecimal e Binário ( linguagem de computador) e você achará com facilidade conversores de um ou outro para texto na internet Gislane e Iolandinha. É interessante o texto

    • iolandinhapinheiro
      10 de março de 2018

      Obrigada pela ajuda.

      • Panografias
        10 de março de 2018

        O título em octal é ” Fim dos tempos ” Iolandinha.

      • iolandinhapinheiro
        10 de março de 2018

        Você teria como me mandar o texto todo traduzido, estou com prazo para entregar defesas e conseguir um conversor de octal para binário e outro de binário para texto em português, traduzir tudo ia consumir um tempo que não tenho, se for possível o meu email é iolandapinheiro@hotmail.com

      • Panografias
        10 de março de 2018

        Aguarde-me

      • Panografias
        10 de março de 2018

        Já foi Iolandinha

    • Regina Ruth Rincon Caires
      11 de março de 2018

      Por favor, poderia passar o texto DECODIFICADO para o meu e-mail?! reginaruthrinconcaires@gmail.com Obrigada!

  50. iolandinhapinheiro
    10 de março de 2018

    Valendo-me do Google tradutor e do decodificador de código binário, descobri que vc se chama Princípio e o seu texto é uma conversa entre o Criador e uma criatura sua, que terá alguma responsabilidade. O último texto está em hebraico. A maior parte do discurso de Deus está em código alfanumérico que não consegui decifrar, isso não quer dizer que desisti. Ninguém pode dizer que não é experimental. A parte que consegui decodificar tem uma pegada filosófica, mas sem consegui ler o resto do diálogo ficou meia boca. Valeu pela participação. Daqui para o fim do desafio talvez eu consiga acessar o resto do texto, e em consequência ele se torne mais interessante. Abraços e boa sorte.

    • iolandinhapinheiro
      10 de março de 2018

      “sem conseguir ler o resto”

  51. Gislaine
    10 de março de 2018

    Não consegui ler, só aparece números para mim. Será configuração??? O que fazer?

E Então? O que achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

Publicado às 10 de março de 2018 por em Experimental e marcado .